Redação Pragmatismo
Compartilhar
Mulheres violadas 29/Oct/2013 às 11:18
8
Comentários

Qual o melhor lugar do mundo para ser mulher?

Apesar de avanços em redução de desigualdade de gênero, 'mudanças ainda são lentas'. Confira quais são os países mais avançados em termos de igualdade entre homens e mulheres

mulher igualdade
Brasil ocupa o 62º lugar em ranking mundial de igualdade de gênero (Reprodução)

Um estudo anual divulgado nesta sexta-feira pelo Fórum Econômico Mundial aponta que a desigualdade entre homens e mulheres diminuiu na maior parte dos países do mundo.

A pesquisa Relatório Global sobre Desigualdade de Gênero 2013, que analisou 136 países, concluiu que 86 deles apresentaram melhoras na desigualdade de gênero em relação ao ano anterior.

No entanto, as mudanças são lentas, salienta Saadia Zahidi, principal autora do relatório.

Pelo quinto ano consecutivo, a Islândia foi considerado o país mais avançado em termos de igualdade entre homens e mulheres. Em seguida vêm Finlândia, Noruega e Suécia.

Segundo Zahidi, os países nórdicos continuam sendo exemplo porque têm uma longa história de reconhecer e investir no talento individual.

Os países mais igualitários
1. Islândia
2. Finlândia
3. Noruega
4. Suécia
5. Filipinas
6. Irlanda
7. Nova Zelândia
8. Dinamarca
9. Suíça
10. Nicarágua
11. Bélgica
12. Letônia
13. Holanda
14. Alemanha
15. Cuba
(…)
23. Estados Unidos
(…)
62. Brasil

“Tratam-se de economias pequenas, com populações pequenas. Eles reconhecem que o talento importa e este talento está nos homens e nas mulheres”, afirmou Zahid.

Leia também

Liderança econômica

O Brasil ficou em 62º lugar no ranking, a mesma posição do ano passado.

Os Estados Unidos chegaram na 23ª posição.

O relatório aponta grandes avanços na redução de desigualdade em quesitos como acesso a saúde e a educação. Vinte e cinco países foram apontados como fornecedores de oportunidades igualitárias para meninos e meninas no quesito educação.

A igualdade econômica apresentou um cenário mais desfavorável, em que a diferença entre gêneros diminuiu apenas em 60%.

Tanto em países desenvolvidos quanto nos em desenvolvimento, a presença da mulher em posições de liderança na área econômica ainda é limitada.

Apesar de as mulheres tenham obtido ganhos em termos de representação política, de 2% neste ano, a brecha entre gêneros diminuiu em apenas 21%.

Ainda segundo Zahidi, desde que o Fórum Econômico Mundial começou a elaborar o relatório, há oito anos, 80% dos países fizeram progressos.

“O preocupante é que 20% dos países não avançaram ou estão regredindo”, acrescentou.

Os países do Oriente Médio e do norte da África foram as únicas regiões que não mostraram avanços no ano passado, com o Iêmen ocupando a última posição no ranking.

BBC

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. Juniperos Postado em 29/Oct/2013 às 12:12

    A mulher é tratada como gado muitas vezes pela sociedade, e o pior é que a mesma mídia que diz lutar pela igualdade, vende a mulher como produto, e também vende a fôrma: as que não couberem nela, são descartadas. Vendem tudo: como devem se vestir, falar, querer, comer, ser, possuir e gostar. E o mais assustador: muitas aplaudem isso. Temos uma coleção de belíssimas cantoras e atrizes, muitas semelhantes a bonecas de beleza dificilmente alcançável por muitos tipos de DNA. Lembro-me de certa revista (que se diz) feminina que estampava na capa uma foto da modelo Gisele, com o dizer “a moda agora é a barriga negativa”. Obviamente não vemos muitas modelos como Giseles andando pela rua, nem mesmo coleções de barrigas negativas, mas a patológica busca pela perfeição ditada por revistas como essa, esta na cabeça de muitas. Mas como não estaria? Cantores de axé, samba, pagode, sertanejo e até funk, não querem nem saber de nada fora do escultural nos seus palcos: pois encantar pela musica não basta: instigar a inveja é mais importante, mesmo que seja das dançarinas. Como contrariar esses padrões se muitas das próprias mulheres que se dizem feministas e cheias de autoestima e estilo próprio, no intimo querem apenas ser mais um troféu escultural de algum “cobiçado” por ai? Este país poderia ser o mais respeitoso com as mulheres e elas poderiam viver aqui com mais igualdade, mas falta coragem para renegar as mulherzinhas vendidas nas novelas e círculos de fofoca. Antes que sair com uma bandeira na mão, eu pergunto àquelas que buscam por sua igualdade: Você sabe realmente se amar? Quem ama protege!

    • Lucia Postado em 13/Nov/2013 às 17:18

      (Y) apoiado!

  2. José Ferreira Postado em 29/Oct/2013 às 13:06

    A Nicarágua apresenta a maior igualdade entre gêneros, lá a maioria dos homens é tão miserável quanto a maioria das mulheres. Mas é notório e real que no Brasil ainda vemos a desigualdade entre os gêneros.

  3. Carla Postado em 29/Oct/2013 às 16:43

    Ótimo comentário, Juniperos. clap, clap, clap...

  4. Rafael Teodoro Postado em 30/Oct/2013 às 08:45

    No Oriente médio, a mulher, por questões islãmicas é tratada como brinquedo. Inúteis e descartáveis, nem dirigir podem; condenadas a passar todo o tempo coberta por aquelas burcas, no sol escaldante. Ou seja, tratadas como verdadeiros lixos, lamentável isso, mais lamentável ainda é que o islã tem mais poder que os estados. No Brasil, já se vê uma mudança nessa desigualdade muitas mulheres em posições altíssimas na sociedade vide Dilma Rousseff, mas ainda tem muito o que melhorar.

  5. Thiago Teixeira Postado em 30/Oct/2013 às 12:50

    Os países nórdicos são sempre perfeitos ...

    • Arthur Postado em 30/Oct/2013 às 13:20

      Mas mesmo assim Suécia e Noruega ainda registram grandes índices de estupro.

  6. Carolina Postado em 31/Oct/2013 às 20:23

    Assistam no YT o "O Paradoxo da Igualdade"