Redação Pragmatismo
Compartilhar
Saúde 22/Jul/2014 às 12:45
33
Comentários

Mais Médicos, urgente!

Homem morre após ter atendimento negado em porta de hospital. Dois profissionais de saúde, um com as mãos no bolso, observaram a vítima agonizar e pedir ajuda e nada fizeram

segurança nelson frança hospital santo expedito
Segurança Nelson França morreu depois de pedir socorro e agonizar na porta do Hospital Santo Expedito (Pragmatismo Político)

Dois enfermeiros, um com as mãos no bolso, observam o segurança Nelson França agonizar. Estão em frente ao hospital onde trabalham. O Hospital e Maternidade Santo Expedito, em Itaquera, atende apenas clientela particular e convênios.

Os enfermeiros não agem, não socorrem. Nelson França irá morrer poucos minutos depois. Dentro de uma viatura de resgate, a caminho de um hospital público, segundo relato dos bombeiros, ou ali mesmo no local segundo a testemunha Daniela Gomes que, além de gravar em vídeo a inoperância dos funcionários, diz ter ouvido um médico tirar a pulsação da vítima e afirmar que já se encontrava em óbito ali na calçada.

Talvez a disposição da dupla fosse a de prestar socorro, mas sua paralisia indica que algo além de sua alçada a impedia. Seria a direção do hospital? Um terceiro enfermeiro, Leonardo B. Santos, se aproximou e ordenou que a dupla retornasse ao trabalho e abandonasse Nelson França ali.

A nota oficial diz:

A direção do Hospital Santo Expedito determinou abertura de sindicância para apuração do ocorrido e, caso seja apurada a responsabilidade de algum profissional, a diretoria do hospital não hesitará em punir com rigor os eventuais envolvidos, colocando-se à disposição das autoridades policiais e do respectivo Conselho de Enfermagem.

O Hospital Santo Expedito não corrobora de forma alguma com qualquer tipo de omissão de seus profissionais, visto que, em sua trajetória, nunca furtou-se em atender vítimas de acidente de trânsito, pessoas baleadas, pessoas em processo de infarto agudo do miocárdio e com acidente vascular cerebral (AVC), entre outras ocorrências, mesmo que desprovidas de convênio de assistência médica.

A diretoria do Hospital Santo Expedito sempre priorizou o atendimento à comunidade local, composta na sua grande maioria por pessoas menos favorecidas. Nesse caso, em particular, o senhor Nelson França foi irresponsavelmente abandonado pelo condutor da lotação que, caso tivesse adentrado ao pronto-socorro, distante 150 metros do local, este fato não teria acontecido.

O Hospital Santo Expedito está totalmente à disposição para eventuais esclarecimentos.

Atenciosamente,
Direção Hospital Santo Expedito

A nota deixa claro que irá responsabilizar os enfermeiros e médicos envolvidos (um comportamento semelhante ao da polícia militar que condena os que são pegos em flagrante ao atuarem de acordo com as diretrizes implícitas) e também o motorista da lotação, a distância entre a porta do hospital e o despejo da vítima… Santo expedito? De expedito não tem nada. Nelson França agonizou no chão por uma hora.

Há pouco mais de um mês, o fotógrafo Luiz Claudio Marigo, 63, morreu de forma semelhante no Rio de Janeiro. Marigo passou mal dentro de um ônibus, foi levado ao Instituto Nacional de Cardiologia e, adivinhem, não foi socorrido.

O que faz profissionais da saúde comportarem-se dessa maneira? O programa Mais Médicos é, desde sua criação, alvo de críticas virulentas acerca de sua intenção eleitoreira, de sua composição política, sua forma de pagamento, disso, daquilo. Alguém já parou para pensar que a necessidade de “mais médicos” é também na acepção do termo e não apenas em número de profissionais?

O que falta, são profissionais imbuídos da motivação primeira dessa área: salvar vidas. Assistir seres humanos. Estejam onde estiverem. E com ou sem dinheiro no bolso.

No entanto, o que vemos são instituições e médicos mercenários. A profissão ganhou fama de rentabilidade sabe-se lá em que ponto da história e hoje vemos a mercantilização da saúde através das grandes empresas de convênios, bairros nobres pinhados de consultórios e clínicas particulares mas nenhuma disposição para atuação na periferia.

É por esses e outros motivos que a ampliação do programa do governo federal se faz necessária. Seja com cubanos ou tibetanos, precisamos de mais médicos e mais amor, por favor. E rápido.

Mauro Donato, DCM

Recomendados para você

Comentários

  1. Thiago Teixeira Postado em 22/Jul/2014 às 12:54

    Estamos com um problema sério em nosso país, que é a centralização da saúde na figura do médico. As Enfermeiras padrão, Técnicos em Enfermagem, Anestesistas, Farmacêuticos entre outros profissionais da saúde tiveram, ao longo dos anos, suas participações nos atendimentos de emergência banidos. Só o médico pode colocar a mão, só o médico tem competência para atender. Hoje há inúmeros profissionais da saúde, competentes, sem emprego e nem sequer conseguem um estágio nos Hospitais. A Turma da minha esposa são compostas de 10 meninas, e quando estão no Hospital passam o dia com outras enfermeiras trocando lençol e fazendo bolinhas de algodão, e nem pensar em atender pacientes, ao menos um curativo.

    • Renato Postado em 24/Jul/2014 às 00:30

      Anestesiologia é uma especialidade médica, exercida por médico, não confunda as coisas.

  2. Zélia Postado em 22/Jul/2014 às 13:42

    Ta sertu... Agora tirem as mãos do bolso e vão lá no aeroporto de jaleco branco protestar contra a chegada dos médicos estrangeiros (povo não se lembra que não é só cubano que vem pra cá). Quero saber qual a desculpa agora... Porque quando começou o Mais Médicos falavam que não atendiam a população por falta de estrutura do governo, porque o governo não construía hospitais, porque o governo deixava os hospitais desequipados, porque o governo isso, porque o governo aquilo, sempre fazendo alusão ao governo do PT, sem lembrar que o governo federal não administra hospital estadual e municipal. E agora? Qual a razão pra um homem agonizar na frente de um hospital enquanto dois médicos ficam assistindo? Era um hospital particular, claro, beleza... Mas de um médico, com todo seu endeusamento, espera-se alguma ação, nem que fosse um socorro de urgência, nem que fosse no meio da rua, nem que fosse uma maca só pro cara não morrer no chão, nem que fosse um pingo de humanidade enquanto alguém chamasse a SAMU pra levar o homem a um hospital público. E o juramento que fazem quando terminam a faculdade? Não vale de nada, né? Uma ilusão romântica pra ficar bonito nas gravações da colação de grau. "Não permitirei que considerações de religião, nacionalidade, raça, partido político, ou POSIÇÃO SOCIAL se interponham entre o meu dever e o meu Doente. Guardarei RESPEITO ABSOLUTO PELA VIDA HUMANA desde o seu início, MESMO SOB AMEAÇA e não farei uso dos meus conhecimentos Médicos contra as leis da Humanidade. Faço estas promessas solenemente, livremente e sob a minha honra."

    • Marcela Postado em 22/Jul/2014 às 17:19

      Eles eram enfermeiros! Negligência igual, mas sem distorção ds fatos né! Leotura e interpretação pessoal

      • Zélia Postado em 23/Jul/2014 às 13:10

        Os enfermeiros foram os que tentaram socorrer, os médicos foram os que ficaram assistindo sem fazer nada. Mas tudo bem, pode dizer que é uma interpretação pessoal.

    • Cibele Postado em 22/Jul/2014 às 19:16

      Zélia, parabéns pelos seus argumentos, traduziu perfeitamente meus pensamentos. Fiquei com vergonha alheia desses médicos e aliviada por não fazer parte da família deles. Deus os ajude.

  3. jorge Postado em 22/Jul/2014 às 13:48

    Fala serio..vi os comentário,...,porque vôces não gritaram fizeram baixa assinado, quando a associação de médicos de são Paulo proibiu o mais medico nos grandes centros....sera que essa associação estava pensando em vôce ..logico que eles estavam pensando no bolso

  4. Rege Tigre Postado em 22/Jul/2014 às 14:31

    Podiam tentar fazer algo em caso de emergência não há por que negar atendimento, dane-se o conselho de classe e o CRM, COREM e o diabo a quatro, mas vale lembrar que não são todos assim!!!

  5. carlos gomes Postado em 22/Jul/2014 às 14:38

    MAIS MEDICOS??? PRA QUE SE RECUSARAM A ATENDE-LO ???

  6. Pereira Postado em 22/Jul/2014 às 14:45

    Novo programa do PT, o "mais jogadores" , agora importaremos jogadores de cuba para a seleção brasileira. É uma piada esses esquerdopatas

    • Vanderlei Postado em 22/Jul/2014 às 17:49

      Jogadores já temos aos milhares por aqui, se é que vc sabe disto. EITA GENTE SEM NOÇÃO - FALA SÉRIO!!!!!!!!!!!!!!!!

  7. Lucas Postado em 22/Jul/2014 às 14:46

    Médicos sendo médicos infelizmente isso que ocorreu !

    • Renato Postado em 22/Jul/2014 às 17:21

      Eram enfermeiros meu caro! Mínimo de leitura e interpretação, por favo

      • eu daqui Postado em 24/Jul/2014 às 09:25

        Não sei qual das duas categorias é a mais sádica.

  8. Pereira Postado em 22/Jul/2014 às 14:47

    "Só o médico pode colocar a mão, só o médico tem competência para atend". Meu Deus que ignorância, existe uma série de regulamentos da profissão de médico, entre eles é que só o médico diplomado pode fazer diagnósticos. Isso não é de competência de enfermeiros e técnicos. Tu é uma "abominação cognitiva" como diz a anta chauí.

    • Zélia Postado em 22/Jul/2014 às 17:16

      A critica é exatamente essa, o endeusamento dos médicos. Só eles tem a PERMISSÃO não a competência. Socorristas são capazes de prestar socorros emergenciais, assim como enfermeiros tem capacidade e instrução de prestar atendimento ATÉ CERTO PONTO. Nesse caso em questão, se tivesse sido permitido que os enfermeiros fizessem algo, já que os médicos não se despuseram a tal, talvez o segurança tivesse ganhado mais tempo para receber socorro necessário. Sim, claro, só os médicos podem diagnosticar, mas os enfermeiros poderiam ter feito uma massagem cardiovascular, ou mesmo terem melhor posicionado o homem de forma que aliviasse minimamente o que quer que ele pudesse estar sentido.

      • Maria Clara Postado em 22/Jul/2014 às 17:23

        Vc leu o texto? Pq pedir pra interpretar parece ser mto pra vc né?

      • Zélia Postado em 23/Jul/2014 às 13:14

        Esse comentário não foi referente ao texto, foi referente ao comentário do Pereira, que por sua vez falava do comentário do Thiago Teixeira ali em cima, como ele mesmo parafraseou. Não, pedir pra interpretar, PRA MIM, não é muito.

  9. Renato Postado em 22/Jul/2014 às 15:09

    Horas o hospital é particular, o mais médicos não funcionaria neste caso.

  10. Marcos Vinicius Postado em 22/Jul/2014 às 16:21

    Isso também!!

  11. Grande Mou Postado em 22/Jul/2014 às 17:37

    Agora estamos com uma saúde igual dos EUA ! Onde se morre na porta do hospital caso não tenha dinheiro.

    • Ricardo Postado em 23/Jul/2014 às 17:25

      Quem dera nossa saúde estivesse igual dos Estados Unidos, TODOS os índices de saúde deles são bem melhores que os nossos!

  12. Natalia Postado em 22/Jul/2014 às 18:25

    Isso não tem nada a ver com médicos ou hospitais públicos ou particulares, pra mim isso é falta de humanidade. Falta de compaixão pelo outro. Nós estamos vivendo um momento em que a vida humana está valendo muito pouco, uma inversão total de valores. Se fosse um cachorro agonizando alguém ia fazer alguma coisa.

    • alexandre Postado em 23/Jul/2014 às 11:59

      Sim claro, agora a culpa são dos cachorros...

  13. Deisi Postado em 22/Jul/2014 às 19:20

    Concordo contigo Natalia, o mundo padece da falta de compaixão, ninguém é capaz de se colocar nenhum um momento sequer no lugar do outro. Tenho passado por momentos muito complicados, a 8 meses sem ver meus filhos, a 800 km de casa, só eu meu esposo na cidade de Blumenau. Vivemos aqui na mais completa solidão, porque as pessoas aqui mal te respondem um cumprimento, muito menos fazer amigos. Digo a você que a pessoa humana não está valendo nada, ninguém mais se abala com nada. Muito menos sofrer ou derramar uma lagrima por alguém, não dá para acreditar que uma pessoa morre em frente um hospital e ninguém é capaz de tomar uma atitude.

  14. poliana Postado em 22/Jul/2014 às 20:03

    é realmente muito triste ver essas notícias, ver a q ponto chegamos! o ser humano n vale nada, senão o dinheiro q tem! os enfermeiros negaram atendimento a um ser humano q estava agonizando na porta do hospital pq lá só atendia quem tinha plano de saúde ou particular. em nenhum momento eles pensaram na vida humana!? em nenhum momento eles pensaram q depois do atendimento o senhor e a família poderiam pagar pelo serviço?! mas não, antes de mais nada, o q importa é o dinheiro. se tem, ótimo, vamos atendê-lo, se n tem, morra agonizando na porta do hospital q manterei meus braços cruzados! é realmente lamentável gente! é muito triste ler notícias como essas. fikei estarrecida com a frieza dessas pessoas sabendo q o senhor estava agonizando NA PORTA DO HOSPITAL e ficaram ali de braços cruzados!!!! meu deus!!!

  15. Alexandre Postado em 22/Jul/2014 às 23:48

    No Brasil os hospitais são obrigados a atender emergências, não importa se é privado ou não, no caso dos privados depois que a pessoa estiver fora de risco de morte, ela será transferida para um hospital público, na periferia muitas pessoas sabem disso, e no caos que são os hospitais públicos muitas preferem tentar os privados, esse hospital fica em Itaquera periferia de SP, no mínimo deve receber muitos casos emergenciais, não me surpreende que essa relutância tem a ver com custos e alta demanda, morei na periferia e tem um hospital privado muitas pessoas acabava ido lá, já que o hospital público estadual mais próximo é considerado um matadouro, não deixa de ser desumano.

  16. marco Postado em 23/Jul/2014 às 08:50

    Esse comércio hospitalar tem que ser responsabilizados, não existe nenhuma desculpa ou argumento para alguém desse "Hospital" (médicos e gestores) permitisse a morte de um cidadão, trabalhador, pagador de imposto e chefe de família morresse agonizando no CHÃO sem receber o mínimo de atendimento humano. (nem os cães de rua estão sujeitos a essa situação). Espero que os MP (estadual ou federal) e principalmente os conselhos de medicina tome providencias não somente para punir mas também para que isso nunca mais aconteça.

    • poliana Postado em 23/Jul/2014 às 09:46

      não se iluda marco, n vai dar em nada. mais uma vida q se foi, estupidamente, e passará em vão..no máximo será apenas mais uma estatística!

      • eu daqui Postado em 24/Jul/2014 às 09:27

        Esse é mais um problema: a impunidade geral, não só dos maus profissionais da saúde.

  17. Thiago Teixeira Postado em 23/Jul/2014 às 11:05

    Ontem o Jornal da Noite estava ridículo, jogaram a culpa dos problemas da Santa Casa de SP tudo no colo da Dilma, e no final, o babaca do Waak disse que a "secretaria de saúde de SP estará enviando materiais hospitalares". Tipo, graças a deus que temos o PSDB, a salvação do nosso país.

    • Adalberto Postado em 23/Jul/2014 às 11:40

      Eu vi a materia, só nao vi a parte que responsabilizava a Dilma

  18. Ramon Postado em 24/Jul/2014 às 08:34

    Houve, pelo que diz a reportagem, omissão de socorro por parte dos enfermeiros e o autor fala que médicos são mercenários!!!