Redação Pragmatismo
Compartilhar
Preconceito social 09/Dec/2013 às 13:11
19
Comentários

O Brasil que condena por pacotes de bolacha e desinfetante

O Brasil que prende por um xampu, condena por pacotes de bolacha e mata por pão de queijo. Mas, calma! Isto apenas se você se enquadra em determinadas categorias (...)

Leonardo Sakamoto, em seu blog

Rafael

Condenado a cinco anos de prisão por carregar pinho sol e água sanitária durante as manifestações de junho. O Ministério Público e a Justiça consideraram que o catador de material reciclável iria fazer um coquetel molotov.

Maria Aparecida

Mandada para a cadeia por ter furtado um xampu e um condicionador em um supermercado e perdeu um olho enquanto estava presa.

Leia também

Sueli

Condenada pelo roubo de dois pacotes de bolacha e um queijo minas em uma loja.

Januário

Espancado por cinco seguranças, durante 20 minutos, no estacionamento de um hipermercado pois acharam que o vigilante estava roubando o próprio automóvel.

Domingos

Assassinado ao tentar entrar em uma agência bancária. Não adiantou ele mostrar um documento comprovando que usava um marca-passo, o que faria e a porta-giratória apitar: levou bala.

Franciely

Acusada de ter roubado duas canetas mesmo após ter mostrado o comprovante de pagamento por ambas em um hipermercado.

Ademir

Assassinado por ter furtado coxinhas, pães de queijo e creme para cabelo de um supermercado. O pedreiro foi levado até um banheiro, agredido com chutes, socos e um rodo e deixado trancado, definhando. Morreu por hemorragia interna e traumatismos.

Maria Baixinha

Assassinada por espancamento, junto a outras sete pessoas em situação de rua no Centro de São Paulo. Na época, policiais militares e seguranças privados foram apontados como responsáveis, que formariam uma espécie de grupo de extermínio.

Valdete

Condenada a dois anos de prisão em regime fechado por ter roubado caixas de chiclete, teve um habeas corpus negado pelo Supremo Tribunal Federal, pois o princípio da insinificância não se aplicaria, pois não era para saciar a fome.

Walter

Espancado em uma cela para que confessasse o furto de uma máquina de lavar do desembargador Teodomiro Fernandez, crime que ele não cometeu. Cuspindo sangue, pediu pediu que o magistrado fizesse o investigador de polícia interromper a sessão de tortura. “Ele vai parar, quem vai bater agora sou eu”, foi a resposta. Não foram para a cadeia porque o crime prescreveu.

Mas, calma, não precisa se preocupar. Estado e empresas só agiram dessa forma porque esse pessoal era pobre. Se você não se enquadra nessa categoria (e também não é negro, índio, homossexual, transexual, mulher…), fique tranquilo. Mesmo que tenha antecedentes. O Brasil foi feito para você e continua a ser o país mais legal do mundo.

E vai ter Copa!

Recomendados para você

Comentários

  1. Felipe Postado em 09/Dec/2013 às 13:24

    Poxa, presos por tanta coisa banal e a corja do PT ainda esta nas ruas?

    • Antonio Palhares Postado em 26/Dec/2013 às 18:37

      Oi Felipe. Não é so do PT. Aqui em São Paulo, governada pelo PSDB, o partido guardião da moral e dos bons costumes, há mais de vinte esta roubando, no metrô e nos trens aqui do estado. Nunca se roubou tanto, convenhamos, o mensalão é coisa de amador comparado com o que se rouba nas grandes obras daqui. Não perceber isto é ingenuidade.

  2. Igor Postado em 09/Dec/2013 às 15:27

    Os conservadores/reaças/militares irão dizer que isso é falácia e que o Brasil é o melhor país do mundo pra viver, viva o samba, caipirinha, futebol, vamos ter Copa e Olimpíadas, isso tudo é armação da mídia pra prejudicar o país. Bando de lixo, falsos nacionalistas de merda, o país tá cada dia pior e tende a piorar mais, a solução é ir embora daqui de vez, só isso.

    • Franklin Weise Postado em 10/Dec/2013 às 07:32

      ... mas eu tenho ouvido este mesmo discurso também dos políticos da situação, que é de esquerda.

    • Gustavo Postado em 10/Dec/2013 às 13:30

      Cara, você tem ideia do que está dizendo? Tudo isso está ocorrendo no governo dos seus esquerdistas. Agora vocês fazem a cagada e a culpa é dos outros? Inventar realidades é sempre o caminho pra essa gentalha.

  3. juniperos Postado em 09/Dec/2013 às 15:56

    Ja quase fiquei nú numa porta giratória do banco Sudameris. todo mundo ficou bravo, e o cara que entr depois de mim reclamou com o segurança, dizendo que estavam mentindo (visto que eu já estava quase nu, insistiam que havia "metais no corpo". revoltado, ele mostrou-lhes um belo 38 e disse: "tanto é mentira, que está porta não apitou comigo, que estou carregando mais metal que ele... e agora, se eu fosse um assaltante?" imagino que o homem era policial. mas ja vi casos de pessoas abordadas simplesmente pela aparencia. caras essa copa vai dar o que falar...

    • juniperos Postado em 09/Dec/2013 às 16:00

      Obs.: Sou branco, olhos castanho esverdeados, 70 kilos, cabelos castanhos, lisos, o que contraria a suposição do texto (negro, índio, homossexual, transexual, mulher…), os seguranças eram negros. o gerente do banco (que viu tudo) era branco, e agora?

      • Ingrid Postado em 09/Dec/2013 às 16:53

        Acho que seu exemplo mostra o que defendo a tempos, temos um problema geral, temos um país que precisa ser repensado pensando no geral e não mais uma vez nos dividindo em grupos.

      • Lexx Postado em 09/Dec/2013 às 23:49

        Quer dizer que o seu exemplo vale pela maioria?

  4. Thiago Teixeira Postado em 09/Dec/2013 às 20:44

    O que Copa tem haver com isso? Porque tanta depreciação para o tal evento? É triste saber que a "minoria com complexo de maioria" fará de tudo para estragar a festa.

    • Lexx Postado em 09/Dec/2013 às 23:51

      O que a Copa tem a ver com isso? O povo na merda e bilhões sendo gasto com futebol e você ainda vem perguntar porque a "depreciação de tal evento"? Imbecil!

      • Thiago Teixeira Postado em 10/Dec/2013 às 08:33

        Imbecil é você seu morfético. Conforme-se, vocês perderam a eleição e chorem de raiva pela ascensão do Brasil no mundo, trouxa.

    • Pineze Postado em 09/Dec/2013 às 23:58

      Porque não é tempo de festa há muito tempo nesse país Thiago, só por isso... a não ser que você more na Casa Grande, ai sim vai ter festa, porque na Senzala não tem clima pra festa não brother.

      • Thiago Teixeira Postado em 10/Dec/2013 às 08:37

        Gerou milhões de empregos, movimentou a economia, acelerou a urbanização de várias capitais (ver o caso de Cuiabá) e tenho certeza que direta ou indiretamente você, como todos os brasileiros, também comeu uma fatia do bolo. Detalhe, esse papo de "brother" soou muito de playboy.

    • Luis Postado em 10/Dec/2013 às 16:40

      Pra mim esse thiago não passa de um filhinho de papai , toma leitinho na mamadeira até hoje. Quem é vc para estar resmungando, nem era pra ter lido " tal evento "

  5. Arthur Postado em 10/Dec/2013 às 01:00

    Sou um nacionalista de esquerda. Não acho que devemos abandonar nosso país pelos problemas que apresenta. Países de outros continentes sofrem de males semelhantes aos nossos. Acredito na mudança de consciência da nossa população, extinguindo esses preconceitos perpetuados por nossos bisavós/avós/pais.

  6. Maria Zoiuda Postado em 10/Dec/2013 às 03:12

    Uau Jupineiro, passa o telefone

  7. Nancy Limoeiro Postado em 10/Dec/2013 às 17:36

    Realmente 51 bilhões não é nada para o Brasil. Hospitais maravilhosos o povo nadando em dinheiro e a educação nem se fala a melhor do mundo!!!

  8. aken Postado em 27/Dec/2013 às 13:23

    Em muitos desses casos deveria ter sido aplicado o princípio da Bagatela, ou insignificancia, mas a da moça que roubou duas caixas de chiclete... Bom, não é levada em conta apenas a insignificancia do objeto roubado, poiis isso abriria precedente para roubarmos uns dos outros qualquer objeto com a excusa de que o valor é insigniicante; deve coincidir, portanto, com a condição de quem prática o roubo e a utilidade do produto, de acordo com as necessidades básicas de sobrevivência. 2 caixas de chiclete não garantem a subsistência de ninguém. Pode ser que o exemplo esteja aí para que vejamos que pessoas são codenadas por tão pouco enquanto outras cometem grandes crimes e seguem impunes, mas o problema não será resolvido com a impunidade dos pequenos roubos, fora os costa de necessidade, mas sim com a condenação de quem for, utilizando, como dizia Rawls, o véu da ignorância, em que estarimos em uma situação na qual não conseguiriamos enxergar as diferenças derivadas da cor, religião, classe social etc. O que permitiria que fizessemos justiça sem interesses pessoais ( das classes dominantes).