Redação Pragmatismo
Compartilhar
Saúde 17/Oct/2013 às 16:31
30
Comentários

Médicos em ofensiva contra Dilma: "conseguimos decidir 40 milhões de votos"

Entidades médicas prometem ofensiva contra Dilma e garantem que conseguem influenciar 40 milhões de votos nas eleições de 2014

médicos contra dilma
Médicos prometem campanha contra Dilma e afirmam que garantem “40 milhões de votos” (Reprodução)

Revoltados com as novas medidas anunciadas pelo governo federal na área da Saúde, os médicos prometem uma ofensiva contra a reeleição da presidente Dilma Rousseff na eleição de 2014. Rompidas com o governo, as entidades de classe estão insatisfeitas principalmente com a aprovação, na Câmara dos Deputados, da medida provisória que cria o programa Mais Médicos. O texto retira dos Conselhos Regionais de Medicina, ainda, o papel de conceder o registro profissional para os médicos que trabalham no Brasil.

Leia também:
Médicas patricinhas envergonham o Brasil

Essas associações também defenderam os protestos ocorridos em diversos locais do País contra a contratação de médicos estrangeiros para trabalhar em regiões longínquas, onde há falta de profissionais. Agora, a ofensiva será focada na influência que os médicos têm sobre os pacientes, especialmente em locais menos favorecidos. A intenção é, num discurso indireto, fazer com que a população que frequenta os hospitais ou postos de saúde desses médicos não votem na presidente Dilma Rousseff no ano que vem.

O discurso é feito às claras. “Um número muito grande de médicos que nunca se envolveu em eleições está determinado a se envolver, mas influenciando, não se candidatando. É muito comum os pacientes perguntarem para a gente, em período eleitoral, em quem vamos votar, principalmente nas regiões menos favorecidas. Há um movimento grande da classe médica para participar da política dessa forma. Não é o candidato A ou B, o sentimento é escolher um candidato que, certamente, não será a presidente Dilma”, diz o presidente da Associação Médica Brasileira (AMB), Floriano Cardoso, segundo reportagem do jornal O Globo.

Leia também

No cálculo do presidente da Federação Nacional dos Médicos, Geraldo Ferreira Filho, se mobilizada, a classe médica consegue decidir 40 milhões de votos em 2014, com base no fato de que cada profissional influencia cerca de cem pessoas – pacientes e seus familiares. Em sua avaliação, hoje, 90% dos médicos são oposição ao governo. “A classe médica sente que está sendo tratada de forma errada pelo governo, com reivindicações desconsideradas”, diz. Em São Paulo, onde o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, será candidato ao governo, haverá campanha massiva diretamente contra ele.

Padilha lamenta arrogância

Em resposta sobre as ações do que considera ser “grupos isolados” da classe médica, o ministro da Saúde escreveu um email pelo qual lamenta a “truculência e a arrogância” dos profissionais “que se posicionam contra o programa”. O petista lamenta ainda a “atitude do presidente de uma entidade médica de fazer esse movimento após o debate do Mais Médicos, que foi pedido por prefeitos de todos os partidos, inclusive do PSDB”. Padilha finaliza escrevendo: “Sou médico, tenho orgulho da minha profissão, mas estou ministro da Saúde e tenho de agir com foco nas necessidades da população brasileira”.

Em entrevista ao jornal Brasil Econômico nesta segunda-feira 14, Alexandre Padilha declarou que torce para que o programa não seja usado como tema eleitoral. “Foi um esforço de todos os prefeitos, de todos os partidos. Ele só se transforma em um tema eleitoral se a oposição cometer o erro de atacar esse programa. Será um erro duplo porque vai atacar um programa que é uma necessidade para o país e que foi solicitado por prefeitos também da oposição”, afirma.

Aprovação

A ofensiva por parte dos médicos, no entanto, é contra uma população que aprova a iniciativa do governo de contratar mais profissionais, brasileiros e de outros países. De acordo com uma pesquisa Datafolha divulgada em 12 de agosto, 54% dos entrevistados são favoráveis ao Mais Médicos. A mesma pesquisa, realizada em junho, havia registrado índice de aprovação de 47%. Ao mesmo tempo, a rejeição ao programa diminuiu, de 48% em junho para 40% em agosto. A maioria das pessoas que aprova a contratação de mais médicos em regiões onde há falta de profissionais é do Nordeste, um dos locais onde há mais déficit.

Brasil 247

Recomendados para você

Comentários

  1. Maurom Postado em 17/Oct/2013 às 18:07

    Tinha um cartaz qie dizia, não faltam médicos, falta vergonha, é verdade, vergonha na cara destes bando de coxinhas que querem distância do povo pobre!

    • Tommm Postado em 17/Oct/2013 às 23:15

      Diz um ditado que no Brasil advogados acham que são deuses, médicos tem certeza...vão quebrar a cara, a Dilma vai ser reeleita.....

  2. Pedro Freitas Postado em 17/Oct/2013 às 18:14

    A Elite Branca se revolta. Viva la revolución!!! Opa, quer dizer: Long Life to the revolution!!! (se não via que eles me atacam também)

  3. Ezequiel Postado em 17/Oct/2013 às 18:28

    "Não faltam médicos, falta vergonha na cara". Me desarticulou completamente, agora estou sem argumentos! :(

  4. Carlos Postado em 17/Oct/2013 às 18:35

    40 milhões de voto..kkkk .. alem de preguiçosos, arrogantes... são mentirosos!

  5. Mário Postado em 17/Oct/2013 às 18:44

    Não vão influenciar ninguém, "cocotinhas", respeitem os que vem de longe cuidar dos nossos doentes, que deixam suas famílias em seu pais natal, e vem para o fim do mundo cuidar dos nossos mais necessitados enfermos, longe dos grandes centros e dos shopping centers.

  6. Thiago Teixeira Postado em 17/Oct/2013 às 18:58

    Minoria com complexo de maioria.

    • pedro amarildo vieira Postado em 17/Oct/2013 às 19:27

      A saúde no Brasil,precisa ser tratada com atenção e mais responsabilidade.Tem de parar de ser uma área que serve apenas, de joguete para a politicagem.A saúde brasileira necessita de Investimento de no mínimo 10% do PIB. Estaria mais do que na hora dos brasileiros terem o direito a um plano de saúde único,amplo e que assegure a saúde como um todo.(saúde,odontologia,auxilio morte),precisa de uma previdência única. Todos precisam pagar a previdência e tem de tirar todas as regalias,que existem para privilegiados,que nunca contribuíram,mas que se beneficiam há anos politicamente,de aposentadorias imerecidas,até cargos e salários incompatíveis.

      • Pedro Postado em 18/Oct/2013 às 17:00

        Meu caro, dinheiro ( ou a falta dele ) não é o problema da saúde no Brasil. O que precisa ser feito é um trabalho muito forte e de base, para que as pessoas possam se apossar do poder que tem em mãos ( isso enquanto comunidade) pois em vários conselhos sobre saúde nos mais diversos municípios desse nosso Brasil, os delegados que representam a população já estão comprados, para tomar decisões a favor da SAÚDE PRIVADA. E com relação ao PIB, essa verba chega sim, e não é pouca não, o problema esta nos gestores medíocres que estão lá apenas para favorecer a mercantilização da saúde .

    • pedro amarildo vieira Postado em 17/Oct/2013 às 19:28

      Os planos de Saúde particulares,deveriam apenas serem complementos da Previdência e não substitutos.Todos que pagam planos de saúde particulares,pagam a previdência e está não dá assistência adequada.Tem de mudar isso.

    • pedro amarildo vieira Postado em 17/Oct/2013 às 19:29

      Padilha deveria, lamentar profundamente, a própria arrogância,pois esquece que os politicos não tem de reivindicar, nada da área,da qual não são especialistas e não tem o entendimento necessário.E além disso, o juízo recomenda, que tivessem ao menos ouvido os médicos e os profissionais da área da saúde. Percebe-se facilmente que pouco ouviram,até mesmo a própria população.Se o ministro tem tanto orgulho assim de ser médico,estaria exercendo a profissão e não teria virado um politiqueiro de tão baixo nível. O foco das reais necessidades, da população brasileira,quem tem de identifica-los é a própria população, via REFERENDOS e não um ministro que nem médico há muito tempo já não é.

  7. Carlos Augusto Postado em 17/Oct/2013 às 18:59

    Como eles vão influenciar o eleitorado mais pobre? Eles tem nojo de pobre.

  8. João da Silva Postado em 17/Oct/2013 às 19:17

    40 milhões? Só se for 40 milhos grandes hahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahaha

  9. Helena/S.André (SP) Postado em 17/Oct/2013 às 19:30

    Quanta pretensão desses médicos.... Vão ser "humildes" desse jeito em Marte.

  10. renato Postado em 17/Oct/2013 às 20:37

    Como o meu Presidente disse, vamos devagar, analisar, passar mensagens construtivas, ir uma vez no médico ao ano para fazer exame de prostáta, e as mulheres o preventivo. Vamos cuidar da saúde. Por que médicos tem, isto é uma verdade...no Mundo esta cheio de Médicos e alguns loucos para virem morar no Brasil. E não são Cubanos... Estes Médicos pensam que do POVO, não nasce médicos? Em que planeta estão.

  11. Eduardo Postado em 17/Oct/2013 às 20:39

    40.000.000 é o que devem ser os que não tem médicos, por estes estarem em passeatas ao invés de cumprindo o juramento que fizeram quando formaram. Acho que faculdade de medicina tem alguma matéria que é de economia pois o que mais sobrasai nesta categoria é o interesse em dinheiro.

  12. renato Postado em 17/Oct/2013 às 20:42

    Eles estão dizendo que detém 40 milhões de vidas nas mãos. É isto que estão dizendo... Se é isto, será que não estão usando esta população como cobaias para remédios e procedimentos. Não acredito, e se eu ouvir um só médico falar de politica para mim. Vai escutar baboseiras. Porque tenho a certeza absoluta, que estes médicos são aqueles que trabalham em sindicatos médicos, que não atendem mais...

  13. daniel Postado em 17/Oct/2013 às 21:16

    se depender da influência dos médicos sobre seus pacientes em locais menos favorecidos, não elegem nem um vereador porque "nos locais menos favorecidos" quase não há médicos.

  14. Carlos Postado em 17/Oct/2013 às 21:24

    Bacana seria o governo propor uma modernização no sistema de ensino de medicina e se adequar ao que acontece no "primeiro mundo": graduado não chega perto de paciente, apenas outras funções. Só com doutorado que poderia exercer a profissão de médico. É até por isso que chamam médico de doutor, pois lá fora só medica com doutorado. Aqui o cara mal sai da graduação já nos quer meter um bisturi(e agora algo mais) e ser chamado de doutor.

  15. daniel Postado em 17/Oct/2013 às 21:24

    o lamentável é que é por birra, por perda de status, não ideologia política, não por compromisso com quem depende deles, pela mexida em seus nos brios, por terem sua ferida mexida, tendo que descer do pedestal, porque " não são tudo aquilo" . É claro que não é toda a classe médica que se enquadra nesta categoria, creio até que muitos dos que trabalham em locais menos favorecidos torcem pelo programa mais médicos e contra os almofadinhas de capitais e litoral.

  16. celio Postado em 17/Oct/2013 às 21:45

    Esse são o profissionais formados com dinheiro publico, que agora viram as costa pra população. tolos! acham que o povo e idiota. se esqueceu que milhares de miseráveis, sairão da pobreza graças as politicas do governo que iram combater! viva DILMA!!!

  17. heavie67 Postado em 17/Oct/2013 às 23:22

    Nazi-burgueses...

  18. R_MORTIMER Postado em 17/Oct/2013 às 23:38

    Para fazer uma afirmação dessa, só pode ser por inocência com mania de grandeza! Mafiosos de branco, vocês perderam! Esses 40 milhões de votos estão 'superfaturados', Com certeza seus clientes, que podem pagar suas consultas, não precisam ser influenciados por vocês. Eles também fazem parte dessa mesma classe que não aceita que um metalúrgico e uma ex-guerrilheira façam o melhor governo do Brasil! Só para lembrar: Dilma, na última pesquisa em outubro/13 ganharia no 1º turno. Chupa branquelos!

  19. Elize Postado em 17/Oct/2013 às 23:49

    Acredito que tenham mesmo 40 milhões de votos, que NUNCA foram do PT, e nunca serão de qualquer partido de esquerda. Elitezinha sem vergonha.

  20. LUIZ Postado em 18/Oct/2013 às 00:27

    Acho que o governo tem que investir e ampliar vagas em mais Universidade e Faculdade publica com curso em Medicina, e não trazer médicos de fora! Investe aqui pora... toma vergonha na cara.

  21. Lourdes Amorim Postado em 18/Oct/2013 às 09:11

    É uma vergonha para a classe médica o que eles dizem: " É muito comum os pacientes perguntarem para a gente, em período eleitoral, em quem vamos votar, principalmente nas regiões menos favorecidas. Há um movimento grande da classe médica para participar da política dessa forma. Não é o candidato A ou B, o sentimento é escolher um candidato que, certamente, não será a presidente Dilma”. Isso é uma mentira vergonhosa, pois com certeza eles não têm influência no voto do povo menos favorecido. Quem tinha influência direta eram os patrões, de empregados(as) domésticos(as) por exemplo, que convivem intensamente com essas pessoas. E tem outra coisa: na minha região os médicos são antipatizados, por serem arrogantes e tratarem as pessoas como bichos. Na minha cidade, volta e meia a polícia precisa interferir ou é preciso ordem judicial para conseguir um atendimento.

  22. Régis 3 Postado em 18/Oct/2013 às 09:34

    Chantagem é o remédio de quem mesmo?

  23. leonardo Postado em 18/Oct/2013 às 16:44

    pra que usar jaleco pra protestar? médico tem uma mania de querer estampar sua classe usando esse jaleco, mas pqp, isso aí é falta de higiene e descompromisso com a profissão

  24. Victoria Postado em 18/Oct/2013 às 23:36

    Se eles estão mesmo fazendo isso partindo do pressuposto que os "Guerrilheiros Comunistas" vieram "treinar" a população pobre para fazer uma revolução, eles são, no mínimo, ignorantes...

  25. Alexandre Lopes Postado em 19/Oct/2013 às 16:02

    Corporativismo abjeto. Essa elite preconceituosa , ignorante e mimada deveria morar , um tempinho , num lugar bem isolado e ficar sem plano de saúde , para que , assim , percebessem as dificuldades pelas quais passa a população pobre e sofrida destes " cantões " do Brasil