Redação Pragmatismo
Compartilhar
Ditadura Militar 20/Feb/2014 às 16:51
34
Comentários

"É meu dever dizer aos jovens o que é um golpe de estado"

"Neste momento em que um golpe ronda um país vizinho, é meu dever dizer aos jovens o que é um golpe de estado"

Hildegard Angel

Neste momento extremamente grave em que vemos um golpe militar caminhar célere rumo a um país vizinho, com o noticiário chegando a nós de modo distorcido, utilizando-se de imagens fictícias, exibindo fotos de procissões religiosas em Caracas como se fosse do povo venezuelano revoltoso nas ruas; mostrando vídeos antigos como se atuais fossem; e quando, pelo próprio visual próspero e “coxinha” dos manifestantes, podemos bem avaliar os interesses de sua sofreguidão, que os impedem de respeitar os valores democráticos e esperar nova eleição para mudar o governo que os desagrada, vejo como meu dever abrir a boca e falar.

Dizer a vocês, jovens de 20, 30, 40 anos de meu Brasil, o que é de fato uma ditadura.

Se a Ditadura Militar tivesse sido contada na escola, como são a Inconfidência Mineira e outros episódios pontuais de usurpação da liberdade em nosso país, eu não estaria me vendo hoje obrigada a passar sal em minhas tão raladas feridas, que jamais pararam de sangrar.

Fazer as feridas sangrarem é obrigação de cada um dos que sofreram naquele período e ainda têm voz para falar.

Alguns já se calaram para sempre. Outros, agora se calam por vontade própria. Terceiros, por cansaço. Muitos, por desânimo. O coração tem razões…

Eu falo e eu choro e eu me sinto um bagaço. Talvez porque a minha consciência do sofrimento tenha pegado meio no tranco, como se eu vivesse durante um certo tempo assim catatônica, sem prestar atenção, caminhando como cabra cega num cenário de terror e desolação, apalpando o ar, me guiando pela brisa. E quando, finalmente, caiu-me a venda, só vi o vazio de minha própria cegueira.

Meu irmão, meu irmão, onde estás? Sequer o corpo jamais tivemos.

Outro dia, jantei com um casal de leais companheiros dele. Bronzeados, risonhos, felizes. Quando falei do sofrimento que passávamos em casa, na expectativa de saber se Tuti estaria morto ou vivo, se havia corpo ou não, ouvi: “Ah, mas se soubessem como éramos felizes… Dormíamos de mãos dadas e com o revólver ao lado, e éramos completamente felizes”. E se olharam, um ao outro, completamente felizes.

Ah, meu deus, e como nós, as famílias dos que morreram, éramos e somos completamente infelizes!

A ditadura militar aboletou-se no Brasil, assentada sobre um colchão de mentiras ardilosamente costuradas para iludir a boa fé de uma classe média desinformada, aterrorizada por perversa lavagem cerebral da mídia, que antevia uma “invasão vermelha”, quando o que, de fato, hoje se sabe, navegava célere em nossa direção, era uma frota americana.

golpe estado brasil

Deu-se o golpe! Os jovens universitários liberais e de esquerda não precisavam de motivação mais convincente para reagir. Como armas, tinham sua ideologia, os argumentos, os livros. Foram afugentados do mundo acadêmico, proibidos de estudar, de frequentar as escolas, o saber entrou para o índex nacional engendrado pela prepotência.

As pessoas tinham as casas invadidas, gavetas reviradas, papéis e livros confiscados. Pessoas eram levadas na calada da noite ou sob o sol brilhante, aos olhos da vizinhança, sem explicações nem motivo, bastava uma denúncia, sabe-se lá por que razão ou por quem, muitas para nunca mais serem vistas ou sabidas. Ou mesmo eram mortas à luz do dia. Ra-ta-ta-ta-tá e pronto.

E todos se calavam. A grande escuridão do Brasil. Assim são as ditaduras. Hoje ouvimos falar dos horrores praticados na Coreia do Norte. Aqui não foi muito diferente. O medo era igual. O obscurantismo igual. As torturas iguais. A hipocrisia idêntica. A aceitação da sobrevivência. Ame-me ou deixe-me. O dedurismo. Tudo igual. Em número menor de indivíduos massacrados, mas a mesma consistência de terror, a mesma impotência.

Falam na corrupção dos dias de hoje. Esquecem-se de falar nas de ontem. Quando cochichavam sobre as “malas do Golbery” ou as “comissões das turbinas”, as “compras de armamento”. Falavam, falavam, mas nada se apurava, nada se publicava, nada se confirmava, pois não havia CPI, não havia um Congresso de verdade, uma imprensa de verdade, uma Justiça de verdade, um país de verdade.

E qualquer empresa, grande, média ou mínima, para conseguir se manter, precisava obrigatoriamente ter na diretoria um militar. De qualquer patente. Para impor respeito, abrir portas, estar imune a perseguições. Se isso não é um tipo de aparelhamento, o que é, então? Um Brasil de mentirinha, ao som da trilha sonora ufanista de Miguel Gustavo.

Minha família se dilacerou. Meu irmão torturado, morto, corpo não sabido. Minha mãe assassinada, numa pantomima de acidente, só desmascarada 22 anos depois, pelo empenho do ministro José Gregory, com a instalação da Comissão dos Mortos e Desaparecidos Políticos no governo Fernando Henrique Cardoso.

Meu pai, quatro infartos e a decepção de saber que ele, estrangeiro, que dedicou vida, esforço e economias a manter um orfanato em Minas, criando 50 meninos brasileiros e lhes dando ofício, via o Brasil lhe roubar o primogênito, Stuart Edgar, somando no nome as homenagens ao seus pai e irmão, ambos pastores protestantes americanos – o irmão assassinado por membro louco da Ku Klux Klan. Tragédia que se repetia.

Minha irmã, enviada repentinamente para estudar nos Estados Unidos, quando minha mãe teve a informação que sua sala de aula, no curso de Ciências Sociais, na PUC, seria invadida pelos militares, e foi, e os alunos seriam presos, e foram. Até hoje, ela vive no exterior.

Barata tonta, fiquei por aí, vagando feito mariposa, em volta da fosforescência da luz magnífica de minha profissão de colunista social, que só me somou aplausos e muitos queridos amigos, mas também uma insolente incompreensão de quem se arbitrou o insano direito de me julgar por ter sobrevivido.

Outra morte dolorida foi a da atriz, minha verdadeira e apaixonada vocação, que, logo após o assassinato de minha mãe, precisei abdicar de ser, apesar de me ter preparado desde a infância para isso e já ter alcançado o espaço próprio. Intuitivamente, sabia que prosseguir significaria uma contagem regressiva para meu próprio fim.

Hoje, vivo catando os retalhos daquele passado, como acumuladora, sem espaço para tantos papéis, vestidos, rabiscos, memórias, tentando me entender, encontrar, reencontrar e viver, apesar de tudo, e promover nessa plantação tosca de sofrimentos uma bela colheita: lembrar aos meus mártires, e tudo de bom e de belo que fizeram pelo meu país, quer na moda, na arte, na política, nos exemplos deixados, na História, através do maior número de ações produtivas, efetivas e criativas que possa multiplicar.

E ainda há quem me pergunte em quê a Ditadura Militar modificou minha vida!

Recomendados para você

Comentários

  1. Alekcey Willians Postado em 20/Feb/2014 às 17:10

    "Queria cantar por meu menino, Que ele já não pode mais cantar" (Chico Buarque)

  2. Betania Santos Postado em 20/Feb/2014 às 18:59

    Viver de passado realmente é colocar sal na ferida. Eu vivi a ditadura, tive parentes que se envolveram e foram "sacrificados", cassados, etc ... nao é fácil. Mas, dizer que estamos em uma "democracia", fac,a-me o favor. !!! Nunca a tivemos!! Em plena "transic,ao", nos anos 80, já consolidada a tao sonhada "liberdade política", de "manifestac,ao" e de "expressao", eu, nessa época com 18 anos, fui vítima, assim como dezenas de outros jovens, da truculencia do governo "democrático". Fomos presos, levados ao DOPS (hoje já extinto...atual PF), para sermos "enquadrados" na condic,ao de "terroristas, revolucionários e/ou militantes partidários contra o governo, pelo simples fato de estarmos pedindo uma reduc,ao nas mensalidades abusivas, das Faculdades privadas (que, naquela época eram poucas....nao é essa "indústria de analfabetos funcionais" dos tempos atuais). Fomos considerados os "vandalos e bandidos de hoje"...e a manifestac,ao NAO DIZIA RESPEITO A NENHUMA QUESTAO POLÍTICA. Vejam voces. Passados mais de trinta anos, NADA MUDOU..Alias, apenas piorou.!! Essa pseudo democracia se transformou em um porder partidário ditatorial, muito mais truculento que o anterior. Nos roubam TUDO e nos AMORDAC,AM... nosso Estado de direito já nao existe. As leis nao sao respeitadas e sao feitas para beneficiar apenas a quem as faz = leis SAFADAS, TENDENCIOSAS E QUE NOS DEIXAM REFËNS "LEGAIS" DO SISTEMA/ESQUEMA (a exemplo do ECA). O Estado já se encontra todo aparelhado pelo PT/LULA & ASSOCIADOS, como também as FFAA e grande parte da sociedade civil está comprada e/ou massificada, IMBECILIZADA pelos podres poderes. Estamos a dois passos da situac,ao que se encontra a Venezuela: - uma sociedade MASSACRADA por um poder partidário e agora, literalmente sendo ASSASSINADA pelas forc,as militares do governo "companheiro". Brasil, seu nome será "Brasela"...os arremates finais já estao sendo dados. A COPA do mundo será o início da carnificina para os cidadaos conscientes, resistentes, e que estao em desobediencia civil, por direito, enquanto que a maioria de nós, milhoes de brasileiros imbecilizados e lenientes, assistiremos a tudo de cima do muro.

    • deja Postado em 20/Feb/2014 às 19:10

      Pelo visto, essa ai tem a solução para os nossos problemas - diga aí Beta...

    • Thiago Teixeira Postado em 20/Feb/2014 às 19:50

      Sensacional a reflexão. Vivenciou o fim da ditadura, os vestígios dela nos anos 80, formou um viés analítico sólido e bem fundamentado com as experiências vividas. Excelente e bem pragmático.

    • nilton segundo Postado em 20/Feb/2014 às 19:59

      o único problema é que ngm assistirá em cima do muro, todos seremos vitimas, opressores ou cúmplices.

    • Ileane Postado em 20/Feb/2014 às 20:02

      Excelentes colocações as suas.Ainda bem que não estou sozinha nestes pensamentos.Principalmente sobre as Faculdades Privadas que estão criando quilos de analfabetos funcionais, fora a falsa democracia que a maioria da sociedade imbecilizada e cheia de ideologias falsas aplaude, fazendo de conta que são contra o capitalismo mas não deixam de consumir e as mulheres arrumar seus cabelos e colocar silicone.Além de tudo isso somos obrigados a escutar analfabetos cantando músicas de corno ou então músicas que estão denegrindo as mulheres...e o pior elas dançam e acham lindo!

    • ALEXANDRE VIEIRA RIBEIRO Postado em 20/Feb/2014 às 23:49

      Beta, beta, Betania, tanta imbecilidade não necessita abrir tua boca de alienada, leia e estude um pouco mais antes de arrotar tanta merda, nunca entenderei haver tanta gente otária, idiota e desprezível com você, deu nojo e urticária ler o infame texto que você postou. Lei mais sobre o ECA e quando ele foi criado, leia o que pensam sobre ele os países de primeiro mundo (EUA não, posto que, nunca foi um país de primeiro mundo e nunca o será). No fundo tenho mais dó do que raiva de pessoas como você !!!

      • Bruno Postado em 21/Feb/2014 às 08:33

        A pessoa chega num ponto que a raiva toma conta de qualquer razão, qualquer pensamento diferente se torna hostil. Esse Alexandre é o típico militante que temos que combater, que querem cercear a base do grito qualquer voz de oposição.

    • clara Postado em 21/Feb/2014 às 00:27

      Betânia, Tu teve parentes que se envolveram, mas tu ficou de fora por isso hoje fala essas besteiras.

    • Roberto Postado em 22/Feb/2014 às 16:11

      Quanta asneira! Estado aparelhado pelo PT? Só se o PT esqueceu de aparelhar o STF e o Ministério Público! Essa turma do Caps Lock...

    • Roberto Postado em 22/Feb/2014 às 16:16

      Chamou minha atenção a menção aos "horrores praticados na Coreia do Norte", país sobre o qual Hildegard Angel nada sabe a não ser o que propaga a mídia monopolista, a mesma mídia que calou sobre a ditadura no Brasil.

    • Flávio Prieto Postado em 10/Mar/2014 às 13:09

      Temos que também listar outras diferenças entre os dois momentos: hoje, graças aos que lutaram ou não se dobraram totalmente aos golpistas e seu projeto, temos imprensa sem censura, eleições diretas para todos os cargos eletivos, partidos à vontade, Ministério Público e Judiciário não atrelados ao governo central, arte sem censura e até subsidiada com recursos públicos, grêmios estudantis e sindicatos funcionando livremente - muitos dos quais aparelhados por partidos de oposição ao governo, garantias individuais e políticas como HC, mandado de segurança, liberdade de filiação partidária e ideológica, etc. Comparar os dois momentos como se fossem a mesma coisa ou um contínuo é burrice, mas tem gente à direita e à esquerda que insiste em fazer isso.

  3. Rodrigo Postado em 20/Feb/2014 às 20:00

    Pois é exatamente o que eu digo. Independente de esquerda, direita ou centro, fazer política por redes sociais é fácil. Todos criticam a política atual, como criticaram as do passado, mas ninguém se dá ao trabalho de conhecer um programa de governo antes de uma eleição! Conhecer o passado e a intenção futura dos políticos? Ninguém se importa com isso. Reclamo da violência, mas bato na minha mulher. Reclamo da corrupção, mas pago um café pro guarda não me multar. Reclamo da educação, mas vou insultar o professor que reprovou meu filho. E vivo meus dias assim, pregando uma coisa e fazendo outra, como disse Cazuza: "tuas idéias não correspondem aos fatos". E hoje, infelizmente, se levanta a perigosa idéia que o "bom" é a ditadura militar. Monteiro Lobato já profetizava: o homem, descendente de macacos herdará destes a memória. Memória de macaco, e esquecerá sempre...

    • diddo braga Postado em 21/Feb/2014 às 11:29

      excelente !!

    • Tammy Postado em 21/Feb/2014 às 14:41

      Concordo, Rodrigo. Hipocrisia bate à porta. Grande parte dos que defendem os militares no poder de novo (através de um golpe, claro) nem viviam naquela época. Estar distante às vezes nos permite uma abordagem menos passional, mas não é o que vem acontecendo agora. Concordo quando você diz que somos hipócritas. E concordarei mais ainda se vc disser que todas as correntes políticas o são. Radicais a gente vai ter sempre, de ambos os lados. Abraços,

    • Tammy Postado em 21/Feb/2014 às 14:52

      Pode até haver um golpe na Venezuela, mas não com o apoio do exército venezuelano. É doce esse termo na boca de muitos - Golpe Militar - como o se o exército fosse sempre a força demolidora de governos.

  4. Elias Postado em 20/Feb/2014 às 20:35

    Golpe? O povo não tem segurança nem serviços básicos, isso não é golpe é mera falência estatal.

  5. Iuri Santana Postado em 20/Feb/2014 às 20:44

    Os momentos hoje vividos no contexto mundial e com o advento das redes sociais, me levam a fazer tal afirmação, após ler a sua matéria desprovida de verdade quando se refere à situação vivida pelos nossos vizinhos venezuelanos, onde tenho amigos morando lá e também passando férias. É um absurdo ele dizer que imagens de procissão estarem sendo usadas para criar um cenário apenas virtual. Ainda bem que existem essas facilidades em se filmar e postar em tempo quase real os acontecimentos bárbaros que estão ocorrendo na vizinha Venezuela. Prezado Hildegard Angel, cego não é aquela pessoa que não enxerga e sim aquela pessoa que não quer ver as coisas, àqueles que não enxergam, dá-se o nome de deficiente visual!!! Podes até ter sofrido na pele as ações ocorridas no passado em nosso país, mas, querer distorcer o que está ocorrendo no país vizinho com inverdades, isso é estar muito mal informado da realidade ou estar servindo a interesses de quem não quer que isso seja noticiado!!! Passar bem!!!

  6. Deilson Postado em 20/Feb/2014 às 22:05

    E hoje os que sobreviveram dos donos do poder. Transformaram a má educação em um projeto. Afinal, não querem mais correr o risco de serem questionados pelo povo de bons argumentos e boas idéias retiradas dos papéis... A leitura abre portas. Especialmente a porta da frente "a porta da frente é a serventia da casa" quando se trata de retirar péssimos políticos do posto.

  7. Selton Postado em 20/Feb/2014 às 22:46

    Os militares já viviam com o pé atrás desde 1961 quando Quadros renunciou.Eu tenho isso documentado,ou melhor,há um livro que tem tudo isso documentado chamado "1961:o Brasil entre a ditadura e a guerra civil".Quando Mazzilli assumiu interinamente a presidência,a própria junta militar dizia que não queria que Goulart voltasse ao Brasil "por causa de suas ações torpes e subversivas".Eu tenho 18 anos e não vivi a época ditatorial,mas se tem algo que me deixa contristado é como as pessoas taxavam Goulart de comunista.Ele veio de uma família riquíssima e ainda por cima era dono de muitas terras. Duvido que ele abriria mão disso tudo!

    • Thiago Teixeira Postado em 21/Feb/2014 às 08:16

      Jango fez declarações referente a REFORMA AGRÁRIA em plena década de 50 ... já viu né! Quando ele chegou ao poder, se hoje a bancada ruralista tem força, imagina no meado do século onde base da economia era estritamente agrária. Quando Jango viajou para Porto Alegre naquele fatídico março de 1964, os deputados assistiram caladinhos todo o trâmite do "Golpe", e ajudaram, empoçando de maneira estúpida o babaca do presidente da câmara. E ninguém da imprensa, elite conservadora se manifestou. Ficaram todos quietinhos ... Quando a ditadura começou a não render lucros para a elite agraria e agora no final dos anos 70, aos empresários da indústria de base, também deixaram os Militares saírem do poder ... quietinhos ... O que mais me deixa triste, é o brasileiro achar que ouve Golpe Militar em 64 e que as diretas de 84 derrubaram a Ditadura.

    • Thiago Teixeira Postado em 21/Feb/2014 às 08:22

      E digo mais Selton, faça a reflexão: Porque o PT está no poder? Quando os tucanos estiveram no governo federal, o que ocorreu com os empresários brasileiros? Hoje, pergunta aos grandes fazendeiros, donos de empresa o que eles acham do PT. Pergunta aos donos empreiteira como estavam as obras na década de 90, e hoje? Os poderosos mandam no Brasil, hoje eles assistem, quietinhos, a classe miserável, maioria, votarem no PT. Deixa a Dilma diminuir os lucros dos poderosos para ver se 2018 o PT ganha (pois 2014 convenhamos, já era). E a classe mérdia acha que o PT está no poder porque agrada os pobres, kkkkkkkkkkkk e mais kkkkkkkkkkkk.

      • Tammy Postado em 21/Feb/2014 às 14:55

        Exatamente, está no poder pq está seguindo a cartilha direitinho. Infelizmente, nossas convicções ideológicas morrem quando alcançam o ápice do poder.

      • Selton Postado em 21/Feb/2014 às 15:13

        Bem explanado! Fico eternamente grato!

  8. Samuel Postado em 20/Feb/2014 às 23:17

    Selton, Jango ia realizar a reforma agraria, portanto acho sim que perderia parte de suas terras, claro, usando a logica da açāo e efeito, mas nunca saberemos de fato se sim ou se nao.

    • Selton Postado em 21/Feb/2014 às 15:16

      Verdade Samuel! Jango perderia as terras mas em compensação teria a durabilidade de seu governo.

  9. Gustavo Postado em 21/Feb/2014 às 11:25

    Então por favor, mostrem as imagens verdadeiras do País vizinho. Parece que o autor diz que há ou haverá um golpe militar por lá. Mas pensando bem, quem é que aparece de farda quase sempre?

  10. Amira Postado em 21/Feb/2014 às 11:45

    Pt está no poder, ainda bem. Sabemos que os grandes continuam crescendo, mas os pequenos tem uma vida mais digna. É pouco? Claro que é. Mas dá pra ser diferente? Sejamos realistas. O sistema não permite. Nem Jesus em carne e osso (ou espírito) poderia fazer diferente. O sistema é mundial. Pra mudar, devagarinho quase parando, no processo histórico, político e até ecológico, que já está a cobrar os "pecados" da ganância desenfreada da civilização ocidental. Ou, como alguns acreditam, através de revoluções. Só que estas derramam muito sangue né? E, pensando mais profundamente, quantas já não houveram na história humana, e a coisa continua como está... é de fato uma opção que mudaria alguma coisa?

  11. Esdras Pereira Alves Neto Postado em 21/Feb/2014 às 12:46

    Eu jamais acreditarei e lutarei até o fim que esse país da época da ditadura volte; porque quero olhar para os meus filhos e o verem com uma expressão liberdade em seus rostos. Basta Brasil, não permitamos nós brasileiro que isso um dia volte a acontecer.

  12. marcos- RS Postado em 21/Feb/2014 às 17:25

    Quem é essa mulher ? ( Chico Buarque de Holanda)

  13. Marcos Postado em 22/Feb/2014 às 09:28

    Imagens fictícias??? A senhora já assistiu alguns videos pelo youtube, da guarda bolivariana, de agentes cubanos atirando, batendo em estudantes desarmados, atirando em casas de civis??? Assista um pouco o canal NTN24, que ao contrário da globo, paga pelo PT, está mostrando a verdade dos fatos!

    • Roberto Postado em 22/Feb/2014 às 16:16

      Globo a serviço do PT, essa é boa...

      • Elza A. Postado em 22/Feb/2014 às 22:24

        Globo a serviço de quem pagar!

  14. ELZA A. Postado em 22/Feb/2014 às 22:23

    Cara Hildegard. Lamento o seu sofrimento. Só não concordo com você, quando em razão de erros passados, VOCÊ PASSA A PERMITIR E APROVAR MALDADES PRESENTES E DESGRAÇAS FUTURAS. Aprovar estes canalhas que ai estão é traição à Pátria.