Redação Pragmatismo
Compartilhar
Educação 22/Nov/2013 às 11:13
16
Comentários

Os cem erros mais comuns da língua portuguesa

Confira a seguir uma ótima compilação com os cem erros mais frequentes da língua portuguesa

Numa língua, existem vários modos de falar, determinados pela localização geográfica do falante, faixa etária, situação, nível de escolaridade, nível social dentre outros fatores. Dentre estes, existe um que se institui como língua-padrão, que corresponde ao uso da linguagem em situações formais.

No conteúdo abaixo (apostila produzida por Dr.Conteúdo) você verá uma lista com os cem erros mais simples e frequentes cometidos cotidianamente por boa parte dos brasileiros. As correções são didáticas e objetivas.

Aprenda e compartilhe.

*clique nas setas para virar a página e na caixa ‘fullscreen’ para visualizar em tela cheia

Redação, com professora Paula Perin

Recomendados para você

Comentários

  1. André Postado em 22/Nov/2013 às 11:35

    Acho que Pragmatismo Político começou colocando o ponto no lugar "errado". Apagou a política que gerenciou o discurso sobre a língua e que instituiu na gramática a fala do certo X errado, à medida que a gramática é uma dotada de elitismos, pois foi feita a partir de uma elite: médicos eram poetas, poetas eram exemplos de falas "corretas". Tratar a questão como erro, é falar do lugar dessa direita. Instrumentalizar processos complexos em certo X errado tal como um cursinho pré-vestibular que monta uma apostila prática é corroborar ainda mais com essa fala elitista, assim como "Dr Conteúdo:construindo valor e credibilidade. Decepcionado com essa reportagem.

    • Diogo Postado em 22/Nov/2013 às 13:34

      Acredito que melhor era o tempo em que estava estabelecido o "certo x errado" da gramática. Hoje, infelizmente, esse tempo já passou, está tudo relativizado, ao invés de certo e errado, fala-se em norma padrão e norma culta - influência de um sistema educacional de viés esquerdista, que ao invés de melhorar, acaba sabotando a qualidade da educação. Dê uma olhada neste vídeo de Olavo de Carvalho, sem preconceitos, e saiba do que estou falando: http://www.youtube.com/watch?v=4djQ2kqfPFU

    • Marcos Postado em 23/Nov/2013 às 13:00

      Uma sociedade sem regras, evolui ?Questionar para gerar debate, só te é possível por conta das regras.Direita ou esquerda, também é uma regra.Absolutizar o relativo e relativizar o absoluto, é uma forma de refúgio .Abraço.

  2. Ellen Lorena Postado em 22/Nov/2013 às 11:48

    Se a escrita e a norma culta são uma tentativa te colocar no papel a língua falada, uma maneira de representação desta, porque devemos adaptar o que falamos ao que escrevemos e não o contrário? Porque não deveríamos escrever "Para mim fazer" ou qualquer outro erro considerado pela norma culta como absurdo, se é assim que a grande maioria da população BRASILEIRA fala? Algumas normas do português podem até ser a representação da língua falada em outros países, mas no Brasil não são mais que regras ultrapassadas.

    • Dinara Postado em 22/Nov/2013 às 15:33

      A língua escrita é padrão, a fala é uma escolha, pois o falante pode escolher a variedade linguística que melhor servir para a situação de comunicação.

  3. Luís Eduardo. Postado em 22/Nov/2013 às 12:51

    Materiazinha típica de revista Veja e similares. Decepcionado por encontrar tal tipo de opressão linguística justo aqui. Sugiro que leiam o livro "Preconceito Linguístico" de Marcos Bagno. Obrigatório para qualquer estudante do 1º período de Letras. Após ele, podem se aprofundar um pouco mais no assunto e ver o quão estúpido é impor a "norma padrão" às pessoas como a única variedade "correta" da língua.

  4. Mario Postado em 22/Nov/2013 às 13:24

    Pragmatismo Político, dessa vez você deu mancada. Essa tal compilação é retrógrada e extremamente conservadora. É preciso muito cuidado quando se fala de língua, infelizmente muita gente cai na armadilha de achar que manuaizinhos de regras gramaticais do português do século XVIII são exemplos de 'língua correta'. Aliás, como pode ver, estou só reiterando os comentários anteriores. Não tenho mais nada a acrescentar. Mas espero, sinceramente, que a redação do blog se informe sobre o assunto, que nem é tão novo assim. Repetindo o comentário do André (22/11 11:35), estou "decepcionado com essa reportagem". Sugestão de leitura: 'Gramática do Português Brasileiro' (Ataliba de Castilho); 'Gramática pedagógica do português brasileiro' (Marcos Bagno); 'Não é errado falar assim' (Marcos Bagno); 'a norma oculta: língua e poder na sociedade brasileira' (Marcos Bagno). Esse último é bem prático, conciso, quase um livro de bolso.

  5. André Postado em 22/Nov/2013 às 14:52

    Achei relevante, nunca é demais aprender a maneira correta de se comunicar e escrever!

  6. Tabm Postado em 22/Nov/2013 às 15:50

    Eu reconheço que cometo a maioria dos erros apresentados. mas a forma correta representa um porto seguro para que as referências não se percam, é o DNA da língua. É importante manter um norte para a linguagem escrita até para que a linguagem falada possa ter suas variações sem que haja o risco do idioma rachar.

  7. Alex Postado em 22/Nov/2013 às 15:52

    Galera que achou mais de 10 erros na lista está indignada fazendo textos enormes o.o' Decepção é ler esse papinho de "não existir norma culta" é assim que hoje temos uma legislação CHEIA de furos de interprentação, quanto mais correta a lingua melhor até mesmo para a evolução da sociedade... me parece o mesmo tipo de pessoa que acha normal escrever no local de trabalho: "vc mim mandou aqle arqv?" Só porque crianças conseguem se comunicar com gestos, olhar e gemidos não significa que devemos falar assim o resto da vida, pra quem reclamou isso de certo x errado, entendam que não é pura frescura, é importante até para o MUNDO nos entender... Já pensaram que complicado seria se a china nunca tivesse adotado o mandarim como lingua oficial e qualquer turista tivesse que apender pelo menos 34 dialetos? Manter a lingua portuguesa em um padrão não é a décadas questão de frescura, elitismo, etc.. é manter o controle da lingua até mesmo para a nação daqui a 100 anos poder entender o que falamos hoje. A preguiça de aprender o correto fez com que nossa lingua sofresse tantas mutações em suas palavras nos últimos 2 séculos que 90% da nação não poderia ler um texto corrido do século XIX sem ter que discutir por 2 horas o que a pessoa quis dizer... você não encontra isso em outras nações que não sejam emergentes... Não estou excluso de cometer erros e sempre tento evoluir nisso, não por frescura, mas por ser importante respeitar a sua lingua mãe para mim e a futura geração. Ps:. Antes que achem que sou um professor revoltado, sou Engenheiro e em teoria eu deveria abominar Lingua portuguesa xP

  8. Haroldo Toto Postado em 22/Nov/2013 às 22:03

    Para mim fazer? "Peraí"!! Para (pra) ser de esquerda é necessário falar e escrever errado? Em tempo, não consegui acessar os cem erros.

  9. Edson Postado em 23/Nov/2013 às 09:28

    Retumbante bola-fora do Pragmatismo. O Dr. Conteúdo, que até pode invocar o álibi de sua autodenominação, está bem mais alinhado com preocupações de caráter excludente (seja pelo título de doutor que ostenta, seja pela insinuação de que a aprendizagem recai, preferencialmente, sobre o "conteúdo"), que aquela preocupações que acompanho na leitura, sempre atenta, das publicações do Pragmatismo.

  10. camilo Postado em 23/Nov/2013 às 09:39

    Quando eu estudava, minha professora de português me dizia que na fala cotidiana eu poderia conversar ao meu modo, desde de que fosse compreendido por meu interlocutor. Contudo, na escrita, ela me aconselhava a tentar escrever na norma culta, pois, segundo ela, era a melhor maneira de ser compreendido, já que quando terceiros lessem, eu poderia não estar ali para eventualmente explicar qualquer dúvida que tivessem a respeito do meu texto. Daí, penso que essa é a importância de conhecer a normal padrão da língua... E hoje, com internet, está muito fácil ter acesso a esse conhecimento... Já em relação àqueles que não sabem um pouco da norma padrão, a impressão que fica é: ou lhes foram negado o conhecimento, ou há preguiça de estudar e ler. No que se refere a primeira das hipóteses, acho que deve haver maior cobrança da sociedade para uma educação de qualidade, à medida que as famílias também não fujam da responsabilidade de assumir-se como uma das partes responsáveis pela educação de seus filhos. Negar a gramática portuguesa, ao meu ver, é um obstáculo para a real democratização do conhecimento.

  11. Leandro Postado em 23/Nov/2013 às 19:48

    Haha peraí gente, falar errado agora é esquerdismo contra o elitismo de falar certo? Certos comentários vão muito longe pra exprimir contra o lógico. Falar o certo na língua portuguesa é o certo, não é porque o errado é falado 100vezes por 100 pessoas diferentes que o torna certo. Pera lá, né?

  12. Nara Postado em 24/Nov/2013 às 14:02

    Concordo em parte com alguns comentários.Realmente, diferentes níveis de uso linguístico se equivalem .Mas, o domínio da norma culta - ainda - é um instrumento de poder. Portanto, é fundamental conhecer e aplicar suas regras em circunstâncias que assim exigem, como concursos. E transgredi-las quando se desejar e for útil.