Redação Pragmatismo
Compartilhar
Eleições 2014 29/May/2014 às 18:47
6
Comentários

Candidato do PSOL: "O inimigo é a velha direita, não o PT"

Gilberto Maringoni minimiza disputa interna no partido e promete não repetir ataques do PSOL ao PT na disputa em São Paulo. “O petismo pode não ser de esquerda, mas o anti-petismo geralmente é de direita”

Gilberto Maringoni psol sp
Gilberto Maringoni, candidato do PSOL ao governo de São Paulo (Reprodução)

O historiador e cartunista Gilberto Maringoni, candidato a vereador pelo PSOL em São Paulo em 2012, teve de “atender a um chamado” do partido na última semana. O professor de filosofia da USP Vladimir Safatle, que postulava a candidatura ao governo pelo PSOL, desistiu da disputa em meio a duras críticas contra o diretório estadual. As reclamações foram de que a legenda não tratou sua candidatura como prioridade e, consequentemente, não se engajou para levantar fundos. Maringoni, então, aceitou o desafio de assumir o posto de pré-candidato do PSOL no lugar do colega, a cinco meses das eleições. Professor na Universidade Federal do ABC, ele defende que não se trata de uma candidatura “tapa-buraco”. “Essa é uma forma menos elegante de falar suprir a demanda. Eu atendi um chamado. Não estou tapando buraco, não”.

As condições para realizar a campanha ainda são as mesmas que foram decisivas para a desistência de Safatle. O PSOL não tem dinheiro em caixa e o historiador terá de sair “passando o chapéu” em busca de financiadores de campanha. Maringoni, entretanto, ameniza o conflito interno na sigla. “Essa questão [acusações de Safatle contra o PSOL] esquentou um pouco além da conta, mas nenhum fusível foi queimado. Não me parece que tenha inviabilizado a campanha”, afirma.

Com 18 anos de militância pelo PT, Maringoni tem um perfil um pouco diferente de outros candidatos lançados recentemente pelo partido. Os eleitores não devem esperar dele uma postura parecida com a do então candidato à Presidência pelo PSOL em 2010, Plínio de Arruda Sampaio, que atacou constantemente a hoje presidenta Dilma Rousseff (PT) em entrevistas e debates durante o pleito. Maringoni não tem problema em reconhecer os avanços dos governos Lula e Dilma. Ao contrário. Ele rejeita o “anti-petismo”, mas também não gosta da fama de ser considerado o mais petista dos membros do PSOL.

“Essa piada é genial”, ironiza, apesar de admitir que vai focar suas críticas nos tucanos. “O inimigo continua sendo a velha direita. Embora o PT concilie com isso, seja frouxo para combater isso, ainda é muito diferente da velha direita. Até porque sua base social é muito diferente. Aí que não critico o PT. O petismo pode não ser de esquerda, mas o anti-petismo geralmente é de direita”, defende.

Leia a entrevista na íntegra em CartaCapital.

Recomendados para você

Comentários

  1. Denisbaldo Postado em 29/May/2014 às 19:45

    O inimigo é a velha direita que constantemente corrompe a nova esquerda, ou seja, ficamos no 0 x 0.

  2. Thiago Teixeira Postado em 29/May/2014 às 22:28

    Até que enfim algum político do PSOL percebeu que ataques ao PT, dá voto aos demotucanos, e não a eles. Além de ajudar gratuitamente a campanha anti-pobre-andando-de-avião.

  3. Gabriel Postado em 29/May/2014 às 22:36

    Safatle não desistiu da candidatura. Parte do diretório do PSOL (integrantes da APS) lançou Maringoni tacando Safatle pra escanteio, mas esse sempre esteve empenhado na campanha. Calúnia dizer que desisitu, maior calúnia ainda dizer que foi por falta de dinheiro. Safatle, por sinal, é abertamente contra o financiamento privado de campanha (que nossos camaradas da APS, Maringoni junto, encaram como um mal necessário para angariar dinheiro e mais dinheiro). Acho, portanto, ultrajante que façam uma acusação dessas a Safatle num blog como o Pragmatismo Político. Espero que seja por pura falta de informação. Vejam outra versão da história: http://www.insurgencia.org/?p=1668.

  4. Matheus B. Postado em 30/May/2014 às 09:44

    Ou seja, o PT é de esquerda enquanto está dando certo. Quando a ineficiência da economia socialista começa a aparecer, a inflação retorna, a criminalidade avança, não é a esquerda que está dando errado. Simplesmente não é mais a esquerda, que deve ser substituída pela verdadeira esquerda, sempre mais radical do que a anterior, e assim por diante.