Redação Pragmatismo
Compartilhar
Juristas 03/Jun/2014 às 18:29
5
Comentários

As ações pouco comentadas de Lewandowski no julgamento do mensalão

Levantamento inédito detalha a participação de Lewandowski na AP 470. Ao contrário do que se imagina, foi ele quem liderou o julgamento mais famoso da história recente do STF

Ricardo Lewandowski mensalão
O ministro Ricardo Lewandowski (Reprodução)

Marcos de Vasconcellos

Concluídas as votações do julgamento do mensalão, predominou a percepção generalizada de que o ministro Joaquim Barbosa foi quem determinou os seus resultados. Mais: falou-se que enquanto Joaquim Barbosa só pediu condenações, seu colega Ricardo Lewandowski perseguiu obstinadamente a absolvição. Não foi bem assim. Um levantamento feito com dados do Supremo Tribunal Federal mostra que foi o ministro Ricardo Lewandowski quem deu o tom na maioria das decisões. Ele foi acompanhado pelo plenário 90 vezes, enquanto Joaquim Barbosa teve a adesão do colegiado em 82 ocasiões. Barbosa, realmente foi inclemente e pediu absolvição em apenas 16% das vezes. Mas Lewandowski não foi tão “bonzinho” com os acusados: propôs a condenação em 37% dos casos.

O levantamento inédito leva em conta todas as 113 questões sobre as quais os ministros deliberaram ao longo da AP 470. Em muitos pontos ambos concordaram (nesse caso, os dois “pontuam” na contagem). Mas quando relator e revisor discordaram Lewandowski levou a melhor na maioria das vezes, como na absolvição de Marcos Valério pelo crime de quadrilha, ou de João Paulo Cunha pelo crime de lavagem de dinheiro. É certo, contudo, que Joaquim Barbosa destacou-se por fazer prevalecer seu ponto de vista nas votações mais vistosas — e politicamente mais relevantes, como na crucificação de José Dirceu. Mas, por outro lado, Lewandowski conseguiu deixar sua marca, ficando o réu livre da pesada pena por formação de quadrilha

Analisados os números, constata-se que a corte condenou em 57% das deliberações — o que a posiciona mais próxima dos 37% de Lewandowski que dos 84% de Joaquim Barbosa. O levantamento inédito é a prova de como a opinião pública vê o Judiciário como ele não é, diz o criminalista Fábio Toffic Simantob. “Quem mais polemiza, é quem mais aparece, mas não necessariamente é quem mais contribui”, afirma.

O criminalista Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, que defendeu Duda Mendonça e Zilmar Fernandes no caso do mensalão, explica que o ministro Joaquim Barbosa “ganhou o julgamento midiático, que era o que o interessava”. Segundo o advogado, o presidente do STF “continua ‘presidindo’ este julgamento com os olhos voltados para a mídia, ao manter, por exemplo, o ex-ministro José Dirceu em regime fechado, contra o entendimento do Plenário que o condenou ao regime semi aberto”.

Além da busca pela atenção da imprensa citada por Kakay, outro ponto que pode explicar a visibilidade de Joaquim Barbosa no caso é o fato de sua visão ter prevalecido em pontos polêmicos do julgamento, aponta o criminalista Pierpaolo Cruz Bottini, advogado do réu Professor Luizinho . Essa também é a visão de Alberto Zacharias Toron, que defendeu João Paulo Cunha no caso.

“É surpreendente a revelação dos números, pois a ideia que todos tínhamos é de que o ministro Lewandowiski havia ficado vencido. Talvez isso seja verdade para grandes questões, como desmembramento que não se deu, ou mesmo a condenação inicial pelo crime de quadrilha, revertida somente nos embargos infringentes. De qualquer modo, é alentador perceber que a corte se mostra, no mínimo, balanceada”, declarou Toron è revista eletrônica Consultor Jurídico.

Continue Lendo: Consultor Jurídico

Recomendados para você

Comentários

  1. Thiago Teixeira Postado em 04/Jun/2014 às 09:34

    História também inclui os engavetamentos do Mensalão Tucano, Alston e Siemens, Operação Satiagraha e Furnas. Durante seu mantado, serviu aos interesses dos poderosos. Deprimente.

  2. Priscila Postado em 04/Jun/2014 às 15:48

    Rodrigo a cadeia para politicos existe, mas só quando são do petê, os outros continuam fazendo a festa ;)

  3. Eliana Postado em 04/Jun/2014 às 17:01

    Menos mal, para os dois ministros!

  4. Rodrigo Postado em 05/Jun/2014 às 19:04

    Thiago acha que por não ter julgado ainda o mensalão tucano, os Petistas deveriam está soltos recebendo o salário integral. Poderiam colocar o petista mais fiel do partido, mas se decidir algo contra o PT, claro que ele sempre foi de direita,

  5. Eduardo Postado em 11/Jun/2014 às 15:39

    A corte condenou em 57% das deliberações, mais próxima ainda fica a contradição com as decisões de Lewandowski que pediu a absolvição em 63% das deliberações. Pelo menos a matemática não induz ninguém.