Redação Pragmatismo
Compartilhar
Desigualdade Social 18/Jul/2014 às 16:33
80
Comentários

A culpa por você ser pobre é totalmente sua

Leonardo Sakamoto

A frase acima raramente traduz a verdade. Mas é o que muita gente quer que você acredite.

Aí a gente liga a TV de manhã para acompanhar os telejornais por conta do ofício e já se depara com histórias inspiradoras de pessoas que não ficaram esperando o Maná cair do céu e foram à luta. Pois a educação é a saída, o que concordo. E está ao alcance de todos – o que é uma besteira. E as cotas por cor de pele, que foram fundamentais para o personagem retratado na reportagem alcançar seu espaço e mudar sua história, nem bem são citadas.

Pra quê? No Brasil, não temos racismo, não é mesmo? Até porque o negro não existe. É uma construção social…

Quando resgato a história do Joãozinho, os meus leitores doutrinados para acreditar em tudo o que vêem na TV ficam loucos. Joãozinho, aquele self-made man, que é o exemplo de que professores e alunos podem vencer e, com esforço individual, apesar de toda adversidade, “ser alguém na vida”.

(Sobe música triste ao fundo ao som de violinos.)

Joãozinho comia biscoitos de lama com insetos, tomava banho em rios fétidos e vendia ossos de zebu para sobreviver. Quando pequeno, brincava de esconde-esconde nas carcaças de zebus mortos por falta de brinquedos. Mas não ficou esperando o Estado, nem seus professores lhe ajudarem e, por conta, própria, lutou, lutou, lutou (contando com a ajuda de um mecenas da iniciativa privada, que lhe ensinou a fazer lápis a partir de carvão das árvores queimadas da Amazônia), andando 73,5 quilômetros todos os dias para pegar o ônibus da escola e usando folhas de bananeira como caderno. Hoje é presidente de uma multinacional.

(Violinos são substituídos por orquestra em êxtase.)

Ao ouvir um caso assim, não dá vontade de cantar: Sou brasileiro, com muito orgulho, com muito amoooooooor?

Já participei de comissões julgadoras de prêmios de jornalismo e posso dizer que esse tipo de história faz a alegria de muitos jurados. Afinal, esse é o brasileiro que muitos querem. Ou, melhor: é como muitos querem que seja o brasileiro.

Enfim, a moral da história é:

“Se não consegue ser como Joãozinho e vencer por conta própria sem depender de uma escola de qualidade, com professores bem capacitados, remunerados e respeitados, e de um contexto social e econômico que te dê tranquilidade para estudar, você é um verme nojento que merece nosso desprezo. A propósito, morra!”

Uma vez, recebi reclamações da turma ligada a ações como “Amigos do Joãozinho”. Sabe, o pessoal cheio de boa vontade genuína e sincera, mas que acredita que o problema da escola é que falta gente para pintar as paredes. Um deles me disse que acreditava na “força interior” de cada um para superar as suas adversidades. E que histórias de superação são exemplos a serem seguidos.

Críticas anotadas e encaminhadas ao bispo, que me lembrou de que eu iria para o inferno – se o inferno existisse, é claro.

O Brasil está conseguindo universalizar o seu ensino fundamental, mas isso não está vindo acompanhado de um aumento rápido na qualidade da educação. Mesmo que os dados para a evolução dos primeiros anos de estudo estejam além do que o governo esperava no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), grande parte dos jovens de escolas públicas têm entrado no ensino médio sabendo apenas ordenar e reconhecer letras, mas não redigir e interpretar textos.

Enquanto isso, o magistério no Brasil continua sendo tratado como profissão de segunda categoria. Todo mundo adora arrotar que professor precisa ser reconhecido, mas adora chamar de vagabundo quando eles entram em greve para garantir esse direito.

Ai, como eu detesto aquele papinho-aranha de que é possível uma boa educação com poucos recursos, usando apenas a imaginação. Aulas tipo MacGyver, sabe? “Agora eu pego essa ripa de madeira de demolição, junto com esses potinhos de Yakult usados, coloco esses dois pregadores de roupa, mais essa corda de sisal… Pronto! Eis um laboratório para o ensino de química para o ensino médio!”

É possível ter boas aula sem estrutura? Claro. Há professores que viajam o mundo com seus alunos embaixo da copa de uma mangueira, com uma lousa e pouco giz. Por vezes, isso faz parte do processo pedagógico. Em outras, contudo, é o que foi possível. Nesse caso, transformar o jeitinho provisório em padrão consolidado é o ó do borogodó.

Pois, como sempre é bom lembrar, quem gosta da estética da miséria é intelectual, porque são preferíveis escolas que contem com um mínimo de estrutura. Para conectar o aluno ao conhecimento. Para guiá-lo além dos limites de sua comunidade.

“Ah, mas Sakamoto, seu chato! Eu achei linda a história da Ritinha, do Povoado To Decastigo, que passa a madrugada encadernando sacos de papel de pão e apontando lascas de carvão, que servirão de lápis, para seus alunos da manhã seguinte. Ela sozinha dá aula para 176 pessoas de uma vez só, do primeiro ao nono ano, e perdeu peso porque passa seu almoço para o Joãozinho, um dos alunos mais necessitados. Ritinha, deu um depoimento emocionante ao Globo Repórter, dia desses, dizendo que, apesar da parca luz de candeeiro de óleo de rato estar acabando com sua visão, ela romperá quantas madrugadas for necessário porque acredita que cada um deve fazer sua parte.”

Ritinha simboliza a construção de um discurso que joga nas costas do professor a responsabilidade pelo sucesso ou o fracasso das políticas públicas de educação. Esqueçam o desvio do orçamento da educação para pagamento de juros da dívida, esqueçam a incapacidade administrativa e gerencial, o sucateamento e a falta de formação dos profissionais, os salários vergonhosamente pequenos e planos de carreira risíveis, a ausência de infraestrutura, de material didático, de merenda decente, de segurança para se trabalhar.

Joãozinho e Ritinha são alfa e ômega, a responsável por tudo. Pois, como todos sabemos, o Estado não deveria ter responsabilidade na vida dos cidadãos.

Vocês acham sinceramente que “a pessoa é pobre porque não estudou ou trabalhou”?

Acham que basta trabalhar e estudar para ter uma boa vida e que um emprego decente e uma educação de qualidade é alcançável a todos e todas desde o berço?

E que todas as pessoas ricas e de posses conquistaram o que têm de forma honesta?

Acham que todas as leis foram criadas para garantir Justiça e que só temos um problema de aplicação?

Não se perguntam quem fez as leis, o porquê de terem sido feitas ou questiona quem as aplica?

Como já disse aqui, uma das principais funções da escola deveria ser produzir pessoas pensantes e contestadoras que podem colocar em risco a própria estrutura política e econômica montada para que tudo funcione do jeito em que está. Educar pode significar libertar ou enquadrar – inclusive libertar para subverter.

Que tipo de educação estamos oferecendo?

Que tipo de educação precisamos ter?

Uma educação de baixa qualidade, insuficiente às características de cada lugar, que passa longe das demandas profissionalizantes e com professores mal tratados pode mudar a vida de um povo?

O Joãozinho e a Ritinha acham que sim. Mas eu duvido.

Recomendados para você

Comentários

  1. Pereira Postado em 18/Jul/2014 às 17:06

    "Pra quê? No Brasil, não temos racismo, não é mesmo? Até porque o negro não existe. É uma construção social…" Ué, depende pode ser ! a ilustre comunista jararaca pedófila simone de bouveir não colocou na cabeça das feministas que ser mulher é só uma questão social ? Que não há diferenças biológicas entre homens e mulhers ?

    • Pereira Postado em 18/Jul/2014 às 17:07

      Segundo essa lógica torta de bouveir, ser negro pode ser só uma "questão social".

      • poliana Postado em 18/Jul/2014 às 19:09

        qdo eu penso q nada mais me choca vindo de vc pereira, vc solta mais uma pérola!!! cara, tu já tá virando lenda aki no pp!!!!

      • Lilian Ribeiro Postado em 19/Jul/2014 às 20:01

        Quem é Simone Bouveir?? Por acaso seria Simone Beauvoir, Pereira?? A sua conclusão de raciocínio sobre a correlação feita por ti no comentário acima só denota a supérflua e falha educação brasileira. Temos que mudar urgentemente!!! Volte a ter aulas de história e interpretação de texto. Pelo amor hem, Pereira!! Logo vc que se coloca como parte da classe de "direita inteligente".

      • Stalin fidel tung Postado em 19/Jul/2014 às 21:23

        eu adoro as perolas do pereira, é melhor que danilo gentili ensinado história!

      • Nathália de Ávila Postado em 20/Jul/2014 às 14:48

        o nome é Beauvoir, e você está confundindo sexo com gênero. recomendo uma leitura mais cuidadosa.

      • Pereirense Postado em 26/Jul/2014 às 23:26

        Velho, acho que o pereira comenta os posts por pura brincadeira mesmo. Não e pérola, é diamante !

      • Luiz Postado em 04/Sep/2014 às 12:35

        Pereira é rockstar aqui no PP. A galera sempre fica esperando o comentario hahahahaha

    • Rose Postado em 19/Jul/2014 às 21:06

      Imbecilidade contagia? Entao, me afato de pessoas assim, enquanto sou saudavel

    • Dandi Postado em 20/Jul/2014 às 21:53

      Pereira por favor não se reproduza, por favor.

    • Paula Flores Postado em 20/Jul/2014 às 23:01

      Não. Simone de Beauvoir NUNCA disse que não há diferença biológica entre homem e mulher. Ela afirma que o gênero é uma construção social. Agora se tu acha que gênero e sexo biológico é a mesma coisa, só lamento pela tua ignorância fétida.

    • Mari Postado em 21/Jul/2014 às 03:39

      Mas em que lugar você leu isso, for the love of god? Por que todo esse ódio, esse desprezo enraizado em relação ao feminismo? E nada de "pode ser". Reconstrua seus valores, Pereira.

    • eu daqui Postado em 21/Jul/2014 às 11:37

      Dona Simone estava então falando de genero e não de sexo, oh inteligencia masculina.

  2. Pereira Postado em 18/Jul/2014 às 17:10

    "Que tipo de educação estamos oferecendo?" Uma das piores dos mundo. E as universidades são fábricas de analfabetos funcionais esquerdistas que ao invés de ficar com a cabeça lotada de "fucô!!" ou cocô deveriam ler Eric voeglin por exemplo.

    • Thiago Teixeira Postado em 18/Jul/2014 às 17:43

      Esquerdistas em Universidades??? Cite quais? Pois na minha 95% dos alunos eram da Elite Branca e consequentemente tucanos. Pelo menos no meu tempo. Se o parâmetro mudou tanto assim, foi um avanço.

      • Mariane Oliveira Postado em 18/Jul/2014 às 19:30

        Não mudou nada ainda, na minha faculdade (Que por sinal é Pública) a maioria é desse mesmo jeito que você descreveu. Esse Pereira deve viver em outro país,pq no Brasil não é.

      • Lucas Postado em 19/Jul/2014 às 18:07

        1x0 para você! A melhor rebatida do dia!

      • Pereira Postado em 21/Jul/2014 às 10:12

        Na usp e na unicamp são todos de direita ... sei !!! heheh . Quando vocês vão aprender que o PSDB é esquerda ?

      • Jonas Postado em 22/Jul/2014 às 00:22

        segundo seu raciocinio Pereira, ou voce tem faculdade e eh um analfabeto funcional esquerdista que nao leu Eric Voeglin, ou voce eh um membro da direita (pseudo) intelectual que sequer tem nivel superior. qual seria verdadeiro? os dois parecem auto-excludentes para mim.

      • Andresa Postado em 11/Aug/2014 às 03:25

        "Elite Branca" é justamente a descrição de toda a esquerda. Nunca vi um negrinho pobre ser de esquerda. E olha que tem muito negrinho pobre na minha família!

    • Gustavo Postado em 20/Jul/2014 às 08:45

      To achando engraçado, Pereira, como o pessoal só diz que você está errado, mas não produz um argumento que refute o que você disse.

      • Bruno Postado em 21/Jul/2014 às 14:02

        Thiago Teixeira Postado em 18/Jul/2014 às 17:43 Esquerdistas em Universidades??? Cite quais? Pois na minha 95% dos alunos eram da Elite Branca e consequentemente tucanos. Pelo menos no meu tempo. Se o parâmetro mudou tanto assim, foi um avanço.

    • Igor Postado em 21/Jul/2014 às 13:57

      Esse cara é só um troll, não deem atenção, é isso o que ele quer com essas opiniões desembasadas e frouxas.

  3. Deisi Postado em 18/Jul/2014 às 17:30

    Sakamato, você é genial, texto maravilhoso, me fez pensar, concordo contigo, sou tua fã e admiradora.

    • Andresa Postado em 11/Aug/2014 às 03:26

      Ah, obrigada por avisar que o texto é do Sakamoto. Eu boba li sem ver o nome do autor e ainda escrevi um comentário com a minha experiência pessoal. Se tivesse visto antes que era dele, nem teria me incomodado em ler. Vou prestar mais atenção de agora em diante.

  4. Ela mesma Postado em 18/Jul/2014 às 17:39

    Esse Pereira só fala merda. Passa o dia comentando os artigos daqui e não tem um que salve! Pelamadrugada!

    • Rose Postado em 19/Jul/2014 às 21:07

      Falta mulher kkkkkkk

      • eu daqui Postado em 21/Jul/2014 às 11:38

        Ou falta homem mesmo..........

  5. Rodrigo Postado em 18/Jul/2014 às 18:02

    (Outro Rodrigo) Não é totalmente e não o será sempre, devendo ser evitada a generalização e observadas as nuances de cada caso. Mas, de outro lado, vale a pena ler o texto que segue, quanto ao peso que nossas escolhas e esforço pessoal têm (http://blogs.pme.estadao.com.br/blog-do-empreendedor/pare-de-reclamar-a-frase-que-fez-uma-empresa-valer-us-33-bi/): "Pare de reclamar! A frase que fez uma empresa valer US$ 3,3 bi 18 de julho de 2014 Marcelo Nakagawa é professor de empreendedorismo do Insper A situação é sempre a mesma. Você pega o elevador rumo ao subsolo onde está seu carro. Mas passando pelo piso térreo, o elevador para e abre as portas. Um rosto meio sem graça aparece e pergunta: “Ah… tá descendo, né?”. Você solta um grunhido parecido com o que os seus olhos já tinham respondido. Por que há tantas pessoas que apertam o botão “descer” quando, na verdade, querem subir? E por que continuam fazendo isso? Como chamar uma pessoa que faz a mesma coisa esperando resultado diferente? E isso não é valido apenas para os elevadores, mas também para suas trajetórias de vida. Quantas pessoas querem pegar o elevador do estudo? Quando Thai Nghia chegou no Brasil em 1979, fugido do seu país, ele tinha ficado a deriva no oceano e havia sido regatado por um navio da Petrobrás. Thai não falava português e ainda não havia dicionário Vietnamita-Português para ele sequer se comunicar. A primeira coisa que decidiu fazer foi criar o tal dicionário já que talvez outra pessoa precisasse mais do que ele. Aprendeu a língua portuguesa sozinho e cinco anos depois já tinha ingressado na USP e trabalhava em um importante banco brasileiro. Nesta época, emprestou dinheiro para um amigo fabricar bolsas e ele não conseguiu pagar o dinheiro devido. Para reavê-lo, Thai passou a vender as bolsas durante o dia, trabalhando no banco à noite. Ganhava mais dinheiro com as bolsas e decidiu abrir um negócio. Chamou a empresa de Yepp e depois mudou para Góoc, uma das marcas brasileiras pioneiras a tratar a sustentabilidade com seriedade e convicção. Quantas pessoas estão esperando o elevador da perda de peso? Em 1961, a dona de casa Jean Nidetch tinha 38 anos, media 1,75 metro e pesava quase 97 quilos. Então, ela notou que não somente ela, mas todos a sua volta estavam obesos. Jean começou um regime e algumas semanas depois reuniu seis amigas “gordas” para anunciar que ela tinha perdido 18 quilos. E as desafiou a seguir seu programa de regime. O grupo começou a se reunir periodicamente para relatar os avanços e em poucos meses todas perderam peso. A própria Jean atingiu 64 quilos um ano depois. Percebendo que tinha uma grande oportunidade de negócio, fundou a Vigilantes do Peso, uma empresa que vale US$ 3,3 bilhões atualmente, com ações negociadas na Bolsa de Nova York. Quantas pessoas aguardam o elevador do emprego melhor? Após diversas tentativas, Walter Elias, desistiu de encontrar o emprego dos seus sonhos. As empresas achavam que ele não tinha talento suficiente e não tinha potencial para avançar na carreira. Cansado, ele se juntou a um amigo e criou uma empresa para explorar seu dom artístico. Só um detalhe, o sobrenome de Walter era Disney e o resto da história você conhece. Quantas pessoas ficam apertando o botão “reclamar” para chamar o elevador de um mundo melhor? O alemão Peter Eigen parou de reclamar em 1993, quando co-fundou a ONG Transparência Internacional, que monitora e divulga o nível de corrupção nos países. Agora, outros reclamam por ele. Graças ao ranking da corrupção mundial da Transparência, em 2013, as populações da Dinamarca e Nova Zelândia, países menos corruptos do mundo, podem reclamar das razões de suas nações terem tirado nota 9,1 e não 10. E no Brasil, a população nem sabe que a nota do País foi 4,2… Há outros milhões de botões que estão sendo apertados neste momento. Mas enquanto estas pessoas continuarem apertando o botão “descer”, continuarão onde estão. Quer subir na vida mas o elevador está demorando? Vá de escada!" P.S.: novamente, evitemos a generalização e analisemos as nuances de cada caso - muitas das vezes, claro, a pessoa precisará de uma ajuda, após devendo buscar caminhar com as próprias pernas.

    • poliana Postado em 18/Jul/2014 às 19:14

      "outro rodrigo", aceito o texto q vc reproduziu aki, só pq ao final vc deixou claro: "P.S.: novamente, evitemos a generalização e analisemos as nuances de cada caso - muitas das vezes, claro, a pessoa precisará de uma ajuda, após devendo buscar caminhar com as próprias pernas". a realidade do brasil, de fato, é totalmente diferente da realidade americana e européia. mas valeu apena ler seu texto, e, mais ainda, a obs. q vc fez ao final. ok!

      • Rodrigo Postado em 18/Jul/2014 às 19:52

        (Outro Rodrigo) Obrigado e parabéns pela educação, Poliana.

    • Cesinha Ribeiro Postado em 20/Jul/2014 às 16:43

      Outro Rodrigo, transcrevo aqui a minha opinião que deixei na página do Estadão PME e em seguida faço um complemento, não sei se a moderação deixará passar: "Como alguém não pensou nisto antes?!! Está aí a solução para todos os problemas do planeta!! O problema do Brasil e dos países da África, por exemplo, é que a galera só quer reclamar, né?!! Poxa, eu deveria ter sido craque do futebol, hoje estaria rico!! Mas fiquei só reclamando… Mesmo sendo formado em direito e pós-graduado… O texto serve apenas para tirar o fardo das costas dos gestores pilantras, que tiram as oportunidades, o futuro e a dignidade do cidadão, e empurrar o peso exclusivamente para o indivíduo, dando a ideia que a mobilidade social é uma realidade ao alcance que quem quiser. Manipulação pura!!!". Fica fácil pegar algumas pessoas iluminadas com um determinado talento nato e dizer que as demais podem progredir da mesma forma. Se todos tivessem tal capacidade não haveria dinheiro suficiente para dividir entre si!! Chega a ser cruel colocar desta forma, pois muitas pessoas se matam de estudar, se esforçam no trabalho e muitas vezes não são reconhecidas em detrimento de outro que tem um "peixe" ou não alcançam o almejado em razão da grande concorrência, e qdo alcançam não são remuneradas dignamente, o que é um grande fator de desânimo. A nossa história foi forjada na exploração de quem tem apenas a força de trabalho, seja ela física ou intelectual, como forma de sobrevivência e ainda não passamos para uma fase histórica mais justa, continuamos patinando na colonização...

      • Rodrigo Postado em 21/Jul/2014 às 15:35

        (Outro Rodrigo) Cesinha, ao final fiz ressalva, bem observada por Poliana, mas desenvolvo-a: não generalizei. Muitos precisam de auxílio nos primeiros passos (aliás, todos nós, a exemplo do que fazem os pais, desde a infância), ou ainda o dirigem aos seus descendentes, entendendo ser melhor investir o auxílio em seus filhos, posto que em formação/desenvolvimento, mas deve haver a contrapartida individual, após havendo a possibilidade de trilhar o caminho autonomamente. Como bem pontuou João, mais abaixo, nas mais diversas faixas de renda há um exemplo, podendo ainda ser citado aquele entre irmãos: fora de hipóteses de ato ilícito de irmãos ou genitores, ou limitação física/mental, há aqueles a se esforçarem mais que outros. E seguem três casos recentemente divulgados: 1- ex-flanelinha, hoje juiz, preparando-se para doutorado (http://www.nacaojuridica.com.br/2014/07/ex-flanelinha-juiz-do-df-se-prepara.html); 2- flanelinha aprovado na UNB, após 28 anos sem estudar, que foi atrás e deu valor à bolsa recebida em cursinho, estudando (http://noticias.r7.com/distrito-federal/depois-de-28-anos-sem-estudar-flanelinha-do-df-passa-no-vestibular-da-unb-16072014); 3- estudante de medicina que se valeu de livros descartados e doações, para se formar (http://www.hc.ufpr.br/?q=content/homem-se-forma-em-medicina-com-ajuda-de-livros-achados-no-lixo-e-doacoes); 4- motorista que usou dinheiro da rescisão trabalhista para inovar, tendo muito sucesso, gerando emprego e renda (http://noticias.band.uol.com.br/o-que-da-certo/episodio/14767090/ex-motorista-vira-empresario-apos-criar-chinelos-quadrados.html). Em todos os casos, seria inócua a ajuda sem a contrapartida individual do que a recebeu. Não reduzamos, pois, o argumento ao absurdo – não é uma indireta – (v.g, "se nasci sem nenhum de meus membros e quero ser triatleta, beleza! Querer é poder e é fácil!"), eu reiterando os destaques e ressalvas feitas, equivalendo a importância de auxílio/fomento ao esforço individual em mesmo sentido, dentro, claro, do razoável, do lógico-racional.

  6. silva Postado em 18/Jul/2014 às 18:25

    Ai vem o Rodrigo, com um texto maior que o do Sakamoto, meu deus cada dia que passa, supera o limite da arrogância e prepotência. não me animo em ler, me dá uma preguiça, principalmente conhecendo seu perfil, de direitista conservador.

    • Rodrigo Postado em 18/Jul/2014 às 18:33

      (Outro Rodrigo) Desculpe por transcrever um texto alheio, que julguei interessante. Não foi meu intuito contrariar quem prefere poucas linhas (argumentos, realmente, reclamam mais linhas que ofensas). Guarde suas ofensas para si e abra ao mundo seus argumentos, mudando, pois, a postura ora externada.

    • Rodrigo Postado em 18/Jul/2014 às 18:47

      (Outro Rodrigo) E apenas para afastar seu pré-conceito, seu prejulgamento, informo que não sou "de direita", muito menos "conservador" (ainda que o fosse, deve ser aceita a diversidade, ou não?), ao revés já tendo sido "de esquerda". Hoje busco analisar individualmente os candidatos, posições e propostas, o que me permite defesa de Guilherme Menezes, prefeito petista em Vitória da Conquista-BA (em que pese já ter tido momentos melhores que o atual), ao mesmo tempo em que muito me desagradam os candidatos de situação e oposição, seja no governo estadual local, seja no Executivo Federal. Novamente, busque aceitar a convivência com o pensamento dissonante (total ou parcial), sem precisar tentar prontamente etiquetar e desqualificar alguém (especialmente com julgamentos equivocados e ofensas).

      • Antônio Euclides Postado em 20/Jul/2014 às 21:14

        Impecável sua resposta. O cara ali deve ter tido um dia ruim, pois tudo que você escreveu foi muito coerente, não entendi a razão do desabafo do nosso colega

  7. Murilo Postado em 18/Jul/2014 às 18:49

    Me faz lembra de um documentário chamado: Servidão Moderna. facilmente encontrado no you tube, ele explica e detalha todo o sistema mercantilista e totalitário além de apresentar os servos que estão na base do sistema piramidal econômico e os seus pseudo-heróis ao topo, utilizando como alusão para os medíocres que possuem fé para seguir uma trajetória triunfante. Como o rapaz comentou a cima, faculdades não estão amarrotadas de esquerdistas. se você acha a esquerda feia, mais você deve compreender que ela é falha assim como a direita, ou você prefere esconder os servos que estão abaixo e a elite soberana... Um exemplo de organização social mais igualitária é a indígena, nem sequer possui classe social

  8. Natália Postado em 18/Jul/2014 às 18:54

    Coxinha é assim mesmo Silva,como na maioria das vezes são incapazes de defender seus próprios argumentos por mais simples que sejam,o jeito é ficar no ctrlC ctrlV.

    • Rodrigo Postado em 18/Jul/2014 às 19:12

      (Outro Rodrigo) Leu? Sabe do que se trata o texto? Percebeu que não dirigi à situação em si, nem generalizei? Ou se resumiu ao "não li e não gostei"? Novamente, sugeri uma leitura, mas, de qualquer sorte, se você quiser discutir, de forma racional, sem descambar para ofensas, verborragia, apresentarei argumentos outros. Aliás, ninguém basta a si mesmo, a construção de raciocínios e pensamentos sendo feita em cima de raciocínios e pensamentos de terceiros, confrontando-os com uma situação de fato ou evolutiva, por exemplo (a citação é importante mesmo em função do risco de plágio...). Mesmo PHDs, Doutores e Mestres apresentam bibliografia e eu, que não tenho nenhum desses títulos, seguindo o exemplo.

    • Thiago Teixeira Postado em 18/Jul/2014 às 19:36

      Ctrl C + Ctrl V kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  9. Natália Postado em 18/Jul/2014 às 20:35

    Dica para o outro Rodrigo:dica de leitura basta o link do site,nome do autor do livro,filme,documentário e etc....Assim evitemos a poluição visual....Obrigada pela dica e beijo no coração...

    • Rodrigo Postado em 18/Jul/2014 às 20:52

      (Outro Rodrigo) Não tinha visto essa regra de conduta ao postar, no site, assim pedindo desculpas pelo alegado equívoco e incômodo, de qualquer forma. Não achava, pois, que transcrição de idéias poluíssem, minha intenção sendo outra: facilitar o acesso. Ao fim, em dobro a você, os melhores votos, sempre.

    • Gustavo Postado em 20/Jul/2014 às 08:53

      Claro, até porque esse é o "grande" problema aqui, não é, Natália?

  10. João Postado em 19/Jul/2014 às 14:31

    Com certeza se vc nasce em uma família com mais recursos, vc será beneficiado, mas não será garantia de sucesso, pois já vi muitos nessa sitruação perderem tudo. Agora se vc nasce em uma família com poucos recursos, terá que batalhar, e ainda assim não é garantido que vc vai conseguir crescer, mas pode conseguir, pois já ví muitos casos desses também... ou poderá cruzar os braços e ficar reclamando o resto da vida da "elite branca", é bem mais fácil. Levo aquele ditado africano sempre comigo - Se vc for o leão, todo dia quando acordar sabe que tem que correr mais que a gazela se quiser sobreviver. E se vc for a gazela, todo dia quando acordar sabe que tem que correr mais que o leão se quiser sobreviver. Então, seja gazela ou seja leão, simplesmente corra....

  11. Claudio Postado em 19/Jul/2014 às 17:34

    Isso é colocado nessa entrevista com Paulo Martins, que se coloca como crítico do PT http://youtu.be/LFCva6blelI ( a partir dos 18 minutos) Segundo ele, somos culpados pela nosso pobreza.

  12. Conrado Postado em 19/Jul/2014 às 17:50

    O grande problema é que nascemos com a obrigação de sermos "vencedores". Eu gostaria de saber qual é a definição de vida pra vocês? Que mal ha em apenas querer viver uma vida digna? F%da-se essas histórias de empreendimentos, elas não servem como exemplos. Essa ideia de vencedores é o que f&de com o planeta.

    • Caroline Silverio Postado em 20/Jul/2014 às 01:51

      Isso! É isso! Disse tudo

    • Ernani Postado em 11/Aug/2014 às 13:38

      Lindo comentário ,irmão! Máximo Respeito.

  13. Rosangela Postado em 19/Jul/2014 às 18:25

    Entendo que 80% do sucesso é atribuído ao esforço pessoal e digo isso porque a grande maioria que tem ensino de qualidade ( filhinho de papai) não é bem sucedido profissionalmente , pelo contrário só conseguem quando são empurrados. Assim, a pobreza não é óbice à ascensão, principalmente agora com a internet, mas a falta de força de vontade e determinação sim.

  14. Igor Postado em 19/Jul/2014 às 19:05

    Essa é a base da nossa estrutura social. A elite dominante busca perpetuar seu poder, utiliza a repressão ao seu favor e vende essa ideia de heroísmo no ensino público, enquanto oculta os verdadeiros problemas. Assim mantém a massa cada vez mais propensa à manipulação com a falta de qualificação de pessoal e, ainda, esses ciclos de aprovação automática, nos quais os alunos chegam ao ensino médio sem saber escrever e interpretar um texto.

  15. Juliano Monteiro Postado em 19/Jul/2014 às 19:30

    Quer dizer que a educação individual está diretamente relacionada ao governo? Que pensamento pobre. Os maiores gênios da nossa história não se limitaram a frequentaram escolas ou faculdades, fizeram o que fizeram por que QUERIAM! Quer dizer então que com mais investimentos em educação meus amigos passariam a ler mais? Baboseira, meu irmão teve acesso a todos os meus livros e ELE NUNCA PEGOU EM NENHUM, o que faltou, vontade ou investimento? Existem muitos tipos de pessoas e acredite, a maioria não está nem aí para educação. A maioria das pessoas é feliz como é, mesmo sendo pobre. Esses textos podem até parecer inteligentes, mas não valorizam o Ser Humano. A culpa por você ter nascido pobre pode não ser sua, mas a culpa de permanecer pobre e burro é sua sim. Não sou petista, nem pmdbista. Sou a favor do ser humano e sua capacidade intelectual.

    • Pedro Postado em 21/Jul/2014 às 09:32

      Excelente comentário Juliano Monteiro. O texto a priori é realmente muito bom, fala de problemas reais e da dificuldade de acesso à educação, mas então.... a solução pra tudo é investimento estatal em educação "libertadora". Pensar que após um século inteiro em que o estado mostrou a sua incompetência com educação, vem gente defender este investimento incondicional.

  16. Juliano Postado em 19/Jul/2014 às 19:41

    Ingenuidade pra mim é pensar que com o aumento do investimento em educação as pessoas se interessariam a ler livros e não ver novelas. Faz me rir textos assim que tratam o indivíduo como massa de manobra. Assumir o fracasso pessoal e lutar por mais sabedoria, isso nenhum governo vai fazer por você. Mais uma vez: VOCÊ NÃO TEM CULPA DE NASCER POBRE, MAS TEM CULPA DE PERMANECER POBRE E BURRO.

  17. Franco Postado em 19/Jul/2014 às 20:00

    Existe problema em ser pobre? Não é a esquerda que prega o anticonsumismo? O problema não está na pobreza material e sim na pobreza de espirito que nossa sociedade vive, basta ver os bailes funks para ver o que nossa sociedade se tornou uma abominação moral, nem mesmo em tempos primitivos víamos certas coisas como nesses antros.

    • Thiago Teixeira Postado em 19/Jul/2014 às 20:51

      Pobreza de espírito é sentar num barzinho TOP, com seu tablet que recebe twitadas do G1, ouvindo sertanojo universitário ou merdas como rock pop nacional, menosprezando estilos musicais da periferia e questionando se há problema em ser pobre. Meu, na boa, compre um Black Label e vá curtir o seu sábado a noite num camarote vip do Itaú, deixe os pobres e ignorantes em paz.

      • Franco Postado em 20/Jul/2014 às 19:17

        Também não admiro esse perfil que não faz absolutamente nada de útil para a sociedade do que usar drogas e ouvir musica ruim, são duas faces da mesma moeda.

  18. Eliana Postado em 19/Jul/2014 às 20:05

    É tão conveniente e prático "rotular" as pessoas, não?!!! Obs:- Meu comentário não é o mesmo do anterior, não!

  19. Daniel Postado em 19/Jul/2014 às 20:06

    Joãozinho seria uma espécie de filho do Lula? Você se emociona ao ler a história desse rapaz? Como ele ficou podre de milionário? Vc acredita que não roubou nada, né? E a Ritinha? É a filha da Dilma? A educação continua um lixo, mas eles estão todos ricos. Desvio do orçamento da educação? Quem está desviando? Os coxinhas? O orçamento da educação nunca foi tão grande "na história desse país". E aí?

  20. Eliana Postado em 19/Jul/2014 às 20:25

    Prezados, É a segunda vez que coloco um comentário e vejo a seguinte frase:- "Seu comentário parece estar igual ao anterior!" Gostaria de entender o que significa isso. Agradecida,

    • Thiago Teixeira Postado em 20/Jul/2014 às 18:54

      Acontece comigo também. Vou apertando enviar até dar certo. Dever ser um "bug" do site.

  21. Monica JW Postado em 19/Jul/2014 às 23:54

    É triste ver a grande ignorancia que existe no Brasil por parte dos que tem educação (bom, eu diria estudo, mais que educação). E digo isto daqui da Europa, de onde fazemos análisis para entender os problemas das desigualdades educativas que existem aqui, onde as coisas estão bem mais avançadas neste sentido). É incrivel ver turistas brasileiros que ficam maravilhados com a Europa comparando-a com o Brasil. O mais absurdo é que a grande maioria não tem ideia de que aqui, na Europa, existe uma coisa chamada de estado de bem estar, que é simplistamente falando, um monte de ajudas do estado para as pessoas pobres cujo dinheiro vem dos impostos cobrados. A partir dessas ajudas, se tenta que além de que TODOS possa estudar, também que as familias possam colaborar para que seus filhos estudem! É tremenda a prepotencia das classes brasileiras com melhores condições economicas qdo criticam programas que possibiltam que seres humanos (sim, os pobres também são seres humanos) possam melhorar suas condições para que seus descendentes tenham uma vida mais digna. Não me conformo qdo ouço idiotas privilegiados cobrarem estudos de pessoas que não puderam ter condições dignas no seu dia a dia para que pudessem desenvolver suas aptidões ou mesmo não se tornarem criminosos. Dizer que alguém é pobre porque não estudou é quase sempre preconceito e se os mesmos que dizem tivessem mais conhecimento saberiam que não basta estudo para garantir uma mudança de posição social. No Brasil o que existe é muita opinião e bastante falta de conhecimento! Coisa que não me orgulho, muito mais me entristece porque a sociedade se conforma pelas relações entre todos e tal como se mostra muito, o que vejo é antes de tudo, o total desconhecimento do que é uma sociedade, e consequentemente o que é necessario para que seja melhor e mais justa principalmente!

  22. Cassio Postado em 20/Jul/2014 às 06:48

    O autor parece desconhecer por completo a diferença entre educação letiva e educação familiar Até uma pessoa de classe média alta tem chance de não ter sucesso na vida, se não tiver educação familiar. O exemplo de sucesso e superação e válido sim, e deve ser o exemplo: parte-se do princípio que, ainda que sem as condições necessárias para uma "garantia" de vida bem sucedida, o caráter vem acima. E aí, entra a postura de se fazer de vítima da sociedade pra justificar os maiores absurdos, como a criminalidade. Esse texto é uma inversão total de valores, e quer tirar o mérito dos poucos que conseguem, apesar do DESgoverno, vencer na vida, pra justificar as politicas assistencialistas, que de paliativos, passaram a prática normal. Nem vou entrar no mérito das intenções por trás disso, mas o texto é de um mau caratismo e leviandade absolutos, atrelando todos os valores negativos possíveis a quem merece nosso aplauso e admiração: as pessoas que - injustamente - não tem direito a uma vida digna, mas que apesar disso, não se acomodam e lutam. Esse é o verdadeiro brasileiro. Não o vagabundo, o aproveitador, o coitadinho que vocês da situação querem vender como o estereótipo do Brasileiro padrão: dependente do governo, sempre generoso e protetor. Não somos culpados pela nossa pobreza econômica - isso é culpa de uma taxa tributária criminosa, da corrupção transbordante e da inflação, cujo governo conseguiu trazer à vida novamente. Mas somos culpados sim, da nossa pobreza de caráter. Mas é isso aí, um povo com baixa auto-estima, que é guiado a acreditar que "o governo cuida", é mais fácil de engolir uma cafajestada como este texto, mal redigido que só o inferno, diga-se de passagem, quase um ataque de pelanca de um bixo revolucionário da FFLCH. Fica difícil até de se levar a sério.

  23. Timoth de Luna Postado em 20/Jul/2014 às 10:33

    Definem a compreensão das pessoas de acordo com as suas, dizer que uma pessoa " NÃO TEM CULPA DE NASCER POBRE, MAS TEM CULPA DE PERMANECER POBRE E BURRO", é vomitar que vivencias e aprendizados são iguais em qualquer âmbito, dizer são errados por ouvirem funk é tão mediocre pois invoca que a compreensão do que é"bom" e "cultura" é so o que ele enxerga o resto não, e por mais que tenham suas falhas é o ambiente que são colocados. Posso considerar que o Estado nao deveria ter tamanha interferencia na vida das pessoas, mas quando vivemos em uma nação assim é logico que grande parte da culpa da falta de se manter as pessoas na pobreza e na falta de conhecimento é do estado e não apenas dela...e por fim se minimizam as conquistas de muitos, pois mesmo sem condicões conseguem se manter vivos e dispostos para vencer mais um dia, so que isso não é uma historis de empreendedorismo bonitinho e sim de simples sobrevivência.

  24. lucas Postado em 20/Jul/2014 às 12:11

    Esse Pereira dá sono. Interprete o texto, meu caro.

  25. Ankh Postado em 20/Jul/2014 às 13:15

    Vivemos numa época complicada, onde ter um ponto de vista discordante automaticamente te torna preconceituoso, conservador ou esquerdista... Acredito que isso é apenas mais uma maneira de perpetuar o status quo, uma vez que denota o quão superficiais são nossas percepções. É dever do Estado oferecer uma educação de qualidade ao povo, no entanto, onde está o povo para reinvindicar?

    • poliana Postado em 21/Jul/2014 às 20:04

      o povo n tem a instrução necessária para reivindicar. o povo sequer sabe quais são os seus direitos...é terrível akela máxima de q "cada povo tem o governo q merece". antes de afirmar isso, é preciso perceber de q povo se trata. esse povo teve a educação necessária pra reconhecer-se como cidadão e ter plena consciência de seus direitos e deveres dentro de uma sociedade democrática?! em se tratando de brasil, ÓBVIO Q NÃO! então n é justo vc perguntar aonde está o povo pra reivindicar. esse mesmo povo estás muito ocupado tentando ganhar o pão de cada dia, dentro da nossa triste realidade!

  26. Natália Postado em 20/Jul/2014 às 13:18

    Daniel:responsabilizar um partido que está há 12 anos no poder por mais de 500 anos de mazelas de um país é ingenuidade ou ignorância...Acorda pro Brasil....

    • poliana Postado em 20/Jul/2014 às 13:58

      n adianta natalia. isso é típico dos coxinhas da tucanalha! para eles, o pt é culpado por todos os problemas históricos do país!!! n tente argumentar essa questão, eles são (propositalmente) cegos.

    • Thiago Teixeira Postado em 20/Jul/2014 às 18:56

      Esta é a única tática que existe para a oposição, a que vem dando certo e está fechada com o PiG. Deletar o Brasil de 2002 para trás, e formar opinião de a saúde e educação precisam melhorar.

  27. Ana Eufrázio Postado em 20/Jul/2014 às 22:18

    Tive uma vida miserável até 15 anos, miserável mesmo. Entretanto, me formei em Química e me especializei em Engenharia de Petróleo. Eu sou a exceção e não devo se usada como exemplo num sistema excludente como esse, até mesmo porque meu irmão, que tem a pele mais escura que a minha, sequer concluiu o ensino fundamental.

  28. Roberto Pedroso Postado em 21/Jul/2014 às 10:25

    Mais um texto primoroso de Leonardo Sakamoto e arrematado pelo comentário assertivo da leitora Ana Eufrásio logo acima.Nada mais a ser declarado.

  29. Jonas Postado em 21/Jul/2014 às 11:46

    Todo mundo concorda com os argumentos mais importantes do que essa cara diz, mas agente sabe que a mudança que ele propõe é impossível. Aí a coisa toda vira uma verborragia sem noção.

  30. Pereira Postado em 21/Jul/2014 às 12:03

    "Simone Beauvoir, Pereira?? " sei lá como se escreve o nome dessa pilantra. Só sei que ela adorava chifrar o sartre e promover surubas infanto juvenil com o mesmo.

    • poliana Postado em 21/Jul/2014 às 20:07

      Pereira, pára filho, sério!!!! sua pérolas estão virando mito aki no pp!!!! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  31. Camila Postado em 21/Jul/2014 às 13:26

    hahaha tá irônico. Mas a Ritinha e o Joãozinho estão com você. Bom texto ^^

  32. Andre Pinheiro Postado em 22/Jul/2014 às 00:18

    Quem não ama os iluminados? Aqueles que por motivos não estudados, e por isso desconhecidos, conseguem ser "Joãozinho". De forma que a perspectiva igualitária de todos sermos igualmente aptos é mera falácia. Elementos Modais não servem como parâmetro para estatística. Não se deve esperar que irão nascer vários Einstein, Planck ou Darwin. Para a maioria das pessoas a automotivação não é o suficiente, é necessário avançar essa perspectiva, como esposado pelo autor. Um ambiente, cativante, seguro, motivador, para não falar em todo o Estudo do Daniel Goleman com exemplos positivos de desenvolvimento de inteligência emocional e foco e outros grandes mestres da psicanalise educacional, indubitavelmente, se mostrará fértil para o desenvolvimento intelectual. Sistemas educacionais judeus, europeus e japoneses se mostraram e se mostram úteis no desenvolvimento intelectual dos jovens com maiores perspectivas de genialidade, para não falar no bem sucedido" Brain Drain" americano. Ou seja, o ambiente e a cultura desenvolvida influi no desenvolvimento pessoal. Ambientes inóspitos como Africa, Brasil com culturas limitadoras de pensamento serão fadadas ao fracasso. Jogar informação demasiada sem proporcionar uma conjectura emocional para assimilar e decodificar essa emoção, de fato levará a jovens se comportar de maneira irresponsável e inconsequente. Informação sem o preparo emocional devido explica porque um médico obeso, sedentário, fumante e com pressão alta, prescreve que você deve comer mais salada e evitar o tabagismo. Ou melhor, peço espaço para um clichê," não adianta mostrar o certo e errado é necessário tocar o coração" . Em tempo, nossa genialidade no futebol, inegável, devidamente comprovada por todas as nações, mesmo com pontual 7x0 da Alemanha, se desenvolveu aprimorada por um único motivo, foi criado um ambiente favorável para esse tipo de germinação.

    • Daniel Postado em 22/Jul/2014 às 13:09

      Esposado? Sério? Dicionário! E explica melhor como é que podemos "avançar essa perspectiva". Qual a alternativa a automotivação? "Ambientes inóspitos como Africa, Brasil"? Jura que podemos generalizar assim? "culturas limitadoras de pensamento serão fadadas ao fracasso"! Então as culturas "asiáticas" e "européias" não limitam o pensamento? Aproveita e explica o que é "conjectura emocional" porque confesso a minha ignorância (procurei no google e só achei outras 5 pessoas que se propuseram a usar essa expressão). Mais e mais blábláblá dos indignados, que muito reclamam e nada fazem. Gente, o mundo se muda com ideias que se convertem em ações. Fácil metermos o pau na sociedade, no governo, nos comentários, nos ricos e pobres, até no Sakamoto, mas nada disso adianta se não virar ação. A Ritinha e o Joaozinho estão fazendo a parte deles. É só o que eles podem fazer. Ritinha não tem tempo pra ler o blog do Sakamoto e lamentar sobre as políticas educacionais. Tá muito ocupada. E você, caro leitor, tá fazendo o que mesmo? Lembrando que fazer a sua parte não é separar o lixo reciclável, economizar água, votar de maneira consciente e protestar "contra tudo o que está ai". Ação gente, ação!

    • Daniel Postado em 22/Jul/2014 às 13:16

      E adoro como se fala sem o menor pudor que "no Brasil é tudo ruim". "Enquanto isso, o magistério no Brasil continua sendo tratado como profissão de segunda categoria." Magistério é profissão de segunda categoria no mundo todo quase. (http://www.smith.edu/insight/stories/teaching.php)´ É triste isso? Com certeza. Reclamar vai mudar alguma coisa? Como diria o Sakamoto: eu duvido. Se reclamar sobre educação melhorasse a qualidade da aula, nosso mundo teria as melhores escolas... Quem já frequentou uma sala de professores sabe do clima de reclamação e indignação que impera por lá.

  33. Andresa Postado em 11/Aug/2014 às 03:23

    "A frase acima raramente traduz a verdade" - O texto já começa errado, pois isso depende muito da região em que a pessoa vive no Brasil e da cultura de cada um em casa. Eu sou de SP, de uma família de negros. Minha bizavó foi escrava, minha avó nasceu liberta. Nós nunca tivemos posses hereditárias.Tenho 8 tios que, para comer, precisaram trabalhar a vida toda na roça. Destes, só a mais nova fez colegial, mas já em idade adulta, pelo supletivo dos correios - os outros então teriam acesso e tempo, mas não quiseram fazer. Ela continuou estudando e há 20 anos é funcionária pública. Os meus primos de primeiro grau foram criados com coisas que eu não tive, como tênis caríssimos, roupas de marca, bicicletas de marcha, sempre com os mais novos video-games. Eles devem ser em torno de 50, mas menos de 10 terminaram o colegial e só 4 fizeram faculdade, mesmo com os pais pagando e facilitando tudo. Os menos estudados já têm netos, e os filhos, criados como eles, são "pobres" mas andam de tênis Nike de 500 reais e bicicleta de 1200 reais. E continuam na periferia da cidade. Meus pais não terminaram nem o ensino fundamental e, portanto, diziam que ir na escola não era nossa escolha e sim obrigação. Faltar não existia. Meu pai não quis ajudar eu e minha irmã a fazermos faculdade, ele achava que um curso técnico estaria bom, mas nós tinhamos excelentes notas e conseguimos bolsas no PROUNI, além de eu ter passado em uma universidade pública. Eu tive que trabalhar em 2 empregos pra me manter na faculdade. Fazem 5 anos que terminei a faculdade, hoje tenho carro e moro num lugar bem melhor. Meus primos, os filhos deles (cuja maioria tem minha idade) e seus netos, continuam morando na perifeeria da cidade - e andando de tênis Nike, algo que até hoje não tenho coragem de comprar. Agora me digam: eles tinham condições financeiras muito melhores que as minhas, não estudaram porque ficaram com preguiça, mesmo tendo todas as oportunidades e, portanto, continuam pobres. Por quê a culpa não seria totalmente deles? Lembrando que com os filhos e netos dos meus tios, tirando os bisnetos que ainda são crianças, eu estou falando de uma família de mais de 100 pessoas que poderiam ter estudado, mas só 6 o fizeram. Qual a culpa do governo e das pessoas brancas nisso?