Redação Pragmatismo
Compartilhar
História 02/Oct/2013 às 14:46
2
Comentários

"Fui subornado para assumir morte de JK"

Principal testemunha do acidente que matou o ex-presidente Juscelino Kubitschek explica que foi subornado e ameaçado para assumir morte do político

Uma das principais testemunhas do acidente que matou o ex-presidente Juscelino Kubitschek, o ex-motorista Josias Nunes de Oliveira disse, na terça-feira (1º), ter sido ameaçado e subornado para assumir a morte do político, ocorrida em 1976.

Leia também

A declaração foi dada durante audiência pública da Comissão Municipal da Verdade, na Câmara dos Vereadores. “Alguns dias depois do acidente, dois caras cabeludos que se disseram repórteres foram até a minha casa e ofereceram uma grande quantia de dinheiro para que eu assumisse a culpa pela morte do Juscelino. Se eu não aceitasse, eles disseram que iriam bater em mim. Eu não aceitei o dinheiro e eles nunca mais me procuraram. Não lembro o nome deles e nem de qual veículo eram” afirmou Oliveira.

De acordo com a assessoria da Câmara Municipal, Oliveira dirigia um ônibus da Viação Cometa pela rodovia Presidente Dutra, sentido Rio de Janeiro, quando, na altura do município de Resende, o Opala em que JK estava atravessou na frente do ônibus e foi parar na pista contrária, se chocando com um caminhão. O acidente ocorreu no dia 22 de agosto de 1976. “Eu estava na faixa da esquerda e o carro de JK estava na da direita, em uma velocidade um pouco maior que a minha. De repente, tinha uma curva leve para a direita e o motorista do Juscelino continuou em linha reta. Como naquela época a Dutra não tinha guard rail, o carro atravessou sem o menor problema”, afirmou.

Durante seu depoimento, Oliveira disse que prestou socorro a JK logo após ter parado seu ônibus no acostamento. “JK não morreu logo depois da batida, ele chegou a mexer os olhos. Eu não o reconheci logo de primeira. Ele estava no banco de trás com o livro “As Mudas se Levantam” e eu só descobri que era o ex-presidente quando vi uns documentos que caíram de uma pasta”.

morte presidente jk
Presidente JK morreu em 1976 num acidente de automóvel (Arquivo)

O ex-motorista foi processado como responsável pelo acidente, mas o julgamento o inocentou. Atualmente, Oliveira mora em um asilo de Indaiatuba, interior de São Paulo, e ainda é visto como culpado pela morte de JK. “Minha vida piorou bastante. O mundo inteiro me acusou de criminoso!”.

A sessão teve a participação do vereador Gilberto Natalini (PV), presidente da Comissão da Verdade Municipal, o deputado Adriano Diogo (PT), presidente da Comissão da Verdade do Estado, e o vereador Calvo (PMDB), integrante da Comissão na Câmara.

Jornal CGN

Recomendados para você

Comentários

  1. renato Postado em 02/Oct/2013 às 16:45

    JK, morreu num acidente de carro.Persona no grata. Zé Arigo morreu num acidente de carro, persona no grata. Antigamente era assim, hoje é o câncer. Ou os FOCAS.......

  2. Eduardo Postado em 03/Oct/2013 às 12:41

    Uma eram veiculos arcaicos sem segurança nenhuma rodando em estradas terriveis (a ainda são) onde tem acidentes todos os dias (até hoje) e todos os dias morre gente inocente,mas como nesse caso se tratava de uma celebridade,os teoricos da conspiração não consideram a fatalidade e ainda destroem a vida de um cidadão comum.