Redação Pragmatismo
Compartilhar
Racismo não 26/Nov/2013 às 14:21
77
Comentários

"Seus pelos pubianos devem ser duros como os da sua cabeça"

Professora negra da USP é humilhada e sofre ofensa racial em restaurante de São Paulo

racismo restaurante dueto
Restaurante Dueto, em São Paulo

Ao sair de casa para comemorar seu aniversário de 33 anos, no dia 8 agosto, a geóloga e Professora Doutora USP, Adriana Alves, jamais imaginou que seria uma noite tão constrangedora. Ela chamou um grupo de amigos e todos se encontraram no restaurante Dueto Bar, localizado no bairro do Butantã em São Paulo. “É um bar frequentado principalmente por pós-graduandos e professores da USP. Era meu bar predileto, ia lá quase que semanalmente há pelo menos quatro anos”, descreve a professora em entrevista ao site Mundo Negro.

Tudo corria bem, até que ela o seus amigos foram para frente do restaurante, na calçada, para fumar e conversar. O dono do estabelecimento, um holandês de nome Peter, que nunca havia falado com ela, juntou-se ao grupo com a intenção de se aproximar da professora. “Ele começou perguntando se meus dentes eram verdadeiros, por serem muito brancos, eu dei uma risada e respondi que sim. Tentamos mudar o assunto da conversa, quando ele me perguntou se eu gostaria de tomar café da manhã com ele no dia seguinte”, descreve a professora. Ela tentou desconversar novamente, questionando o que a esposa dele acharia da proposta, e ele respondeu “que ela não tinha nada com aquilo”.

LEIA TAMBÉM:
Racismo no restaurante Nono Paollo abre feridas e deixa profundas lições

Para ver ser Peter desistia das investidas, Adriana foi ao banheiro e ao voltar, se posicionou bem entre seus amigos. O holandês deu a volta para se aproximar dela novamente e perguntou se ela se depilava. Brava e em tom agressivo a professora respondeu que não tinha pelos, quando ele retrucou: “Aposto que tem e os de lá de baixo devem ser duros como os da sua cabeça”. Os amigos não reagiram, um deles era chileno e não falava português. Adriana resolver deixar o local, contra a vontade de Peter que perguntou ainda “qual era a última vez que ela tinha gozado gostoso”.

“Cheguei em casa e desatei a chorar. Pensei, sim, que a motivação dele foi racial. Há várias reclamações no site do restaurante, mas todas por grosseria. Então ele se achou no direito de falar daquela forma comigo, é porque sou negra e sabemos muito bem como a mulher negra figura no imaginário brasileiro”, afirma Adriana. Ela conta ainda que quando relatou o ocorrido aos amigos negros, todos de pronto entenderam o “viés racial” da situação. Já as amigas brancas, disseram que isso é normal e acontece “com qualquer mulher”.

Inquérito foi instaurado

Em agosto, logo após o ocorrido, Adriana Alves se dirigiu à Delegacia de Defesa da Mulher para instaurar inquérito. No entanto, a delegada presente entendeu que crimes de racismo deveriam ser investigados numa delegacia comum. No dia 14 de novembro, assessorada pelo advogado do Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades (CEERT), Daniel Oliveira, a professora foi orientada a retornar à 3ª Delegacia de Defesa da Mulher para fazer o boletim de ocorrência, e nesta segunda tentativa não houve objeção.

“Trata-se de com caso de racismo, porque o dono do restaurante não apenas a assediou, mas fez uma associação relativa ao cabelo dela, que tem obviamente uma conotação preconceituosa”, explica Oliveira do CEERT.

Silvia Nascimento – Mundo Negro

Recomendados para você

Comentários

  1. priscilla Postado em 26/Nov/2013 às 14:59

    é racismo e assédio sexual, uma coisa não exclui a outra. triste o fato de existirem agressores assim, também triste o fato das mulheres falarem que isso é normal e triste também o fato da delegacia da mulher não saber tratar tais questões.

    • Luciano Manfredini Postado em 27/Nov/2013 às 08:28

      Concordo com vc, Priscilla. O cara achou que por ser brasileira e negra, ela seria fácil pra ele. Eu, no lugar dessa mulher, teria enfiado a porrada nele, com toda certeza. O que me estarreceu, foi saber que algumas mulheres dizerem que aquilo é normal... Normal? Racismo e assédio sexual, o que este verme estava pensando? Eu teria enfiado o cacete nele!

  2. Thais Postado em 26/Nov/2013 às 15:17

    E depois vêm dizer que não existe mais racismo?

    • Paulo Albuquerque Postado em 27/Nov/2013 às 12:14

      Quem disse isso? Quem falou isso mentiu e você não deveria ter acreditado. Preconceito, racismo e outras formas de discriminação jamais deixarão de existir enquanto tiver seres humanos na face da terra....Pode diminuir a expressão, tudo será mais discreto e dissimulado, mais isso nunca irá acabar. E não existe ser humano no mundo que não tenha preconceito contra alguma coisa e também não existe ser humano no mundo que nunca sofreu algum tipo de discriminação. Esteja certa disso, é a realidade, o resto é hipocrisia.

    • joão Postado em 27/Nov/2013 às 12:57

      O racismo existiria se isso fosse uma constante e não uma exceção proporcionada por um holandês maluco, cuja atitude é repudiada por quanto? 99,9% da população eu imagino.

    • JOÃO Postado em 27/Nov/2013 às 12:58

      alias, não sei se vc viu...mas o cara é HOLANDÊS!!!

  3. Isaac Postado em 26/Nov/2013 às 15:18

    Gostaria de saber algum lugar no Brasil ou no mundo, onde negros não sofram discriminação, não são constrangidos, nem cerceados. Vcs conhecem algum lugar livre dessas situações?

    • Paulino H. Postado em 27/Nov/2013 às 02:18

      Pelo menos cá em África não há espaço pra o branco fazer essas parvoíces, aqui é terra originária dos negros. Aproveito pra dizer a todos os negros do Brasil, que África também é terra deles, portanto, se se acharem incomodados no Brasil ou em outro lugar, podem vir irmaos, iremos vos receber com todo agrado.

      • Marcos Postado em 27/Nov/2013 às 17:47

        Direitos humanos!!!!! Onde estão vcs agora hehehe

    • Sarah Postado em 27/Nov/2013 às 08:28

      Nem por isso está justificada a ação deste sujeitinho desprezível! Se não combater este tipo de atitude, nunca haverá uma luta pelo fim deste tipo de comportamento.

    • Carlos H. Ribeiro Postado em 27/Nov/2013 às 10:42

      Alguns teimam em dizer que esse lugar é o Brasil... Aí quando surgem denúncias deste tipo a frase muda para: "isto acontece em qualquer lugar do mundo".

    • Murilo Postado em 27/Nov/2013 às 11:18

      Então devemos ser complacentes com pessoas que praticam a injúria racial? O fato de em vários lugares do mundo as mulheres serem vítimas de estupro significa que devemos ser tolerantes com tal prática? Pelo amor de Deus! Ele cometeu um crime e deve ser punido por isto.

  4. Bartiracianelli Postado em 26/Nov/2013 às 15:39

    Náo penso que exista só no imaginário brasileiro,ele e holandês,racismo existe em pessoas ignorantes como este coitado ser humano!

    • talita Postado em 27/Nov/2013 às 10:42

      Quando se diz "imaginário brasileiro" se está falando do que se pensa sobre o brasileiro.Faz parte da forma como o Brasil vem sendo vendido no exterior desde sempre.

  5. José Ferreira Postado em 26/Nov/2013 às 15:39

    Eu acredito que nesse caso é machismo, visto que esse rapaz já fez outros tipos de grosserias com outras mulheres. Negra ou não, iria sofrer do mesmo jeito...

    • Cris Oliveira Postado em 27/Nov/2013 às 09:33

      Foi machismo, mas isso nao significa que nao foi racismo. Foi os dois. Porque as pessoas tem tanta dificuldade em enxeergar racismo e insistem em negar quando há? Sou negra e tao ingênua que na mioria das vezes, nem vejo racismo onde muitos outros negros veem. Mas nesse caso nao tem muita dúvida nao.Assédio sexual e racismo sim!

  6. Aken Postado em 26/Nov/2013 às 16:33

    Eu, como homem e branco, vejo esse tipo de comportamento mais atrelado ao machismo do que ao racismo, porém, como houve ofensa à dignidade utilizando elementos raciais, é configurado o crime de injúria racial (e não de racismo). Mas convenhamos, se colocarmos uma mulher branca, de cabelos ruivos e alguém disser : "Aposto que tem e os de lá de baixo devem ser ruivos como os da sua cabeça", ninguém falaria de um suposto racismo na frase...

    • José Ferreira Postado em 26/Nov/2013 às 16:46

      Falou tudo.

    • Mazino Postado em 26/Nov/2013 às 17:29

      Injúria racial é uma forma que juristas encontraram para não tipificarem o racismo. A intenção do legislador quando aprovou o texto constitucional era exatamente punir qualquer tipo de manifestação de caráter racista. No caso acima, mesmo que o tal holandês desconheça as leis brasileiras, deveria ser punido, a fim de não fazer mais isso. Já vi muitos estabelecimentos comerciais maiores que este quebrarem por esse tipo de estupidez.

      • Mariah Postado em 27/Nov/2013 às 00:44

        Ruivas já são as séculos humilhadas por serem negras? Cabelo ruivo é tido pelo padrões como ruim (duro)? É típica essa desonestidade na hora de criar um argumento pra defender esse tipo de situação. É completamente descabido comparar uma situação sofrida por um negro usando a num branco, simplesmente porque um branco nunca foi humilhado, segregado e escravizado por se negro. É muito triste ter que explicar isso para adultos.

      • Rodrigo Schmidt Postado em 27/Nov/2013 às 08:01

        "muitos estabelecimentos comerciais maiores" ... "quebrarem". Quais?

    • Karine Postado em 26/Nov/2013 às 22:23

      Como dito, ela estava entre amigos, uma ruiva em uma roda de amigos jamais passaria por esse tipo de constrangimento, pois qualquer homem iria supor que um dos amigos poderia ser seu companheiro. Mulheres negras em ambientes frequentados pela classe media ou é funcionária ou prostituta. Nesse caso, ele sentiu-se confortável em proferir tais ofensas pq foi construído no imaginário dele que ela,negra, entre tantos homens, só poderia ser prostituta!

      • Aken Postado em 27/Nov/2013 às 14:43

        Será que o preconceito não é seu também?

    • Sílvia Postado em 27/Nov/2013 às 00:51

      Concordo que neste contexto foi machismo. O exemplo de Aken foi preciso. O cara foi inconveniente e baixo. Racista não foi o ponto. "Cabelo duro" não foi necessariamente utilizado como expressão preconceituosa, mas com viés chulo ao associar com os da vagina. Sujeitinho vil, merece o fracasso. Para quem vai, não volte lá.

    • cARLOS Postado em 27/Nov/2013 às 00:51

      Qdo vc lida com minorIAS ESTE TIPO DE PENSAMENTO NAO FUNCIONA. NAO ENTENDO COMO VC CONHECEDOR (A) DE LEIS NAO SABE HISTORIA.

    • Fernando Vieira Machado Postado em 27/Nov/2013 às 06:19

      Esse é um ponto complicado de discutir com analogias fenotípicas fora de seus contextos históricos e sociais. Da mesma maneira, as pessoas não costumam se ofender se alguém grita "vai, loirona!". O problema da injúria racial é o intuito... a característica fenotípica não é destacada como uma característica inerente ao ser humano de determinada etnia, mas como um traço distintivo da suposta inferioridade daquela "raça" e utilizada, desta maneira, como uma ofensa. Um exemplo de como funciona essa distinção é o tradicional "negão". É muito comum em São Paulo, principalmente na periferia, que, em uma roda de amigos de maioria "branca" ou "parda", um indivíduo "negro" seja apelidado de "Negão", "Pelé" ou algo que remeta à sua diferenciação fenotípica evidente no grupo. O mesmo costuma acontecer com qualquer minoria ("Gordão", "Mohammed", "Beiço", "Alemão", "China", "Japa", "Ruiva"). Nesse contexto, pode ou não haver racismo dependendo do intuito com o qual as determinadas características étnicas são destacadas. Segundo a Lei 7.716/1989, o crime de racismo se caracteriza por ter origem em "discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional". Logo (no meu entendimento da lei), no caso da professora, observa-se realmente não o crime de "racismo", mas o de injúria racial, que, segundo o artigo 140, § 3º do Código Penal Brasileiro, se caracteriza por ofensa à honra de alguém com a utilização de elementos referentes à raça, cor, etnia, religião ou origem. Portanto, a pessoa poderia até não se ofender (na hipótese da ruiva), mas, caso se ofendesse, a lei prevê a garantia do direito ao respeito.

    • Luciano manfredini Postado em 27/Nov/2013 às 08:32

      Em tese, concordo com vc. Sim, mas vamos nos lembrar de que na Europa, as mulheres brasileiras, especialmente as mulatas e negras são para eles objeto de prostituição, muitas mulheres brasileiras que se prostituem lá, geralmente são mulatas ou negras, e ele achou que a moça, por ser negra e brasileira, seria alvo fácil como as que ele deve conhecer por lá na terra dele. Mas nem isso justifica a atitude grotesca do cara, sim, o racismo e o assédio sexual estão tipificados nas palavras dele.

    • Kiki Kat Postado em 27/Nov/2013 às 09:42

      Aken, não o conheço, tampouco gosto de comentar/ler textos, mas a sua falácia é tão comum e rasa que não pude me conter. Lamento por não conhecê-lo e ter de julgá-lo, mas os negros foram escravizados, aviltados, injuriados, injustiçados, torturados etc por serem negros, africanos e isto é racismo, entendeu? A ruiva não foi escravizada, aviltada, injuriada, torturada, morta etc e nunca sofreu nada 'por ser ruiva'. Será que consegue compreender? Me parece tão simples, por que você, Aken, pessoa alfabetizada e que até parece entender alguma coisa de lei (embora esteja distorcido e equivocado) não entende algo tão, mas tão, mas tão óbvio? Lamento por sua limitação, querido, e desejo, do meu âmago, que um dia consiga :) Com amor, Kiki

      • Aken Postado em 27/Nov/2013 às 14:42

        Olá Kiki! Eu entendo sim, o que quis expôr é que se ele tivesse dito da mesma forma para uma ruiva, o crime praticado seria o mesmo, mas ninguém notaria essa conotação racista porque estamos tão condicionados a achar que o racismo só é praticado contra as ditas minorias. Não estou renegando o passado, sei muito bem o que aconteceu e sou totalmente a favor de políticas que visem reduzir as desigualdades, mesmo que para isso não precisemos tratar a todos com igualdade, porque não somos mesmo. Mas no caso presente, não vejo que ele esteja desqualificando a pessoa. Se o cabelo dela é duro, isso é um fato. Meu cabelo também é, tenho cabelo ruim, sou fruto do Brasil miscigenado e se isso é uma característica minha, não me desqualifica como ser humano. O que eu acho é que também não devemos estar condicionados a pensar que tudo que acontece com o negro é racismo. Poxa, todos são iguais, as ofensas doem da mesma forma em qualquer ser humano, mas assumir que tudo que acontece ao negros é racismo é uma forma de racismo!! Só to dizendo que nesse caso, específico, não consigo visualizar tão bem a conotação racista tal qual visualizo a machista. Obrigado pelo respeito e espero que entenda meu ponto. Estou sempre disposto a mudar de opinião, pois estou aqui para aprender. Retribuindo o amor, Aken (ou Leonardo)

    • talita Postado em 27/Nov/2013 às 10:45

      Dizer que a pessoa tem cabelo vermelho não é ofensivo e NÃO existe racismo contra pessoas brancas. Se não for racista virar pra uma pessoa negra e dizer que ela tem cabelo e pentelhos duros, já não sei mais o que isso pode ser.

      • Aken Postado em 27/Nov/2013 às 14:26

        Mas o crime é o mesmo se falassem da mesma forma para uma mulher ruiva...

    • caju Postado em 27/Nov/2013 às 10:48

      exatamente.

    • Giovanna Postado em 27/Nov/2013 às 12:04

      Exatamente, você, como homem branco. Você não pode definir o que é racismo ou não. Reveja seus privilégios.

      • AKen Postado em 27/Nov/2013 às 14:25

        Quis que constasse isso para que pudessem ter um parâmetro de quem está julgando o caso. Nunca sofri o que o negro e a mulher sofreram na pele, mas acho que já adquiri certo conhecimento para poder ter uma opinião sobre isso. Mas sinceramente, acho que o comportamento dele não foi com o intuito de ser racista, foi mais um comportamento típico de um machista que acha que pode abordar desrespeitosamente qualquer mulher e, quando rejeitado, apela. De qualquer forma, não fui eu que defini o que é racismo, está na lei. Racismo é ofender uma generalidade de indivíduos sem um alvo específico, apenas a etnia; injúria racial é ofender a dignidade se utilizando de características étnicas, raciais, religiosas, etc.

  7. Carlos Postado em 26/Nov/2013 às 18:22

    A matéria diz que há várias reclamações contra esse holandês que, ao contrário do que afirma a professora, ñ discrimina nenhuma mulher: atacada a todas com a mesma selvajaria. Ñ vamos transformar um caso de assédio em mais uma bandeira do movimento racial.

  8. Gustavo Postado em 26/Nov/2013 às 19:00

    ah meu tenha dó, esse acontecido tem mais a ver com o fato de ela ser mulher do que com o fato de ela ser negra. Tá, o cara forçou, mas não tem nada a ver com ela ser negra

    • Milena Olanda Postado em 26/Nov/2013 às 23:08

      Sério que não tem ? a questão racial via além de oulha eu sou branco e voce negro por isso sou superior a voce, tem a ver com por exemplo, uma mulher negra ser vista como objeto de desejo principalmente de europeus, isso foi contruido historicamente em nosso pais e em um fato como este há reprodução sim da lógica escravista.

    • Silvia Postado em 27/Nov/2013 às 00:53

      concordo, Gustavo!

  9. mario genario araujo Postado em 26/Nov/2013 às 19:18

    Na apuração dos fatos veremos que o cidadão foi preconceituoso, racista e imoral no trato com sua cliente, já que ela frequentava o local ha 4 anos.

  10. Aryewl Postado em 26/Nov/2013 às 19:27

    Japoneses, arabes, judeus, muçulmanos, norte-americanos, portugueses , espanhóis, australianos, franceses, e toda sorte de pessoas do mundo. todos são bem recebidos aqui no Brasil, o pais onde julgam morar a escoria do mundo. Vem para cobiçar nossa riqueza, natureza, mão de obra, governo altamente corrupto e indiferente e o pior de tudo: nossas mulheres. Tenho uma amiga negra, com quem estava caminhado outro dia. Ela, (completamente linda) chamou a atenção de um estrangeiro, que mais parecia um cão esfomeado vendo um osso. ela trocou de lugar comigo, por ter se sentido mal com o assedio. Ele, aborrecido por ter perdido a visão, tentou me insultar com um sotaque, ininteligível. Deixei passar. Nos fechou logo adiante, e baixou o vidro. Ele sorrindo disse alguma vulgaridade, que não pude entender no momento. Peguei uma cadeira (tipo banqueta) de madeira, e estourei-a no carro, batendo-a varias vezes, até que se quebra-se. O sujeito, resolveu sair. Não é por nada não, nem pela cor, mas acho que se eu estivesse perto desse "holandês" faria o mesmo. Você, estrangeiro que esta aqui no Brasil e esta cobiçando nossas mulheres, saiba que o numero de pessoas como eu esta aumentando cada vez mais. Se eu puder, quando passar pela mesma situação, repetirei o feito. Abraço. Tenha um bom dia.

    • Luciano Manfredini Postado em 27/Nov/2013 às 08:34

      Você devia era ter quebrado a banqueta na fuça do cara, hahahaha

    • Paulo Postado em 27/Nov/2013 às 12:17

      Não somos os únicos a serem a escória do mundo, os vermes habitam o mundo inteiro, mas convenhamos amigo, nós temos um povinho....que povinho! Admite.

      • Aryewl Postado em 28/Nov/2013 às 07:41

        Eu o compreendo. Mesmo no trabalho é extremamente difícil de tratar de assuntos de importância real. Meus amigos se queixam de problemas de transporte, saúde e educação. Ei digo a eles que têm razão de se aborrecer, pois no exato momento em que os órgãos que deveriam cuidar do assunto estão como larvas gordas, minando recursos, enquanto nosso país entra em discórdia por futebol e novela. Pronto: falou “mal” de futebol, a coisa fica feia. Dão-me as costas. Não querem admitir que não tem coragem de abrir mão de um jogo, por um direito. Acham que não ha mal em ele contar moeda para comprar pão, enquanto a família se desdenta, enquanto seus ídolos podem comprar ilhas. Profissionais que deveriam ter melhor reconhecimento pelo cidadão comum, vivem no anonimato e com salários ridículos. Os jogos jamais acabarão, jamais terminarão, e o que foi criado para esporte e diversão se tornou uma máquina de dinheiro e violência. Nosso povo deve fazer certas renuncias para evoluir, o que será difícil, com nosso governo e o resto do mundo contra.

    • Thiago Postado em 27/Nov/2013 às 12:54

      Certíssimo!

  11. renato Postado em 26/Nov/2013 às 19:56

    Sou contra racismo, e meteria o braço no vermelho! Mas o que é que faz parte do imaginário do brasileiro em relação a mulheres negras. Não entendi! Mulher é mulher, para mim. Eu me sinto um Lesbico, só gosto delas.

    • Maria Postado em 27/Nov/2013 às 00:47

      GLobeleza, da cor do pecado, corpão de "nega" e outros elogios que reduzem a mulher negra em espcial a um fetiche masculino... As mulheres sofrem com abusos e assédios, mas as mulheres negras sofrem muito mais. A mulher negra é muito mais associada ao sexo, à putaria, à vadiagem do que a mulher branca... A população negra (homens e mulheres) é vista como hiperssexualizada, as coxas e a bunda de uma negra são sempre destaque. A mulher branca herdou o título - e tratamento - de sinhá, a negra ficou com o pecado, com o sexo. Não se abandona velhos hábitos sem questioná-los... Essas são as heranças da hipocrisia machista do Brasil Colonial. E não,não sou negra... mas reconheço isso.

    • talita Postado em 27/Nov/2013 às 10:50

      Renato, no tal "imaginário brasileiro" mulheres negras são tidas como mais fogosas e fáceis, que gostam de sacanagem e putaria.Os estrangeiros vem pra cá com essa ideia tosca mas muitos brasileiros pensam assim também.

  12. Thiago Teixeira Postado em 26/Nov/2013 às 19:57

    Não achei nada de mais, o cara estava com tesão na mina e não soube chegar civilizadamente. Se o cara fosse o Rei do Camarote ou o qualquer playboy bombadinho, a recepção da cantada seria outra, pois como já cansei de escrever nesse site, as mulheres "01 a cada 10" se sentem estrelas e brancas por dentro.

    • Cristiane Amaral Bertolin Postado em 27/Nov/2013 às 07:38

      Não é nada demais porque não foi com nenhuma mulher da sua família. Queria ver se um gringo falasse isso para sua mãe se você diria que não foi nada demais.

    • Priscila Postado em 27/Nov/2013 às 08:55

      Nossa, quanta bobagem em um só comentário. Primeiro,você deve ser adolescente, então não deveria nem ter atenção dos demais, mas adolescentes, cretinos ou não, crescem e viram homens, no seu caso, boçal e machista. Segundo, quando você diz que o cara "estava com tesão na mina" indica que se comportaria assim se estivesse afim de abordar uma garota. Não, ela não é"mina", é uma mulher de 33 anos, professora e Doutora, mulher, negra e saiu para comemorar, não para ser tratada como um objeto e ter que responder se depila suas partes íntimas. Terceiro, você deve ser pobre,muito pobre, mas de espírito, porque pensa que se fosse um "playboy" não teria problema. Quarto, seu machismo me enoja, toda mulher deve sim se sentir uma estrela por dentro e por fora, agora quanto ao "branca", não imagino sequer o que você quis dizer...

    • talita Postado em 27/Nov/2013 às 10:51

      Tipica ideia de cara que não pega ninguém por ser retardado e que acha que grana compra tudo.

      • Thiago Teixeira Postado em 27/Nov/2013 às 12:01

        Nossa como você adivinhou?

    • Giovanna Postado em 27/Nov/2013 às 12:06

      Querido, não. Simplesmente não. Vá tirar uma soneca, isso aqui é conversa de gente grande.

  13. Adriana Postado em 26/Nov/2013 às 20:14

    Odiosa uma atitude dessa!!!!! Punição!!!! Isto tem que mudar!!!

  14. pedro Postado em 26/Nov/2013 às 21:01

    Tá faltando homem no mundo... Primeiro: o tal Peter é um retardado, um babaca completo E os amigos da moça? Uns bestas... Era só ter descido a mão na cara do sujeito e resolvido o problema e ainda sair sem pagar. Muito fácil

    • Eduardo Abreu Postado em 26/Nov/2013 às 21:18

      Pedro, será que agora a mulher dele"Peter", tem alguma coisa a ver?????

  15. Eduardo Abreu Postado em 26/Nov/2013 às 21:17

    Senhora Professora, não era razão para chorar e sim para chamar a polícia e denunciar esse senhor, que como ainda existe, se portou como o Senhor da Casa Grande, e me desculpe a senhora ao tentar fugir do assédio deu a ele a certeza que podia tripudiar sobre sua condição de mulher e negra. Por mim não importa, se mulher, branca, negra, mulata, amarela, todas merecem respeito.

    • Adla Postado em 27/Nov/2013 às 12:55

      Concordo plenamente com vc!

  16. Aline Postado em 26/Nov/2013 às 21:50

    Mais absurdo é o comentário: "Isso acontece com qualquer mulher". Cantadas inconvenientes acontecem , mas com esse grau de grosseria e desrespeito não é comum. Cretino esse sujeito.

  17. Lopes Postado em 26/Nov/2013 às 23:18

    Ainda não foi deportado?

  18. Anderson Postado em 27/Nov/2013 às 00:02

    Nem sei se é uma questão de racismo, infelizmente, vendemos lá fora uma cultura de que aqui a mulher esta disponível, pra não dizer fácil, no carnaval os "gringos" compram pacotes de viagem com inclusão de prostituição, presenciei no rj no carnaval uma mulata praticamente nua dançando em frente de um hotél 5 estrelas. A professora acabou tendo o tratamento que o "gringo" deve achar normal praticar com mulheres brasileiras, infelizmente.

  19. Bruno Postado em 27/Nov/2013 às 00:28

    De fato nao existe racismo, nao vejo racismo na colocação do dono do restaurante, ele só devia estar bebado.

    • Adriana Postado em 27/Nov/2013 às 01:29

      Se não se configurou racismo, como alguns aqui acreditam. O porquê então desta colocação feita : ''Aposto que tem e os de lá de baixo devem ser duros como os da sua cabeça” ?????????? Gente, por favor.........A abordagem foi inadequada para o 'ser' MULHER, e também por uma questão racial....

      • Silvio Postado em 27/Nov/2013 às 04:43

        Não houve conotação racial...vamos ser moderados ao tratar dessas questões, de resto as providencias cabíveis! não vamos nos dividir entre negros e brancos...etc e etc.

    • Giovanna Postado em 27/Nov/2013 às 12:08

      "Não existe racismo" Diz provavelmente um cara racista.

      • Adriana Postado em 27/Nov/2013 às 21:37

        Concordo com vc, Giovanna. O que ainda consegue ser pior que o próprio racismo é tentar disfarça-lo, escondê-lo , por vezes, até tentar justificá-lo .

  20. Guilherme Postado em 27/Nov/2013 às 00:36

    Processo, pedido de retratação, compesação financeira... por mim um chute bem dado na boca de idiota pra arrancar uns dentes ja ensinariam esse cretino. Tem situações em que ignorancia se resolve com ignorancia, não tem outro jeito.

  21. Rosa Maria da Costa Postado em 27/Nov/2013 às 00:51

    Deporta e pronto! Assim, ele não mexe mais com mulher nenhuma, nem branca, negra, ruiva, asiática...

  22. wagner souza Postado em 27/Nov/2013 às 00:53

    Porque nao mandar este Holandes filho da puta de volta para a Holanda? Nos Brasileiros de verdade, ja temos muitos problemas para resolver e nao precisamos de gente como esta em nosso paiz, nao precisamos de gente assim, ja temos muitos problemas, se voce e racista volte para o seu paiz, se e Brasileiro e da suporte ao racismo de outro paiz volta pra la tambem, nao precisamos de voces aqui nao, por favor vao embora car*(&^%!

    • Danilo Nordestino Postado em 27/Nov/2013 às 02:39

      #Deporta insulta e injúria racial e crime.#Não respeita brasileira afrodescendente.

  23. Luisa Stern Postado em 27/Nov/2013 às 02:30

    Filho da puta, não tem outra palavra para definir esse sujeito... eu sou advogada e teria orgulho em pegar o caso dela, de forma voluntária, somente pelo desejo de ver esse tipo de coisa sendo punida... pena que moro no RS e não tenho como...

  24. donald Postado em 27/Nov/2013 às 09:36

    pra entender de racismo tem que ser negro,como pra entender a vida de um pobre,voce tem que ser pobre,quer ver a discriminacao de um gordo,entao seja um ! me chamar de negao isto enormal,mais se eu te chamar de branquelo ou ariano ai entao eu sou racista!

  25. paulo Postado em 27/Nov/2013 às 09:47

    Se eu estivesse presente daria um soco na cara desse gringo filho da puta!

  26. Herbert Junior Postado em 27/Nov/2013 às 10:55

    Se fosse amiga minha tinha dado um soco bem na boca desse FDP, esse cara merece é porrada e muita, nem precisa processar só pancada mesmo.

  27. GONÇALO DE SOUZA Postado em 27/Nov/2013 às 11:04

    NÃO ACHO QUE HAJA ESPAÇO PARA A CLASSIFICAÇÃO DO CRIME. NÃO HÁ DESCULPA PARA CRIMES ASSIM. CADEIA! SIMPLES ASSIM.

  28. marcelo isidoro alves Postado em 27/Nov/2013 às 12:52

    tá aí, responder um caso de racismo com xenofobia parece ser a forma mais inteligente de conduta, segundo alguns.

  29. José Ferreira Postado em 27/Nov/2013 às 15:03

    Se o cara fizesse essa afirmação com uma ruiva, seria a mesma coisa. Mania essa de ver racismo em tudo. O Holandês é um grosso e indefensável, mas há uma diferença gritante entre as duas situações...