Redação Pragmatismo
Compartilhar
Eleições 2014 26/Mar/2014 às 15:51
13
Comentários

Qual é a fórmula perfeita para derrotar Dilma?

Institutos de pesquisa se reúnem com o intuito de alcançar a fórmula perfeita para derrotar Dilma Rousseff. Apostas se concentram sobre apagões e problemas na Copa, capazes de provocar mau humor e desgastar a imagem de gestora associada à presidenta. Economia, ‘muito complicada para o povão’, é descartada

O World Trade Center, prédio empresarial de luxo às margens da Marginal Pinheiros, em São Paulo, sediou até o fim da tarde de ontem (25) o 6º Congresso Brasileiro de Pesquisa, que reuniu especialistas em dados e estatísticas de todas as áreas – e, como não poderia deixar de ser em ano de disputa pela Presidência da República, também os profissionais das pesquisas de opinião e eleitorais. Representantes de Ibope, Vox Populi, Datafolha e Sensus foram convidados para uma mesa de debate sobre as tendências do eleitorado em um ano que acumula, além do pleito, a realização da Copa do Mundo da Fifa e a perspectiva de manifestações de rua inspiradas pela mobilização de junho de 2013.

A mesa, porém, embora batizada de “Debate sobre o cenário da eleição presidencial 2014″, poderia ter outro nome: “Como derrotar Dilma Rousseff?”. Mediado por Emy Shayo, analista do banco norte-americano J.P. Morgan, que também redigiu a maior parte das perguntas feitas aos convidados, o debate explorou monotematicamente as fragilidades da candidatura petista à reeleição e ditou fórmulas, com base nos resultados das últimas pesquisas de opinião, sobre como enfraquecer a campanha governista. O público, composto principalmente por empresários, profissionais da área e jornalistas, embarcaram nos “testes de hipótese” propostos pela organização e seguiram a mesma linha em seus questionamentos.

dilma eleições 2014
Em encontro, institutos de pesquisa buscam fórmula perfeita para derrotar Dilma (aBr)

Regidos pela assessora do banco, os debatedores apresentaram conclusões importantes para a plateia. Petrobras e rating do Brasil, por exemplo, são temas “para o Valor Econômico, para os participantes deste fórum, mas muito complicados para o povão”, de acordo com Márcia Cavallari, do Ibope. Já as manifestações contra a Copa do Mundo, segundo os debatedores, podem desestabilizar o governo desde que alcancem o público “desejado”.

“É garantida a confusão durante a Copa. Estou na bolsa de apostas com 150 mil pessoas na rua durante a Copa”, torce Ricardo Guedes, do Sensus. O resultado em campo não importa: Mauro Paulino, do Datafolha, ressaltou que não houve mudança no comportamento dos eleitores após a vitória na Copa das Confederações, por exemplo, mas destacou que “a chance de atingir o governo é havendo problemas na execução”.

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, também foi descartado como elemento-surpresa para favorecer a oposição porque sua suposta imagem de impoluto não encaixa no figurino nem de Aécio Neves (PSDB), nem de Eduardo Campos (PSB), mas há “esperança” em relação à possibilidade de crise energética e de abastecimento de água.

Para Antonio Lavareda, da consultoria política MCI, “esse tipo de crise atinge o cerne da imagem de Dilma, que é a da gestora, da mulher-eficiência”. As consequências da má gestão das águas sobre a imagem de Geraldo Alckmin (PSDB), que também concorre à reeleição neste ano e cujo governo gere o abastecimento de água e o tratamento de esgoto em São Paulo, não foram abordadas durante o debate.

Lavareda foi um dos palestrantes mais requisitados pela mediação, embora não pertença a nenhum instituto de pesquisa. Ele foi o único a defender abertamente que a presidenta entra na disputa em desvantagem: de acordo com ele, 60% dos brasileiros querem a mudança e esse capital político irá se acumular em torno do candidato da oposição capaz de chegar ao segundo turno. “É quase certo que haverá segundo turno”, afirmou.

Ele protagonizou ainda o momento de maior sinceridade do encontro: diretamente questionado pela mediadora sobre o que é necessário fazer para que o PSDB consiga usar a “paternidade” do Plano Real de forma eficiente contra o PT nas eleições, disse apenas: “Esse tipo de assessoria é o que fazemos em minha empresa, e não somos uma entidade filantrópica”. Embora não confirme a informação, a empresa de Lavareda está acertada com o PSB de Eduardo Campos para a campanha eleitoral deste ano, após muitos anos se dedicando a serviços ao PSDB.

Rede Brasil Atual

Recomendados para você

Comentários

  1. Pereira Postado em 26/Mar/2014 às 16:32

    Pronto !!! ninguém pode mais discutir os problemas do governo .

    • Juliano Postado em 26/Mar/2014 às 16:51

      Pereira vc novamente por aqui??? E sempre com essas conversas fiadas... Seus comentários são iguais aos do G1.

    • Peterson Silva Postado em 26/Mar/2014 às 18:49

      eHAEHEAHEAEA uma coisa é discutir os problemas do govenro, outra coisa é ter um debate chamado "Debate sobre o cenário da eleição presidencial 2014" e só falar de como dilma poderia escorregar. Sério que não tem mais nada pra falar? Como o PSDB pode se apresentar para ganhar votos? Que chances têm os peixes pequenos, e como aproveitá-las? Etc etc?

  2. Thiago Teixeira Postado em 26/Mar/2014 às 17:53

    Realmente precisa juntar muitos especialista e quebrar a cabeça: "Como derrotar a Dilma?". Mas antes, eles precisam pensar em algo bem mais complexo: "Quem irá substituí-la?". Tá feio para a oposição e mídia golpista.

  3. Rogerio Postado em 27/Mar/2014 às 14:42

    Parece o Cebolinha e o Cascão tentando eternamente derrotar a Mônica. Se Bem que, tanto a Dilma quanto a Mônica vestem vermelho e são dentuças.

    • Henrique Postado em 27/Mar/2014 às 21:48

      A diferença é que o Cebolinha e o Cascão no fundo são gente boa...

      • Suely Postado em 28/Mar/2014 às 05:25

        Já sabemos o resultado dos planos "milabolantes" do Cebolinha: umas boas e merecidas coelhadas. SENTA O COELHO NELES, DILMÔNICA!

  4. Mauro Postado em 27/Mar/2014 às 15:29

    Como sempre, a oposição não tem projeto e nem programa de governo. Só lhes resta torcer contra, até mesmo torcer contra o time do Brasil. Que vergonha dessa direita.

  5. japim Postado em 27/Mar/2014 às 16:15

    é a fábula da reunião dos camundongos - Quem irá colocar o sininho no Gato glutão. Não tem nenhum com competência pra isso. Mas o maior detalhe o Gato glutão não quer comer ratinhos, ele quem uma Democracia mais participativa, mais inclusiva, sendo sua casa o Brasil e não Maimi ou EEEUU.

  6. Marcus Postado em 27/Mar/2014 às 20:31

    Sempre foi bater na tecla da corrupção, mas com a internet o povo está sendo mais informado dos escândalos da oposição, agora veio esse negócio da pasadena, que estão tentando transformar em um novo mensalão.

  7. Rogerio Postado em 28/Mar/2014 às 11:08

    Uma proposta melhor, um plano de governo melhor, mais competência e honestidade. Isso é o que o povo quer pra eleger outra pessoa. O pobre, maioria do eleitorado, com contas pr. apagar, filhos e outras preocupações importantes não escolher outro só porque a burguesia chora ao ver pobre no aeroporto.

  8. luiz mattos Postado em 29/Mar/2014 às 01:35

    Estes imbecis não conhecem o POVO,o POVO compara e queiram ou não política é comparação.

  9. ademar Postado em 29/Mar/2014 às 19:38

    A Oposição não tem competência para ganhar a eleição, mas isso não significa que Dilma não pode perder, pior que o maior adversário é ela mesma, suas ações me parecem estar entregando de bandeja aos opositores.