Redação Pragmatismo
Compartilhar
Tortura 13/Nov/2013 às 11:51
3
Comentários

Médicos dos EUA participam de tortura em Guantánamo

Médicos violaram código de ética ao participar de torturas em Guantánamo. Estudo revela que, além de colaborar com atos de crueldade, doutores ajudavam a conceber práticas de tortura

médicos tortura guantánamo
O estudo aborda diversas práticas de coerção e tortura, mas concentra-se na alimentação forçada de presos em greve de fome. (Presídio de Guantánamo / Reprodução)

Um estudo independente, chamado de “Ética Abandonada”, revelou na última semana que médicos militares dos EUA participaram de torturas em Guantânamo e outras prisões da CIA, violando códigos éticos da profissão. Segundo a pesquisa, doutores e psicólogos “formulavam, participavam e permitiam tortura, tratamento cruel, desumano e degradante dos prisioneiros”.

A Fundação Open Society, de George Soros, responsável pela pesquisa, afirma também que, além de participar de torturas, o grupo médico se envolveu na concepção das práticas contra suspeitos de terrorismo que ocuparam prisões da CIA em Guantânamo, em Cuba, ou no Afeganistão, denuncia o relatório. Pentágono e CIA, no entanto, negam as acusações, dizendo que o relatório contém imprecisões e erros.

Leia também

O estudo aborda diversas práticas de coerção e tortura, mas concentra-se na alimentação forçada de presos em greve de fome e, também, nos métodos violentos de interrogatório, como a simulação de afogamento (waterboarding) em centros de detenção secretos.

“Fica claro na pesquisa que, em nome da segurança nacional, os militares ignoraram o código de ética dos profissionais da saúde. Eles passaram a funcionar como agentes dos militares, praticando atos contrários à regra e à ética [profissionais]” internacionais e em vigor nos EUA”, afirmou o co-autor do estudo Gerald Thomson, professor de Medicina emérito na Universidade de Columbia, nos EUA.

“Os médicos, enfermeiros, psicólogos e outro pessoal destacado para assistir os doentes ajudaram a conceber, permitiram e participaram de práticas desumanas contra os detidos”, disse em entrevista à imprensa norte-americana.

“O Departamento de Defesa e a CIA alteraram as regras de ética fundamentais para facilitar a participação de profissionais de saúde em abusos contra detidos. Foi isso que aconteceu. E essas distorções ainda existem”, disse Leonard Rubenstein, também co-autor, ao programa da BBC Newsday. Rubenstein denunciou exemplos em que os profissionais de saúde são chamados aos interrogatórios “para procurar vulnerabilidades físicas que os agentes que interrogam possam explorar”.

A investigação foi realizada por militares e peritos legais, especialistas em questões de saúde e ética, e centra-se em especial no papel que desempenharam os profissionais de saúde na alimentação forçada de presos em greve de fome, com tubos. A prática veem sendo frequentemente questionada pelos observatórios de direitos humanos ao redor do mundo.

Opera Mundi, com RT e Público

Recomendados para você

Comentários

  1. renato Postado em 13/Nov/2013 às 13:42

    Eles fazem parte do Menos Médicos? São do Brasil, não? Quem se forma a médico e não gosta de atender a estas, só pode ser um psicopata torturador, especialista no Nervo Central. Mas acredito mais que são coisas do Estados Unidos da America.

  2. Wagner Souza Postado em 15/Nov/2013 às 02:27

    Medicina avancada, a servico do ser humano, paiz da democracia, o exemplo para o mundo, num projeto la se fazia experiencia com negros injetando neles sifilis, outro projeto em honduras se promovia estudo sobre doencas venereas em detentos numa prisao, so gente boa, ainda falam mal do Mengele que devia ser melhor medico do que eles!

    • Thiago M. Postado em 24/Apr/2014 às 13:30

      hein?