Redação Pragmatismo
Compartilhar
Ditadura Militar 25/Apr/2014 às 18:08
16
Comentários

Ex-torturador e assassino confesso da ditadura é encontrado morto

Um mês depois de depor e admitir torturas durante ditadura, coronel é encontrado morto. Segundo familiares, casa de Paulo Malhães foi invadida e morte se deu por sufocamento. Comissão pede que PF acompanhe investigação

morre paulo malhães ditadura militar
Torturador na ditadura, coronel Paulo Malhães é encontrado morto no RJ. Morte pode ter sido queima de arquivo (Divulgação)

Um mês após revelar ao país que matou, torturou e ocultou cadáveres de presos políticos durante a ditadura, o coronel reformado do Exército Paulo Malhães, 76 anos, foi encontrado morto na manhã desta sexta-feira, no sítio em que morava, em Nova Iguaçu, no Rio de Janeiro.

Segundo a Polícia Civil, o corpo apresentava sinais de asfixia. A mulher do coronel reformado, Cristina Batista Malhães, afirmou que três homens teriam invadido o sítio na noite de quinta-feira, 24.

Leia também: O sumiço do corpo de Rubens Paiva e um depoimento bárbaro

No depoimento, Malhães, ao comentar seus atos, disse ainda que “não tinha outra solução”. Ao admitir que atuava na chamada Casa da Morte, em Petrópolis (RJ), também não estimou quantos presos políticos foram assassinados no local. “A casa não era só minha”, argumentou. Segundo ele, o local era mantido com recursos do Exército.

O militar também confirmou ter participado da chacina do Parque Nacional do Iguaçu, em 1974, quando cinco militantes foram executados. Eram liderados pelo ex-militar Onofre Pinto, morto dias depois. Todos estão desaparecidos até hoje. Mas recuou de declarações dadas à Comissão da Verdade do Rio de Janeiro e ao jornal O Dia, sobre participação na operação para retirar o corpo de Rubens Paiva de uma praia no Rio. E afirmou não saber o destino do corpo.

Contrariando o que disse o delegado, o coronel Brilhante Ustra, apontado como torturador por entidades de direitos humanos, escreveu em sua página na internet que Malhães foi assassinado por quatro pessoas, que teriam dado quatro tiros no ex-militar. Posteriormente, Ustra postou reportagens dos jornais O Globo e Extra, que trazem a notícia sobre possível asfixia. “Postei no site apenas o que soube. A primeira informação é que seriam quatro homens e quatro tiros”, diz mensagem assinada por Joseíta Ustra, mulher do coronel e responsável pelo site, lembrando que posteriormente novas informações foram acrescentadas. “Estamos tão interessados em postar a notícia correta como o senhor.”

O coordenador da CNV, Pedro Dallari, telefonou para o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e pediu que a Polícia Federal acompanhe as investigações da Polícia Civil do Rio de Janeiro. Em nota, a comissão afirma que o crime deve ser investigado “com rigor e celeridade” por sua eventual relação com as revelações feitas por Malhães. “Por se tratar de uma situação que envolve investigação conduzida pela CNV, que é órgão federal , pedi que a Policia Federal fosse acionada para acompanhar as investigações conduzidas pela Polícia Civil do Rio”, disse Dallari.

Para o advogado e ex-deputado Luiz Eduardo Greenhalgh, trata-se mesmo de queima de arquivo. “O único militar torturador que contou o que fez e o que sabia foi assassinado. Queima de arquivo evidente”, afirmou no Twitter.

De acordo com a Agência Brasil, o presidente da Comissão Estadual da Verdade do Rio de Janeiro, Wadih Damous, disse que a morte precisa ser investigada com rigor. “O coronel reformado foi agente importante da repressão política e detentor de muitas informações sobre a ditadura”, comentou, para justificar a necessidade da apuração.

Confira os depoimentos de Malhães à Comissão da Nacional da Verdade:

com informações de RBA

Recomendados para você

Comentários

  1. Thiago Postado em 25/Apr/2014 às 18:14

    Não foi vingança, foi morto por alguém que não queria que ele falasse mais nada (seus comparsas). Afinal, suas vítimas já estavam todas mortas.

    • Alexandre Postado em 25/Apr/2014 às 18:21

      Pensei o mesmo, de qualquer forma esse daí deve está acertando as contas no inferno.

  2. Rafael Postado em 25/Apr/2014 às 18:27

    Certeza que vai haver uma "comoção coxinha" sobre isso, se é que não foi armado pelas Forças Armadas mesmo vide atentado do Rio Centro.

  3. Bruno Ribeiro Postado em 25/Apr/2014 às 18:29

    Bandido bom, é bandido morto. Foi tarde!

    • Júlio Postado em 25/Apr/2014 às 18:33

      Acho que você está no site errado, amigo.

      • aken Postado em 29/Apr/2014 às 03:39

        interpretando ironicamente, gostei do comentário dele

  4. Fernando Postado em 25/Apr/2014 às 21:45

    Não compare a luta pela democracia com o tráfico

  5. Thiago Teixeira Postado em 25/Apr/2014 às 21:47

    Pra mim a muié desse cara estava de saco cheio sufocou o homi! Está colocando a culpa numa "terceira pessoa", tipo a história que o casal Nardoni contou a polícia.

  6. Janaina Postado em 25/Apr/2014 às 23:22

    Não diria queima de arquivo... Para mim foi apenas um alerta para que o pacto de silêncio dos agentes da repressão não seja mais quebrado.

  7. Monteiro Postado em 26/Apr/2014 às 00:01

    Essa reportagem não procede. Saddam Hussein morreu em 2006.

    • leandro Postado em 26/Apr/2014 às 08:32

      hahahah pode crê! Parece muito!

  8. Leandro Postado em 26/Apr/2014 às 08:33

    Normalmente os coxinhas gritam "Bandido bom é bandido morto", bom...esse cara era um criminoso, assassino, será que alguém vai gritar isso também? Ou vão usar a desculpa de que eram ordens?

    • Paulo F Postado em 26/Apr/2014 às 12:00

      Leandro,então você é mais um dos Sheherazade's da internet e apoia ''jutisceiros'' ? Pois é isso o que você incitou.

      • Pereira Postado em 28/Apr/2014 às 10:21

        Agora vale ser justiceiros ? Mataram um bandidão da ditadura . Talvez quem matou foi o bisneto do Lamarca ou então usou os ensinamentos de guerrilha do marighela. Os "anjinhos" rebeldes da ditadura podiam esfolar suas vitimas que era em nome da democracia.

      • Pereira Postado em 28/Apr/2014 às 10:25

        Maduro, que gosta de perseguir e matar seus opositores de direita esconde corpos e o Brasil apoia. Comissão da verdade ? pra inglês ver. Outros Cadáveres que não interessam para a esquerda brasileira.

  9. JORGE Postado em 27/Apr/2014 às 20:08

    TODOS OS QUE QUISERAM ENTREGAR O SOLO PÁTRIO PARA OS COMUNISTAS ,TIVERAM O QUE MERECEM TODOS OS TRAIDORES!