Redação Pragmatismo
Compartilhar
Justiça 05/Jun/2014 às 21:14
7
Comentários

Gilmar Mendes vence ação contra CartaCapital

Justiça do Distrito Federal condenou a Editora Confiança, responsável pela publicação de CartaCapital, a pagar indenização por danos morais ao ministro do STF devido à publicação de três textos considerados ofensivos à sua honra

gilmar mendes cartacapital
CartaCapital deve indenizar Gilmar Mendes em R$ 180 mil (Reprodução)

Tadeu Rover, Conjur

A Justiça do Distrito Federal condenou a Editora Confiança, responsável pela publicação da revista Carta Capital, e os jornalistas Leandro Fortes e Mino Carta, a pagarem R$ 180 mil de indenização por danos morais ao ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes devido à publicação de três textos consideradas ofensivas à honra do ministro. Cabe recurso da sentença.

Representado pelos advogados Alexandre Fidalgo e Michael Gleidson Araujo Cunha, do EGSF Advogados, Gilmar Mendes ingressou com ação alegando que a revista Carta Capital, em cinco ocasiões, publicou textos que depreciavam sua imagem. O ministro afirma que foi taxado como contraventor e réu sem justa causa, e que, além disso, teve sua imagem ligada a comportamentos nunca adotados.

Em sua defesa, a revista e os jornalistas contestaram as acusações sustentando que apenas abordaram de modo crítico temas de interesse público, sendo as reportagens fundadas em documentos verdadeiros e um processo judicial de interesse geral. Também alegou que houve apenas o exercício da liberdade de imprensa.

Ao analisar o pedido, o juiz Hilmar Castelo Branco Raposo Filho, da 21ª Vara Cível de Brasília, lembrou que o Supremo Tribunal Federal já firmou entendimento de que o interesse à informação se sobrepõe a outros direitos constitucionalmente protegidos, sendo a imprensa responsável pelas publicações avaliadas como de interesse geral. O juiz que observou as reportagens deve atender aos princípios éticos da profissão, como ser fiel à informação e dar oportunidade aos envolvidos de esclarecer os fatos.

Entretanto, para o juiz, a revista Carta Capital e seus repórteres não seguiram esses princípios em três ocasiões. Ao analisar as reportagens que deram cabo à ação judicial, o juiz concluiu que a menção ao ministro não se deu em estrito animus narrandi — quando há intenção de contar o que testemunhou ou ouviu sobre alguém. Essas notícias foram publicadas em agosto de 2012.

O juiz afirma que a análise do material produzido pela revista afasta a alegada ausência de lesão à imagem do ministro. “Ao sentenciar logo de início ‘Juiz? Não, réu’, o aludido caráter peremptório do trabalho jornalístico se sobressai, não sendo plausíveis quaisquer considerações acerca do suposto sentido que a matéria teria pretendido atribuir à palavra réu”, complementa. Hilmar Filho explica que réu é a pessoa julgada por crime, processada em ação civil, autora de delito.

Ao continuar a análise, o juiz afirma que o jornalista focou no nome do ministro Gilmar Mendes, apesar de outros diversos nomes terem sidos citados como beneficiados de um suposto esquema de pagamentos. O juiz aponta que em uma reportagem de sete páginas, apenas cinco parágrafos fazem referência a Gilmar Mendes. Além disso, Hilmar Filho aponta que na época da publicação já havia informações disponíveis contradizendo o relatório utilizado pela Carta Capital na reportagem. Porém, em nenhum momento a notícia citou essas informações.

“A questão da autenticidade ou inautenticidade do documento, da mesma forma que a veracidade das informações contidas, não é crucial à solução da lide. A atribuição de elucidar tais questões pertence ao Juízo Criminal competente, no caso. Neste momento, o que examina é a conduta do veículo de comunicação que deve, como destacado alhures, informar de modo crítico ou não todas as nuances dos fatos abordados, preservando o direito de manifestação de quem seja alvo das acusações”, explicou o juiz.

Na sentença, ele conclui que as reportagens deram ao relatório utilizado como fonte status de prova irrefutável, sem ouvir todos os envolvidos e quem foi alvo da acusação de se manifestar. “O autor [Gilmar Mendes], na verdade”, foi ‘acusado, julgado e condenado’ pelas matérias e viu sua imagem pública manchada pela pecha de beneficiário de uma suposta organização criminosa, sem que haja notícia até hoje de seu indiciamento ou denúncia criminal propriamente dita em seu desfavor, mostrando-se evidente a lesão de ordem moral como resultado da conduta imprópria dos réus”, concluiu.

Por essas reportagens, o juiz condenou a Editora Confiança e o jornalista Leandro Fortes a pagar R$ 120 mil — R$ 60 mil por cada notícia — como compensação por danos morais.

Editorial

O juiz também considerou que houve ofensa em um editorial publicado pela revista Carta Capital em junho de 2012. Ao analisar o texto, Hilmar Castelo Branco Raposo Filho entendeu que a revista tomou o lugar do Judiciário e sentenciou o ministro como contraventor, sem sequer ouvi-lo. “Indiferente à necessidade de ponderar às várias fontes de informações disponíveis, alheio à recomendada oitiva da pessoa que acusa e desprovido até mesmo de algum espírito sarcástico ou irônico tão típico da atividade, o aturo da matéria tomou o lugar do poder competente e pôs, sem tergiversar, o autor [Gilmar Mendes] na posição de contraventor”, registrou o juiz na sentença.

Segundo Hilmar Filho, não é uma simples crítica atribuir a quem quer que seja a condição de contraventor. “Contravenção é delito, figura típica prevista em Lei de caráter penal que só se considera configurada após o devido processo legal no qual se assegurem contraditório e ampla defesa. Como então admitir que, sem quaisquer outras considerações, os réus levem a seu grande público uma afirmação de tal ordem?'”, questionou na sentença, concluindo como patente a violação da imagem do ministro.

Pelo editorial, juiz sentenciou a Editora Confiança e o diretor de redação Mino Carta a pagar R$ 60 mil à Gilmar Mendes, para compensar os danos morais.

Clique aqui para ler a sentença.

Recomendados para você

Comentários

  1. ALGOPI Postado em 05/Jun/2014 às 23:22

    Criticar gente suspeita mas que é amigo dos poderosos não pode não, né? A mídia está recheada de acusações sem prova, ataques pessoais a reputação de politicos e do governo e isso pode. É contra a liberdade de imprensa. Mas quando é contra picareta blindado aí não pode. A justiça às vezes é a ponta de lança do sistema...

    • strawnikov Postado em 06/Jun/2014 às 08:00

      Ainda ressuscitam a luta armada nesse país...

  2. eduardo Postado em 06/Jun/2014 às 01:09

    ao pedir que se investigasse os doadores de Dirceu, Delubio e Genoino, alegando a possibilidade de lavagem de dinheiro sem provas pode.... né.... espero ver a noticia desta ação também....tá na imprensa, e não é na Carta Capital.

    • Gustavo Postado em 06/Jun/2014 às 16:23

      Só que a justiça é inerte. Quem se sentiu prejudicado de seus direitos é quem deve ir atrás.

  3. rafa Postado em 06/Jun/2014 às 02:19

    imagine se aplicarem o mesmo rigor às publicações da revista veja e aos noticiários da TV brasileira!

  4. Charles Chaves Postado em 06/Jun/2014 às 12:44

    mais do que óbvio tratar-se do corporativismo predominante na "justiça" Brasileira, alias deve ser raro algum juiz que tenha coragem de contrariar o seu "superior"

  5. mauricio augusto martins Postado em 06/Jun/2014 às 13:23

    "Sem a Justiça, há a Barbárie", quem faz o Contraventor é a Contravenção, como em dispositivo Constitucional reza que "A Todos devem o Conhecimento das Leis", quem não aconhecê-la dever-se-á detalhadamente explicá-la, instando-se assim o Dever de Ensinar e não obrigatoriamente de compreender, por mais Carteiradas Jurídicas que este Povinho com Linguagem de Boteco e que tentam reverter esta atitude truculenta e ditatorial da Toga, qualquer Pessoa pode reconhecer um Delinquente, inclusive dando-lhe Voz de Prisão em Ato Ilícito, mas fazem questão de Nos fazer de néscios e parvos, quem disse que é o Juiz que pode afirmar se este ou aquele é Infrator, pois quem "Diz" é a LEI, que cabe também contra Juízes em favor maior da SOCIEDADE, este "precedente" entre muitos, fere o Instituto maior da Democracia, a Liberdade, sobretudo a Liberdade de Expressão e o Direito Constitucional a Informação, por mais que Votemos Certo e tentemos ser um canalha a Menos na Sociedade, há a necessidade de Limpar Corpos e Mentes do resquício da malditadura apresentado em forma de ranço asqueroso, autoritário e inominável...maumau