Redação Pragmatismo
Compartilhar
Democratização Comunicação 28/May/2014 às 18:26
6
Comentários

Os meios de comunicação preferidos dos brasileiros

Pesquisa ibope apresenta péssimo resultado para as revistas. Em último lugar na preferência do público, as revistas também são consideradas menos confiáveis do que os jornais. TV e internet lideram

A velha pergunta sobre se a mídia impressa irá acabar diante do crescimento da internet tem agora uma resposta atualizada: as revistas estão morrendo aos olhos da multidão.

Das semanais de informação às ilustradas repletas de fotos, as revistas formam o segmento derrotado pelos números da pesquisa Ibope, divulgada pela Secretaria de Comunicação Social, sobre hábitos de consumo de mídia do público brasileiro.

Entre as preferências sobre meio de comunicação, as revistas ficam num humilhante último lugar, com apenas 0,3% de indicações e, fator vexatório, atrás até mesmo da difusa opção por outras (0,8%). O primeiro lugar no ranking das preferências é a televisão, com 76,4%, mas a grande vitoriosa na pesquisa é a internet. Caçula das mídias sociais, ela já ultrapassou o rádio (7,9%), de acordo com o levantamento, para instalar-se no segundo lugar com 13,1%. Os jornais, de muito, ficaram para trás, hoje com somente 1,5% de indicações como midia preferida do público. Repita-se: um e meio por cento.

Não houve críticas à pesquisa. Os barões da mídia tradicional e familiar preferiram capturar pedaços dela para interpretação em lugar de questionar os resultados. Melhor assim. Afinal, trata-se do mais profundo levantamento realizado sobre o tema. Entre outubro e novembro de 2013, 200 pesquisadores aplicaram 75 perguntas a 18.312 brasileiros em 848 municípios.

Os jornais de 1,5% de preferências destacaram que detêm a liderança em credibilidade. Além disso, 53% dos leitores de jornais afirmaram confiar nas notícias publicadas neles – e aparece aqui mais um ponto negativo para a revistas. É o rádio o veículo que fica em segundo posto em credibilidade, com 50% de indicações de confiança entre seus usuários, contra 49% para o televisão pelos que a assistem. Só então o índice de confiança de leitores do veículo analisado chega às revistas, com 40%.

Entre os meios pesquisados, a revista é o que tem a menor presença no dia-a-dia dos brasileiros. De acordo com os resultados sobre frequência de uso, apenas 1% dos entrevistados leem este meio todos os dias, enquanto 85% afirmam que não costumam ler ou nunca leem revistas impressas. Se considerado o fato de que, em geral, as revistas impressas têm edições semanais, ainda assim a frequência se mantém baixa, pois apenas 7% dos entrevistados afirmam ler revista uma vez por semana ou mais.

A internet e o rádio são meios de comunicação muito presentes na vida das pessoas, ainda que em menor grau: 61% têm o costume de ouvir rádio e 47% têm o hábito de acessar a internet.

Nada menos que 97% dos entrevistados afirmaram ver TV, um hábito que une praticamente todos os brasileiros, com independência de gênero, idade, renda, nível educacional ou localização geográfica.

Já a leitura de jornais e revistas impressos é menos frequente e alcança, respectivamente, 25% e 15% dos entrevistados. Não há mesmo boas notícias para as revistas nesta pesquisa do Ibope – o que ajuda a entender a crise vivida por empresas como a Editora Abril.

247

Recomendados para você

Comentários

  1. Alexandre Lopes Postado em 28/May/2014 às 19:00

    Mas os brasileiros não deixam de ler revistas, porque possuem senso crítico . Se tivessem , a TV aberta não seria consumida da forma que é . O brasileiro lê pouco revista e jornal , porque não lê porra nenhuma e é um analfabeto funcional e despolitizado . Esse é o perfil do brasileiro médio .

    • Rafael. Postado em 29/May/2014 às 00:29

      ler pouco não é o maior problema, ler pouco, mas uma leitura qualificada é válida. Difícil mesmo é ter Veja, Folha, Estadao, como os jornais/revistas mais lidos do Brasil.

  2. pedro Postado em 29/May/2014 às 09:04

    Estou feliz por estar entre os brasileiros que nao leem revistas e nao possuem TV em casa. Nos poucos anos em que adotei essa atitude, percebi o quanto minha visao de mundo mudou. Sou muito mais realista hoje, e procuro minha orientacao politica atraves de artigos cientificos e da conversa com as pessoas nas ruas.

  3. Fernanda Postado em 29/May/2014 às 09:29

    Não vejo TV. Sim, tenho o aparelho em casa, mas acabo utilizando apenas como um monitor para DVD e para vídeo-game. Revistas políticas também não leio, mas leio revistas de outros temas como moda, fitness e arte. Procuro minha orientação política em conversas e em blogs independentes de diferentes orientações, a fim de ver todos os pontos de vista que o tema oferece. E me sinto bem mais realista agindo assim.

  4. Deisi Postado em 29/May/2014 às 10:48

    Sou amante de Rádio AM, gosto muito da interação do radialista e ouvintes, eu e meu esposo, só dormimos com rádio ligado, com músicas de saudade, pessoas solitárias, que procuram uma pessoa para compartilhar seus momentos. Quando surgiu a TV, disseram que o rádio ia acabar, não aconteceu, e hoje já se pode ouvir pelo celular e INTERNET isso é maravilhoso, já TV vejo pouco, revista e jornais nunca, procuro ler noticias pela internet, menos Folha que todo seu conteúdo são de noticias manipuladas. Fico feliz que as revistas estão prestes ao encerramento. e torço para que o rádio permaneça. Me lembro que na década de 80, tinha amigos que eram assinantes da Veja Fake, recebiam varias revistas depois mudavam o nome e continuavam recebendo sem pagar, eles diziam que o importante era à tiragem, faz tempo que a Veja tem o sistema de elevar seu números de assinantes, isso um tempo que sua linha editorial era bem diferente dessa farsa que à revista se tornou.

  5. Jão Da Silva Postado em 27/Jun/2014 às 12:51

    E ainda tem inocente achando que a Globo já não tem tanta força no Brasil.