Redação Pragmatismo
Compartilhar
Desenvolvimento Brasileiro 25/Mar/2014 às 15:32
9
Comentários

Arrecadação recorde quebra argumento da Standard & Poor´s

Principal justificativa para rebaixamento de rating do Brasil foi o do chamado risco fiscal; mas menos de 24 horas após a Standard & Poor´s divulgar a queda da nota de BBB para BBB-, Receita Federal informa que arrecadação de impostos em fevereiro bateu recorde histórico para este mês do ano

S&P alegou que País deixa dúvidas sobre pagar seus compromissos, porém, entrada de R$ 83,17 bilhões mostra que economia está robusta e País apto a enfrentar seus vencimentos; rebaixamento um dia antes da nova informação da Receita foi apenas coincidência ou incompetência da equipe chefiada por Lisa Schineller?; a propósito: Bolsa de São Paulo abriu o dia subindo 0,77%

standard poors brasil risco

O risco fiscal foi apontado pela agência de classificação de risco Standard & Poor´s, dos Estados Unidos, como principal justificativa para rebaixar, ontem, o rating do Brasil de BBB para BBB-. Mas, menos de 24 horas após a decisão, a economia brasileira acaba de apresentar mais um dado de crescimento – e justamente no quesito fiscal.

A arrecadação de impostos no mês de fevereiro ficou em R$ 83, 17 bilhões, batendo o recorde da Receita Federal para o segundo mês do ano. Em relação a fevereiro de 2013, a alta foi de 3,44%. No bimestre janeiro-fevereiro também houve alta na entrada de recursos de impostos nos cofres do governo de 1, 91% acima da inflação em relação ao mesmo período do ano anterior.

O resultado da arrecadação em fevereiro mostra uma economia que cumpre suas obrigações. Uma economia que está gerando recursos suficientes para quebrar um novo recorde de arrecadação.

No mercado financeiro, as projeções de economistas ouvidos pelo jornal Valor Econômico, das famílias Frias e Marinho, apontavam para uma “deterioração” na arrecadação de fevereiro, mas o que houve, na realidade, foi o contrário. Trabalhando com este tipo de expectativa, a S&P procurou atingir o Brasil, mas a resposta foi imediata.

É claro, porém, que agora isso não importa mais para a S&P. O serviço encomendado à equipe chefiada por Lisa Schineller foi feito. A ponto de, agora, a mesma S&P informar que não pretende fazer novo rebaixamento da nota brasileira.

A propósito: de olho nos números, a Bolsa de Valores de São Paulo abriu o dia em alta de 0,77% sobre a véspera.

Abaixo, a informação da Agência Reuters sobre a garantia da S&P de que não irá rebaixar o País novamente (ao menos não tão cedo):

RIO DE JANEIRO, 25 Mar (Reuters) – A agência de classificação de risco Standard & Poor’s indicou nesta terça-feira que não vê novo rebaixamento para o Brasil, destacando que isso só acontecerá se os indicadores externos tiverem forte deterioração e se o governo romper seu compromisso com políticas pragmáticas.

“Reduzir os ratings de novo é realmente um cenário que nós não estamos contemplando”, disse a analista da agência Lisa Schineller em uma conferência telefônica com analistas e jornalistas.

A S&P disse que, apesar de ter identificado uma certa deterioração nas políticas fiscal e monetária brasileiras, o governo continua comprometido com o combate à inflação e com o cumprimento de metas de superávit primário.

Na segunda-feira, a S&P cortou o rating soberano do Brasil para “BBB-“, a faixa mais baixa da categoria de grau de investimento, ante “BBB”, com perspectiva estável.

Apesar disso, não havia grande impacto sobre os mercados brasileiros nesta terça-feira, uma vez que o movimento já era esperado pelos investidores e, por isso, já havia tinha precificado. Assim, o dólar tinha leve queda ante o real, assim como os juros futuros, enquanto a Bovespa subia.

(Reportagem de Walter Brandimarte)

247

Recomendados para você

Comentários

  1. Carlos Prado Postado em 25/Mar/2014 às 15:57

    Arrecadar impostos é com o Brasil mesmo. Ta ai duas politicas adoradas por socialistas que estão levando todos os países a destruição econômica, impostos e dívidas públicas sempre crescentes. Isto pode até prejudicar alguns empresários, mas prejudica na verdade a massa pobre que tem sua renda cada vez mais diminuída e tem que se escravizar para se manter pagando tantos créditos. Além de beneficiar empresários e especuladores com boas ligações políticas. Para estes que o governo continue gastando e destruindo a renda e o poder de compra do trabalhador, não é com o dinheiro de nenhum deles - mas o dinheiro será deles uma hora ou outra.

    • Mauro Postado em 26/Mar/2014 às 10:35

      Caro Carlos, o aumento da arrecadação não é em si negativa, ao contrário, pode ser muito positiva. Não confunda aumento de arrecadação com aumento de impostos, é um erro que as pessoas cometem. Quando se aumenta o salário mínimo, aumenta a arrecadação; crescem as exportações, aumenta a arrecadação; crescem as importações, aumenta a arrecadação (por causa do aumento da renda) aumenta o consumo interno, aumenta a arrecadação; criam-se empregos, aumenta a arrecadação; pessoas saem do emprego informal para o formal, aumenta a arrecadação; aumenta a renda, aumenta a arrecadação; diminui a sonegação, aumenta arrecadação. O problema do país não é carga tributária, ela é média 36%, o problema é sua incidência. Ela é regressiva (atinge mais as pessoas de menor renda), mal distribuída, e pouco escalonada. O FHC acabou com tributo sobre lucros e dividendos. A mídia, que defende os interesses econômicos de uma minoria, insiste que a carga é alta por interesses dessa minoria. Por que ela não fala da sonegação , que no ano passado foi de mais de R$ 400 bilhões?

      • Carlos Prado Postado em 26/Mar/2014 às 14:36

        É negativa enquanto for dinheiro tirado do povo para fazer projetos de fins eleitoreiros sem demanda alguma. Falar em sonegação deveria ser para incentivá-la, pois tristemente o pessoal de baixo da piramide não consegue praticá-la tão facilmente.

  2. Thiago Teixeira Postado em 25/Mar/2014 às 19:09

    Que pena, não temos crise? Vamos voltar a falar da copa. "O Brasil construiu estádios ao invés de hospitais, ...".

  3. Pereira Postado em 26/Mar/2014 às 09:51

    Arrecadação recorde de impostos ???? alguém tem que pagar a copa e as maracutaias da petrobrás. por isso a arrecadação recorde .

    • Pereira Postado em 26/Mar/2014 às 09:55

      Haaa e quem paga a copa não são os ricos que recebem isenções fiscais. é o pobre!!!

    • Mauro Postado em 26/Mar/2014 às 10:56

      Qual maracutaia da Petrobrás? http://www.ocafezinho.com/2014/03/25/mais-documentos-exclusivos-de-pasadena/

  4. Pereira Postado em 26/Mar/2014 às 09:53

    Copa de 2014 !!!! aqui o palhaço é você(com uma palhaço apontando o dedo ao estilo tio sam) .... achei legal um esses dizeres num adesivo feito pela torcida do Grêmio.