Redação Pragmatismo
Compartilhar
América Latina 01/Oct/2013 às 09:26
3
Comentários

Maduro expulsa da Venezuela três diplomatas dos EUA

Maduro ordena expulsão imediata de três diplomatas norte-americanos da Venezuela. Motivos para expulsão são financiamento da “extrema direita” no país e planos de “sabotagem elétrica”

nicolás maduro eua
Maduro ordena expulsão imediata de três diplomatas norte-americanos da Venezuela (AP)

O presidente Nicolás Maduro anunciou, nesta segunda-feira (30/09), a expulsão imediata de três diplomatas norte-americanos do território venezuelano, por suposta implicação com o financiamento da “extrema direita” no país e em planos de “sabotagem elétrica”.

“Os funcionários têm 48 horas para sair do país. Fora da Venezuela, ‘yankees go home’. Já basta de abusos contra a dignidade da pátria”, disse Maduro, durante um ato militar no estado venezuelano de Falcón. “Disse ao chanceler Elías Jaua que proceda de imediato a expulsá-los do país”, afirmou.

O presidente venezuelano afirmou não se preocupar por possíveis ações de represália do governo norte-americano após a medida. “Não vamos permitir que um governo imperial venha trazer dinheiro e ver como param as empresas básicas, como cortam a eletricidade para parar toda a Venezuela, o que é isso?”, questionou.

Leia também

Segundo Maduro, o governo venezuelano detectou, após um “acompanhamento de vários meses”, que um grupo de funcionários da embaixada dos EUA no país estaria se reunindo com setores da “extrema direita” para financiá-los e incentivá-los a ações para sabotar o sistema elétrico e a economia venezuelana.

“Tenho as provas aqui em minhas mãos”, disse o chefe de Estado, levantando papéis durante o discurso transmitido pela TV estatal, mas sem explicar no que consistem as provas. “Senhores gringos imperialistas (…) jamais nos ajoelharemos frente a seus interesses e não temos medo de vocês”, expressou após o anúncio.

Durante o ato, Maduro também anunciou a criação de um Centro Estratégico de Segurança e Proteção da Pátria. Segundo ele, o organismo servirá para “elevar a capacidade de detectar e derrotar qualquer plano contra o país, antes que este nasça”.

Os diplomatas acusados pelo presidente venezuelano de atuar de forma “hostil, ilegal e intervencionista” são Kelly Keirderling, Elizabeth Hussmann e David Mouts. A expulsão de Keirderling, atual encarregada de negócios dos EUA em Caracas, pode ser respondida na mesma medida por Washignton, com a expulsão de Calixto Ortega, atual encarregado de negócios da Venezuela em território norte-americano.

Em março, horas antes de comunicar a morte do então presidente Hugo Chávez, Maduro anunciou a expulsão do adido militar norte-americano David Del Mónaco do país. Acusado de “atividades ilegais”, o agente estaria envolvido em conspirações de caráter militar para “orquestrar um golpe”, segundo o governo.

Na ocasião, Maduro, que atuava como vice-presidente, já havia dito ter “informações precisas” de setores que “tentam influir e gerar cada vez mais perturbações no sistema elétrico venezuelano”. Meses depois, no início de setembro, um apagão deixou mais da metade dos estados venezuelanos sem luz. Apesar de as investigações não terem sido concluídas, Maduro fala em “sabotagem elétrica”.

Opera Mundi

Recomendados para você

Comentários

  1. Adalberto Postado em 07/Oct/2013 às 17:44

    Se essa moda pega, nao fica um embaixador fora dos EUA. Te cuida America Latina...

  2. Adalberto Postado em 07/Oct/2013 às 17:47

    Sera que os apagoes daqui nao seriam fruto de sabotagem?

  3. Lisneide Costa Postado em 16/Oct/2013 às 12:54

    Enquanto o governo por aqui, me desculpem o termo, "abre as pernas" para os EUA, são extremamente coniventes e ainda atuam em desfavor da nação, lá eles detectaram em tão pouco tempo e com tamanha propriedade fizeram valer a sua soberania, como pátria independente, é esse o exemplo que tem de ser seguido, já passou do tempo de mandar o dito "sonho americano" às favas.