Redação Pragmatismo
Compartilhar
Ciência 27/Nov/2013 às 12:00
1
Comentário

Impressora 3D produz mão artificial

Pai de menino que nasceu sem os dedos da mão esquerda desenhou e "imprimiu" uma mão biônica para o filho. A impressão 3D possibilitou esse sonho a um custo acessível

mão artificial impressora 3d
Esta mão artificial foi produzida numa impressora 3D

Foi o pai de Leon McCarthy, jovem que nasceu sem os dedos da mão esquerda, que desenhou uma mão biónica para o filho. Mas foi a impressão 3D que possibilitou esse sonho, a um custo acessível.

Foi ainda na barriga da mãe de Leon McCarthy que começou esta história com final feliz. Até pode parecer que não, mas sim, tudo acabou bem. Pode parecer que não, porque há 12 anos atrás Leon desenvolvia-se na barriga da progenitora com uma malformação. Os dedos da mão esquerda teimavam, eles sim, em não se desenvolver.

Leon veio ao mundo, cresceu e, até há bem pouco tempo, teve uma infância algo diferente da dos demais amigos. Não podia andar de bicicleta, praticar determinados desportos e fazer algumas atividades que, para qualquer outra pessoa, são consideradas básicas. Paul McCarthy, o pai, acompanhou o crescimento do filho com mágoa. O facto de se ver impotente para dar a Leon aquilo que lhe fazia falta assombrava os seus dias, ou não custasse uma mão biônica — a única coisa que poderia solucionar o problema do filho — cerca de 20 mil euros.

Leia também

No entanto, depois de várias pesquisas na Internet sobre o tema, Paul encontrou ali o trabalho de Ivan Owen, um inventor que vinha desenvolvendo experiências no campo das próteses tecnológicas, disponibilizando-as online na forma de vídeos e outras instruções, tais como o design das peças. Paul McCarthy não hesitou. Pediu autorização a Ivan, para usar aquelas guias, e começou a desenhar uma mão biônica para o filho.

Depois de concluída essa fase, Paul comprou alguns materiais que pudessem compor a mão e recorreu a uma impressora 3D para a materializar. Os materiais custaram-lhe 7,5 euros, a impressora cerca de 1500. A conclusão é simples: tudo saiu muito mais em conta a Paul McCarthy do que se tivesse recorrido a uma prótese profissionalmente concebida.

Hoje, o pequeno Leon McCarthy é um dos jovens mais idolatrados na escola, onde lhe chamam de “cyborg”, algo que Leon considera “cool”. “Fazer os nossos filhos felizes é a coisa mais recompensadora do mundo, não?”, diz Paul McCarthy, sem dúvida um dos pais mais felizes do mundo, atualmente.

Vídeo:

Publico

Recomendados para você

Comentários

  1. Thiago Teixeira Postado em 27/Nov/2013 às 12:10

    A vaidade fútil tem mais campo de pesquisa e investimento do mercado que as áreas de prótese. Silicone pare seios (pro namorado chupá), plástica (narizinho empinadinho para pegar boyzinho bisneto da casa grande), lipo (se sentir uma panicat), glúteos (receber cantadas dos pedreiros), agora uma prótese para pernas, mãos, algo para as necessidades humanas do dia a dia vejo pouco incentivo tanto do mercado como da política.