Redação Pragmatismo
Compartilhar
Justiça 05/Feb/2014 às 18:46
7
Comentários

Advogada cega agradece Lewandowski: "fez o que os outros não fizeram"

Advogada cega grava mensagem agradecendo Ricardo Lewandowski: "Hoje eu me sinto inteira brasileira, inteira advogada e inteira cidadã"

advogada cega ministro lewandowski
“Hoje eu me sinto inteira brasileira, inteira advogada e inteira cidadã”, diz Deborah Prates (Edição: Pragmatismo Politico)

A advogada cega Deborah Prates agradeceu em vídeo publicado na internet a decisão do ministro do STF Ricardo Lewandowski que permitiu com que ela peticione em papel, e não apenas em formato eletrônico. “Ele teve a competência, a ousadia de cumprir o seu dever enquanto os outros ministros não o fizeram”, disse.

Seu pedido, apresentado em novembro do ano passado, havia sido negado inicialmente pelo presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Joaquim Barbosa. Por ter problemas com o Processo Judicial Eletrônico (PJe), ela questionava a exigibilidade desse formato, que trazia dificuldades para que exercesse a profissão.

Deborah justificou que se sentia dependente e humilhada ao ter de implorar para outras pessoas enviarem petições por ela. Mas Barbosa disse que “o motivo explanado pela reclamante (…) não configura o perigo de dano irreparável ou de difícil reparação”. O ministro suspendeu a reclamação por entender que já tramitava pedido semelhante no Conselho.

No último dia como presidente interino do STF, na última sexta-feira 31, o ministro Lewandowski derrubou o ato de Barbosa, alegando que “exigir das pessoas portadoras de necessidades especiais que busquem auxílio de terceiros para continuar a exercer a profissão de advogado afronta, à primeira vista, um dos principais fundamentos da Constituição de 1988, qual seja, a dignidade da pessoa humana”.

No vídeo, Deborah diz que a decisão é uma “vitória da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, único documento internacional com status de emenda constitucional, que foi enxergado pelo Excelentíssimo Ministro Ricardo Lewandowski”. “Hoje eu me sinto inteira brasileira, inteira advogada e inteira cidadã”, completa a advogada.

Vídeo:

Brasil 247

Recomendados para você

Comentários

  1. Thiago Teixeira Postado em 05/Feb/2014 às 18:51

    É difícil fazer o bem e INCLUIR as pessoas? Parece que sim.

  2. Alexandre Lopes Postado em 05/Feb/2014 às 19:37

    Hummmmm... o paladino da ética não estava com fome de ética, neste particular ? Parece que não . Hummmmm, contraditório né ? Pois bem, se partirmos do princípio de que não é contraditório , porque esse caso não teve repercussão social e não foi divulgado pela mídia , entenderemos o porquê da decisão do ministro Joaquim .

  3. renato Postado em 05/Feb/2014 às 20:03

    Pàrabens a todos, Esta prática...leva a melhoramentos do SISTEMA. Mas sempre assim, os melhores primeiro..depois o resto. O problema que o DEPOIS, para alguns é uma eternidade... E a internet é boa para quem tem acesso a ela, quando ela não maltrata.

  4. Maria Aparecida Jube Postado em 05/Feb/2014 às 20:53

    O RICARDO LEWANDOWSKI, fez o que os outros não fizeram, porque que ele é o único juiz naquela Corte, o resto é representante do PIG e para o PIG a única coisa que existe é perseguir o PT, partido que representa o povão digno e honrado desse país.

  5. Dinio Postado em 06/Feb/2014 às 10:58

    O J Batman ,se tivesse vergonha na cara, deveria enrolar-se em sua capa preta e adormecer no escuro ,tal qual um morcego enrola-se em suas asas, numa caverna, para repousar, e só sair à noite para sambar e beber sua sede de vingança. Agindo assim, sua "cegueira humanística" ,pelo menos não atrapalharia a evolução da sociedade Brasileira !

  6. Rodrigo Postado em 06/Feb/2014 às 11:49

    Parabéns ao Ministro. Sempre critico quando vejo necessidade, mas agora é o momento de aplaudir. E vou além, pois há ainda a questão dos advogados idosos, parcela destes que não está conseguindo familiarizar-se com o processo eletrônico, algo havendo de ser feito também por eles. Tenho um amigo já idoso e muitas das vezes eu ou meu sócio o ajudamos, quando da distribuição de uma ação, sempre com a mesma cordialidade e paciência que ele tem para conosco, ao compartilhar muito de sua experiência jurídica e de vida.

  7. Jânio Postado em 07/Feb/2014 às 15:53

    Desqualificar os inimigos e enaltecer o companheiros... Deu pra entender a ideia da matéria.