Redação Pragmatismo
Compartilhar
Contra o Preconceito 30/May/2014 às 17:43
31
Comentários

As transformações de um menino transgênero de 6 anos

Pais ganham prêmio por vídeo que mostra a transformação de filho transgênero de 6 anos

menino-transgenero

Se muitos adultos têm dificuldade de compreender o conceito de identidade de gênero, imagine uma criança. Para Ryland Whittington, de 6 anos, isso sempre foi muito claro. Nascido como menina, ele nunca se identificou com o seu sexo e questionava constantemente seus pais sobre o assunto. Quando completou 5 anos, Jeff e Hillary Whittington, de San Diego, Estados Unidos, permitiram que ele fizesse a transição do universo feminino para o masculino.

Na última semana, a família foi homenageada no 6º Harvey Milk Diversity Breakfast e recebeu o Premio Inspiração depois de exibir o vídeo em que mostra a transição do filho Ryland de menino para menina. No evento, o garoto subiu ao palco usando terno e gravata e leu um anúncio ao público: “Meu nome é Ryland Whittington. Eu sou uma criança transgênera”.

Leia também: As crianças transexuais existem e querem ser felizes

O vídeo “The Whittington Family: Ryland’s Story”, publicado na web nesta semana, já alcançou quase 350 mil visualizações no Youtube. A família só foi confrontada com a identidade de gênero dele, quando Ryland já estava mais crescido. Isso porque ele nasceu com um problema de surdez e só começou a escutar após fazer um implante coclear — dispositivo tecnológico que estimula as fibras nervosas do ouvido. Pouco depois de aprender a falar, ele contou aos pais: “Eu sou um menino”.

Jeff e Hillary, despreparados para lidar com a novidade, acharam que era algo temporário, que iria passar. Mas, ao completar 5 anos, ele começou a rejeitar tudo que se relacionasse ao universo feminino. O estopim foi quando ele questionou aos pais: “Por que Deus me fez assim?”.

A família decidiu, então buscar ajuda profissional e pesquisar sobre a identidade de gênero de crianças. A explicação encontrada foi que Ryland é transgênero. A pesquisa trouxe um baque: 41% das pessoas transgêneras tentam cometer suicídio devido à dificuldade de serem aceitos socialmente. Decididos, Jeff e Hillary, que têm também uma filha mais nova, abraçaram a “nova” identidade de seu filho.

A mudança das roupas, dos brinquedos e da decoração do quarto foram apenas algumas das alterações. O menino adorou cortar os cabelos e a família ainda precisou se adaptar a se referir a ele no gênero masculino.

“A identidade de gênero de Ryland não foi provocada pelo nosso jeito de criá-lo, nossa estrutura familiar ou fatores ambientais”, explica um trecho do vídeo. As imagens retratam a infância de um menino comum e feliz.

Vídeo:

com Extra e Terra

Recomendados para você

Comentários

  1. Rafael Postado em 30/May/2014 às 18:45

    Atitude muito digna da família, e dos amigos que não viraram as costas pra eles. Apenas surgiu uma dúvida, a criança chegou a fazer alguma operação ou foi só uma mudança de hábitos ?

    • Laila Postado em 31/May/2014 às 08:54

      Nessa idade não se faz nenhuma cirurgia não. Foi só mudança na expressão de gênero: roupas, aparência etc. Quando ele chegar à puberdade poderá fazer reposição hormonal com testosterona, se assim desejar, além de cirurgia.

  2. Paulo F Postado em 30/May/2014 às 20:18

    Porque uma criança de 6 anos sabe muito o que quer da vida mesmo..

    • Jonas Postado em 31/May/2014 às 15:16

      nao, ela nao sabe memso. ela simplesmente eh.

      • Paulo F Postado em 01/Jun/2014 às 22:49

        E quem está dizendo isso? Foi feito algum estudo com 100% de precisão sobre ela? Porque eu te dou 100% de certeza que ela tem uma vagina e não um pênis. Nunca será!!!

    • Elias Postado em 31/May/2014 às 17:03

      Eu digo, os motivos da esquerda não reduzirem a maioridade penal são claros e não possuem nada a ver com criminalidade e sim outros motivos, alguns conseguem perceber.

      • Felipe P Postado em 01/Jun/2014 às 18:23

        Elias, novamente estás comentando em pautas erradas. Procura tua turma, reaça bunda mole.

      • Paulo F Postado em 01/Jun/2014 às 22:49

        Concordo com o seu pensamento, Elias.

      • Thiago Lopes Postado em 03/Jun/2014 às 21:13

        Elias bunda mole hahahaha

    • Paola Postado em 31/May/2014 às 21:32

      O que quer? Ninguém escolhe o que É. Ele é transgênero, nasceu assim e independentemente da idade sempre será assim!!!

    • Felipe P Postado em 02/Jun/2014 às 11:58

      Fecha a bíblia. Agora respira fundo e pensa.

    • Sarah Postado em 03/Jun/2014 às 07:59

      As pessoas normalmente sabem mais o que querem da vida quando são crianças do que quando são adultos.

  3. rosa Postado em 30/May/2014 às 20:27

    bonito de ver!

  4. Virgínia Sales Postado em 31/May/2014 às 06:48

    Essa história lembrou aquele filme Tomboy, muito legal a história dessa família. Tenho a mesma dúvida do Rafael.

  5. Elias Postado em 31/May/2014 às 17:02

    Uma criança sabe o sexo que possui aos 6 anos de idade, sendo essa sexualidade algo subjetivo e dentro da esfera mental, e um assassino de 17 anos que abre uma senhora de idade ao meio não sabe o que faz?

    • Pereira Postado em 02/Jun/2014 às 09:21

      Perfeito !

  6. mauricio augusto martins Postado em 01/Jun/2014 às 14:31

    E que seja Bem Vinda à Vida, a crase do artigo "a" é proposital, como não sabemos os Sexos dos Anjos e nem do Espírito, quem pode julgar a Alegria dos Pais por seus Filhos, a eles a Alegria e a Nós enquanto Sociedade ou aceitamos de uma vez por todas a NATUREZA, sem preconceitos e outras maldades impostas ou não, aprendidas e que podem ser Desaprendidas, ou se recolher a ignomínia do silêncio por não "querer" compreender a própria Vida...maumau

  7. Alberto Postado em 01/Jun/2014 às 18:23

    Muito emocionante!

  8. Pereira Postado em 02/Jun/2014 às 09:07

    Isso aí não é mais uma experiência macabra(do "fabuloso" Dr. Jonh money) como fizeram com Bruce e Brian Reimer ?

  9. Pereira Postado em 02/Jun/2014 às 09:10

    É mais fácil criar a filha como homossexual, do que procurar ajuda para a criança. Ahh tinha esquecido, é proíbido por lei procurar ajuda profissional nesses casos.

  10. Silva Postado em 02/Jun/2014 às 14:51

    O que sua burrice não permite entender Pereira, é que pais com sensibilidade e que amam seus filhos incondicionalmente, é libertar-se de qualquer preconceito, e presar pela felicidade do mesmo. independente de suas escolhas, ainda bem que esses pais que amam tanto seu filho, buscaram ajuda depois dele ter dito embora com seis anos que era um menino; sua capacidade intelectual não consegue diferenciar esse caso da cura gay coisa que defende com tanta falta de argumento. A ajuda profissional é muito bem vinda, não para cura, porque isso só existe em cabeça de fundamentalista religioso e gay enrustido. Mas sim para que eles possam resolver todos seus conflitos e sofrimentos; muito bom exemplo desses pais que permitiram fazer à transição do universo feminino para o masculino e ainda mudar os brinquedos, roupas e decoração do quarto, tenho certeza que com essa atitude, todos serão mais felizes, coisa difícil de tu compreender, pelo motivo de falta de sensibilidade. Desejo a ti que não tenha um filho gay, não porque é algo ruim, muito pelo contrário não conheço nenhum que abandona pais na velhice e também que cometem crimes dignos de Brasil Urgente, caso Bernardo, Isabela Nardoni, entre outros que não aceitam um fim de namoro, e simplesmente matam com requintes de crueldade. pelo ser que você é, o perigo é seguir o conselho do Bolsonaro e bater tanto o para virar homem ou mulher.

    • Pereira Postado em 02/Jun/2014 às 15:33

      1) Te aconselho a verificar o Dr. john money, um dos idealizadores da ideologia de gênero e sua experiência macabra com os gêmeos Bruce e Brian Reimer, caso muito semelhante a esse aí. 2) Nunca houve, não há e nunca haverá projeto de "cura gay", o que houve foi uma tentativa de sustar duas resoluções do conselho de psicologia que cerceia o profissional de ajudar homossexuais que voluntariamente queram deixar o homossexualismo. De hetero para homossexual pode, mas a via contrária não. 3) Os homossexuais, para sua informação, estão perdendo feio o debate no ponto que fala se "se nasce gay, ou se escolhe". A ciência não diferencia em nada um homossexual e um heterossexual, para fechar esse furo eles criaram a "ideologia de gênero", a criança nasce "em branco" no que tange a sexualidade, e no futuro escolhe o que quer ser, o que não se encaixaria nesse caso. Essa menina tem uma vagina e nunca será um menino, está claro que há um problema estrutural na família oculto. 4) Para concluir, é mais fácil criar a filha como homossexual precoce(pode ter arpendido homossexualismo na escola, com as cartilhas que inventam por aí) do que procurar uma ajuda que ninguém vai querer arriscar seu diploma para oferecer. É Deprimente ver isso, e pior está cada vez mais perto do Brasil.

      • Pereira Postado em 02/Jun/2014 às 15:36

        Os problemas maiores apareceram na adolescência quando ver seus amigos criando barba e alterando a voz. Como os pais "amorosos" vão encher essa pobre criatura de hormônios, ela terá que se preocupar com os problemas de saúde e psicológicos que certamente apareceram.

      • Sarah Postado em 03/Jun/2014 às 08:34

        Não sei se você é desinformado ou desonesto, mas a experiência do Dr. Money foi de condicionar o gênero da criança sem o consentimento dela, ou seja, criar uma criança nascida biologicamente XY como menina e provar que o gênero pode ser condicionado. Acontece que a criança nunca se identificou como menina, e depois que cresceu passou a adotar a sua identidade biológica, destruindo a teoria do Dr. Money. O caso do menino Ryland (e de todas as pessoas transexuais) é exatamente o oposto! Talvez você não entenda bem inglês e por isso não ocmpreendeu direito o vídeo, mas Ryland foi criado como menina nos seus primeiros anos e a mudança de gênero ocorreu a partir da sua própria vontade, e não por imposição de outra pessoa. Eu sou transexual e acho que você deveria ouvir o que pessoas com essa mesma condição tem a dizer, porque eu sei que pra uma pessoa que não passa por isso deve ser muito difícil compreender. Mas o principal, e acho possível que até mesmo você seja capaz de compreender, é que a transexualidade é uma condição inata. O processo de readequação de gênero (que é bem mais complexo do que a simples readequação sexual) é muito difícil para todos os envolvidos, e ninguém passaria por isso se não fosse por necessidade. E pra finalizar, você mistura transexualidade e homosexualidade em um mesmo comentário e fala das duas coisas como se fossem quase iguais e isso mostra como o seu entendimento de ambos os temas é raso, porque são duas coisas bem distintas. Uma diz respeito à identidade de gênero e ao papel social do indivíduo, e a outra à preferência sexual. Se mesmo você ainda não consegue perceber a diferença, talvez seja melhor você se precupar com outros assuntos porque talvez esses temas sejam complexos demais para o seu intelecto.

  11. Silva Postado em 02/Jun/2014 às 16:04

    Seu caso é muito pior que simples falta de inteligencia e sensibilidade Pereira, é caso de tu buscar ajuda com a psicologa cristã, o que eu disse foi só questão de respeitar e aceitar escolhas, para serem felizes, é lógico que ela tem vagina, mas em sua cabeça é menino, e a família não tem problema estrutural algum, e sim simplesmente aceitaram e respeitaram, o que uma criança inocente está sentindo, e só você acredita, que através de cartilhas, uma pessoa se torna homossexual, se fosse assim ninguém queria ser gay, para deparar com pessoas como você e Bolsonaro, de extremo preconceito, Já sei você seguirá o conselho do Bolsonaro se tiver um filho gay sem dúvida nenhuma.

    • Pereira Postado em 02/Jun/2014 às 16:38

      Para você é "normal" uma criança de 6 anos que mal sabe o que é vida, dizer que odeia ser menina. Para você e para governos totalitários como a Suécia é normal haver kits de masturbação para crianças em farmácias públicas(verifique na internet).Para pessoas como você "se o menino quiser brincar com o pintinho do outro, deixa", como afirmou uma militante BGLTRFFDDE dentro das dependência do Congresso nacional(está gravado). Para você, insano é achar que essa menina tem um problema e precisa de ajuda, ou insano é tentar manter a célula da sociedade(família tradicional) saudável. É lamentável perceber, que o politicamente correto está se alastrando. É deprimente o grau de alienação que o neomarxismo causa nas pessoas.

  12. Pereira Postado em 02/Jun/2014 às 17:23

    E por último : eu sou "fundamentalista religioso" você nem sabe o que é isso, mas ta na moda chamar quem não concorda com homossexualismo assim.

  13. Matheus B. Postado em 02/Jun/2014 às 18:47

    Vejam como essa questão de gênero é confusa e perigosa. A criança escolheu naturalmente o seu gênero, sem influências externas, segundo a matéria. Aconteceu do seu gênero ser diferente do seu sexo, o que é indicativo de má formação biológica. Entretanto, a ideologia de gênero afirma que o gênero é uma escolha construída socialmente, conforme os papéis desempenhados por cada um na sociedade. São evidentemente coisas opostas, a primeira remete à biologia, a segunda, ao comportamento, mas os defensores da ideologia de gênero usam o exemplo acima como justificativa para aplicação da sua teoria. Não é uma baita sacanagem? Em vez de dizer a todas as crianças que elas são livres para escolherem o gênero que bem entenderem, criando uma confusão enorme em todas as cabecinhas, não é melhor dar um cuidado especial aos poucos que realmente se mostram confusos?

    • Sarah Postado em 03/Jun/2014 às 08:12

      A identificação de uma pessoa com um ou outro genêro é particular do indivíduo, e a maioria dos especialistas hoje considera que a identidade de gênero é inata. O que é construído socialmente são os papéis de cada gênero na sociedade. Tem cuidar pra não confundir as duas coisas. Essa ideia de que a construção da identidade de gênero pode ser condicionada ganhou força principalmente depois da experiência do Dr. Money, mas a experiência não deu certo e hoje essa ideia de que a identidade de gênero pode ser condicionada é considerada um mito.

      • Pereira Postado em 03/Jun/2014 às 08:47

        então de uma olhada em uma palestra da Dr. Fernanda Takitani, e descubra de onde vêm essa tal de ideologia de gênero. você só é mais uma pessoa enganada.

      • Matheus B. Postado em 03/Jun/2014 às 11:52

        Pois é, Sarah, mas esse mito está bem vivo, estão nos vendendo gato por lebre, via PNE, em nome da igualdade.