Redação Pragmatismo
Música 24/Feb/2014 às 16:04
27
Comentários

Coral da USP canta Valesca Popozuda e é aplaudido de pé

Coral da USP surpreende ao cantar “Beijinho no Ombro” de Valesca Popozuda e é aplaudido de pé. ‘Foi uma grande curtição’, diz maestro. Assista ao vídeo abaixo

Quem disse que coral só pode cantar música erudita? Na última quinta-feira (20/2), por exemplo, o repertório mudou.

Para dar boas vindas aos alunos de 2014 da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, o coral da USP, XI de Agosto, se juntou com a bateria de Agravo de Instrumento da São Francisco para cantar funk numa apresentação especial.

O coral costuma incluir músicas diferentes em seu repertório. Este ano, por exemplo, o tema é o rock. Mas a apresentação de um funk era inédita – eles já haviam cantado um rap, “Negro Drama”, dos Racionais MC. “Foi uma grande curtição”, disse o maestro Eduardo Fernandes, regente do coral desde 1986. “As meninas se divertiram dançando, os roqueiros mais xiitas torceram o nariz para o funk, mas cantaram, e acho que a plateia se divertiu, em um momento de grande importância e felicidade para ele, que é o da entrada na faculdade, um verdadeiro rito de passagem.”

“Confesso que estou um pouco surpreso com a repercussão desta apresentação, não tinha ideia disto. Estamos dentro da Universidade de São Paulo, um espaço democrático por excelência e de livre circulação de ideias. Além disso, o CoralUSP sempre fez da união entre popular e o erudito uma de suas principais bandeiras”, afirmou o maestro, que disse não ter tido notícia de nenhuma reação negativa por parte da Universidade, nem ver motivos para isso.

Assista ao vídeo:

com informações de Terra e G1

Posts relacionados

Comentários

  1. Eugênia Postado em 24/Feb/2014 às 16:15

    Não entendi...por serem do coral não podem gostar de musica ruim?? É isso??

    • Victor Postado em 24/Feb/2014 às 19:34

      mimimi

    • Renato Postado em 26/Feb/2014 às 02:41

      sim...

  2. Thiago Teixeira Postado em 24/Feb/2014 às 17:12

    Porque funk é música ruim? Qual o conceito de musica boa? Eu não aprecio o funk, mas respeito como um movimento cultural. Bom pra mim é SEPULTURA, KRISIUN, CANNIBAL CORPSPE ... mas para muitos é poluição sonora.

    • nath Postado em 24/Feb/2014 às 18:49

      Isso ae!!

  3. Pereira Postado em 24/Feb/2014 às 17:12

    Muito bom !!! Mostra que não há preconceito contra música de péssima qualidade. parabéns aos músicos.

  4. Arthur Postado em 24/Feb/2014 às 17:21

    O funk é hoje o que o samba já foi um dia.

    • Victor Postado em 24/Feb/2014 às 19:34

      Exato. Samba, jazz etc.

  5. Alexandre Lopes Postado em 24/Feb/2014 às 17:45

    HAHAHA show de bola !! Separação entre estilo popular e erudito só existe para conservar privilégios!! Viva a justaposição entre os estilos !!

    • leonardo Postado em 25/Feb/2014 às 14:00

      sem duvida.

  6. Jaque Conceição Postado em 24/Feb/2014 às 18:33

    Bejim no ombro pros/pras recalcados/as de plantão ;)

  7. cesar Postado em 24/Feb/2014 às 19:59

    nem com o coral de qualidade a música fica boa...kkkkkkkkk

    • Carlos Prado Postado em 26/Feb/2014 às 15:24

      Como não?!?!?! Ficou muito louco

  8. Elias Postado em 25/Feb/2014 às 00:00

    http://www.forte.jor.br/2014/02/24/revista-francesa-detona-brasil-e-aponta-copa-no-pais-como-o-mundial-do-medo/ Coral da USP aplauda isso, é sempre bom lembrar que o funk ou o que chamam de funk esse grunhido mesclado com putaria e barulho de panela caindo é objeto de estudo em países desenvolvidos e sérios, não culpo a juventude atual culpo o governo que permitiu gerar essas abominações sonoras, cultura popular de qualquer país tende a ser obviamente menos “sofisticada” que a erudita mas no Brasil a cultura canina supera a nossa popular.

    • Thiago Teixeira Postado em 25/Feb/2014 às 08:13

      Agora o quadradinho de 8 é culpa da Dilma?

      • Samyra Postado em 25/Feb/2014 às 09:45

        ahahahahahahahahahahahahaaha! Gen.te! Eu não sou muito fã das letras de alguns tipos de funk por causa das altas doses de misoginia, mas Vinicius de Moraes e outros baluartes da "boa música" também curtiam depreciar mulheres. A diferença é que usavam palavras mais lisonjeiras. Qualé, galera... vamos diminuir no senso de policiamento de bom gosto aê, please. Como diria Clarice Lispector: "somos os sonsos essenciais, baluartes de alguma coisa. E sobretudo procurar não entender".

      • Elias Postado em 25/Feb/2014 às 21:40

        Vc não entende, o Brasil é um puteiro para o mundo, um puteiro se resume nisso, essa é a imagem do Brasil lá fora, eles tem razão em parte. Obviamente que os países que julgam o Brasil também possuem a sua podridão porem no Brasil é complicado achar alguma outra coisa alem disso.

      • Thiago Teixeira Postado em 26/Feb/2014 às 09:59

        Faça como o Mainardi, mude para Veneza. Quer que eu te ajude nas passagens? Dica: Vá de ônibus até Fortaleza, pegue as promoções Fortaleza para Lisboa (escala em Cabo Verde), e de Lisboa até Milão sempre tem promoção!

    • mariana Postado em 25/Feb/2014 às 11:33

      que preguiça do Elias, o sofisticado.

  9. jessica Postado em 25/Feb/2014 às 01:45

    Nunca li tanta baboseira junta, preocupen- se mais com as merdas dos nossos governantes gastando seu dinheiro p essa merda d copa. E daí que foi o funk?? Poderia ser qkr outra poluição sonora como rock, brega... Santa hipocrisia

  10. Paula Postado em 25/Feb/2014 às 08:54

    Nossa, o público daqui é tão modernoso quando se trata de quase tudo, mas tem gente que ainda não conseguiu superar o preconceito com o funk.... Parabéns ao coral! =D

  11. Fábio Postado em 25/Feb/2014 às 10:57

    Engraçado é q as mesmas pessoas q dizem q não se pode criticar o funk porque não aceitam críticas a partir de alguns critérios estéticos costumam achar "super kitsch" o Romero Britto e rejeitar o Paulo Coelho como algo que não merece ser chamado de literatura. Espera aí. Ninguém tá falando para proibir o funk, não. Vc pode até gostar desse funk da Valesca por razões psicológicas (acha msm q tem umas "invejosas recalcadas" olhando torto pra vc q tá no camarote), por razões político-ideológicas (vc pode achar que vale a pena ouvir aspectos de uma cultura que "desafia" os valores estabelecidos pela elite - diante de tanta "ostentação" e "camarote", com clipe de 500 mil reais, será mesmo? -, que tem algo de feminismo, que faz emergir socialmente alguns excluídos etc), até por algumas razões estéticas (vc pode achar q o funk "desconstrói" alguns estabelecidos estéticos). Mas eu não gosto, e vem cá: vc realmente não percebe a diferença entre essa música repetitiva e descuidada que a Valesca faz e uma composição do Cartola? O problema não está no funk (isto aqui é algo amplo, cheio de nuances, vai do Claudinho e Buchecha ao Proibidão e, aliás, até o Caetano Veloso lançou um funk massa no Abraçaço). O problema é esse funk q insiste na msm fórmula tosca. É como um sujeito q resolve fazer moda de viola, faz tudo torto, com letras descuidadas, pouco introspectivas, mas é elevado à categoria intocável de "expressão cultural". Somos obrigados a consumir qualquer funk sob pena de sermos chamados de "preconceituosos"? Eu não gosto desse funk. E acho perfeitamente possível fazer funk q presta.

    • Thiago Teixeira Postado em 25/Feb/2014 às 18:59

      O loco cara, respeito com o Modão! Se há um estilo realmente de raiz, sem fins lucrativos é a Moda de Viola. Escute um vinil do Zilo e Zalo para ver se você não se sentirá na beira de um curral.

  12. leonardo Postado em 25/Feb/2014 às 13:58

    Tolo.

  13. Thais Postado em 25/Feb/2014 às 17:59

    Não sei se é por causa da captação de pouca qualidade, mas aos meus ouvidos isto deixou de ser funk para se aproximar de outros gêneros musicais. Eu, particularmente gostei da versão do coral da USP.

  14. Cindy Postado em 26/Feb/2014 às 17:16

    Exceto pela dancinha sensual (flertando com a misoginia) isso nem parece o chamado funk (que nem é funk de verdade)!

  15. Line Postado em 06/Jun/2014 às 22:18

    Funk, palavra de lingua inglesa, um genero musical derivado do Soul. O chamado 'funk' carioca se parece mais com o miami bass do que com o Funk original. O pt e as blogueiras feministas adotaram esse funk carioca e essa valeska popozuda.

O e-mail não será publicado.