Redação Pragmatismo
Compartilhar
Palestina 12/Jul/2014 às 13:54
6
Comentários

Israel promove novo genocídio em Gaza

Mirar em civis é “crime de guerra”, diz Human Rights Watch. Mortos chegam a 120 em Gaza. Para pesquisador, ofensiva de Israel viola leis internacionais. 75% das vítimas são civis

israel gaza palestina
Garota palestina anda em meio a destroços de uma mesquista no campo de refugiados de Al Nusairat, no centro de Gaza (Efe)

Um representante da organização internacional Human Rights Watch condenou neste sábado (12/07) a condução da ofensiva militar israelense contra a Faixa de Gaza. Para Bill Van Esveld, pesquisador da entidade sobre o conflito árabe-israelense, ataques intencionais contra a população palestina poderiam ser classificados como “crime de guerra”, pois violam a legislação internacional ao não resguardar a vida dos civis habitantes da região.

“Segundo as leis de guerra, às quais Israel, como qualquer outra força militar, está sujeito, você não pode atirar primeiro e perguntar depois. É preciso ter certeza que você está tentando atingir o alvo legítimo. Quando há qualquer dúvida sobre a existência de civis no local, você deve abortar o disparo”, afirmou Van Esveld ao veículo RT.

Veja também: Saiba como Israel se vinga de crianças que atiram pedras

Neste quinto dia da chamada Operação Margem Protetora, ou “Penhasco Sólido”, o número de mortos em Gaza chegou a 120 pessoas, segundo informam fontes de saúde palestinas. Deste total, pelo menos 75% são civis — 40% de crianças e mulheres —, afirmou Ashraf Al Kidra, ministro da Saúde em Gaza, à emissora norte-americana NBC. Feridos passam dos 900. Do outro lado, mais de 500 projéteis foram disparados da Faixa de Gaza contra o território israelense, mas até o momento não há notícias de cidadãos israelenses mortos.

Anistia Internacional

Outra entidade humanitária, a Anistia Internacional, pediu “com urgência” para que a ONU (Organização das Nações Unidas) conduza uma missão internacional e independente que investigue eventuais crimes de guerra na operação militar israelense. “A comunidade internacional não deve repetir os mesmos erros do passado, ao esperar e assistir às consequências devastadoras para civis dos dois lados”, afirmou Philip Luther, um dos diretores da entidade.

A legalidade da operação militar já está sendo questionada pela ONU. Conforme explicou ontem Navi Pillay, chefe do Alto Comissário para Direitos Humanos da ONU, sob as leis internacionais, Israel deve garantir que seus ataques sejam proporcionais, evitem vítimas civis e identifiquem alvos militares e civis no solo.

Na madrugada de hoje, três palestinos morreram e cinco ficaram feridos após um bombardeio israelense atingir um grupo de pessoas nas imediações de uma mesquita. Momentos antes, conforme informou o ministro da Saúde, um centro para pessoas com deficiência foi atacado por mísseis, deixando duas vítimas e cinco feridos.

israel gaza palestina guerra
No quinto dia da ofensiva militar, artilharia israelense posicionada na fronteira dispara contra Gaza (Efe)

O governo israelense tem sofrido pressão de diversos líderes da comunidade internacional para chegar a uma saída negociada para o conflito que restabeleça os termos do cessar-fogo. Entretanto, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu se recusou a descartar a possibilidade de uma invasão terrestre do território — agravamento que não acontece na região desde 2009.

Escalada de violência

A escalada de violência israelense ocorreu após a morte de três adolescentes israelenses na Cisjordânia no final de junho. Como “vingança”, um jovem palestino foi queimado vivo e assassinado em Jerusalém.

Logo após a descoberta dos corpos dos três jovens, Israel iniciou uma ofensiva contra o Hamas. Aviões de guerra passaram a bombardear Gaza destruindo casas e instituições e foram realizadas execuções extrajudiciais. Até agora, quase 600 palestinos foram sequestrados e presos.

A tensão aumentou na região após anúncio, no começo de junho, do fim da cisão entre o Fatah e o Hamas, que controlam a Cisjordânia e a Faixa de Gaza, respectivamente. Israel considera o Hamas um grupo terrorista e por isso suspendeu as conversas de paz que vinham sendo desenvolvidas com os palestinos com a mediação do secretário de Estado norte-americano, John Kerry.

Opera Mundi

Recomendados para você

Comentários

  1. Thiago Teixeira Postado em 12/Jul/2014 às 15:08

    Bando de bacaba, otários, isso contando com todos os governantes israelitas que já representaram o país destilando a mais profunda miséria diplomática. Estes conflitos só vão parar o dia que Israel desejar.

    • Elias Postado em 13/Jul/2014 às 19:56

      A questão é histórica, Israel venceu todos os vizinhos para ter o direito de existir a Palestina não os reconhece então guerra é o que resta.

      • Nina Postado em 15/Jul/2014 às 21:45

        Não é uma questão de meritocracia, Elias. Não somos rinocerontes para conquistar território na base da luta. No começo, tiveram palestinos que até ajudaram os refugiados judeus. Só que estão por intermédio dos EUA eles conquistaram e consolidaram um Estado e, ainda com ajuda estadunidense (o que faz com que eles não mereçam, no sentido que você apontou, por ser uma disputa desequilibrada, com muita mais açao dos EUA do que dos sionistas), começaram com um projeto (projeto, por sinal, muito mais prático do que teórico e planejado) expansionista. E então que começou o problema diplomático, o massacre e a opressão. Guerra não é o que resta. Este conflito envolve pessoas. Milhares de pessoas que tem a vida controlada por uma minoria que está pouco se fodendo para eles. A questão não é simplista assim do modo que você colocou. Sugiro que você pesquise um pouco sobre política e diplomacia internacional para fundamentar mais seu ponto de vista e enxergar na totalidade a complexidade das relações internacionais, principalmente quando envolvem religião.

  2. Denisbaldo Postado em 12/Jul/2014 às 19:49

    O extermínio Palestino é questão de tempo. É só comparar os territórios acordados no passado e o que restou hoje em dia aos Palestinos. Israel e EUA não perdem tempo, enquanto todos gritam gol eles gritam WAR!!!!

  3. Rogério Postado em 12/Jul/2014 às 21:20

    "Israel e EUA não perdem tempo, enquanto todos gritam gol eles gritam WAR!!!!" Denisbaldo, vc disse tudo! E esse conflito ainda vai longe...

  4. Gabriel Postado em 13/Jul/2014 às 00:17

    Tudo por causa de quê? Religião!