Redação Pragmatismo
Compartilhar
Copa do Mundo 30/Jun/2014 às 15:41
11
Comentários

"A melhor Copa da história", dizem jornalistas estrangeiros

Pesquisa realizada com mais de 100 jornalistas estrangeiros aponta que a Copa do Mundo no Brasil é a melhor de todos os tempos

O mau humor e o clima de terror propagado pela imprensa brasileira – que difundiu as previsões pessimistas para os veículos de comunicação internacionais teve efeito inverso. Pesquisa realizada pelo portal Uol, do grupo Folha, divulgada nesta segunda-feira 30, aponta que boa parte dos jornalistas estrangeiros vê a Copa do Mundo no Brasil como a melhor.

O levantamento foi feito com 117 profissionais de comunicação que estão cobrindo o evento no Brasil. Do total de entrevistados, 38,5% consideram a competição sediada no País como a melhor já vista. Em segundo lugar vem a Copa realizada na Alemanha, em 2006, com 19,7% das respostas, e em terceiro a da África do Sul, em 2010, que recebeu a aprovação de 5,1% dos jornalistas entrevistados.

Na quarta posição vem a Copa sediada nos Estados Unidos, em 1994, quando o Brasil recebeu o título de tetracampeão, seguida por Itália-1990 (com 3,4% dos votos), França-1998 (3,4%), Japão e Coreia-2002 (3,4%), México-1986 (1,7%), México-1970 (1,7%) e Alemanha-1974 (0,9%). Entre os entrevistados, 1,7% não respondeu. Segundo a pesquisa, 16,2% dos profissionais disseram estar cobrindo o primeiro Mundial.

Há cerca de 20 dias, quando a Copa desse ano ainda não havia começado, seria praticamente impossível prever os números que acabam de ser apresentados na mostra, tal a sensação propagada pelos grandes jornais brasileiros de que tudo daria errado. As obras inacabadas, dificuldades nos meios de transporte e até a previsão de uma epidemia de dengue eram destaques nos veículos da imprensa.

Vê-se, porém, que depois da satisfação dos torcedores estrangeiros, que ressaltam com frequência a hospitalidade do povo brasileiro e a satisfação em conhecer o País – como podemos ver agora em reportagens diárias – que os jornalistas estrangeiros também concluíram que tudo não passou de um grande exagero.

Torcedores

Com a experiência de oito mundiais, o irlandês Daniel Sheahan, de 55 anos, não pestaneja: “a atual Copa do Mundo está sendo a melhor de todas”. A opinião de Sheahan é compartilhada por diversos turistas que, como ele, já participaram de outras edições do torneio.

“Não que tudo esteja perfeito. Em todas as copas às quais fui, houve algum tipo de problema, como preços altos, dificuldades com transporte ou roubos. Mas isso faz parte de um evento desse porte”, disse à Agência Brasil o irlandês, que já teve a mochila roubada em duas edições do torneio.

“Isso foi na Copa da França, quando duas pessoas pegaram minha mochila e fugiram em uma moto, e na dos Estados Unidos, quando em um momento de distração levaram minha mochila”, lembrou. “No caso da França, um amigo meu passou pelo mesmo problema. Ao que parece, era uma quadrilha de motoqueiros especializados nesse tipo de roubo”, acrescentou.

Fã do futebol brasileiro, o irlandês sempre deu preferência aos jogos do Brasil, mas nem sempre foi possível assisti-los, porque existem outros pontos de interesse. “Esta Copa realmente tem muitas coisas especiais. Compará-la à da África do Sul é até covardia – o barulho das vuvuzelas era insuportável e estragava o clima do estádio. Para piorar, de todas as vuvuzelas saía muita saliva, o que era bastante preocupante porque a incidência de doenças como tuberculose é muito grande naquele país.

Por aqui, não: os brasileiros procuram se divertir sem incomodar os outros. “Nota-se claramente uma grande vontade de tornar tudo especial. Isso não aconteceu na Copa da Alemanha, porque, apesar de muito educados, os alemães costumam ser frios na relação com turistas”. Além das quatro copas citadas – Estados Unidos, em 1994; França, em 1998; Alemanha, em 2006; e África do Sul, em 2010 – e da atual, Daniel Sheahan foi às copas da Espanha, em 1982; do México, em 1986; e da Itália, em1990.

Impressão parecida tem o equatoriano José Bastidas, de 31 anos. “Não é apenas a vontade dos brasileiros de ajudar os turistas. Aqui há muito mais festas e uma comunicação mais fácil, até pelas semelhanças com outras línguas. É mais fácil entendermos e sermos entendidos pelos brasileiros”, disse ele.

A Copa de 2014 é a quarta do suíço Domenique Brenner, de 40 anos. “Na comparação com as de 1998, 2006 e 2010, esta é a melhor, porque está sendo disputada no melhor lugar e com as melhores pessoas”, afirmou. “A organização do evento é sempre bastante similar, porque envolve a mesma estrutura, que é a estrutura da Fifa.”

A maior crítica de Brenner é em relação aos caixas rápido dos bancos no Brasil, que tem usado para evitar a ida a casas de câmbio. “Muitas dessas máquinas não têm aceito cartões internacionais”, queixa-se.

Brenner e outros suíços entrevistados pela Agência Brasil reclamam do preço dos restaurantes nas cidades sede e das bebidas nos estádios. “Apesar de muito bons, os restaurantes são muito caros. Principalmente as churrascarias”, disse Brenner. Já Denis Rapin, 47, avalia que nem tudo é tão caro, levando em consideração o fato de que se trata de uma Copa do Mundo. Ele viaja com um grupo de 20 pessoas.

Para Rapin, os preços cobrados na cidade não são tão altos quanto imaginava. “Quem cobra caro aqui é a Fifa. Principalmente a cerveja nos estádios”, disse. “Esta é a minha primeira Copa do Mundo, mas não será a última. Esses dias têm sido muito agradáveis. A receptividade e a amabilidade dos brasileiros realmente impressiona. Todos muito amigáveis, desde o taxista até os profissionais da área de turismo. Em Brasília [onde assistiu à partida, entre Suíça e Equador], senti falta de bares mais festivos. Acho que o que falta aqui são bares típicos especializados em cachaça”.

Dona de uma lanchonete na Torre de TV, chamada GO Minas, Elza Alves Lobo não fala inglês, mas usa de muita simpatia para compensar essa limitação, além de ter preparado um cardápio em português, inglês, francês e espanhol. “Faço questão de conversar ou tentar conversar com todos. O clima é de muito entusiasmo, muita alegria.”

Viajando há sete meses pela América do Sul, Andre Urech, de 34 anos, vem pela primeira vez ao Brasil, onde assiste à segunda Copa do Mundo. A primeira foi na África do Sul. “Está tudo tão bom que já decidimos: voltaremos o quanto antes ao Brasil. Simplesmente estamos amando as pessoas daqui”, disse ele, ao lado da companheira de viagem Ramona Rüegg, que também foi à Copa de 2010. Ela faz coro: “a atmosfera aqui é muito melhor, e as pessoas muito mais amigáveis.”

Os dois elogiam a organização do evento, apesar da dificuldade que vêm tendo com transporte público. “Demorou cerca de 30 minutos para pegarmos um ônibus, e o táxi está muito caro”, contou Urech. “Mas tudo faz parte do clima e do sentimento que envolve uma Copa do Mundo”, completou.

A exemplo de outros suíços que assistiram ao jogo contra o Equador, o casal reclama principalmente da dificuldade para comprar cerveja. “A fila é muito grande e faz a gente perder muito tempo do jogo. Mas isso também aconteceu na África”, disse ele.

Dirigente do Barcelona de Guayaquil, no Equador, Carlos Rodríguez também avalia esta como a melhor Copa de todos os tempos. “É muito superior tanto dentro como fora de campo”, disse.

“Uma coisa que me chama a atenção é o fato de ela [Copa] estar sendo totalmente diferente do que vinha sendo mostrado pela imprensa. O Brasil é 100% no que se refere a receber turistas. Tudo é perfeito: a hospitalidade, a estrutura. Além disso, há muito amor e alegria no ar. Viemos para cá justamente para desfrutar desse clima de Copa”, afirmou Rodríguez.

O publicitário colombiano Héctor Greco, de 33 anos, também foi surpreendido positivamente pelo Mundial brasileiro. “Eu esperava muito menos. O que mais me surpreendeu foi a troca de cultura entre os países em um clima de competitividade sem brigas. É uma oportunidade única de conhecer o mundo em um só lugar.”

Ele lamenta as grandes distâncias que têm de ser percorridas para que se possa acompanhar os jogos. “As passagens de avião são caras, é difícil ir de ônibus e infelizmente não há uma cultura de transporte de passageiros por meio de trens no Brasil”. Para o publicitário, a hospedagem também está muito cara: “pagamos R$ 21 mil para alugar, por um mês, um apartamento no Rio de Janeiro”.

Já o cirurgia plástico e cônsul honorário do Equador em Campinas, Oswaldo Vallejo, de 56 anos, já gastou, entre passagens, hospedagem e ingressos para os jogos, mais de R$ 18 mil para ter sua primeira experiência em Copa do Mundo.

“Conheço pouco Brasília porque cheguei há apenas um dia, mas o deslocamento do hotel até o estádio foi bastante fácil, pela proximidade. Esta realmente é uma grande vantagem para a cidade”, disse ele, em meio a elogios em relação à divulgação, às placas e aos voluntários “proativos e sempre tentando ajudar até mesmo nas situações em que não precisamos.”

Depois de enfrentarem mais de 8 mil quilômetros de viagem por ônibus, vindos de Quito, no Equador, o administrador Paul Tamayo e os engenheiros Alvaro Granda e Edgar Baculima optaram por acampar na Universidade de Brasília (UnB). Tudo, para assistir à estreia do Equador na Copa.

O perrengue não diminuiu o entusiasmo: “O Brasil é muito bonito, assim como as pessoas”, observou Tamayo. Perguntado sobre os preços na capital, Granda respondeu: “de preços, não falamos. Viajar até aqui foi bastante duro, mas, com a vontade de ver o Equador jogar, tudo fica mais fácil”.

Quem também viajou muito para viver a experiência da Copa foi o australiano Victor Vu, de 28 anos, na esperança de ver algum país asiático ou africano vencer a competição. “Torço principalmente para a Costa do Marfim por causa do [atacante] Drogba, de quem sou fã. Mas o que realmente me motivou a vir foi a boa reputação que o Brasil tem lá do outro lado do mundo, especialmente no que se refere a festas.”

Apesar de seu país não ter se classificado para a Copa, Jan Kolin, da República Checa, quis vir ao Brasil para vê-la sendo realizada “no país mais bem-sucedido” no mundo do futebol. “Desde criança eu sonhava em ver uma Copa. Quando soube que ela seria no Brasil, decidi tornar esse sonho realidade”, contou Kolin, que enfrenta problemas de comunicação, já que, segundo ele, poucos falam inglês no Brasil.

Os peruanos Marcial Olano, de 55 anos, e Hérman Chávez, de 45, também não precisaram da participação de sua seleção no Mundial para decidirem curtir a Copa no Brasil. “Queremos que um país sul-americano ganhe porque somos povos irmãos integrando uma mesma torcida”, disse Olano.

Chávez veio para realizar o sonho do filho Jared, que tem 13 anos. “Não esperávamos tanta organização. Isso em muito nos surpreendeu. Está melhor do que havíamos sonhado. Não passamos por nenhum tipo de problema, temos sido bem atendidos e a organização das cidades e da Fifa está muito boa. Por isso já planejamos ir à Copa da Rússia para, se tudo der certo, torcermos pela seleção de nosso país [Peru]”.

Pela primeira vez no Brasil, os engenheiros Andres Navaez e Elizabeth Montenegro, ambos equatorianos, também se dizem apaixonados por futebol. Por isso, já foram às copas da África do Sul e da Alemanha. Segundo ele, Brasília carece de um atendimento mais eficiente aos turistas.

“Faltam informações até mesmo no Centro de Convenções, de onde retiramos nossos ingressos. Lá não souberam nos informar sequer onde fica o atendimento aos turistas”, disse Elizabeth. “A sorte é que espanhol e português são línguas parecidas”, completou Navaez.

O suíço Lionel Holzaer, de 30 anos, não é fã de futebol, mas adora festas e viagens. Segundo ele, o Brasil tem “boas condições” para receber os turistas. “Minha maior dificuldade tem sido com o idioma”.

com Agência Brasil, Uol e 247

Comentários

  1. poliana Postado em 30/Jun/2014 às 15:55

    a PIG e os TUCANOS estão morrendo por isso!!! fizeram tudo pra desqualificar nossa copa e pra queimar o evento perante a comunidade internacional, e nenhuma das previsões apocalípticas maldosamente inventadas se concretizou!!!! se deram mal!! é realmente lamentável q eles n saibam diferenciar política de futebol. uma pena! mas graças a deus a copa tem sido maravilhosa, e de longe, a copa das copas. se vamos ganhar o título, não sei, mas o evento está sendo maravilhoso e tem tudo pra entrar para a história!!!!!!

    • Gustavo Postado em 01/Jul/2014 às 11:37

      O evento ta sendo salvo pelo povo brasileiro, na moral. Essa da epidemia de dengue ocorre todos os anos. O problema é que, com a euforia da copa, naturalmente que todas as notícias giraram em torno dela e baseado na boa recepção feita pelo povo. Minha cidade foi inteira maquiada por que a maioria das obras não terminaram, só as ruas principais receberam o tal "embelezamento", mas eu sei que isso é apenas ilusório.

  2. Deisi Postado em 30/Jun/2014 às 18:57

    Concordo Poliana o PIG e a Tucanada, perderam o rumo, mesmo eu com todo meu otimismo, estou surpresa com tudo que estou vendo, tudo tão lindo, isso se deve ao povo brasileiro, mesmo com gastronomia e culturas regionais diferentes, ninguém supera, nosso povo em hospitalidade e alegria. O problema do PIG e oposição golpista, não conseguem, separa a politicagem, do amor pela pátria, se deram mal, são obrigados admitir, mesmo sem querer, o sucesso da copa. Todos que proclamavam a vergonha histórica da realização do evento no Brasil, tem que engolir todo ódio, raiva, e reconhecer que o povo brasileiro é capaz, de muitas coisas, mesmo com o xingamentos a chefe do estado, e vaias ao hino chileno, não representam exatamente nosso povo, mas sim o bando de recalcados odiosos. Não estou muito otimista em relação, ao futebol apresentado pela nossa seleção, os jogos estão, sendo um teste cardíaco, motivo que não verei mas nenhum jogo, pois sou hipertensa, mas tenho certeza, que a copa no Brasil, entrará para história.

  3. Pereira Postado em 01/Jul/2014 às 09:09

    Até que gostei do espetáculo, curti o máximo que pude os jogos que fui(mesmo porque eu estava ganhando para isso). Resolvi curtir o máxmio porque sei que legado não ficará quase nada. A insegurança voltará às ruas, obras inacabadas , outras prometidas e sequer saíram do papel(ampliação de aeroportos, novas vias, metrôs fantasmas e estádios de power point) e os 9 bilhões investidos não retornaram na ítengra aos cofres públicos. Não vejo como se obter ganho político com a copa, a não ser pela manipulação de informações promovida pelo PT. Mas como espetáculo temporário a copa foi boa, pelo menos para mim que obtive algum ganho com ela.

    • Pereira Postado em 01/Jul/2014 às 09:14

      ítengra = íntegra

    • Denisbaldo Postado em 05/Jul/2014 às 23:22

      Não entendi a parte da insegurança voltar as ruas. Pra você então os bandidos pararam de praticar crimes durante a Copa e depois voltarão? Sim porque o contingente de policiais continua sendo o mesmo em todo o país. Será que não foi a mídia que em vez de fazer sensacionalismo barato, começou a transmitir a Copa e agora você se sente mais seguro??? O Brasil continua o mesmo que sempre foi meu amigo, bandido não tira folga na Copa não.

  4. Pereira Postado em 01/Jul/2014 às 09:25

    "PIG e os TUCANOS estão morrendo por isso!!! ". Como se o PSDB fosse realmente de direita. Ela nunca ouviu falar na tática das tesouras do Lênin.

    • Pereira Postado em 01/Jul/2014 às 09:26

      Tanto PT como PSDB foram fundados ao meio da suruba ideológica da USP.

  5. Walter Postado em 01/Jul/2014 às 11:15

    Copa das Copas DILMA 2014 LULA 2018 e só.

  6. adriano Postado em 01/Jul/2014 às 11:44

    É a copa das copas por conta do clima, da hospitalidade e do futebol cheio de gols que se sobrepõem aos diversos problemas que foram registrados, sem falar dos superfaturamentos dos estádios....

  7. Sahione Postado em 02/Jul/2014 às 22:55

    Adriano, a surpresa para todos nós foi extremamente positiva, sermos elogiados depois de termos sido sempre execrados por todos , foi uma surpresa extremamente agradável. Pena que a imprensa nacional, que parece ter transmitido a outros países todo o pessimismo possível, após ler as notícias lá fora começa ela mesma a mudar as próprias manchetes, essa sim nunca deu apoio ao nosso país, e atrapalharam em tudo que publicavam antes da copa, se nao fosse isso, essa nao seria a Copa das Copas, seria o sonho que todos gostariam de atingir nos próximos 20 anos.