Redação Pragmatismo
Compartilhar
Ditadura Militar 02/Apr/2014 às 15:58
3
Comentários

Dilma chora ao lembrar de exilados e mortos pela ditadura

No Galeão, Dilma cita ‘Samba do Avião’ e se emociona ao lembrar retorno de exilados políticos. Presidente destacou importância simbólica do terminal, que leva o nome de Tom Jobim desde 1999

dilma chora galeão samba do avião
Presidente Dilma se emociona ao lembrar de exilados políticos (Pablo Jacob / O Globo)

A presidenta da República Dilma Rousseff se emocionou na manhã de hoje (2) ao lembrar o retorno ao Brasil de pessoas exiladas durante a ditadura militar. A citação foi feita durante a assinatura do contrato de concessão do Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro – Antônio Carlos Jobim/Galeão.

Dilma chegou a chorar ao falar sobre a música Samba do Avião, do compositor Tom Jobim, que, segundo a presidenta, além de homenagear o aeroporto do Galeão, também é uma “homenagem aos exilados”, que voltaram depois da anistia. “É uma síntese perfeita do que é a saudade do Brasil, a lembrança do Brasil e, melhor de tudo, voltar ao Brasil, chegando no Galeão”.

Segundo a presidenta, a concessão do Galeão à iniciativa privada é fundamental para atender ao desafio de aumento da demanda dos brasileiros por viagens aéreas. “É um aeroporto fundamental não só para o turista estrangeiro, mas para o brasileiro. E ele tem que fazer jus a esta Cidade Maravilhosa”, disse Dilma.

Agência Brasil

Recomendados para você

Comentários

  1. Thiago Teixeira Postado em 02/Apr/2014 às 17:39

    Essa mulher é a única que pode criticar a ditadura perto de mim que ficarei quieto. Força presidenta, vossa excelência deu a maior volta por cima da História. Hoje os comandantes a tratam com "senhora, sim senhora".

  2. luiz carlos ubaldo Postado em 03/Apr/2014 às 09:10

    Mulher de coragem extrema, não se curvou diante dos facinoras fardados e seua lacaios, voto Dilma com muito prazer, como Brasieliro que sou!

  3. Esdras Pereira Alves Neto Postado em 03/Apr/2014 às 11:31

    Essa mulher é uma Guerrilheira nada. É só perceber as suas expressões.