Redação Pragmatismo
Compartilhar
opinião 09/Dec/2013 às 11:41
5
Comentários

O tetraplégico preso com Genoino na Papuda

Em tempos de bestificação e de exacerbação do ódio, a lembrança do tetraplégico anônimo, preso na Papuda, ainda se constituirá na prova maior de uma opinião pública que perdeu o sentimento de humanidade

Luis Nassif

O preso não tem nome. O advogado pediu que não fosse divulgado e o jornal acatou. Não por respeito – e desde quando um jornal acata pedidos dessa ordem. Mas pela única razão de que é um anônimo, talvez um José de sobrenome da Silva. Não é celebridade para aguçar a curiosidade, nem classe média com o qual o leitor se identificar, nem ativista político, para despertar paixão e ódio, nem intelectual que possa ser romanceado.

É apenas um tetraplégico preso no presídio de Papuda.

Em sua casa, na periferia de Brasília, a polícia encontrou nove pedras de crack, mais de 60 gramas de maconha e R$ 900 em dinheiro. Pelas cotações de mercado, no máximo R$ 90 reais em crack, R$ 120 em maconha. O suspeito alegou que não estava sozinho em casa, que a droga não era dele, apenas parte dela, para consumo próprio.

Leia também

A reportagem não detalha como um tetraplégico morava sozinho em casa e ainda tinha disponibilidade para traficar drogas. Mas informa que, mesmo antes da condenação definitiva, foi trancafiado em regime fechado na Papuda, sem direito à prisão domiciliar. Reincidente, foi condenado a 7 anos de prisão fechada.

Devido ao seu estado, o advogado pediu prisão domiciliar. O Ministério Público opinou pela aceitação. Aí a direção da Papuda garantiu que tinha condições de trata-lo e o MP voltou atrás, assim como a juíza Rejane Teixeira, da Terceira Vara de Entorpecentes, que anotou na sentença que “relatório enviado pelo presídio informou que o requerente está obtendo tratamento médico, realizando curativos nas úlceras, com bom estado geral”.

Segundo a reportagem, o tetraplégico depende de colegas para comer e se limpar. Usa fraldas e a urina fica armazenada em uma sonda que ele carrega consigo.

Mas ganhou uma relevância insuspeita. Nem se imagine o jornal, procuradores, juízes, ativistas de direita ou esquerda preocupados com as condições de um tetraplégico preso. Nem se imagine os bravos procuradores do DF envergonhando um poder que se gaba – com razão – da defesa dos direitos dos anônimos. Ou ONGs de direitos humanos levando seu caso para as cortes internacionais.

O tetraplégico anônimo ganhou a condição de álibi. Para o jornal, tornou-se álibi para destacar os “privilégios” de José Genoíno. Se um tetraplégico que precisa ser carregado pelos próprios colegas de cela permanece preso, porque um cardíaco em estado grave tem direito a prisão domiciliar?

Quando os holofotes da mídia acenderam, tornou-se álibi também para os procuradores exigirem imediatamente a isonomia, de presos políticos e presos comuns irmanados no desrespeito aos direitos individuais.

Para a direita, é álibi para desancar os “privilégios” de Genoíno; para a esquerda, o tetraplégico deve ser esquecido por não ter ficha de filiação partidária e nem uma história pregressa nobre para ser incensada.

Quando os médicos de Joaquim Barbosa admitiram que o quadro de Genoíno era sério, mas aceitaram as explicações da Papuda, de que poderia dar o atendimento necessário, os jornais celebraram. Circularam informações esparsas, de que o presídio não dispunha sequer de ambulância, ou de atendimento médico 24 horas.

Mas ninguém se habilitou a dissecar o que é o presídio. Os jornais, para não darem razão a Genoíno; os procuradores, para não expor sua falta de cuidados para com os direitos dos presos; o PT, porque o foco de interesse é apenas a cela que abriga Genoíno, Dirceu e Delúbio.

Nesses tempos de bestificação, de exacerbação do ódio e de falta de generosidade, a lembrança do tetraplégico anônimo, preso em Papuda, ainda se constituirá na prova maior de uma opinião pública que perdeu o sentimento de humanidade.

Recomendados para você

Comentários

  1. Macunaíma Postado em 09/Dec/2013 às 16:08

    Tem-se a impressão de que os responsáveis por tais ações sejam apenas praticantes de algum culto macabro saído de um filme do Indiana Jones, lacaios buscando vítimas entre a população para serem sacrificadas em rituais com o intuito de saciar a sede por almas dos demônios aos quais são devotos, trazendo à vida os fantasmas de civilizações primitivas já há muito desaparecidas, principalmente graças à insanidade de seus líderes.

  2. JOHN J. Postado em 09/Dec/2013 às 17:01

    POR ISSO QUE eu DIGO E REPITO, Bandido flagrado tem que morrer imediatamente sem julgamento, não importa se ele é tetraplegicco ou deputado estadual de minas gerais que usa helicóptero para traficar cocaína e que tem apoio dos jornalistas que querem matar o Genoino que foi preso só por domínio do fato. A ignorancia da mídia corrupta faz do Brasil um país injusto onde dominio do fato prende e pode matar e flagrante deixe livre com apoio total e continuação da senda de crimes.

    • Franklin Weise Postado em 09/Dec/2013 às 22:30

      John, na prática, isto já ocorre: diariamente, policiais matam bandidos (ou apenas suspeitos) a sangue-frio. Vez ou outra, noticiam-se casos como o do inocente Amarildo. A maioria nunca é noticiada, porque são pobres, descartáveis e invisíveis para a sociedade. Se você quiser viver à mercê da capacidade de julgamento dos policiais, boa sorte!

      • Thiago Teixeira Postado em 11/Dec/2013 às 09:36

        E bandidos matam policiais também.

    • Jair Postado em 10/Dec/2013 às 05:04

      Tu és daqueles que tem orgulho de ser ignorante, não és John?