Redação Pragmatismo
Compartilhar
Índios 13/Feb/2014 às 11:24
12
Comentários

“Índios, gays e lésbicas são tudo o que não presta”, diz deputado

Deputado Luís Carlos Heinze sugere a ação armada dos ruralistas e afirma que índios, quilombolas, gays e lésbicas são tudo o que não presta

“Nós, os parlamentares, não vamos incitar a guerra, mas lhes digo: se fartem de guerreiros e não deixem um vigarista desses dar um passo na sua propriedade. Nenhum! Nenhum! Usem todo o tipo de rede. Todo mundo tem telefone. Liguem um para o outro imediatamente. Reúnam verdadeiras multidões e expulsem do jeito que for necessário”, diz o deputado Alceu Moreira (PMDB-RS). “A própria baderna, a desordem, a guerra é melhor do que a injustiça”, defende.

Ele afirma que o movimento pela demarcação de terras indígenas seria uma “vigarice orquestrada” pelo ministro da Secretaria Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho. Moreira diz também que tal movimento seria patrocinado pelo Ministério Público Federal, o qual, segundo ele, defenderia a “injustiça”.

No vídeo, o presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, deputado federal Luís Carlos Heinze (PP-RS) [foto abaixo], diz que índios, quilombolas, gays e lésbicas são “tudo que não presta”.

Luís Carlos Heinze gays índios
Luís Carlos Heinze (PP-RS) diz que gays, índios e quilombolas são “tudo o que não presta” (Agência Câmara)

“Quando o governo diz: ‘nós queremos crescimento, desenvolvimento. Tem de ter fumo, tem de ter soja, tem de ter boi, tem de ter leite, tem de ter tudo, produção’. Ok! Financiamento. Estão cumprimentando os produtores: R$ 150 bilhões de financiamento. Agora, eu quero dizer para vocês: o mesmo governo, seu Gilberto Carvalho, também é ministro da presidenta Dilma. É ali que estão aninhados quilombolas, índios, gays, lésbicas. Tudo o que não presta ali está aninhado”, discursa Heinze.

Ele também sugere a ação armada dos agricultores. “O que estão fazendo os produtores do Pará? No Pará, eles contrataram segurança privada. Ninguém invade no Pará, porque a brigada militar não lhes dá guarida lá e eles têm de fazer a defesa das suas propriedades”, diz o parlamentar. “Por isso, pessoal, só tem um jeito: se defendam. Façam a defesa como o Pará está fazendo. Façam a defesa como o Mato Grosso do Sul está fazendo. Os índios invadiram uma propriedade. Foram corridos da propriedade. Isso aconteceu lá”.

Promovida pelo também deputado ruralista Vilson Covatti (PP-RS), que pertence à Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural (CAPADR) da Câmara, a audiência pública aconteceu em novembro do ano passado e seu tema foi o conflito dos produtores rurais com os indígenas do povo Kaingang, que vivem na Terra Indígena Rio dos Índios, de 715 hectares.

deputado alceu moreira índios
Alceu Moreira (PMDB-RS) afirma que o movimento pela demarcação de terras indígenas seria uma “vigarice orquestrada”

Em dezembro do ano passado, produtores rurais do Mato Grosso do Sul organizaram um leilão para arrecadar recursos para a contratação de seguranças privados para impedir a ocupação de comunidades indígenas. O evento recolheu mais de R$ 640 mil e foi apoiado pela bancada ruralista. Parlamentares como a senadora Kátia Abreu (PMDB-TO), presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), estiveram presentes e defenderam a iniciativa.

Vídeo:

mobilizacaonacionalindigena

Recomendados para você

Comentários

  1. julio Postado em 13/Feb/2014 às 11:39

    com esse sobrenome NAZI não podia se esperar muita coisa.

  2. Rodrigo Postado em 13/Feb/2014 às 11:57

    Errado, sêo deputado. Quem não presta é quem destila ódio contra o ser humano. A corrupção, a maldade, não tem correlação lógico-necessária, seja direta, seja inversamente proporcional a caracteres como quantidade de melanina na pele, orientação sexual, credo (ou direito a não tê-lo), filosofia, formação profissional, origem, sexo, peso, condição econômica, forma física etc. O que não presta e precisa ser revisto, sim, é o sectarismo, a discriminação, de qualquer ordem. Agora, se quiser denunciar a prática de improbidade administrativa, de crimes em geral, alegadamente cometidos na Funai, Incra ou em qualquer órgão governamental outro, apresente discurso coerente, demonstrando as razões para tanto. Sabemos, claro, que em qualquer local aonde o ser humano esteja, estaremos sujeitos à ocorrência de corrupção. Bem como a boas ações. Então, se há movimento indígena destinado à criação de reserva aonde não havia grupamento tradicional, em local no qual antropólogos, historiadores e mesmo a sociedade civil e os próprios indígenas não demonstrem que deva haver reserva, então o acesso à Justiça é livremente garantido, sem a necessidade de discriminações, de agressões. Por exemplo, divulgue o que vem ocorrendo no sul da Bahia, em que indígenas afirmam ter direito a terras de propriedade de pequenos agricultores e mesmo aonde já há assentamentos de reforma agrária. Fale da tensão, do abuso, seja da parte que for - se da polícia, quanto a eventuais agressões ou eventual morosidade no cumprimento de mandados judiciais de reintegração de posse; seja por parte de índios e ou agricultores, assentados ou não. Combater baderna com mais baderna nos levará, sim, à constatação da fala de Sherazade, a um mundo em que a ineficiência de políticas públicas de segurança, educação e outras, bem como o recrudescimento da violência, levará a mais e mais justiceiros, que combaterão crimes com outros crimes.

    • Elaine Postado em 13/Feb/2014 às 12:05

      Perfeito seu comentário, nada mais a acrescentar!

    • Eddie Postado em 13/Feb/2014 às 13:56

      Parabens, poucas vezes um comentário tão lúcido.

    • renato Postado em 18/Feb/2014 às 00:48

      Fiquei fã.

  3. Thiago Teixeira Postado em 13/Feb/2014 às 16:56

    Esqueceu dos pobres, negros, nordestinos, macumbeiros, metaleiros, punks, funkeiros, rappers, mestiços, orientais, árabes, muçulmanos, aposentados, sem terra, sem teto, aidéticos, deficientes, corinthianos ... esqueci alguém?

    • Rodrigo Postado em 13/Feb/2014 às 17:52

      O "etc." compreende a todos.

    • Evandro Postado em 14/Feb/2014 às 16:27

      esqueceu dos esquerditas, ptralhas, comunistas, vermelhos, corruPTos... hahaha.

    • renato Postado em 18/Feb/2014 às 00:49

      O Evandro!!!!

  4. Igor Postado em 14/Feb/2014 às 14:33

    Aí eu me pergunto: como um boçal desse, conservador extremista, individualista e acima de tudo BURRO tá fazendo lá? quem colocou esse cara lá? não é possível que um cara desse seja "referência" em algo pra outros com uma opinião egocêntrica dessa com total desconhecimentos dos povos tradicionais.

    • Thiago Teixeira Postado em 15/Feb/2014 às 09:57

      Infelizmente muita gente pobre, indígena, homossexual votou nesse cara e nem sabe. Nem lembra em quem votou em 2010, catou um santinho no chão e digitou o número na caixinha para pegar um papelzinho que servirá para entregar na moça do RH da firma. Defendo que o voto seja optativo e vão as urnas quem realmente tenha uma posição política independente se seja de esquerda, direita ou centro.

      • Rodrigo Postado em 19/Feb/2014 às 13:36

        Perfeito, Thiago. Não bastasse, ainda há o eleitor que julga, ao ver uma pesquisa: "vou mudar meu voto pra quem está ganhando, para eu não perder meu voto".