Redação Pragmatismo
Compartilhar
Drogas 10/Dec/2013 às 16:28
18
Comentários

Os diferentes posicionamentos de sete países sobre a maconha

Conheça sete países e suas diferentes posições sobre a maconha. Enquanto EUA e Uruguai avançam em mudanças em relação à droga, alguns países da Ásia preveem penas severas para consumo

menina fumando maconha
A legalização da maconha avança em vários países (Reprodução)

1- Malásia.  Fumar maconha neste país pode causar um grande prejuízo financeiro: a multa por portar 50 gramas da substância pode chegar a US$ 6.000 dólares.  Já para quem cultiva a droga, a pena “mínima” é de prisão perpétua. Tráfico e negociação de drogas, sem qualquer apelação, é passível de pena de morte.

Leia também

2- EUA. A maconha vem passando por um processo de transformação no país. Pela primeira vez na história, a maioria dos norte-americanos é a favor da legalização, segundo pesquisa divulgada em outubro pela agência Gallup. Quando o estudo foi feito pela primeira vez, em 1969, apenas 12% apoiavam a legalização. Hoje, são 58%. Com investimentos da iniciativa privada e participação de empresários no comércio legalizado de maconha, a economia relacionada à substância já mexe com cerca de US$ 5 bilhões no país.

A maconha é utilizada em larga escala no uso terapêutico – mas, alguns estados, como o Colorado (saiba mais aqui), investem na liberação do uso recreativo, potencializando a alta do mercado da substância. No entanto, ativistas do setor alertam para os efeitos da “privatização da droga”, argumentando que, com a maconha nas mãos da especulação empresarial, o consumo pode ser explorado de forma comercial, o que poderia aumentar significantemente o número de dependentes químicos.

3 – Japão. Grande parte da população do país asiático costuma atribuir “às forças do mal” o consumo de drogas. Em outros termos, aquele que consome a droga estaria sob influência de forças malignas. Oficialmente, a maconha – assim como outras substâncias – é condenada pelas forças policiais. Segundo ativistas da legalização, o país tem uma das políticas mais rigorosas de controle, apostando na política da “demonização da maconha”, segundo o portal Anime.pt. A lei geral de controle da maconha prevê até cinco anos de prisão para o porte da droga. Estrangeiros que forem vistos fumando, por exemplo, são extraditados imediatamente e provavelmente nunca mais voltarão ao país.

4 -Filipinas. Se você for flagrado fumando maconha no país, nem que seja pela primeira vez, você provavelmente será internado imediatamente em uma clínica de reabilitação. Se for pego pela segunda vez, a pena mínima prevista é de seis anos de prisão. Uma pena mais rigorosa pode levar o indivíduo a cumprir 12 anos de regime fechado.

5- Uruguai. Henrique Carneiro, doutor em História Social pela USP, defende o modelo uruguaio:

6- Holanda. Com um trabalho pioneiro e reconhecido com um dos exemplos mais eloquentes na regulação da maconha, o país diferencia em sua legislação as drogas de efeitos mais pesados (cocaína, ecstasy, por exemplo) das de mais leves (como haxixe, maconha e sedativos). A maconha não é legalizada na Holanda, mas a Justiça descriminalizou o consumidor, regularizando a venda nos chamados “coffee shops”.

7- Emirados Árabes. Possivelmente é o país com as regras mais severas em relação à maconha. Ser flagrado fumando ou carregando qualquer que seja a quantidade, tem pena mínima de quatro anos de prisão. Além disso, caso exista vestígios da droga no sangue ou na urina, a polícia pode acusar o usuário de “posse de drogas”. Em 2012, um homem foi preso no aeroporto por ter vestígios de 0,003 gramas de maconha na meia. O caso foi julgado e ele,condenado a quatro anos de prisão

Dodô Calixto, Opera Mundi. Com informações da Agência Efe, RT, Huffington Post, Japan Hemp, The Weed blog, Wikipedia

Recomendados para você

Comentários

  1. Andrei Postado em 10/Dec/2013 às 16:47

    Em Singapura tanto o usuário quanto o traficante é condenado a morte é considerado o melhor país do mundo em varias pesquisas, o Japão é um exemplo educacional para o mundo o governo faz questão de uma sociedade altamente intelectualizada uma droga que reduz o QI lá seria um atentado contra a humanidade, Malásia também é outro exemplo em relação ao verdadeiro combate as drogas, infelizmente nascemos na América Latina um continente de traficantes e drogados, o resultado esta ai a região do planeta mais violenta do mundo. A influencia da esquerda mundial nos USA os grandes barões das drogas como George Soros vem influenciando o cenário americano para a regulamentação, bilhões a mais para a rede Soros e mais drogas em todo planeta.

  2. Anonimo Postado em 10/Dec/2013 às 17:22

    É, poderia ser pior, mas nem por isso o posicionamento do Brasil deve ser considerado aceitável; muito pelo contrário, devemos lutar até conseguir a legalização, enquanto houver repressão haverá violência desenfreada, corrupção em grande escala (o poder do tráfico é muito maior do que imaginamos, e dinheiro compra tudo), gente incocente morrendo, usuários e cultivadores sendo presos, etc etc... já passou da hora dessa porcaria mudar!

  3. Carlos Postado em 10/Dec/2013 às 17:45

    5- Uruguai. Henrique Carneiro, doutor em História Social pela USP, defende o modelo uruguaio: Bacana O;o

    • José Ferreira Postado em 10/Dec/2013 às 22:32

      Ele deve gostar da "erva" e fica com essa história de "legalização" para disfarçar.

  4. Ciro Silva Costa Postado em 10/Dec/2013 às 18:50

    japão , malasia e nenhum pais asiatico tem moral pra falar de ninguem por nada ,quanto mais de quem fuma maconha,nesses lados só tem doentes psicopatas e acéfalos !!!!

  5. Carlos Alberto Potoko Postado em 10/Dec/2013 às 18:54

    Psiquiatras afirmam que o uso da canabia aumenta o risco de transtornos psicóticos, provoca ansiedade e agressividade, perda de memória, letargia no raciocínio e na volição. Desvanece o erotismo e está relacionada a depressão e esquizofrenia. É caminho para o transtorno mental definitivo. Acho que to mundo está pirando. Tá na cara que será um problemão mais adiante.

    • Rodolfo Postado em 11/Dec/2013 às 13:55

      Cara, tenho experiência de vários amigos e familiares submetidos a "tratamentos psiquiátricos". Todos que usaram esses malditos remédios psiquiátricos pioraram. Um quase morreu. Não acredita? Pesquise na internet sobre a indústria da psiquiatria nos EUA. Na boa, psiquiatras em geral não tem moral alguma de falar mal de maconha pois são meros representantes comerciais de uma indústria da morte que é constituída por esses laboratórios de drogas (legalizadas, né?) da indústria farmacêutica, cujo único objetivo é lucrar mais e mais! Abraços, Potoko!

    • fernando Postado em 11/Dec/2013 às 15:03

      Trabalhar demais também pode causar lesões, depressão, stress e ninguém fala de se proibir o trabalho...

      • Rafael Postado em 11/Dec/2013 às 17:29

        Conversa de maconheiro.

    • Aken Postado em 13/Dec/2013 às 17:22

      O MC'Donalds faz mal, a Coca-cola faz mal, remédios fazem mal, comida industrializada em geral faz mal, cigarro faz mal, exercício demais faz mal, trabalhar demais faz mal, ficar parado o dia inteiro faz mal. Muita coisa faz mal. Mas aí, onde tá minha liberdade individual de escolher o que eu quero para mim? Você acha que é o Estado que tem que escolher isso? Outra coisa, a droga clandestina não pode ser misturada e fazer muito mais mal ao corpo? Poxa, que obsessão é essa de buscar um padrão de comportamento quando somente o 'eu' pode saber o que quer para 'mim' mesmo?

  6. João Postado em 10/Dec/2013 às 19:02

    Meio tendencioso esse artigo....

    • Daniel Postado em 10/Dec/2013 às 20:01

      por que?

    • Brendan Postado em 10/Dec/2013 às 22:11

      O pragmatismo é um blog onde maioria das postagens apresentam opiniões dos redatores, então é de se esperar notícias tendenciosas. De qualquer forma, não achei esse tanto assim.

      • José Ferreira Postado em 10/Dec/2013 às 22:36

        Há a defesa exagerada do uso de maconha, mas você não sabe o que as drogas fazem com uma família. A maconha é a "porta de entrada" para o consumo de drogas pesadas, é isso pode ser constatado se levarmos em consideração que praticamente ninguém começa na cocaína ou na heroína. Esses países apresentados nessa reportagem que são rígidos com as drogas são os que a melhor educação, apesar dos Países Baixos (mais conhecido como "Holanda") ser também referência nas questões educativas.

      • Ricardo Postado em 11/Dec/2013 às 13:40

        José não vejo ninguém morrendo por causa da Maconha. Já alcool, que é vendida livremente, há vários exemplos. Não sou usuário nem recomendo mas por mim deveria permitir até planta em casa. Só assim para acabar com o monopólio de traficantes.

      • Aken Postado em 13/Dec/2013 às 17:13

        José, não existe isso de 'porta de entrada', cada indivíduo tem seus motivos para usar uma droga, e geralmente esse motivo está associado a sensação de prazer. Cabe ao indivíduo medir o que ele procura e pensar nas consequências de seus atos. Não é porque alguém fuma maconha que necessariamente usará outra droga; bem verdade é que quase ninguém para na maconha, mas a sensação que a erva provoca é o oposto do que provoca a cocaína, por exemplo. Além disso, quem é viciado na química não pode nem beber que já tem vontade de cheirar ou dar umas pauladas. E quem sabe essa tão falada porta de entrada não seja o próprio álcool, que temos acesso desde pequenos, somos incitados pela mídia a consumi-lo e está muito mais relacionado ao consumo de outras drogas?

  7. luiz carlos ubaldo Postado em 11/Dec/2013 às 13:52

    A primeira droga que conheci foi o cigarro, depois o alcool, já a maconha, um casamanto conflituoso, desses que vai e volta, e nessas indas e vindas acabei por me envolver com outras drogas pesadas, por mais de 30 anos foi assim até que por muito sofrer, resolvi me tratar em uma comunidade terapêutica, e msemo assim foram varias as recaídas, hoje entendo que o debate é só um falacia de uma sociedade hipocríta, digo por mim, de todas as drogas o alcool foi a que mais prejudicou minha vida e de minha família, se soubesse do que sei agora tinha ficado só com meu baseado, e nunca fui levado a outras drogas peal maconha, o que fiz foi acompnahar o modismo de uma epoca que glamurizou a cocaína, esse é um assunto que muito doi de falar, vamos falar daquilo que sabemos!

    • Rafael Postado em 11/Dec/2013 às 17:31

      O ser humano médio é uma especie completamente burra, os grandes traficantes não usam drogas nenhuma apenas vendem, só idiotas usam drogas de traficantes.