Redação Pragmatismo
Compartilhar
Educação 10/Jul/2014 às 12:51
5
Comentários

Biblioteca móvel faz sucesso no Distrito Federal

Cobrador monta biblioteca dentro de ônibus que circula na capital federal e empresta livros para passageiros. Antônio Ferreira tem acervo de cerca de oito mil livros em casa

biblioteca ônibus distrito federal
Cobrador monta estante para os livros diariamente no ônibus em que trabalha (Reprodução)

O interesse pela leitura do cobrador de ônibus Antônio da Conceição Ferreira, de 42 anos, começou em sua cidade natal Santa Luzia do Tide, no Maranhão. Desde pequeno, gostava de ler os jornais e folhetos que o pai levava para casa como embrulho de objetos. Morador de Sobradinho II (DF), há 11 anos ele transformou o gosto pela literatura no projeto Cultura no Ônibus, que empresta livros para passageiros da linha em que trabalha.

“Dentro do ônibus não há atrativos para os passageiros, então vejo o livro forma de distração e de adquirir cultura”.

Ele diz que começou o projeto com uma caixa de papelão em que guardava os livros no ônibus, assim que ele começou a trabalhar na linha circular de Sobradinho II e Plano Piloto em 2003. Hoje, o cobrador monta uma estante com cerca de 15 livros assim que começa o expediente no coletivo.

No começo, Antônio anotava o nome e dados dos passageiros que pegavam os livros emprestados. Agora ele diz que não se importa mais com a devolução dos volumes.

“Hoje é livre, os leitores podem ficar totalmente à vontade para pegar os livros. A ideia é que os livros passem de mão em mão. Mas o passageiro de todos os dias sempre devolve”.

Antonio sonha em ampliar o projeto para todos os ônibus do DF.

“Aí quem pegar o livro em um coletivo em Ceilândia, poderá devolver em outro ônibus no Guará. Vejo o coletivo como uma grande biblioteca”.

Entre os volumes mais procurados, segundo o cobrador, estão os livros de contos, crônicas, romances e autoajuda. O acervo do cobrador é formado por doações de passageiros e de internautas que acessam o blog do projeto. Em casa ele já reúne um acervo com cerca de oito mil títulos, entre livros, revistas e cordéis.

Estudante do segundo ano do Ensino Médio, o maranhense diz que já tinha lido vários autores, mas o primeiro livro que teve prazer de ler foi o romance Capitães de Areia, de Jorge Amado.

“Nenhum outro havia me feito sorrir. A literatura dele é bem distrativa”.

Além do autor baiano, os escritores Clarice Lispector, Carlos Drummond Andrade, Luiz Fernando Veríssimo, Rubem Fonseca e Dalton Trevisan.

“Atualmente eu tenho procurado mais a literatura contemporânea, porque é atual”.

R7

Recomendados para você

Comentários

  1. Thiago Teixeira Postado em 10/Jul/2014 às 14:27

    Muito loco!!!!!!!!!!!!!

  2. Rafael Martini Postado em 10/Jul/2014 às 14:29

    Que atitude louvável! Eu percebo que muita gente tem um interesse latente na literatura, mas não o suficiente para que adentrem uma biblioteca, tampouco uma livraria, talvez por sentirem-se intimidados ou inseguros. E é esse o caminho para dar às pessoas a chance de acessar os livros. Parabéns, Antônio! Que o projeto continue e se expanda cada vez mais.

  3. Juliana Postado em 11/Jul/2014 às 00:06

    Caramba! Que atitude. Sou do DF e fiquei com muita vontade de conhecer o projeto dele. Atitude que merece palmas.

  4. Eliana Postado em 11/Jul/2014 às 17:47

    Que generosidade... que altruísmo! Parabéns ao Antônio Ferreira!

  5. Sandro Postado em 12/Jul/2014 às 01:20

    Excelente iniciativa, mParabéns!!!!!