Redação Pragmatismo
Compartilhar
Geral 02/Jan/2014 às 18:53
113
Comentários

O legado do The Voice à música brasileira

O virtuosismo vocal estéril é o legado do The Voice à música brasileira. Torturam as notas até não sobrar nada delas, ignoram as letras em prol de um exibicionismo obtuso, matam a pauladas a gentileza

sam alves the voice brasil
Sam Alves (Reprodução / Tv Globo)

Kiko Nogueira, DCM

O programa “The Voice” deixa como legado uma praga sinistra na música brasileira: o oversinging, a exibição de musculatura vocal e virtuosismo estéril que destrói qualquer canção.

Não era uma tradição brasileira. É uma herança bastarda do gospel. É o que já fazem há algum tempo, lá fora, Christina Aguilera, Mary J. Blige, Jessica Simpson, Josh Groban, Beyoncé, a insuportável Céline Dion, entre outros. Torturam as notas até não sobrar nada delas, ignoram as letras em prol de um exibicionismo obtuso, matam a pauladas a gentileza.

O ganhador do karaokê da Globo, Sam Alves, começou sua epopeia esfaqueando a delicada “Hallellujah”, de Leonard Cohen, e terminou gritando alguma outra música. É um retrocesso para o Brasil. João Gilberto e Tom Jobim — e depois seus seguidores Chico Buarque, Caetano Veloso, Gal Costa, Roberto Carlos e outros –, haviam atirado no século 18 o vozeirão de canastrões como Cauby Peixoto, Nelson Gonçalves e Ângela Maria. Perto desse pessoal do The Voice, Cauby, Ângela e Agnaldo Timóteo são silenciosos como a brisa.

Leia também

Não é agradável. Não é cantar. É gritar mais ou menos no tom. Não que não tenhamos tido intérpretes exagerados. Elis Regina, para ficar num exemplo, era derramada, dramática. Mas nunca em detrimento da canção. Ela estava a serviço dela. Elis se descabela em “Atrás da Porta”, de Chico, mostrando todos os seus dotes, sem abrir mão do que a composição está falando. Você pensa em cortar os pulsos, nem que seja por dois segundos.

O oversinging virou um padrão da indústria. O nível de intoxicação é tão grande que, aparentemente, não há mais o que fazer. A moça que interpreta forró é obrigada a dar cambalhotas vocais. O que esses caras fazem com Tim Maia é uma maldade. Tim, que inventou o soul brasileiro, era econômico com seus vastos recursos vocais. No final de “Gostava Tanto de Você”, ele se solta um pouco mais. É uma aula de contenção e feeling.

A nova histeria musical nacional quer que a melodia original se dane. O que importa é colocar o máximo possível de confetes num bolo até ele perder o gosto. É a globalização da ruindade. O rapaz de Fortaleza canta exatamente como o da Nova Zelândia. E eles vêm em série. É um ciclo vicioso que entope o mercado de vocalistas que berram, sempre a um passo de imolar suas gargantas.

Se você quiser culpar alguém, culpe Whitney Houston. Foi ela quem popularizou a técnica por trás do oversinging, chamada de melisma, a capacidade de emitir várias notas numa sílaba. Aretha Franklin fazia uso disso antes dela, mas Whitney levou a coisa a um outro patamar. No início dos anos 90, ela estourou com “I Will Always Love You”, em que o “I” durava seis segundos. Fazia estrepolias com o “You”, também. Sem desafinar, faça-se justiça. Na esteira dela, vieram seus clones modernos.

Suas acrobacias eram resultado de treino árduo e, claro, dom. O piro virtuoso de Whitney e seus asseclas é uma espécie de aviso aos autores: “Ok. Vocês bolaram essa harmonia, escreveram essa letra — mas agora a coisa está comigo e eu farei o que eu quiser”. Uma espécie de apropriação indevida, muito lucrativa em alguns casos.

Por trás de cada refrão estuprado por esses Godzillas, há um autor pedindo socorro. Os mortos não têm saída. Os vivos podem achar que vão ganhar dinheiro com isso. O oversinging é uma doença estética que, graças ao The Voice, vai ganhar o país. Como dizia Agnaldo Timóteo, a plenos pulmões: “Ai, ai, mamãe, eu te lembro chinelo na mão, o avental todo sujo de ovo. Se eu pudesse, eu queria começar tudo, mamãe, tudo de novo”.

Tags

Recomendados para você

Comentários

  1. Pedro Postado em 02/Jan/2014 às 19:33

    O que importa é colocar o máximo possível de confetes num bolo até ele perder o gosto. Perfeito comentário.

  2. Gabriel Postado em 02/Jan/2014 às 19:38

    Melisma não foi inventado pela Whitney. Melisma é uma técnica presente na música ocidental desde o fim do século XIV, usado em um contexto bem mais caótico do que o que vemos no The Voice.

  3. thais melo Postado em 02/Jan/2014 às 19:42

    Sam canta muito bem e EMOCIONA. Cheio de palavras bonitas seu texto, mas não convence. Com certeza, teve alguns candidatos que gritavam demais e os " técnicos" adorava.. também não entendia... Mas o Sam canta muito, ele era o melhor do programa.

  4. Lucas Postado em 02/Jan/2014 às 19:46

    Melhor do que esses sertanejos universitários que impregnam nossos ouvidos com suas vozes horrorosas, e letras da pior qualidade. Antes Sam Alves do que Luan Santana...

  5. Carol Postado em 02/Jan/2014 às 19:46

    vocês não tem mais nada pra fazer a não ser criticar TUDO que vem da globo?

    • Patrik Braga Postado em 02/Jan/2014 às 20:00

      Tem como não criticar?

    • marcio ramos Postado em 02/Jan/2014 às 20:57

      ... fui a primeira vez fotografar o reveiom na Paulista. Chegando pelo mêtro Consolação dei uma volta de 10 quarteirões para chegar na frente do palco e fiquei uns 100 metros do palco e claro sem vontade de ficar ali, pq isso eram 21 horas e ate a meia noite a coisa iria ficar bem lotada. Quando cheguei me deparei com trocentos telões no meio da avenida, as pessoas não enchergavam o palco, mas enchergavam os telões quer iriam transmitir o show. Ou seja as pessoas ficaram vendo televisão na Paulista, elas nao se relacionavam, todo mundo olhando o telão. Eu filmei, achando tudo muito insano. Antes do show começar passavam comerciais da Globo - a Concessão que virou arma de guerra da elite criminosa - e pasmem era a Globo no telão, vendendo seus produtos, ate o ultimo segundo de minuto da porra do ano... Eu não acreditei, a Globo fazendo a festa com a cara do povo, povo este que pegava umas bexigas de plastico com a marca da Globo na chegada. Essas bexigas eram "dadas de graça", para todo mundo levantar e fazer aquelas coreografias e jogar pra cima, que alegria. Me deparei tambem com a propaganda da Prefeitura de São Paulo, na porra do telão da Globo, e nem sei o que pensar na hora, mas... e sempre tem um mas, começou o show e quem foi cantar? Paulo Ricardo!!!! Quase vomitei. Parece que ninguem gostou muito, fiquei ate o cara chamar quem? O filho da ex-prefeita Suplicy, ai foi demais, se eu ja estava pensando em ir embora, decidi sumir da área correndo. Liguei os pontos: Globo, Prefeitura de São Paulo, artiostas da Globo no palco, mais um tal de Supla que parecia no telão um débil mental. Hãaaaaa..... No outro dia descobri que Carlinhos Brown e Lulu Santos arrecadaram 500 mil cada um, pra cantar aquelas merdas que eles conseguiram fazer - nada do que foi será... ta loko!!!! - e que eu detesto, e confesso que sou ignorante demais pra MPB e se o mano Carlinhos Brown e Lulu - Brouwn e Lulu, é o fim, so falta o Lobão - amealharam esta grana toda, porra!!!! o capitalismo é LEGAL!!!! Dãaaaa.... Depois chego aqui e no primeiro comentário está escrito: "vocês não tem mais nada pra fazer a não ser criticar TUDO que vem da globo?".

    • lobo Postado em 02/Jan/2014 às 21:13

      Fanboy detected

    • Drica Postado em 03/Jan/2014 às 02:12

      Ainda bem que existe vida inteligente na internet... globo produz sim lixos comerciais... e o programa dela é copiado, ainda por cima.

    • Joelma Postado em 03/Jan/2014 às 09:22

      TUDO que vem da globo DEVE ser criticado!!!

    • Dodô Postado em 03/Jan/2014 às 09:41

      The Voice, Esquenta, Zorra Total, Turma do Didi, Faustão, Dança dos Famosos, Fantástico com matéria de meia hora falando do importante casamento da mulher morango com naldo (?) Tudo eu não sei, mas muita coisa da pra criticar, hein? :) Ps: As demais emissoras idem!

    • Guilherme Postado em 03/Jan/2014 às 09:58

      Concordo. Algumas opiniões aqui expressadas até fazem sentido. Mas algumas críticas são completamente sem nexo. O cara que ganhou o The Voice mereceu, ponto. E só vou me limitar a falar dele, porque referente às críticas a outros GRANDES nomes da música eu me recuso a comentar.

    • Joy Rudi Postado em 03/Jan/2014 às 12:06

      Haters hated!

    • Leandro Coelho Postado em 03/Jan/2014 às 16:44

      Não.

    • Leandro Coelho Postado em 03/Jan/2014 às 16:44

      E eles têm razão para tal...rs.

    • renato Postado em 03/Jan/2014 às 17:57

      Lulu Santos, disse: eles lá não sabem de nada...referindo-se claramente ao USA..que tinham espurgado o Sam, quem sabe não tivesse cantor melhor que ele?? Mas...logo após Sam diz ter já uma música para agradecer o pessoal que votou nele.. E ele canta uma música NORTE AMERICANA????????????/ Tem coisas que eu me esforço para entender...apesar que acompanhei todas...as edições e não houve nenhuma musica melhor interpretada do que Carne Negra.....

    • João Batista de Melo Neto Postado em 03/Jan/2014 às 20:12

      Não é só da Globo, todos esses programas, similares, como a da Record, ou do SBT, fazem a mesma coisa. Deixe de mania de perseguição,

    • Nicanor Postado em 03/Jan/2014 às 23:16

      A crítica é perfeita, moça. Problema é que poucos entendem do assunto - você parece ser uma delas - e se contentam com as nojeiras que as gravadoras vampiras enfiam goela abaixo. Aliás, a massa é burra mesmo, engole qualquer porcaria que a mídia, em sua busca insana por dinheiro, coloca no ar, porque nada entende de nada, como hilariantemente diria um amigo meu.

  6. Bruna Pagnan Postado em 02/Jan/2014 às 19:49

    Eu amo "Atrás da Porta", justamente pela sensação de cortar os pulsos...a música toda! kkkk Parabéns pela matéria, muito bem escrita! Talvez chegaremos em um próximo passo, em que, o brasileiro substitua os eletro forrós, forró universitário, funk, por esse tipo de música, na utopia de se" musicalizar", quando é mais simples olhar o nosso passado tão rico! É uma especie de Botox musical, tá todo mundo aplicando e, além de deixar feio, fica tudo com a mesma cara! :)

  7. Shirl Postado em 02/Jan/2014 às 20:06

    Tá e o que isto tem haver com política? Sinceramente não entendo o movimento anti Globo, se até os programas que dizem ser inteligentes, são patrocinados de certa forma por eles.. se não me enganho o Fabio Porchat tava no medida certa, pq será?

  8. Roberto Postado em 02/Jan/2014 às 20:08

    Sempre concordo com tudo desse site mas com isso nao! Gosto desess vocais e sim vocês não tem moral alguma para criticar cantoras como Christina Aguilera e Celine Dion

  9. Thomas Postado em 02/Jan/2014 às 20:13

    Ainda bem que eu não sou o único a achar essa "estupralização" musical insuportável. Acho desnecessário esse timbre quebra-copos que anda em voga, mas fazer o que?

  10. Laila Postado em 02/Jan/2014 às 20:15

    Josh Groban e Christina Aguilera têm músicas ótimas, na minha humilde opinião. Celine Dion também está bem longe de ser ruim. Sam Alves e The Voice, simplesmente não sei. Não assisti o programa, não por odiar a Globo ou algo assim. Apenas não tenho mais interesse neste tipo de programa e geralmente nem me atenho aos nomes que aparecem neles.

  11. Paula Postado em 02/Jan/2014 às 20:19

    Acho válido a crítica sobre o uso indevido, quando não cabe na expressividade da música...mas criticar cantoras tão aclamadas com músicas que tem expressividade em qualquer segundo, seja ele cantado a plenos pulmões ou a quase sussurros, é algo ridiculo. Só porque a música brasileira tem uma característica predominante diferenciada, não significa que seja o único estilo bom do mundo. Para culpa whitney pelo "oversing", você deveria escutar mais ópera e mais musicais, escutar mulheres aclamadas como a "Dvina" ou a rainha dos musicais, Barbra Streisand...Existe muito mais por trás desse universo musical do que você admite existir. Eu concordo que certos exageros descabidos são ruins, e o Sam é um bom exemplo disso, mas generalizar esse tipo de canto como ruim é absurdamente ridículo. O que você acha que exige mais técnica? Cantar baixinho, no ritmo gostoso do soul brasileiro, ou fazer um vibratto no meio de uma nota alta segurada por vários segundos??? Mais uma vez, ouça ópera e diga que isso não é expressividade e cultura.

  12. Diego Postado em 02/Jan/2014 às 20:24

    Achei o texto preconceituoso. Eu gosto de vozes com belting e melismas, é meu gosto, eu sou apaixonado pelo Rock, Blues, Soul. Geralmente eu desgosto de cantores que dão valor apenas a emoção, cantam em tons baixos apenas, sem técnica, PORQUE MÚSICA É ESTUDO E MATEMÁTICA SIM! Claro que combinados com uma boa dose de emoção e verdade. mas eu não saio criticando, pois é questão de gosto, não curto Roberto Carlos por cantar sempre tudo na mesma nota, mas o respeito como artista e tem milhões que o admiram. Pra mim, eu sinto arrepio ao ouvir Whitney, eu sinto arrepio a ouvir a Janis Joplin, e elas viviam no ''berro'', que nada mais é que técnica, pois ninguém consegue ''berrar'' daquela forma. São gostos diferentes, achei desrespeitoso o texto e por isso estou descurtindo a página. Cansei disso de exagero de criticar tudo da globo, façam como eu: se não gostam não assistam. RIP WHITNEY AND JANIS!

  13. Amanda Postado em 02/Jan/2014 às 20:25

    Mas em um programa em Claudia Leite é Técnica, Daniel é chamado de professor , vai se esperar o que?

  14. Anderson Felix Postado em 02/Jan/2014 às 20:29

    Achei o tema pertinente, no entanto não o tomo como provido de tantos valores negativos. O melisma é uma técnica e como qualquer outra é necessário equilíbrio ao utilizada, o que ocorre, como dito na matéria, é a desconexão entre a mensagem da música e a necessidade de exibição. Por outro lado, enquanto destila-se o virtuosismo, temos cantores sem o mínimo de domínio musical extrapolando os limites do bom-sendo com letras escritas visando alcançar somente exito na indústria fonográfica. Então, temos dois extremos, o exibicionismo e o descartável. Sinceramente, não saberia dizer qual das duas situações é pior.

  15. João Paulo Postado em 02/Jan/2014 às 20:42

    Não concordo com tudo que foi dito, algumas musicas realmente pedem esse "oversiging", mas é certo que o exagero pregado pelo progama global pode acabar com algumas musicas.

  16. N. Gabriela Almeida Postado em 02/Jan/2014 às 20:45

    O problema, acredito eu, não é o oversinging, mas sim que a verdadeira música brasileira não levada em conta pelos jurados. E vemos isso de dois modos: o nome do programa e a música escolhida pelos mesmos jurados aos participantes dele. The Voice Brasil além de estar americanizado, é feito de forma incorreta. O certo seria The Voice Brazil, creio eu. E se acontece no Brasil, poderia muito bem ter o nome mudado para um formato mais brasileiro (como aconteceu em Portugal, tornando-se "A Voz de Portugal"), "A Voz do Brasil" cairia muito bem. E se não pode ocorrer mudanças por ser uma franquia, que fosse feito de forma correta. Outro ponto que tira o "jeitinho brasileiro" do programa são as músicas escolhidas. Por qual motivo a maioria delas eram em inglês se o programa é feito para o público brasileiro? A massa brasileira, em maioria, não saberia traduzir metade das músicas cantadas durante o programa. E acho que isso é um tanto ruim para a popularização da música brasileira. Eu considero o Brasil um berço de músicas boas, mas não é divulgado. E isso faz com que apenas o funk, o forró, pagode e sertanejo com letras pobres sejam conhecidas e alienem o povo e essa divulgação é feita sim pela Globo, principalmente por essa emissora eu concordo com isso. Eu gostei da matéria, mas acho que esses tópicos citados anteriormente deveriam, também, ser levados em conta para o empobrecimento da música brasileira atualmente.

  17. Joe van Bafer Postado em 02/Jan/2014 às 20:47

    Sempre me incomodou isso também. É puro gospel. Não há música, identidade... O que eles tentam fazer, só Janis fez com espírito. O resto é o mesmo do mesmo sempre. E numa palavra: exibicionismo. A música? Bah, essa tá morrendo.

  18. Diego Fernandes Postado em 02/Jan/2014 às 20:48

    Seria mais honesto e mais bonito da parte do autor dizer: "Galera, não gosto desse estilo de canto, acho exagerado assim e assado, prefiro um vocal e uma interpretação mais serenos. Fim de papo" Essa cara intelectualóide que foi dada ao texto, buscando referências injustificadas, colocando "a culpa" no gospel americano, chamando a Whitney Houston (que fazia o que queria com a garganta, inclusive era suave também), argumentando que acha a Celine Dion chata, quer dizer. Papelão desnecessário e sem nenhuma base argumentativa sólida. Como uma manifestação de uma subjetividade apenas, eu acho válido, Do contrário, tá faltando muito aí pra virar uma opinião de fato.

  19. Isabela Postado em 02/Jan/2014 às 20:49

    Deveriam ter ficado restritos aos assuntos políticos. Não gostar de um tipo de música é simplesmente isso: gosto. E a boa tradição já diz que gosto não se discute. Que o autor não goste da música gospel e de seus intérpretes, tudo bem. Mas dizer que não é agradável, que não é cantar, que é gritar mais ou menos no tom é um pouco de arrogância. Quem afinal é essa pessoa que está criticando? Um cantor do quilate de Pavaroti? Porque para criticar cantores do porte de Whitney Houston, Beyoncé, Celine Dion, Aretha Franklin ou Josh Groban, deve ser alguém que tenha anos e anos de estudo musical, deve cantar maravilhosamente, ter muita técnica e potência vocal, ter vendido muitos discos, e feito milhares de shows para dizer que esses cantores que são adorados por milhares não são cantores mas gritadores. Se não gosta, pelo menos respeite a maioria que gosta. Não somos surdos, desprovidos de sentimento, ou pessoas burras. A música é a linguagem da alma. Alguns entendem, outros não, o que se quer dizer com ela.

  20. Carolina Postado em 02/Jan/2014 às 20:50

    ''Por trás de cada refrão estuprado por esses Godzillas'': o respeito por as pessoas passou longe do Kiko Nogueira. Fico espantada de ver vocês reproduzindo essa matéria aqui.

  21. Mariana Postado em 02/Jan/2014 às 21:07

    "Gosto não se discute", já dizia o velho ditado popular. É uma briga vã, onde se tenta forçar o outro a seguir suas próprias vontades.

  22. felipe Postado em 02/Jan/2014 às 21:09

    Realmente, eu que costumava ler muito as matérias ando percebendo uma grande artificialidade na hora de querer prezar pelos bons costumes ou qualquer outra ideologia que seja. Parem de criticar tanto essas coisas minúsculas de lhes inflarem com tanto ibope!

  23. Liana Postado em 02/Jan/2014 às 21:29

    Me desculpe... mas vc não sabe da Soul Music e R&B americano. Falar da Mary J. e da Cristina... infelicidade a sua. Não esqueça que a Ellen Oleria só precisou de uma aparição para se tornar a mas nova voz da MPB, pois o seu legado já estava garantido na musica... claro que musica de pessoas inteligentes!

  24. Cristhian Postado em 02/Jan/2014 às 21:42

    Virtuosismo seja vocal ou instrumental não tem nada de ruim. Diga que você não gosta, porém não diga que é ruim. Músicos se dedicam anos em conservatórios para fazem agudos e solos. É óbvio que há músicas onde isso não se encaixa bem, porém para algumas é imprescindível.

  25. daniella Postado em 02/Jan/2014 às 21:46

    Que engraçado ver esse post. Estava vendo as queimas de fogos quando de repente apareceu um cantor gritando igual uma gazela. Eu não assisto TV e não sabia de quem tratava. Achei que ele realmente matou “Hallellujah" e agradeci por não estar na avenida paulista naquele momento.

    • Fernanda Postado em 02/Jan/2014 às 21:52

      De fato é quase um crime fazer o que ele fez com “Hallellujah". Tem gosto pra tudo, né?

  26. Wagner Postado em 02/Jan/2014 às 21:49

    Concordo em pontos e discordo em outros. esse the voice foi pura gritaria, entendo. porém, não dá para comparar o cantar da elis regina,whitney Houston e dos outros artistas citados a mera gritaria. mas acho que só a primeira temporada do the voice brasil valeu a pena ver e ouvir,porque as pessoas tentaram mostrar o seu jeito de cantar(personalidade) e apenas caíram na mesmice; e a maioria cantava melhor músicas em inglês: acho muito bonito, só que não acredito que seria nisso que se tornaria a cultura brasileira

  27. Willian Postado em 02/Jan/2014 às 22:02

    Fiquei curioso de ouvir o Sam Alves depois deste artigo, ouvi, e o cara arrasou. O artigo não faz jus nenhum ao que foi a apresentação. Em fato faz uma propaganda contra, porque reclama de alguem que utilizou a voz como instrumento, de um jeito muito mais técnico e artístico que muitos cantores da mídia brasileira. Precisamos de mais Sam Alves, para quem sabe resgatar nossa música.

  28. Raffaele Postado em 02/Jan/2014 às 22:13

    A matéria tinha tudo pra ser excelente, exceto pelo uso do que mais o autor ataca em sua crítica ao programa "The Voice": o exagero. Se houve a intenção, ou até mesmo a ironia, por parte de crítico, convenhamos, este tipo de escrita já anda bem batida. Adjetivar Cauby Peixoto, Nelson Gonçalves e Ângela Maria de "canastrões" chega a ser risível e, se eu posso tomar a opinião do crítico como a do veículo, fico pessimista em relação à credibilidade deste!

  29. Ismael Postado em 02/Jan/2014 às 22:16

    Mano, até que enfim alguém teve a coragem de escrever isso, pelo menos foi a primeira vez que vejo uma manifestação pública em relação a isso. Muitíssimo bem citado os nomes de, por exemplo, Céline Dion e Whitney Houston (entre tantos outros). Na realidade estes e tantos outros programas musicais da tv é somente este tipo de agressão aos ouvidos que costuma aparecer.

  30. Laercio Mello Postado em 02/Jan/2014 às 22:23

    Cantar não é isso. isto é exibicionismo vocal.Eles cantam mal justamente por que exageram, pra cantar não precisa de vozeirão.Precisa ter afinação, emoção, interpretar a letra.E mais: ainda não vi nenhuma voz original.Esta gente não tem carisma.Por isso cai no esquecimento.

  31. Mack Postado em 02/Jan/2014 às 22:59

    Todas as noites nos meus sonhos eu vejo você, eu sinto você É assim que eu sei que você segue em frente Longe, atravessando a distância E espaços entre nós Você veio me mostrar que continuará Perto, longe, onde quer que você esteja Vamos Lá. "Beyoncé, a insuportável Céline Dion, entre outros. Torturam as notas até não sobrar nada delas, ignoram as letras em prol de um exibicionismo obtuso, matam a pauladas a gentileza." Cara antes de tudo melodia é poesia, logo abaixo vemos a tradução de uma música de Celine, não sou fã dela, mas aonde está o exibicionismo dela?, aonde está o matar a pauladas a gentileza, pessoal antes de criticar deveria pelo menos de ter um tempo para avaliar o que está falando, porque o que estão fazendo é literalmente jogar merda na frente do ventilador. "Creio que o coração segue em frente Uma vez mais, você abre a porta E você está aqui, no meu coração E o meu coração continuará e continuará."

  32. marcos Postado em 02/Jan/2014 às 23:04

    Realmente, um derespeito aos meus ouvidos. Deus é surdo para os "Hallellujah! Agora eu também sou surdo. Até que enfim alguem tem coragem de falar a verdade sobre essa geração de "gritadores".

  33. Ronaldo Japão Postado em 02/Jan/2014 às 23:18

    olha concordo que o the coice no brasil não está procurando bons cantores e se está não tem nenhum se apresentando, mas umas coisas vc tem que reconsiderar; uma, chamar a mania de florear notas muitas vezes em exagero de herança bastarda do gospel é negligenciar que cerca de 70% dos bons músicos e cantores desde que a música existe saem dos mais variados templos de adoração ao criador da música DEUS; segundo, se estes novos cantores fizessem metade do que Caubi Peixoto, Nelson Gonçalves e todos que gravavam na época que nã existia afinador em tempo real eu até pensaria em ouví-los; terceiro, pela forma de vc se expressar acredito que vc não seja músico,cantor ou tenha algum envolvimento direto com música por isto repito, concordo que nem tem bons cantores e nem eles estã os procurando mas compare-os de forma mais justa como com Jose de Camargo e Luciano, Ivete Sangalo, Claudia Leite, e outros que não cantam bem mas todos que vi no the coice brasil são inferiores a eles. Ah só pra saber tarbalho como baixista, guitarrista, back vocal, produtor, tecnico de som e luthier a mais de vinte anos, obrigado.

  34. Jeferson Inuyatt Postado em 02/Jan/2014 às 23:19

    Com todo respeito e o mesmo que não encontrei nesse texto, nunca vi um episodio de the voice, para quem ama musica e (ou) estuda musica, de certo não perdera tempo com esses programas de baixo nivel musical e um elevado grau de humilhação pessoal, onde acredita-se estar lutando por um sonho (...). Infelizmente no texto vi apenas a opniao pessoal do escritor, citando nomes da musica mundial e culpando-os pelas grosserias exibidas pelos calouros da tv Brasileira. Musica é vida e existe inumeras possibilidades de viver a vida, isso inclui seus amores, paixões suas musicas e muitas outras coisas nescessarias para um individuo, o que falta na musica Brasileira é identidade propria e para os criticos uma visao ampla que vai alem de seu bem querer pessoal.

  35. Lucas Postado em 02/Jan/2014 às 23:22

    Essas pessoas do Voice são um bando de equivocados.

  36. Jéssica Postado em 02/Jan/2014 às 23:39

    Você REALMENTE está criticando a técnica vocal de Whitney Houston? Isso é sério? Francamente PP, que declínio. Nunca li tanta asneira junta. Meu caro, desde quando música foi feita só pra dormir? Alcançar essas notas altas sem desafinar é um dom, um dom que poucos possuem. Não sei se Sam Alves se encaixa nessa categoria, não prestei atenção nele o suficiente para julgar se é bom ou ruim, mas o post como um todo foi de uma imbecilidade absurda. Não vou mentir e dizer que gosto de exageros (Aguilera é um exemplo de gritaria que não gosto), mas música existe para todos os ouvidos, todos os gêneros, todas as épocas. Que discussão inútil.

    • igor Postado em 03/Jan/2014 às 15:30

      Nem terminei de ler e já percebi que é de uma assídua acompanhante desses programas de merda, daquelas que ficam o dia todo postando sobre isso no facebook, rs

      • Jéssica Postado em 03/Jan/2014 às 20:18

        Coitado, percebeu errado! Nunca nem prestei atenção nesses programinhas, só assisto o que me interessa. Coisa que vocês, amantes assíduos da jovem guarda, deveriam fazer também.

    • sandro Postado em 03/Jan/2014 às 15:34

      concordo em gênero,número e grau!!!!

    • Joao Batista de Melo Neto Postado em 03/Jan/2014 às 20:15

      Há quem goste de cantores, há quem goste de malabaristas vocais, esses deveriam ir para a terra do Tio Sam!

    • Antonio Torres Postado em 03/Jan/2014 às 20:31

      Muito bem colocado Jéssica, como diz um amigo meu musico, não existe musica ruim existe musica mal tocada, todos os estilos tem seus admiradores e eu acho que este pessoal está muito dependente da Globo, pois tudo que ela produz eles assistem e criticam, porque como tu vai criticar o que não assiste.

  37. Wagner Postado em 02/Jan/2014 às 23:49

    Vi que o texto era tendencioso e cheio de ódio quando o ser que o escreveu chamou de 'canastrões' Cauby Peixoto, Nelson Gonçalves e Ângela Maria. Creio ter sido escrito por mais um músico frustrado que julga saber tudo, e nada sabe.

    • ketlin Postado em 03/Jan/2014 às 10:18

      concordo! e tudo bem, criticar certos artistas, e eu nem acompanhei o The Voice, mas falar da Whitney e da Celine Dion!! Um absurdo!!! Deve ser um musico muito medíocre que não consegue alcançar essas notas e resolveu criticar.

  38. Edson Faria Sn Postado em 02/Jan/2014 às 23:50

    Kico Nogueira. Quanta besteira tu escreves. Criticar Celine Dion... Tu és um PANDEGA. Se o Nelson Gonçalves tivesse iniciado agora no The Voice, estaria massacrando o grande cantor que foi, só por que era gago. Me poupe meu senhor, das suas babozeiras. Fica dito.

  39. silvia Postado em 02/Jan/2014 às 23:54

    O cara canta bem, mas nunca foi ou será a voz do Brasil... tínhamos intérpretes melhores....

    • Davi Alves Postado em 03/Jan/2014 às 01:17

      concordo achava ele um pouco sem sal sem feeling

  40. Carlos Roberto Postado em 03/Jan/2014 às 00:36

    Kiko Nogueira...você é muito chato e saudosista . Fica no passado e pronto! Ohhh você até escreve bem, mas já pensou se eu digo que você matou a forma de como escrever e que Olavo Bilac e/ou Rui BArbosa levantariam dos túmulos ? Pára meu! O que você tem contra a voz... A propósito o nome do programa é the voice! Ahhh já sei ou você rouco, fuinha ou gago!!! rsrsrsrsr.

  41. João Franco Postado em 03/Jan/2014 às 00:38

    Operas também são cantadas aos berros. Mas prefiro ouvir um tenor ou um barítono se esgoelando, mostrando sua afinação, do que cantores de hoje.

    • renato Postado em 03/Jan/2014 às 16:02

      berro? O cara estuda trocentos anos, treina , prepara-se e voce chama isso de berro??? Va ouvir o luan santana!!!!!

  42. Coelho Postado em 03/Jan/2014 às 00:44

    Peço desculpas ao autor, mas a época da bossa nova já passou. Por mais que ele queira, o tempo não para (desculpe Cazuza), muito menos volta. Mesmo que voltasse, existem melismas e oversingings desde antes época das óperas de Mozart. Já ouviu falar da Ária da rainha da noite? Fala mal da Aguilera, então vamos falar mal de Mozart também. E releitura musical é um hábito literalmente medieval, antes de Bach. Ou podemos deixar essa discussão inútil de lado, assumir que gosto é gosto, e o seu gosto já não representa a cultura mainstream. Falar que a música morreu porque você não gosta de música contemporânea é de uma desonestidade intelectual sem tamanho.

  43. Renato Duarte Postado em 03/Jan/2014 às 00:45

    PREGUIÇA DESSE MORALISMO COM ARROTOS DE SOBERBA MUSICAL!

  44. Manoel Postado em 03/Jan/2014 às 00:45

    O autor se julga o suprassumo do bom senso, incorrendo num erro gravíssimo, que é expressar sua opinião como verdade absoluta. Pelo amor de deus, vc chamou vozes como Nelson Gonçalves e Ângela Maria de canastronas e ainda contestou todo o poder e técnica de Witney em seus tempos áureos... Quando os exageros são pesados e mal colocados eu tbm detesto, mas daí a contestar todo um estilo soul de canto é exagerado demais, sempre existiu quem gostasse desse tipo de música e sempre existirá, é muita pretensão achar que o The Voice vai incutir isso no povo brasileiro assim... Porque não falou da grande pérola que foi Ellen Oléria vencedora da primeira edição do programa, exalando brasilidade a cada nota, fala sobre a influência que o programa teve no ano passado, ou será que tal problema se apresenta apenas quando o seu gosto musical é contestado. Enfim, foi um grande erro o Pragmatismo Político ter reproduzido esse texto em sua página.

  45. Antonio Penna Postado em 03/Jan/2014 às 00:49

    THE VOICE tem em todo lugar concordo ,sei lá que lugares são ao todo,mas The voice BRASIL são brasileiros que escolhem a voz do Brasil e não da França ,USA...certo?Por isso ali eu era Lucy Alves e mais ninguém,embora nem fosse minha candidata(Viva Alessandra Crispin!)Agora nessa edição uma tchurma de" alunos do FISK"ou daquela ex-bbb e um repatriado resolvem aparecer pra disputar a voz do BRASIL cantando em inglês e devemos nos curvar e dizer_"Não,mais ele ganhou e blá,blá... "tenha santa paciência!A globolinha vai é nos enfiar goela abaixo este tio Sam em uns trocentos programas da casa, em temas de suas novelas pra fazer os outros quase 60% acreditar no seu produtinho madeUSA,porque aquele ali é insuportável tanto quanto a sua coachmilk.

  46. luis Postado em 03/Jan/2014 às 00:55

    Como músico, lamento informar que este tipo de pensamento está ocorrendo em todos os instrumentos. Se você ouvir um saxofonista brasileiro, um francês e um americano, verá que todos usam técnicas iguaizinhas, parecem ter estudado nos mesmos lugares. É a globalização da música americana em detrimento do caráter local.

    • André Postado em 03/Jan/2014 às 12:13

      como é bom ver um comentário que salve a discussão... o pessoal que gosta do programa não entendeu o real motivo por trás do autor e sai desfilando contra argumentos do tipo: texto cheio de ódio, músico frustrado, etc... sem se ligar o que realmente tá em discussão no texto... :)

  47. THIAGO SANTOS DO NASCIMEN Postado em 03/Jan/2014 às 01:28

    De um programa como esse, que já tem sua forma de mercado padronizado, nunca sairá grandes artistas que já tivemos em nosso cancioneiro popular. Nunca um programinha desses, de 5a categoria, vai revelar alguém dos quilates de Bezerra da Silva, Cartola, Jackson do Pandeiro, Luiz Gonzaga, ou dos até mesmo dos outros segmentos musicais. E sabem pq? Isso ai não é natural. Os talentos estão nas ruas, fazendo sua arte e sobrevivendo sem depender da padronização cultural de massa.

  48. Juciane Postado em 03/Jan/2014 às 01:55

    Sinto falta de algo que não sei o que é. Nasci em 1981, família evangélica tradicional (para bom entendedor: nada de tv em casa. E nada de "música mundana". Para ouvir, só "louvores". De preferência que não usassem bateria, um "instrumento do demônio".), minha infância, e boa parte da juventude, aconteceu dentro de uma igreja. Então, por estes e outros fatores, não soube o que eram os "Festivais", "Raul Gil", e outros programas de auditório de calouros e tal. Só depois de adulta, graças ao You Tube, estou me familiarizando com Mercedes Sosa e os poderosos Milton Nascimento, Chico Buarque, Caetano Veloso e Gal Costa, em "Volver a los 17", Mayra Andrade e suas parcerias com a Aydar, com a Mart'nalia e Carlinhos Brow. Sim, eu sei, a primeira é argentina e a segunda é caboverdense, igual à Évora. As pouquíssimas vezes que assisti ao "the voice", senti-me fraudada. Se é para sermos "americanos/australianos/britânicos", cheios de canções em inglês e versões pobres em português, é muito mais interessante assistir aos originais. E viva as apresentações da Shelley Smith e Sam Bailey no X Factor UK, da Bella Ferraro no AUS e da Rose Sonenclar e sua versão "13 anos" da Nina Simone no USA. Pelo menos elas estão cantando em suas línguas, canções que fazem todo o sentido para eles, que todos entendem e que tem um contexto. Quando sintonizo um programa que pretensamente está "adaptado" ao Brasil, sua regionalidade, suas Pitty, Marisa Monte, Kid Abelha, Rita Lee, Cássia Eller, Anita, Maria Gadu, Ana Cañas, Marjorie Estiano, Fafá de Belém, As Chicas, Quarteto em Cy, com um passado glorioso de Ângela Maria, Emilinha, Vanderléia, Dalva de Oliveira, Maysa, Trio Esperança, As Frenéticas e tantas outras, espero encontrar ao menos um pouco disto, quero ouvir uma canção Brasileira interpretada por uma nova voz e me sentir parte disto. Ao invés, obtenho, geralmente, uma versão muito ruim de algo que lá fora é tido como muito bom. Acho que o texto critica justamente isto. Só que não poupa quem lê. O autor bate e bate para arrebentar, mais ou menos naquela de "olha, uma mosca na parede! temos que matá-la. opsss, que parede??? explodiu junto com a mosca!!!" e nesta acaba sobrando para a Whitney, por exemplo, grande cantora, afinada, e completamente do meio "negro-espiritual", ou seja, faz todo o sentido que as canções interpretadas por ela tenham todos aqueles agudos arrepiantes e baixos vibrantes, que exigem das pregas vocais. E o "canastrão" que adejetiva Cauby Peixoto não é no mau sentido. É porque é o estilo deles. São aqueles cantores dos Dramas Mexicanos, de Emoções Exageradas, à flor da pele, com letras melosas, machistas e cheias do "amor romântico idealizado", impossível, fadado ao fracasso e que justamente por isto atraem a maior parte de seus fãs. Assim como o termo Brega, que pode ser considerado uma ofensa, é o apelido do estilo do Reginaldo Rossi de cantar. A crítica é contundente. Podia ser mais leve? Sim. E isto não tira o mérito dela. Continua válida. o tal vencedor aí não representa o Brasil. É um papagaio de pirata, vai sentar nos ombros de algum grande nome importado e tagarelar, sem criar nada, só reproduzindo. Técnica vocal? 1000. Alma? ZERO. Ao meu ver, é esta a mensagem do texto. E eu continuo sentindo falta de algo que não sei o que é, porque nunca tive.

  49. Ludmilla Postado em 03/Jan/2014 às 08:15

    Concordo com o Luis. Falta originalidade! E muita técnica é chato de se ouvir.

  50. Eddie Postado em 03/Jan/2014 às 09:22

    Maravilhoso.

  51. Ingrid Postado em 03/Jan/2014 às 10:33

    Eu não defendo a globo, na verdade também não assisto tv, e acho que as vezes vocês fazem umas matérias de um ódio com coisas bestas, dão ibope demais para uma coisa que dizem ser contra.

  52. Charlins Postado em 03/Jan/2014 às 10:50

    REFERIR-SE A NELSON GONÇALVES, CAUBY E ANGELA MARIA COMO CANASTRÕES COMPROVA A IGNORÂNCIA DO AUTOR DESSA MAL INFORMADA CRÍTICA. MEU CARO, NENHUM DESSES REFERIDOS CANTORES GRITAVAM. MUITO PELO CONTRÁRIO, A CARACTERÍSTICA MAIS MARCANTE DO NELSON, POR EXEMPLO, ERA O SEU GRAVE, DESENVOLVIDO COM A MESMA ELEGÂNCIA E SUAVIDADE COM QUE ENTONAVA O MESMO SUBIA AOS AGUDOS. OU SEJA, NADA HAVER COM OVERSINGING. NO MAIS, NÃO CURTO OS EXAGEROS VOCAIS, MAS VALORIZO MUITO QUEM TEM VOZ PRA CANTAR E SABE SOLTÁ-LA COM CLASSE, COISA QUE FAZIA MUITO BEM OS "CANASTRÕES" DESASTRADAMENTE CITADOS POR VOCÊ. AGORA, SE O SEU CONCEITO DE BOA VOZ INCLUI ROBERTO CARLOS(KKK), TOM, JOÃO GILBERTO E CHICO BUARQUE...FAÇA-ME O FAVOR!! RESPEITO-OS E OS ADMIRO COMO COMO GRANDES AUTORES E COLABORADORES DA NOSSA MÚSICA, MAS COMO CANTORES...TALVEZ VOCÊ NÃO SAIBA O QUE DIZ, MAS CANTE ATÉ MELHOR

  53. Caio Postado em 03/Jan/2014 às 10:52

    Quem que assiste essa bosta só é alienado que não lembra de ninguem que ganhou o idolos quando assistiu, o fama de quando assistiu, assim vai..

    • Thiago Teixeira Postado em 03/Jan/2014 às 12:14

      Lembra da Vanessa Jackson? E ai? Tá tocando onde?

  54. Caio Postado em 03/Jan/2014 às 10:55

    É um retrocesso para o Brasil. João Gilberto e Tom Jobim — e depois seus seguidores Chico Buarque, Caetano Veloso, Gal Costa, Roberto Carlos e outros –, haviam atirado no século 18 o vozeirão de canastrões como Cauby Peixoto, Nelson Gonçalves e Ângela Maria. Perto desse pessoal do The Voice, Cauby, Ângela e Agnaldo Timóteo são silenciosos como a brisa. meu filho, já ouviu falar em Ian Gillan? Robert Plant? Metade do brasil deve preferir esses caras do que esses caras toscos da mpb, música para besta.

  55. Thiago Teixeira Postado em 03/Jan/2014 às 11:11

    O que podemos esperar da GLOBO? Apenas isso: GLOBO.

    • João Batista de Melo Neto Postado em 03/Jan/2014 às 20:17

      O SBT e a Record, com seus programas similares, tem a mesma resposta. Então não devemos canalizar a uma só emissora, e sim, a um retrocesso musical, que muito tem a ver com as próprias gravadoras, e a igrejas não-pentecostais

  56. ademar Postado em 03/Jan/2014 às 11:25

    Kiko Nogueira exagerou no veneno, as críticas são plausíveis, porém demasiadas, há sim um exibicionismo exacerbado, mas nem sempre a exploração vocal é puramente gritaria ou tortura com a melodia como diz o autor do post.

    • Joao Postado em 03/Jan/2014 às 13:53

      Há exibicionismo porque é uma COMPETIÇÂO de vocalistas, e não de compositores. Criticar isso é tão estúpido quanto chamar Michael Phelps de exibicionista por nadar rápido demais. Ah, e sem falar que tem que sempre lembrar da grande MERDA do tropicalismo como se fosse legítima representante da musicalidade brasileira... pq todo mundo sabe que o Brasil se resume à elite do Rio de Janeiro e Bahia né? Sem falar na verdadeira máfia que esses merdas da MPB criaram, que fica agora mamando nas tetas do povo. Gal Costa conseguiu dinheiro público até pra publicar um blog de poesias... Gilberto Gil conseguiu colocar aquela filha ridícula e sem nenhum talento na mídia e ela já está lá faz mais de uma década, sem ter feito absolutamente nada que preste.

      • sandro Postado em 03/Jan/2014 às 15:46

        kiko nogueira: o invejoso sem pudor!!! não é a toa que os tenores famosos são os mais bem pagos do mundo pq são pouquissimos que podem chegar a esse patamar, a essa perfeição! qualquer um pode cantar como o sussurrante joão giberto,fanhoso chico buarque e etc... suas obras são indiscutíveis mas suas vozes são péssimas!!! cantar não é falar no tom! no cantar existe uma entonação,brilho,vibrato,afinação... são apenas intérpretes e declamadores,só isso...cantores de verdade fazem isso mesmo,virtuosismo,exibicionismo,competição pq estudaram muito pra fazer isso e denegri-los é a mais pura inveja pessoal colocada no ventilador!!! pelo amor de DEus!!!

      • João Batista de Melo neto Postado em 03/Jan/2014 às 20:19

        Filhote estadunidense detectado

      • Rafael Postado em 04/Jan/2014 às 07:40

        Gal Costa não tem nada a ver com isso. Informe-se melhor!

  57. Larissa Acosta Postado em 03/Jan/2014 às 11:27

    Se o autor curte o vocal linear da mpb, beleza. Mas não vamos desmerecer artistas que utilizam outras técnicas em outros estilos musicais. Eu não assisti ao "The Voice Brasil", mas se é uma competição de vocais, nada mais óbvio do que esse exibicionismo ao qual vc se refere. E, me sinto até ridícula em ter que apontar isso, não acredito que isso vá mudar alguma coisa no cenário musical de nosso país, que já vem sendo bastante castigado por problemas mais graves. Perda de tempo essa matéria.

  58. barbs Postado em 03/Jan/2014 às 12:01

    quem interpreta uma canção tem que usar o melisma de forma dosada, ele adiciona emoção do cantor na música, e ele tem toda a liberdade para fazê-la. grande asneira dizer “Ok. Vocês bolaram essa harmonia, escreveram essa letra — mas agora a coisa está comigo e eu farei o que eu quiser”. Uma espécie de apropriação indevida, muito lucrativa em alguns casos. Mesmo na música erudita, o cantor pode ir além da partitura, respeitando o estilo e adicionando seus melismas e nuances onde achar que deve impregnar emoção. isso vai da interpretação única de cada cantor. O que esse sujeito diria da ópera do barroco e seus virtuosismos vocais? kkkkkkk é pra enterrar também?! Joga fora o Fado também, joga fora a música árabe. joga fora tudo que tem melisma e deixa só a mpb quase falada e a canção de ninar. ou melhor, recita logo um poema com instrumental e fica ouvindo.

  59. Rafael Alves Postado em 03/Jan/2014 às 12:03

    Considerando o teor do texto, a ópera também poderia ser objeto de crítica, já que leva os cantores aos seus limites vocais. Não que eu discorde de tudo o que foi escrito, mas toda posição radical é controversa e contestável.

  60. carlos pereira Postado em 03/Jan/2014 às 12:17

    Felizmente quase nenhum deles emplaca, porque são produzidos em laboratório. felizmente.

  61. Lidiane Postado em 03/Jan/2014 às 13:42

    Tendencioooooooooso... Não adianta reclamar. Isso é mais um sinal do poder americano. Duvido que não reclamem de americanização musical em outros países...é inevitável. E não vejo problema nos gritos quando se pronuncia as palavras corretamente e quando se tem grande potencial vocal. Estamos em outros tempos. Talvez daqui a alguns anos todo mundo aceite as mudanças; o problema é que estamos em transição, aí comparar é comum. E vamos combinar que o que se tem de música brasileira hoje é um lixo. Os candidatos do The Voice não poderiam cantar Anitta ou Valeska Popozuda, poderiam? Prefiro os melismas e o que vocês chamam de exagero.

  62. Alexia Postado em 03/Jan/2014 às 13:49

    Não é necessário detonar excelentes cantores para dizer, no final, que o San Alves não representa a voz do Brasil, justamente devido ao sotaque americanizado. Ele pode até cantar bem, mas não representa a musicalidade do país. E como foi escrito acima, há gosto pra todo tipo de MÚSICA, desde que seja música, não os barulhos que têm sido gravados atualmente...e fazem sucesso entre o povo...

  63. Felipe da Mata Postado em 03/Jan/2014 às 15:19

    Conheci esse post porque uma pessoa curtiu no facebook. Tome bastante cuidado com o que fala e com críticas sem embasamento algum. A MPB que você se refere condiz a uma voz e violão. Temos artistas vindos do rock e Soul como Tim Maia e o próprio Cazuza, que cantam "gritado" como você mesmo diz, mas que exploram a potência vocal que possuem juntamente com o timbre. O soul brasileiro, rock, sertanejo, axé e samba e até o POP exploram a potência vocal de seus artistas. Nós temos outros estilos musicais além da MPB. Outra coisa, o THE VOICE não é da Globo, é um franchise criado na Holanda. A idéia do programa é justamente escolher os artistas pela VOZ, alguns pela potência, outros pelo timbre são escolhidos. Os últimos ganhadores do The voice americano - país do Soul e da música gospel que você criticou novamente sem qualquer embasamento - foram cantores country e pop.

  64. Silvio Antunes Postado em 03/Jan/2014 às 15:27

    Nunca tinha lido uma idiotice maior que esta, chegando ao ápice de conceituar o melhor cantor e interprete da música popular brasileira chamado Cauby Peixoto de canastrão, isso é uma heresía sem precedentes. Mas quem é vc Kiko Nogueira ????? você sim é um canastrão escondido atrás de uma mídia para pichar seres humanos. Só para que saibas, o oversinging só pode ser utilizado pelos mais virtuosos. Idiotas como Luan santana por exemplo, jamais poderiam realiza-lo. Ademais o oversinging é um maravilhoso legado do Jazz que virtuosos espetaculares como Leny Andrade, dominam maravilhosamente bem. Melhor seria ficar calado enrustido em sua mesmice musical e nos poupar de asneiras.

  65. Igor Postado em 03/Jan/2014 às 15:29

    Quem discorda disso é aquele cidadão que lhe serve a carapuça em dizer que gosta desses programas com "cantores" ridículos que jamais alcançarão algum sucesso. Dar audiência pra lixos como esse só faz o cérebro do cara que acha que entende de música, atrofiar.

  66. cecilia Postado em 03/Jan/2014 às 16:00

    À exceção dos comentários feitos a respeito de Cauby Peixoto, Nelson Gonçalves e Ângela Maria, concordo em gênero, número e grau com o artigo. Brilhante!

  67. lourenço Postado em 03/Jan/2014 às 16:17

    Falta ao brasileiro, em geral, musicalização desde os primeiros anos na escola. Assim ocorrendo, programas como este, onde o locutor do Esporte Espetacular faz suas intervenções, não existiriam mais. Pra o bem de todos. Amém.

  68. Fabio Postado em 03/Jan/2014 às 16:25

    Aceito que o Kiko não goste do estilo oversinging criada pelos "godzillas", como ele fala é um estilo musical que foi aceito pela grande maioria da população mundial, mas creio que não se pode responsabilizar a globo pela entrada desse estilo musical por aqui. Também não gosto desse estilo de canto, porém creio que existam coisas muito pior por aí e que já estão tocando ha muito tempo nas rádios, sem contar que o respeito ao gosto musical das outras pessoas tem que ser mantido. E muitas vezes eu ainda acredito que essas críticas fervorosas e que não são construtivas são nada mais nada menos que "dor-de-cotovelo" por não ter conseguido fazer o que gostaria e com o sucesso de quem o fez e é agora criticado. Eu acho que o vencedor do the voice pode sim ter uma carreira musical muito boa, se bem conduzido e trabalhado. Vamos sim torcer para que ele cresça musicalmente falando e não somente vamos tentar destruir com uma carreira que pode ser muito boa.

  69. Caroline Ribeiro Postado em 03/Jan/2014 às 16:42

    Concordo que existiu toda uma tendenciosidade POP INTERNACIONAL no programa, mas isso já era de se esperar, meu caro, pois é isso que as pessoas consomem. Sinto lhe informar, mas música comercial é o foco desse programa. Não espere que seja algo diferente. Agora, é um erro tentar criticar os artistas que sofrem essa influência porque estão vivendo um momento histórico em que na maioria dos países as músicas comerciais não são as que carregam a tradição local, mas a cultura pop americana. Olhe para a grande Ellen Oléria, aclamada pelo talento, mas crucificada pela Indústria Pop e iTunes. As pessoas querem comprar esse formato o qual o Sam Alves se enquadra e é isso que a Globo vai vender.

  70. Leandro Coelho Postado em 03/Jan/2014 às 16:46

    Assino embaixo! Está correto. Gritos e mais gritos no The voice....

  71. joao Postado em 03/Jan/2014 às 17:11

    cara eu esculto heavy metal e as melhores vozes agudas e gritantes se encontram nesse genero musical será que da pra ouvir quicksand jesus e parar com essa asleira .

    • Thiago Teixeira Postado em 06/Jan/2014 às 19:09

      Manda esses babacas do The Voice mandar um Painkiller! Duvido. Vocalista pra mim é Rob Halford, Tim Ripper, André Matos, Bruce Dickinson, Eric Adams, Dio, Tarja, Paul Stanley, e por ai vai!

  72. Yeoshua Postado em 03/Jan/2014 às 17:20

    Na verdade ele ficou brabinho pq a música era gospel!

  73. Daniel Coelho Postado em 03/Jan/2014 às 18:46

    Realmente achei uma bosta essa edição do The Voice,acho que tanto Dom Paulinho e Pedro Lima eram melhores que esse cara, porém essa crítica tá muito tosca e sem argumentos aceitáveis.Já é tempo de parar com essa de "tudo que é antigo é melhor" ou "já não se faz isso ou aquilo como antigamente".Se quem escreveu esse texto me provar que realmente entende de música(sou musicista) posso até pensar em reconsiderar minha opinião.

  74. Esdras Pereira Alves Neto Postado em 03/Jan/2014 às 19:28

    Pessoal é de se pensar sobre o que foi escrito nesse artigo. Pois se voce parar um pouquinho e analisar os caras do Voyce, sei que não assisti muitos programas; mas é isso mesmo que os caras que lá se apresentam fazem.

  75. Carlos Prado Postado em 03/Jan/2014 às 20:27

    De certo há muitos que gostam, principalmente entre esses cantores. Se não fosse assim ninguém o faria. Que bom que sempre haverá pessoas com os mais diversos gostos e habilidades e que preferirão cantar de outra forma. Do jeito que a parcialidade lunática do povo deste site é, vão querer estabelecer cotas para estilos musicais no mercado. Mas não se preocupem; como falei, sempre haverá pessoas trabalhando nos mais diversos estilos. Se um mercado tem demanda, um bom empreendedor vai lá e satisfaz o público. Esta é a tão sonhada liberdade que não é muito apreciada por estas bandas. Pelos vários home-studios e casas de show do brasil surgem artistas para todos os gostos. Ainda mais com a democratização da informação proporcionada pela Internet, pode-se buscar de tudo. Até o que curta o mais underground folk iraniano pode achar sua gama de artistas a apreciar.

  76. Daniela Postado em 03/Jan/2014 às 21:11

    Por que ''americanizar'' tudo? Por que não podemos interpretar algo mais brasileiro? É BRASIL, alguém poderia avisar pra eles?

  77. Walter Ribeiro Postado em 03/Jan/2014 às 21:45

    Parabéns pelo texto. Perfeito!

  78. Elis Maria Postado em 04/Jan/2014 às 00:06

    Aqueles videokês costumam dar notas mais altas a quem canta mais alto, ou grita ao microfone. Vai ver que vem daí...

  79. Frederico Postado em 04/Jan/2014 às 19:25

    Vivemos a era do comércio irregular de tudo que um dia já fio regular. Particularmente sofro ao ver que o futuro da música Brasileira depende da voz de um cara como esse Sam Alves. Possui talento, até sim, vá lá, mas nada de extraordinário. O que será dele daqui à cinco anos sem um poderoso Marketing por trás? Vai viver de quê sem a ajuda das emissoras? Vai sumir, como já ocorreu com tantos outros. O tal do Bigode Grosso, mesmo com suas firulas vocais, poderia muito bem também estar no lugar dele, e agora poderá desenvolver uma carreira LONGE da Globo, o que lhe pode ser até favorável. A Khrystal, essa sim uma legítima cantora, que CANTOU a música, foi eliminada. Ou seja, o campeão foi escolhido porque estava dentro do padrão Globo exigido, não porque canta bem ou porque tem carisma. É triste constatar que dificilmente veremos um novo Tim Maia, um novo Tom Jobim, um novo Vinícius de Moraes. Mas também não foi só a Globo: nós mesmos ajudamos à afundar a indústria musical que, mesmo elitista e burguesa, ainda nos dava alguma alegria na época dos CD's. Se quisermos ouvir boa música nas noites de hoje em dia, não tem jeito: o melhor destino ainda são os bares e boemias de cada região. Afinal, onde você foi parar Poetinha?

  80. Pereira Postado em 07/Jan/2014 às 17:36

    "É uma herança bastarda do gospel" Até a ruindade do The voice é culpa dos evangélicos para esse site . Esquerdopatia pura

  81. Alexandre Lopes Postado em 08/Jan/2014 às 12:13

    Eu tive o desprazer de ouvir essa rapaz cantando . É como se fosse um pênis mole tentanto penetrar na melodia da música ! Frustrante !!

  82. Fábio Postado em 09/Jan/2014 às 21:36

    "Legado"? Não é meio cedo para achar que um programa de calouros espinafrado vai deixar algum legado para a música brasileira?

  83. sergio ribeiro Postado em 29/Dec/2014 às 18:45

    Gostei da crítica. Não tenho o entendimento suficiente das técnicas musicais para opinar, mas ouço muita música, de diversos estilos - desde o rock até os clássicos, passando por blues, jazz, ópera, MPB, etc. e etc. A primeira impressão que tive ao ver o tal The Voice foi a que o autor disse: parece que os cantores precisa o tempo todo se esgoelar sem muito sentido e a canção que se dane, como um motorista que acelera até o fundo sem que o carro ande. Não, esse tipo de programa realmente não agrega nada a cena musical, não ensina nada ao público e não revela novos talentos. (Maioria absoluta dos participantes, aqui ou lá fora, não segue carreira).