Redação Pragmatismo
Compartilhar
Barbárie 31/Oct/2013 às 15:38
6
Comentários

Mãe é presa por vender virgindade de 12 filhas

Adolescente grávida denuncia mãe por vender virgindade das irmãs. Homens de alto poder aquisitivo compravam virgindade das meninas por menos de R$ 500 assim que elas completavam 12 anos

menor grávida virgindade filhas
Adolescente grávida denuncia mãe por vender virgindade das filhas (Reprodução)

A polícia colombiana prendeu na última semana uma mulher identificada como Margarita Zapata Moreno, acusada de vender a virgindade de 12 filhas, a partir de denúncias por uma das menores que ficou grávida.

A mulher, de 45 anos, foi detida em um bairro ao sul de Bogotá junto com um homem chamado de Tito Cornelio Daza, de 51 anos, o pai biológico do bebê da jovem que denunciou os abusos aos quais era submetida.

De acordo com as investigações realizadas pela Polícia Judicial por mais de um ano, quando as filhas de Margarita completavam 12 anos, a mãe vendia a virgindade delas por até 400 mil pesos (cerca de R$ 437).

Leia também

“Dói ver uma mãe fazendo isso”, declarou o comandante da operação da polícia de Bogotá, coronel Carlos Meléndez, assegurando que a menor que denunciou os abusos contou ainda que 11 de suas irmãs, atualmente maiores de idade, também foram vítimas desta prostituição forçada.

Segundo o coronel, a mãe das meninas entrava em contato com homens de alto poder aquisitivo para que mantivessem relações sexuais com as menores quando elas completavam 12 anos.

O chefe policial destacou que a adolescente que alertou sobre o ocorrido, “sendo menor de idade, teve muita coragem para denunciar” os abusos, e elogiou a jovem por ter evitado o aborto do bebê produto do estupro.

“A partir disso, foi iniciado todo o trabalho de investigação que descobriu que havia, inclusive, ameaças da própria mãe e do senhor Tito Cornelio”, acrescentou.

As autoridades fizeram um apelo às outras filhas de Margarita Zapata para que denunciem, pois aparentemente todas foram vítimas de abuso e, segundo a polícia, algumas delas acabaram por entrar no mundo das drogas e da prostituição.

A mulher, que negou as acusações no momento de sua prisão, deverá permanecer na penitenciária feminina El Buen Pastor de Bogotá, enquanto Tito Cornelio Daza ficará no Presídio Modelo, ambos sob a acusação de ato sexual abusivo com menores de 14 anos e indução à prostituição.

Além das 12 filhas, Margarita tem também um menino de 11 anos e uma menina de nove, que foram acolhidos pela assistência social. A menor que denunciou o caso, atualmente com 16 anos, recebe apoio psicológico do Instituto Colombiano de Bem Estar Familiar (ICBF).

Agência EFE

Recomendados para você

Comentários

  1. renato Postado em 31/Oct/2013 às 15:51

    Onde estão os que pagavam!! De alto poder, não vão presos nem lá nem cá!

  2. Thiago Teixeira Postado em 31/Oct/2013 às 19:22

    É mentira isso ...

  3. Alessandra Postado em 01/Nov/2013 às 07:35

    A menina fez a denúncia daquele que a violentou e de sua mãe. Por isso, a polícia necessita que as outras denunciem.

  4. Jaqueline Postado em 01/Nov/2013 às 16:50

    Elogiar porque não abortou???? Que isso???? Vai ter que conviver com a criança fruto do estupro???

    • Carlos Postado em 03/Nov/2013 às 11:50

      Ou conviver com o fato de ter matado a criança. A criança nascida do estupro não tem culpa pelo ato. Claro que para uma criança de 12 anos, ainda mais nestas condições, um filho será muito custoso. Mas é de grande coragem e sensatez questionar este dogma de que o filho de um estuprador merece morrer e que a dor de matar uma criança num momento de instabilidade emocional será menor do que conviver com a criança.

  5. Adalberto Postado em 04/Nov/2013 às 19:11

    Eu pensava que esse tipo de coisa só acontecia no Camboja (Ásia), onde é um costume quase cultural, as mães alugarem suas crianças pras máfias da pedofila e com isso "diminuirem a pobreza". Recomento o filme Tráfico de Inocentes, baseado em fatos reais.