Redação Pragmatismo
Compartilhar
Mulheres violadas 09/Dec/2013 às 19:53
41
Comentários

Manuela D’Ávila rebate machismo de Duarte Nogueira

Mulher jovem e corajosa, Manuela D’Ávila rebate grosseria machista de líder ruralista. Deputada depenou Duarte Nogueira em discurso histórico contra o machismo

deputada Manuela D'Ávila
A deputada federal Manuela D’Ávila (Agência Câmara)

Renato Rovai, em seu blog

O vídeo abaixo é uma resposta da deputada Manuela D’Ávila (PCdoB-RS) a uma grosseria machista do deputado Duarte Nogueira, ruralista e líder da bancada do PSDB.

Na ida do ministro José Eduardo Cardozo à Câmara dos Deputados para tratar do cartel que envolve o governo de São Paulo, Siemens e Alstom, o tucano insinuou que Manuela teria referendado a fala de Cardozo porque, segundo ele, “o coração tem razões, que a própria razão desconhece”.

Ou seja, desqualificou a posição da deputada pelo fato de ela ser ex-namorada do ministro. Manuela foi a tribuna e fez um discurso histórico contra o machismo escroto de tipos como Duarte Nogueira.

Foi algo semelhante ao troco dado por Dilma ao senador Agripino Maia, quando este disse que se Dilma mentia na ditadura também poderia estar mentido ali na Câmara em seu depoimento. É um vídeo para ser amplamente divulgado.

O mínimo que se pode dizer é que o deputado Duarte Nogueira foi depenado por uma mulher, jovem e corajosa. Para um tipo machista como ele, não deve ser nada fácil. Não deixe de assistir.

Vídeo

Recomendados para você

Comentários

  1. Flavia Postado em 09/Dec/2013 às 20:43

    Apesar de Manuela D’Ávila ser do PCdoB, ela me representa!

  2. Andrea Sant Anna Postado em 09/Dec/2013 às 21:11

    chuuuuupa tucano machista! Bobão!

  3. José Elias Postado em 09/Dec/2013 às 21:19

    Manuela Dávila parece uma gata... uma bela mulher.

  4. Rodrigo Postado em 09/Dec/2013 às 21:48

    Então o tucano atacou a pessoa, mas não o argumento? Preguiçosamente buscou o ridículo, "jogar pra galera", a desqualificação pessoal, restando silente quanto à impugnação específica dos argumentos? Engraçada a crítica a tanto, justamente em momento no qual a discussão política assumiu tal postura, seja pelo pig direitista e respectivos comentaristas, seja pelo pig esquerdista e respectivos comentaristas. Que a postagem sirva de inspiração a todos. Que chame muitos de volta à racionalidade, sendo abandonados porretes, pedras e tochas, o linchamento, a ignorância propriamente dita.

    • Carlos Prado Postado em 10/Dec/2013 às 14:12

      O ato do deputado foi realmente desprezível. Desmerecendo a comentarista para desqualificar suas palavras... Mas não consigo entender onde que este blogue consegue distorcer esta notícia para aparecer machismo no meio. O ataque não foi a mulheres. Foi a deputada, que além de mulher é loira e clara. Será preconceito a pessoas claras? Ou a Manuelas? O ataque foi endereçado a uma pessoa em específico. Parem de tentar desqualificar a individualidade das pessoas com este determinismo de grupo.

      • Castanha Postado em 10/Dec/2013 às 14:43

        Senhor Carlos Prado, por favor, encontre algum vídeo em que algum deputado desqualifica o argumento de outro utilizando a vida amorosa deste.

      • Carlos Postado em 10/Dec/2013 às 15:03

        Disto eu não discordei. O que discordei foi de querer especular estímulos ao ato. Se há outros casos gravados eu não sei, o que sei é que se houver nenhum é correto.

      • Rodrigo Postado em 10/Dec/2013 às 15:51

        Com certeza, Carlos. O "machismo", no caso em questão, decorre de mera repetição do erro do deputado Duarte Nogueira - errou este, sim, ao afirmar fala viciada a alguém, em vez de contestar as graves denúncias apresentadas. Falar que alguém defende outro em razão de enlace afetivo prévio não possui conotação nem machista, nem feminista.

      • Peterson Silva Postado em 11/Dec/2013 às 00:20

        Carlos, não seja ingênuo. Como exemplificou o Castanha (ainda que talvez pra você nem desenhando, mas vou tentar explicando mesmo) os motivos da deputada foram questionados por causa de "razões do coração", apelando para o senso comum (machista) de que são as mulheres que são suscetíveis a esse tipo de coisa: pensamento irracional causado por arroubos emocionais. É jogando com essa percepção pública da racionalidade (e emotividade) feminina que ele pretende desmerecê-la. Ele não faria isso com um outro deputado se o deputado em questão fosse um homem, _essa_ é a questão: isso não faria sentido enquanto estratégia, do ponto de vista machista. O machismo raramente se faz sentir pesado como um punho violento cerrado. É preciso estar atento pra perceber seus tentáculos gelatinosos e sutis pondo as coisas em movimento.

      • Tatiana Postado em 12/Dec/2013 às 11:24

        Olá Carlos! O viés machista no comentário infelizmente não é um argumento lógico que possa ser claramente e objetivamente entendido por todos.Explico: esse viés é uma mentalidade associada a um termo : o termo emoção.Essa mentalidade é muito antiga e vigorou entre a maioria por muito tempo,essa mentalidade é a seguinte: " as mulheres não raciocinam.As mulheres são regidas pelas as emoções.Emoções são inferiores ao raciocínio,e as mulheres são são orientadas por elas porque são inferiores."Pode parecer estranho de início,mas um simples termo carrega sim o peso de uma mentalidade.E muitas vezes esse impacto só é percebido por quem tem a vivência ou empatia de ter sido prejudicado por tal mentalidade.Assim sendo, ele ofendeu não só a pessoa em questão,mas a todas as mulheres e homens que de alguma forma foram injustiçados e/ou ofendidos por essa mentalidade polarizadora e rasteira em percepção.É por isso que há tom machista no comentário.Pode parecer que estamos distorcendo discursos ou vendo o que queremos ver,mas não é isso.É porque o tom não vem explícito numa cadeia de raciocínios lógicos mas sim no impacto semântico.Talvez o próprio ruralista nem tenha atentado pra isso,mas o termo "emoção" associado ao ser mulher tem reverberações machistas sim!

  5. Isadora Postado em 09/Dec/2013 às 21:52

    Bacana demais. As meninas da minha geração (20 e poucos anos) deviam se inspirar em mulheres como a Manuela. Mas, infelizmente, vale mais uma bolsa cara e um sapato de marca do que uma personalidade forte (e digo isso sem desmerecer as bolsas e os sapatos, criticando apenas o valor que se dá a um e outro).

  6. luis Postado em 09/Dec/2013 às 21:57

    Achei o nobre deputado um babaca, corrupto e imbecil, mas não acho que caracterizou machismo. Se a manuela fosse homem, ele teria falado outra grosseria.

    • Carlos Melo Postado em 09/Dec/2013 às 22:19

      Concordo com o Luis, tb não achei machismo, embora seja claramente uma falácia de Argumentum ad hominem e tentativa desesperada de fugir do assunto; não vejo onde de enquadra machismo em insinuar que uma mulher tem interesse romântico ou sexual por um homem...

    • Anna Postado em 10/Dec/2013 às 14:07

      ''Se a manuela fosse homem, ele teria falado outra grosseria.'' É justamente aí que está o sexismo, meu bem!

      • Carlos Postado em 10/Dec/2013 às 15:07

        Anna, se fosse para o ex-namorado sobre o discurso da deputada a resposta seria no mesmo sentido. A desqualificação seria claramente sexista se por ela ser mulher se insinuasse que ela teria tido relações com qualquer que seja o deputado. Porém não foi nada no mérito de ser mulher ou não, mas de ter envolvimentos emocionais anteriores com o outro membro. Isto não mudaria se fossem dois homens ou duas mulheres que tivessesm namorado anteriormente.

      • luis Postado em 10/Dec/2013 às 22:18

        Ainda não entendi onde está o sexismo, querida. Não vai me dizer que pode xingar homem mas não xingar mulher, porque aí sim é sexismo.

      • Felipe Lobato Postado em 11/Dec/2013 às 10:12

        Não achei machismo na fala dele pq poderia muito bem ter usado a mesma fala para o ex namorado dela mas foi uma falta de respeito isso foi!

  7. Amarildo Postado em 09/Dec/2013 às 22:14

    Não achei machismo. Me parece que o cara foi simplesmente grosseiro mesmo. Aliás, agora tudo é machismo, violência contra as mulheres... Se as mulheres brasileiras não aceitam discutir uma ideia, que pelo menos não a classifiquem com apelação. Pare com esse modismo quer se instalou no País de tudo levar para esse lado. Quando se existe uma discussão importante para o País entre duas pessoas vira-se sexo dos anjos. O que importa é o que está sendo discutido, não se é mulher ou homem. Com relação a grosseria, isso acontece sempre dos dois lados. Temos vários casos por aí.

  8. Flavio Postado em 09/Dec/2013 às 22:30

    Concordo com o Luis, em nada tem a ver com machismo. O deputado falou besteira e a deputada se agarrou em um argumento para rasgar o verbo.

  9. Felipe Postado em 09/Dec/2013 às 22:31

    Não gosto da manuela, mas gostei da atitude em relação ao deputado. Chupa tucano

  10. Roberto Blatt Postado em 09/Dec/2013 às 22:57

    Sou inimigo dos tucanos, mas não vi baixaria nenhuma na observação dele e muito menos machismo. A associação que ele insinuou bem poderia ser de um homem para uma mulher. Demagogias a gente conhece desde a época de Sócrates.

  11. Vitor Oliveira Postado em 10/Dec/2013 às 01:17

    Pelo bem desse país, todos os partidos deveriam ser extintos pois são grupos de crime organizado, mais ainda em especial o PMDB e PSDB em que o primeiro representa a cara de pau da roubalheira e o segundo as mazelas impostas pelos opressores históricos: racistas, machistas, homofóbicos etc (sem falar da corrupção também).

  12. Zé ninguém Postado em 10/Dec/2013 às 06:34

    Que discurso histórico? que emoção os outros tiveram? Mais uma babaca choramingando por bobagens, o que o deputado falou foi uma grosseria e não machismo... não caracterizou machismo, ele apenas citou o romance dos dois. O choro é livre, o deputado é babaca e ela também, ele utilizou o "machismo" pra não argumentar e ela utilizou o vitimismo pra chamar atenção, o que é cada vez mais comum, não faz nada, é só dizer que o Brasil ta errado e não te da oportunidade, Já existe cotas para mulheres em pártidos políticos, pergunta pra alguém o que acontece, da uma olhada em quem se candidata... tudo isso apenas para cumprir a lei.

  13. luiz carlos ubaldo Postado em 10/Dec/2013 às 07:26

    Tucano desesperado ataca deputada e toma fumo, babaca emplumado!

  14. Grazi Lopes Postado em 10/Dec/2013 às 08:58

    É bem assim, as pessoas ficam sem argumento e partem para a ignorância gratuita para desviar a atenção. Muito bom! Tomou bonito!! rsrsrs

  15. c. waldez Postado em 10/Dec/2013 às 10:07

    a vaca do nobre deputado foi pro brejo...eheheheh como diria o dr. brizola , a profundidade do pensamento do deputado tem tal profundidade que formiga atravessa com água pela canela....ehehe.

  16. Guilherme Postado em 10/Dec/2013 às 12:19

    Ai eu vejo o vídeo e a frase final é "E foi derrotado... por uma mulher". E percebo que o machismo ridículo continua.

  17. Gaviao dois Postado em 10/Dec/2013 às 12:55

    É este o Brasil que as Marcelas desejam; " desancar " (êste é o termo caríssimo falante) um opositor só por ser ruralista? e você quando caga é fruto de quêw comida ingerida por seu organismo, comida a la marcela?

  18. Professor Postado em 10/Dec/2013 às 13:41

    Excelente discurso. E bela oratória da moça.

  19. Julio Postado em 10/Dec/2013 às 13:42

    Não foi um ataque machista... foi um ataque pessoal inapropriado, mas, apenas porque dirigido a uma mulher, não se torna um ataque machista.

  20. Guber Postado em 10/Dec/2013 às 14:22

    Absurdo. o que ele disse? que a debutada fiz um argumento do "coração" em vez do "razão", né? E qual é a problema? Respondedo ela faz uma show ainda mais grande sobre cultúra machista e ainda traz sua "vida privada" no meio. quem vai responder nesse odio dela?

  21. Carol Postado em 10/Dec/2013 às 14:50

    é machismo, sim, pois recorre ao velho estereótipo da mulher que é emocional e não racional. "a deputada, que além de mulher é loira e clara." Não entendi essa colocação. Todas as mulheres, de todos os tons de pele e cabelo sofrem com o machismo.

  22. Thiago Postado em 10/Dec/2013 às 16:02

    Sorte do ministro que largou dessa escrota. Machismo? Não querida, quer conquistar tuas coisas estude e faça por merecer. Se fazer de coitadinha é fácil.

  23. Anna Postado em 10/Dec/2013 às 18:55

    Não foi machismo. Assim como nunca é racismo e assim como ninguém nunca tem preconceito, mas.... Gente, acorda. Vocês ignoram o contexto em que vivemos pra negar uma situação recorrente da qual vocês sempre estiveram livres. E eu me pergunto se isso é um défict intelectual ou é puro cinismo e comodismo... talvez seja um pouco dos dois.

    • Rodrigo Postado em 10/Dec/2013 às 22:22

      Existe o racismo, o sectarismo, a discriminação, o machismo, o feminismo, a generalização e a vitimização. Ou seja, há ofensores, ofendidos, e espertos(as), aproveitadores(as), que sabem que "jogar pra galera", vincular a pecha de racista/machista/feminista etc. a outrem, é a forma mais fácil de atrair seguidores, "likes", eleitores.

      • Carlos Prado Postado em 11/Dec/2013 às 00:07

        Rodrigo, é assim: se é contra uma mulher(mesmo ela estando errada - não! elas nunca estão erradas) é machismo. Se é contra um homem, este de certo fez por merecer.

      • luis Postado em 11/Dec/2013 às 01:13

        Só pra calar essa sua boca machista, gostaria que alguma mulher citasse uma vez que o movimento feminista errou. SÓ UMA!

      • Rodrigo Postado em 11/Dec/2013 às 12:32

        Não entendi se o comentário de Luis é ou não irônico. Talvez minha questão é que o seja. Mas, haja vista não sermos seres perfeitos, iluminados a ponto de não contarmos com qualquer incorreção, crendo, eu, ainda, ser mera brincadeira o "calar a boca", haja vista não poder crer ser, ele, um censor da fala alheia, assim como aqueles a serviço de ditadores de esquerda ou de direita. Creio, mais, que você não proíba a fala a um homem, respeitando o igual direito de expressão. Então, caso alguém queira buscar as falhas, pode fazer o seguinte (dada a dificuldade em postar links nesta página), na busca do google: 1- invasão de feministas em Igreja na argentina e agressão contra fiéis (ou seja, invadiram espaço, buscaram o conflito e, mais agrediram pessoas que estavam quietas, em momento de oração - o controverso Feliciano foi aqui criticado por expulsar casal homossexual que se beijou em meio a uma celebração da denominação dele, em espaço público, que se dizer então de quem invade Igrejas para agredir fisicamente...); 2- ativistas feministas que foram ao encontro das celebrações pela visita do Papa e, em atitude provocativa, buscando o conflito (para, após eventual revide, alegarem discriminação, vitimizando-se), levando imagens e crucifixos, para serem quebrados e inseridos no ânus e vagina uns dos outros (não foram todas as feministas, decerto, que integraram o circo de horrores, decerto); 3- desvinculação da brasileira Sara Winter pelo Femen, após esta ter se recusado a pichar a estátua do Cristo Redentor, patrimônio público que é. Poderia seguir, mas deixo com você a ferramenta (google) e as palavras-chave, a fim de que não mais se pense que a vinculação a determinado partido/movimento/causa, confira automático salvo-conduto para o crime, para o abuso, nem mesmo imponha aura de perfeição a quem a tais venha a aderir. Se veio em resposta aos abusos do machismo, a busca haveria de ser pela diferença, pelas novas atitudes, mas não pela repetição de erros, abrigar maus-intencionados que unicamente buscam holofotes e votos, o que acaba por trazer descrédito ao movimento.

    • Carlos Prado Postado em 11/Dec/2013 às 00:14

      E eu me pergunto se isso é um deficit intelectual ou é puro cinismo e comodismo. Como podes mudar de "este não foi" para "nunca é" e "não existe"? Este e muitos outros casos nada tem de sexistas e não vivemos num mundo onde cada um é obrigado a participar de um grupo conspirando contra o outro. Uma sociedade assim de conflitos e conspirações onde não há individualidade só funciona na cabela dos marxistas, se estes sabem de sociedade a funcionar. Lembre-se que não se pode definir feminismo como "o que é bom para as mulheres". O que importa são seus métodos de ação e depois avaliemos se foram ou ão bons. Nem tudo que aconteceu de bom para as mulheres estava dentro do feminismo, assim como nem tudo no feminismo foi bom para as mulheres.

  24. Thiago Teixeira Postado em 11/Dec/2013 às 10:17

    Duarte "QUEM?" não tem culpa de nada, e sim as milhares de mulheres que votaram um otário desse.

  25. Claudio Postado em 13/Dec/2013 às 10:59

    A deputada Manuela fez duas manifestações e nas duas cometeu erros graves, podendo até ser dito que a emenda foi pior que o soneto: Em primeiro lugar, ela finaliza o comentário que deu margem a tudo da seguinte forma: “ por isso eu quero dizer como líder da minha bancada do PCdoB que nós estamos atentos ao que é central, que é a corrupção no estado de São Paulo é isso que preocupa ao povo brasileiro em todos os momentos recentes. “ ABSURDO completo esta afirmação, o povo brasileiro está indignado com corrupção no Brasil todo e não apenas em São Paulo, e inclusive a Siemens e a Alstom devem ser investigadas nos contratos no DF e no RS, providência que o próprio PSDB já pediu, ou seja, ela de fato restringiu as críticas ao Ministro José Eduardo Cardozo de ter tentado tirar proveito político em SP utilizando amigos no CADE e ao falar mesmo como líder de um partido ela não deixou de ser ex-namorada do depoente, e como tal dizer que o coração tem razões que a própria razão desconhece pode não ser motivo de elogio mas também não é fugir da questão como um todo. No Congresso brasileiro, e em qualquer outro país, agressões verbais e até físicas não são exceções, ocorrem com frequência. Em segundo lugar ao considerar como machista o comentário por ela contestado. Se for assim, ela também incorreu no mesmo erro contra a honra de terceiros ao afirmar que leva uma vida privada honrada, não é promíscua. Promiscuidade é um termo muito forte, que agride, e ele pode ter mais de uma interpretação, será entendido de uma forma num casal de homem e mulher, e pode ser entendido diferente em casal homoafetivo, seja de homem com homem ou de mulher com mulher, sem falar em pessoas cuja honradez não podemos discutir mas que fazem sexo com vários parceiros na mesma noite. Uma coisa não tem nada a ver com a outra ou uma coisa não necessariamente implica na outra. O risco de criminalizar todo o tipo de opinião que não nos agrada leva a isto, alto grau de subjetividade e todo cidadão fica exposto a condenações conforme “interpretações” daquilo que foi declarado. Para quem quer saber exatamente como ela falou sobre promiscuidade: 05:20 “a minha vida privada, embora não seja assunto público, não é promíscua, como são promiscuas as relações que estão sendo investigadas no estado de SP, a minha vida privada como a minha vida pública é honrada, quem tem explicações pra dar sobre a vida pública são os governantes do estado de são Paulo.”