Redação Pragmatismo
Compartilhar
Mercado 28/Mar/2014 às 16:46
2
Comentários

As 50 empresas campeãs de reclamações em 2013

Setor de telecomunicações mantém sua posição historicamente destacada no ranking de reclamações ao Procon paulista, segundo balanço divulgado pelo órgão de defesa do consumidor

Os grupos Claro, Itau e Vivo foram os que mais receberam reclamações na Fundação Procon-SP em 2013. O órgão, que é vinculado à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania do Estado de São Paulo, disponibilizou nesta segunda-feira 17 o Cadastro Estadual de Reclamações Fundamentadas de 2013.

O ranking das 50 empresa mais reclamadas (veja aqui) traz dados do Procon do Estado e de mais 26 Procons municipais. O consumidor tem acesso ao cadastro registrado nos últimos cinco anos no site do órgão ou pelo telefone 151 (para a capital paulista).

Mais reclamadas

Em 2013, o grupo Claro lidera o ranking das empresas mais reclamadas ao Procon-SP, seguido pelo Grupo Itau, e Grupo Vivo. A fundação Procon-SP reúne fornecedores do mesmo grupo, apresentando na lista o nome de como a empresa é conhecida pelo público.

A Claro registrou um total de 2.246 reclamações no Procon, sendo que 447 não foram atendidas. O banco Itaú foi alvo de 1.897 queixas de consumidores. Dessas, 1.446 não atendidas. No caso da Vivo, 503 reclamações, de um total de 1.536, não foram atendidas.

A lista contém os 50 fornecedores que mais geraram reclamações fundamentadas, ou seja, demandas de consumidores que não foram solucionadas na fase inicial do atendimento, neste caso, é aberto processo administrativo para que a Fundação Procon-SP, trabalhe a reclamação junto ao fornecedor.

O total de atendimentos para consultas, orientações e queixas no ano passado foi de 790.476, (61,71% na capital, 38,29% no interior). Estes atendimentos geraram 254.126 encaminhamentos da Carta de Informação Preliminar (CIP) ao fornecedor. Nesta fase preliminar 84,64% dos casos foram solucionados.

Destaques

O setor de telecomunicações mantém sua posição historicamente destacada no ranking de reclamações de consumo do Estado de São Paulo. Juntas as 5 maiores empresas ou grupos empresariais do setor ultrapassaram a marca de 6.600 reclamações fundamentadas, no ano de 2013.

Vale destacar também os bancos, que ocupam uma parcela considerável dos participantes do ranking de reclamações fundamentadas: das 20 empresas ou grupos empresariais mais demandados, 8 são desse segmento.

Na área de produtos, mais uma vez aparelhos celulares e computadores lideraram os registros de problemas – juntos, representaram aproximadamente 1/3 do total desse segmento.

247

Recomendados para você

Comentários

  1. Thiago Teixeira Postado em 28/Mar/2014 às 16:57

    O brasileiro paga a maior tarifa de celular do mundo. E mesmo assim estas empresas pagam comissão para atendentes que "melarem" cancelamentos. Planos de ligação entre operadoras promocionais é outra farsa. Eles sempre desconectam a ligação num período aleatório de tempo para não levantar suspeitas. Lógico que você sempre vai retornar a ligação, ou seja, pagou o dobro da ligação. Cai de novo, ligou, é o triplo. No final, não tem promoção coisa alguma, os 29 centavos se tornam 87. E vivemos numa democracia, ninguém faz nada, todo mundo aceita e ainda compram mais chips.

  2. Carlos Prado Postado em 28/Mar/2014 às 19:23

    E qual das campeãs não está em forte simbiose com o governo? Numa parte o governo manda nelas, impondo algumas regras para parecer tudo bem bacana; em outra este mesmo governo impõe regras para impedir que qualquer um entre no mercado sem cumprir tantas regras que só as grandes conseguem; e de mais outro as empresas ganham empréstimos subsidiados e podem trabalhar com risco zero pois qualquer prejuízo e risco de quebra o governo vem para socorrer, "impedir que um setor tão importante suma". No final quem não tem a infraestrutura do jeito que o governo quer para atender os clientes fica de fora da brincadeira. E nós ficamos nas mão de poucas que não são obrigadas a nos atender bem pois não tem para onde corrermos: ou aceitamos as condições, ou ficamos sem opções de serviço.