Redação Pragmatismo
Compartilhar
EUA 09/Jul/2014 às 23:02
5
Comentários

Criança vai ganhar cirurgia após ser expulsa de loja por ter cicatrizes

Criança expulsa de loja por ter cicatrizes vai ganhar cirurgia. Funcionário da rede KFC teria pedido à criança de 3 anos para sair do local

Victoria Wilcher menina cicatriz
Victoria Wilcher (Foto: Naples Daily News, Corey Perrine/AP)

Depois de supostamente ter sido expulsa de uma loja da cadeia de fast-food KFC, Victoria Wilcher, de 3 anos, que tem parte do rosto desfigurado, vai receber um olho artificial em Naples, em cirurgia financiada por doações. Nesta segunda-feira (7), ela e sua família desembarcaram em Fort Myers, na Flórida, e seguiram até o local da operação.

A história de Victoria ficou conhecida nos Estados Unidos após um post no Facebook, escrito por um de seus familiares acusar um funcionário de uma unidade da KFC em Jackson, Mississipi, de ter “convidado” a família a se retirar do local porque a criança estaria assustando os clientes.

A menina possui várias cicatrizes no rosto e não tem o olho direito. Ela foi vítima de um ataque de três cães da raça pit-bull em abril e, por isso, ficou com parte do rosto desfigurado.

A rede, que abriu diferentes investigações sobre o caso, afirma não ter encontrado nenhuma evidência de que um empregado havia pedido a saída da família.

Mesmo assim, a empresa informou que doaria US$ 30 mil para ajudar Victoria em sua recuperação, já que “a família KFC ficou comovida com a história de lesões e recuperação”.

A família da criança disse que não aceitaria o dinheiro, mas pediu que o montante fosse doado para a Fundação Frank Stile, um médico de Las Vegas que se ofereceu para trabalhar na recuperação do rosto de Victoria.

AP

Recomendados para você

Comentários

  1. Thiago Teixeira Postado em 10/Jul/2014 às 08:52

    Cada vez que vejo cenas como essas eu me pergunto: Quem é pior? Aquele que rouba para comer e está mofando atrás das grades ou um FDP desses que comete esta crueldade contra esta criança? Aposto que este morfético leva uma vida normal e coloca a cabeça numa caminha quentinha no final do dia. Desgraça e sofrimento eterno a você que expulsou esta coisinha linda da sua loja, safado.

    • Gabriel Postado em 10/Jul/2014 às 09:10

      O problema é saber se a crueldade foi mesmo cometida. A unica prova é o tal depoimento. Assim é fácil.

      • Luiza Postado em 10/Jul/2014 às 09:38

        Por que alguém iria inventar uma coisa dessas? A família sequer aceitou o dinheiro.

  2. Cristian Bandeira Postado em 10/Jul/2014 às 09:41

    Se fosse minha filha, faria muitas vezes pior com a cara dele.

  3. Rodrigo Postado em 10/Jul/2014 às 10:14

    (Outro Rodrigo) Claro que o patrão responde por seu empregado, não havendo dúvida quanto à responsabilidade da empresa em casos tais, cabendo a divulgação da marca. Mas seria interessante divulgar também o nome da pessoa que deliberadamente assim escolheu agir - de forma discriminatória, para não se dizer prontamente que agiu de forma desumana -, que se julgou detentora de direito de negar a permanência de criança que padece de graves sequelas em ambiente de atendimento ao público. Que responda, pois, a empresa e também o empregado.