Redação Pragmatismo
Compartilhar
Política 29/Apr/2014 às 20:53
22
Comentários

Collor desabafa após ser inocentado pelo STF

"Quem poderá me devolver tudo aquilo que perdi", pergunta Collor depois da absolvição. Senador diz que STF rescreveu a história do Brasil ao absolvê-lo e dispara críticas ao presidente da Corte e ao Ministério Público

fernando collor absolvido stf
“Quem poderá me devolver tudo que perdi?”, questiona ex-presidente Fernando Collor após absolvição (Foto: Pedro França / Agência Senado)

O senador e ex-presidente Fernando Collor (PTB-AL) usou a tribuna do Senado ontem para comemorar a sua absolvição em ação penal julgada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) na semana passada. O senador retomou o tom crítico de seus discursos, mas quase foi às lágrimas em alguns momentos. Disse que o tribunal reescreveu a história do país ao inocentá-lo dos crimes que resultaram no seu impeachment da Presidência da República, em 1992, e questionou a quem caberia a responsabilidade pelas acusações que sofreu e o desdobramento delas.

“Depois de mais de duas décadas de expectativas e inquietações pelas injustiças a mim cometidas, cabe agora perguntar: quem poderá me devolver tudo aquilo que perdi? A começar pelo meu mandato presidencial e o compromisso público que assumi, a tranquilidade perdida por anos a fio. Quem pagará pela difamação insana, pelo insulto desenfreado, pela humilhação provocada, pelas provações impostas, ou mesmo pelas palavras intolerantemente pronunciadas e, mais ainda, inoportunamente escritas?”, cobrou Collor.

O senador classificou de lamentável a postura de Barbosa, na semana passada, ao final do julgamento da ação em que era acusado pelo Ministério Público de participação em esquema de desvio de recursos por meio de contratos da Presidência com agências de publicidade. Barbosa criticou a morosidade da Justiça brasileira e afirmou que o processo passou 23 anos tramitando em diferentes instâncias da Justiça “com tropeços” e com “mil dificuldades”.

“Se no Brasil a Justiça como um todo padece de letargia, como ele próprio – Barbosa – reconheceu ao final de meu julgamento, o presidente da mais alta Corte judicial padece de liturgia. O senhor presidente da Suprema Corte do país tem uma carência de liturgia para o exercício do seu cargo”, atacou Collor. O senador disse que mais grave do que “se confundir ou declarar o resultado do julgamento” foi Barbosa resumir “de forma desmerecedora e embaraçosa o enredo da ação e do julgamento, deturpando os fatos”.

Sobraram críticas para o Ministério Público e para a imprensa. O senador classificou como “grave e tenebrosa” a atuação do MP no caso e afirmou que a denúncia foi embasada em transcrições deturpadas de depoimentos colhidos durante as investigações.

“O resultado, nem sempre reproduzido pelos meios na mesma proporção das notícias precedentes ou com a mesma fidedignidade dos fatos – covardia, isso é covardia – veio não apenas me aliviar das angústias que tenho vivenciado nos últimos 23 anos, mas, igualmente, veio reescrever a história do Brasil na parte referente ao período em que exerci, com muito orgulho e honra, pelo voto direto de todos os brasileiros, a Presidência da República Federativa do Brasil”, afirmou.

Entenda o caso

O senador Fernando Collor era acusado de peculato, corrupção passiva e falsidade ideológica por ter ter permitido a assinatura de contratos fraudulentos com empresas de publicidade quando era presidente, entre 1990 e 1992.

Segundo a denúncia do Ministério Público, agências de publicidade eram contratadas por meio de concorrências ilegalmente direcionadas. Em troca do favor, as empresas pagavam propina a assessores diretos do então presidente. Parte do dinheiro desviado teria sido usado para custear a pensão a um filho tido por Collor fora do casamento.

A denúncia do MP foi recebida na Justiça comum em 2000, mas o caso chegou somente em 2007 ao Supremo Tribunal federal (STF), onde ficou parado na relatoria de 2009 a 2013. A demora para julgar foi tanta que os crimes de corrupção passiva e falsidade já estavam prescritos – portanto, mesmo que houvesse condenação, o réu não poderia ser punido.

No julgamento da semana passada, todos os ministros concordaram que a denúncia do MP estava mal formulada e não havia prova suficiente no processo para condenar o ex-presidente por nenhum dos três crimes.

EM

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. Elias Postado em 29/Apr/2014 às 20:55

    Eu sempre olhei o Collor de maneira diferente, é um dos poucos políticos que me lembra seriedade, se não fosse ele estaríamos com carros dos anos 50 como em Cuba.

    • Eduardo Abreu Postado em 02/May/2014 às 17:05

      pena que ele teve em seus staff um ministro que afirmou que "cachorro também é gente".....por aí dá pra ver a qualidade.

      • Neuza Palaro Postado em 03/May/2014 às 12:32

        Os cachorros são bem melhores que certa gente.

    • julio Postado em 02/May/2014 às 18:15

      Elias, me diz qual é a maconha que tu estás fumando...deve ser da boa.

  2. Thiago Teixeira Postado em 29/Apr/2014 às 22:24

    O Governo Collor também contribuiu para a implantação em todo Brasil de colégios padrões de baixo custo, chamados de Centros Integrados de Atendimento à Criança (os CAICs), programa este que parou no tempo por extrema vaidade e estrelismos dos presidentes sucessores. E pior, propositalmente estão deixando as estruturas danificarem.

    • Eduardo Abreu Postado em 02/May/2014 às 17:07

      Concordo com vc aqui em minha cidade tem um inaugurado por FH e está desde a inauguração com a pintura da época.

  3. Alek Postado em 30/Apr/2014 às 08:55

    ... alguém ainda dúvida que ele irá entrar com uma ação por danos morais ?! #TomaVergonhanaCaraBrasil

  4. Lopes Postado em 30/Apr/2014 às 08:58

    Se inocentado não implica necessariamente na inexistência de crime!

    • julio Postado em 02/May/2014 às 18:16

      É isso aí...

  5. Lopes Postado em 30/Apr/2014 às 08:59

    Ser inocentado não implica necessariamente na inexistência de crime!

    • Luís Fernando Postado em 02/May/2014 às 20:29

      Correto!! Corretíssimo!!!

    • Luís Fernando Postado em 02/May/2014 às 20:35

      "Quem poderá me devolver tudo que perdi?". É assim que vc diz, Collor? E as pessoas que perderam todo o $ da poupança durante o seu governo? "Quem poderá devolver a elas todo o $ que elas perderam?". PILANTRA!!!

  6. deisi Postado em 30/Apr/2014 às 09:47

    Conheci varias pessoas que sofrem até hoje consequências das medidas econômicas do governo desse sujeito.Cito exemplo de um amigo que vendeu a casa para comprar um caminhão usado e deixou o dinheiro na poupança até achar um resultado ficou sem casa e caminhão .Outro um professor do meu filho estudava na USP com o falecimento do pai venderam a casa para comprar uma menor teve que vir embora para sua cidade e terminar o curso em uma faculdade particular pessoa lesadas ;acreditam que ser inocentado não deixou de cometer crime.

  7. luiz carlos ubaldo Postado em 30/Apr/2014 às 10:38

    Virou santo da noite para o dia?

  8. Rodrigo Postado em 30/Apr/2014 às 17:46

    Haha é para da risadas, povo de memória curta, não passaram pela fase que ele lesou milhões de brasileiros não foi? O Estrago que a família dele fez em Alagoas? Se ele inocente então Lula é o que? Um Santo?

    • Eduardo Abreu Postado em 02/May/2014 às 17:02

      meu amigo se tem alguma prova que possa atingir Lula, que a apresente, você vai ser o primeiro, e vai virar capa da "oia", elas são doidinhos para pega-lo de calças curtas. Agora só ofender e levantar suspeitas é mais ou menos o que chamamos de calúnia e é crime.

      • Júlio Postado em 02/May/2014 às 18:17

        meu amigo se tem alguma prova que possa atingir Lula, que a apresente, você vai ser o primeiro, e vai virar capa da "oia", elas são doidinhos para pega-lo de calças curtas. Agora só ofender e levantar suspeitas é mais ou menos o que chamamos de calúnia e é crime. (2)

  9. Aristóteles Postado em 01/May/2014 às 08:12

    O senhor Fernando Collor está escapando dessa, graças à morosidade oriunda da preguiça dos senhores semideuses Juízes encarregados do julgamento. No dia em que esses "profissionais" deixarem a preguiça e a arrogância de lado e forem trabalhar, suas mesas e gavetas deixarão de guardar tantas pastas e tanto serviço por fazer. Por isso faz-se urgente a REFORMA DO JUDICIÁRIO.

  10. Eduardo Abreu Postado em 02/May/2014 às 16:59

    No caso dele tinha que ter provas pra não ser condenado e foi inocentado, no caso do "mensalão" os réus foram condenados por indícios visto que pelo lido na imprensa juristas de renome afirmam isto, ou seja sem provas. Onde quem tinha que mostrar provas de inocência são os réus quando o estado deveria colher estas para que a sentença fosse justa....acho eu que a estátua da justiça virou as costas e tapou os olhos e ouvidos para não ver nem ouvir a sentença.

    • Lopes Postado em 04/May/2014 às 07:54

      José Genoíno assinou documentos relativos a empréstimos que se mostraram posteriormente falsos.

  11. Rodrigo Postado em 03/May/2014 às 04:59

    Meu amigo riqueza acima da sua renda declarada não é crime não? Lula entrou pobre e saiu rico, não milionário, sem contar sua família, vocês são hipócritas, acuso eles como acuso os da direita, mas para vocês da direita não precisa dessas mesmas provas que precisa para Lula. Reveja seus conceitos.

    • Thiago Teixeira Postado em 04/May/2014 às 08:21

      Provas? Fonte? Dados oficiais? Não tem. Então procure outro site para propagar mentiras, lá serão acolhidas.