Redação Pragmatismo
Compartilhar
Homofobia 18/Sep/2013 às 21:32
56
Comentários

Transexual de 21 anos comete suicídio e reacende debate sobre discriminação

Jovem desabafou dias e horas antes de cometer o suicídio: “Quando pensamos em suicídio, não queremos acabar com a vida, mas com a dor que ela nos faz passar”

gabriela trans suicídio
Aos 21, trans Gabriela Monelli comete suicídio e reacende debate da transfobia no Brasil (Foto: Divulgação)

Gabriela Alvim, da Secretaria de Mulheres da Juventude BH

Pense em uma pessoa trans*. Pensou? Você se lembra de ter convivido com, no mínimo, uma, seja na universidade, no seu local de trabalho, no banco ou mesmo na padaria, realizando atividades cotidianas, as quais você julga normais? Ou você imediatamente as imaginou em uma esquina se prostituindo, num show de TV sendo alvo de piadas ou em um salão de beleza? Infelizmente, estas atividades citadas são a realidade de muitas pessoas trans*.

Toda a sua exclusão começa ao se assumirem socialmente como trans*. Primeiro, na família que, em diversos casos, as expulsa de seu convívio. Passam então a enfrentar uma situação totalmente adversa no ambiente escolar, em que nem o seu nome, seu gênero e a sua segurança são respeitadas por quem deveria lhe assegurar a permanência escolar (o Estado), culminando em sua expulsão e a não conclusão de seus estudos. Consequentemente a isto, ficam inaptas aos estudos universitários e sem a qualificação exigida para a inserção no mercado de trabalho. Mas este não é o único motivo pelo qual elas são marginalizadas. Mesmo as pessoas trans* que vencem estas barreiras não são aceitas em empregos formais, pois são vítimas de transfobia dos empregadores que preferem mantê-las na exclusão social e às noites de prostituição.

Leia também

Discriminação fatal

Disso, a jovem Gabriela Monelli sabia muito bem. Desde seus 15 anos (até os 21) garantiu a subsistência vendendo o seu corpo. Gabriela era militante nas redes sociais e sempre relatava em seu blog a discriminação da sociedade transfóbica e a sua exigência cisnormativa. Segundo amigos, o que mais a entristecia era a não aceitação, a violência que sofria como prostituta e a impossibilidade de entrar no mercado formal de trabalho. Gabriela possuía sonhos e lutou muito para vencer a opressão. Desabafou em seu blog que, apesar da violência e da humilhação, ela não iria desistir. Porém, a opressão e a falta de perspectiva acabaram roubando dela a vontade de dar a batalha contra tudo e todos a todo o momento. No dia 9 de setembro, poucos dias depois de conversar com os seus amigos e seu namorado sobre o quão deprimida estava, cometeu suicídio.

Gabriela é mais de uma de muitas vítimas da sociedade capitalista que discrimina e mata pessoas trans*. Segundo o Grupo Gay da Bahia, só em 2012 foram registrados 127 assassinatos de transexuais. Desde que nascemos somos condicionados a pensar que as únicas identidades de gênero possíveis são aquelas que correspondem ao seguinte esquema: pênis = homem e vagina = mulher. Qualquer um que transgrida a essa norma (cisnormatividade) é discriminado e desumanizado socialmente e institucionalmente.

Não à transfobia

O governo Dilma pouco avançou no combate à transfobia. Os setores conservadores tem amplo espaço para disseminar discursos de ódio, a exemplo do deputado Marco Feliciano (PSC-SP). A violência e assassinatos às pessoas trans* só aumentam a cada dia. Não há políticas públicas para o acesso delas na universidade e no trabalho. O acesso à assistência endocrinológica, médica e psicológica, além de compulsória (na perspectiva de que as pessoas trans* são doentes mentais) é restrita à burocratização, já tão intrínseca do nosso sistema público de saúde. Além disso, é submetida à (in) capacidade das supostas equipes multidisciplinares que regram as vidas das pessoas trans* a partir de perspectivas médicas tacanhas e centradas na hétero e cisnormativadade.

O que deveria ser parte de um processo que auxiliasse esta população marginalizada em sua saúde, acaba por ser uma agressão psicológica (além de crime) restringente ao exercício de uma cidadania plena, dado que a autorização judicial para a retificação dos documentos oficiais só é concebida judicialmente mediante a aprovação desta equipe médica multidisciplinar no seu privilégio de diagnosticar a vida das pessoas trans*.

Ou seja, as pessoas trans* não têm direito ao próprio corpo e nem à autopercepção se esta não for atestada por quem não faz a mínima ideia do que é ser trans*. Onde será que já vimos esta restrição à autonomia dos corpos? O Estatuto do Nascituro e a criminalização do aborto estão aí como prova de que as pessoas trans* não sofrem de uma opressão isolada, mas que é compartilhada pelas nossas companheiras mulheres cis quando o Estado se outorga o direito a limitar suas liberdades.

Para mudar essa realidade, é preciso muita organização e de união das pessoas trans* e cis para o combate à transfobia. Pautas como a despatologização das identidades trans*, direito à livre expressão da liberdade de gênero, tanto socialmente quanto nos documentos de identificação, e do combate à transfobia, precisam ser levadas às ruas. Não pode ser que deixemos que casos como o de Gabriela continuem a se repetir e a serem invisibilizados.

Nota: O termo “trans*” se refere à Transexual: A condição do indivíduo que possui uma identidade de gênero diferente da designada ao nascimento, tendo o desejo de viver e ser aceito como sendo do sexo oposto.

publicado no sítio do PSTU

Recomendados para você

Comentários

  1. ana ver Postado em 18/Sep/2013 às 21:55

    "Gabriela é mais de uma de muitas vítimas da sociedade capitalista que discrimina e mata pessoas trans" Alguém pode desenhar para mim (pois há horas que estou matutando e não consigo descobrir) qual a relação entre essa fatalidade e o capitalismo? como exatamente o capitalismo induziu a isso?

    • Gabriela Postado em 01/Nov/2015 às 17:51

      Penso a mesma coisa

    • Carlos Postado em 08/Jan/2016 às 13:42

      "A impossibilidade de entrar no mercado formal de trabalho". Entendeu agora? Provavelmente a discriminação ocorra em outros sistemas/sociedades mas por motivos diversos. No caso, a referência ao capitalismo é esse, ok?

      • Fernando Brito Postado em 13/Jan/2016 às 17:03

        Mas é uma referência errada. O autor se contradiz dizendo no início do texto para imaginarmos pessoas trans num salão de beleza. O capitalismo não tem nada a ver com a incapacidade dessa pessoa em suportar as terríveis provações pelas quais passou. Não se esqueça que na Russia onde passou 70 anos de doutrina comunista acirrada, a sociedade proibe até que se fale no assunto,quanto mais reconhecer a transexualidade.

    • Carlos Postado em 08/Jan/2016 às 13:42

      "A impossibilidade de entrar no mercado formal de trabalho". Entendeu agora? Provavelmente a discriminação ocorra em outros sistemas/sociedades mas por motivos diversos. No caso, a referência ao capitalismo é esse, ok?

  2. Fernando Carrara Postado em 18/Sep/2013 às 22:44

    Era minha amiga... tinha uma força de vontade de viver igual a todos... num tinha tempo ruim.....foi uma pena ela não ter aguentado a sociedade.

    • Ginro Postado em 19/Sep/2013 às 01:08

      Sinto mt mesmo pela sua perda. Ela era alguém realmente muito bonita pelas fotos. Devemos todos lutar pelos direito de ser e existir de todos, não importando sexualidade, identidade de gênero, gênero ou religião e não permitir q qualquer um infrinja ou ataque esses direitos.

      • José Ferreira Postado em 19/Sep/2013 às 16:21

        Ela não, ele. Você acha ele bonito pelas fotos... Entretanto, apesar dessa pessoa ser do jeito que é, a notícia do suicídio me balançou. Infelizmente não existe cura para esse tipo de situação, assim como não tem cura para a Sindrome de Down e para outros tipos de desfunções genéticas que todos estamos sujeitos a ter, ou nossos descendentes...

      • James Leer Postado em 19/Sep/2013 às 18:54

        José Ferreira, são pessoas preconceituosas e mal informadas como você que são as responsáveis para as coisas estarem do jeito que estão para pessoas como a Gabriela (sim, Gabriela... quer você queira, quer não).

      • Ana Clara Postado em 20/Sep/2013 às 08:44

        José Ferreira, essa notícia te abalou, é? Pois saiba que foram pessoas como você, que sequer tiveram o respeito de reconhecer a identidade dela como ela queria que fosse reconhecida ("ela não, ele"), que a mataram. Pessoas sem coração e empatia. Pessoas preconceituosas e egoístas. Foram vocês.

      • Alex Postado em 25/Sep/2013 às 22:40

        Travestis e transexuais devem ser tratados no feminino: ELA(correto) ELE(errado)

      • Victoria Sobrinho Postado em 24/May/2014 às 23:28

        -Sinto muitissimo pela sua perda,ela parecia ser uma ótima pessoa, É triste que pessoas como ela ( e eu) tenham que agir de forma tão extrema...

    • Fernanda Vasconcelos Postado em 19/Sep/2013 às 08:47

      Sinto muito pela sua dor e perda!! É realmente muito triste o que aconteceu e mais triste ainda por saber que esse não será o último caso.. culpa dessa "pseudo-sociedade humanizada" que vivemos, que chega a dar asco!!! Enquanto os "seres humanos" não pararem para cuidar apenas da sua própria vida e aprender a respeitar a escolha do outro, casos como esse farão parte do nosso cotidiano. Fernando, forças!!!

    • camilla de Oliveira Postado em 19/Sep/2013 às 13:50

      O que acho pior de tudo, e voces que pagam impostos aceitarem que uma novela das 21 hs em uma época que poderia estar educando, está humilhando o tempo todo uma minoria o (Felix que representa o homossexual).Não entendo como o autor sendo homo, escreva tantas idiotices que não acrescenta nada, só ajuda as crianças ridicularizar o menino homossexual.

    • Eduardo Postado em 19/Sep/2013 às 15:35

      Sinto muito, vontade de viver ela não tinha, senão não teria cometido esta besteira. A opção sexual não pode e nem deve ser razão para discriminação, assim como a cor da pele, religião, opção por um time de futebol, ou seja a individualidade tem que ser respeitada por todos senão cada dia mais teremos estas tragédias. Deus se apiede da alma dela.

      • André Lucena Postado em 19/Sep/2013 às 18:33

        voce fala da falta de vontade de viver dela mas não passou pelo mesmo que ela passou. talvez tu não tivesse suportado metade do que ela suportou ou até mesmo nem expressado os teus sentimentos. Na minha opnião ela, com certeza, era uma pessoa de extrema coragem e vontade de viver que suportou tanta discriminação durante 6 anos sofrendo o que sofreu. Deus com certeza irá recebe-la de braços abertos.

      • Diana Postado em 20/Sep/2013 às 09:57

        Eduardo. Bom Dia. Sinto muito também, em cada linha vejo uma contradição, um erro e uma ignorância travestida de falso moralismo. Primeiro: Opção sexual nao existe. Se ela pudesse optar, jamais, nunca teria sido uma transexual. As pessoas são negras porque escolhem? Pq seria diferentes com os travestis? Sugestão de filme:" a pele que habito", voce vai entender que não é opção. Concordo que a individualidade deva ser respeitada também. Gostei do termo que voce usou, pq vc disse respeitada. Algumas pessoas dizem "tolerar", como se eu tivesse que suportar a pessoa a todo custo. Vc foi feliz em usar "respeito". Sim, Deus tenha piedade dessa alma e, como Ele é todo amor, Ele concerteza terá.

      • Syllas Postado em 17/May/2014 às 11:29

        Eduardo, concordo com vc em quase tudo. Mas, pra mim não existe opção sexual, ou vc nasce homem ou mulher. Ser homem implica em ter hormônios diferentes, órgão sexual diferente, instintos diferentes. O indivíduo é essencialmente é diferente. Não existe escolha pra isso, no máximo que se pode escolher é se vestir como mulher, e TENTAR se convencer de ser mulher, mas isso não o transforma em mulher, ou seja: escolha sexual é impossível. Essas pessoas precisam ser tratadas pra que se aceitem como homens, escolher agir como mulheres não os transforma em mulheres, e sinto muito que alguns insistam em dar a eles essa falsa esperança, ao invés de propor um tratamento. Veja, alguns dizem ser "ESCOLHA sexual", e isso não pode ser comparado a síndrome de Down, pois ninguém escolhe ter ou deixar de ter down. A natureza o fez homem e ele está rejeitando a si mesmo. Nunca vi um limão tentando ser laranja porque a laranja é mais doce. O limão se aceita, com todas as vantagens de ser azedo.

    • Isabelle Postado em 20/Sep/2013 às 16:21

      Querido Fernando, Meus sentimentos por sua amiga. Eu penso que : O dia que "as pessoas" deixarem de ser covardes ou pararem de tomar conta da vida uma das outras, seremos um pouco mais tolerantes e felizes. cada um com sua escolha.

    • Soraia Postado em 20/Sep/2013 às 19:54

      Meus sentimentos. =| É muito ruim perder as pessoas assim. Perdi uma grande amiga que se suicidou também. O pior e ver que ainda vem gente comentar que tem que chamar de ELE e não de ELA. No mínimo é alguém que acha que gênero se define pela genitália. Muita força. <3

    • Syllas Postado em 17/May/2014 às 11:13

      A questão não é "aguentar a sociedade", e sim não aguentar a si mesmo. Precisamos perceber que o maior preconceito ou fobia acontece no íntimo do ser, quando essa pessoa rejeitou a si mesmo como homem. Se de um lado ele teve o direito de rejeitar a própria condição de homem, é natural que outras pessoas vejam isso com estranheza. O natural é se aceitar como a natureza fez. O inicio desse comportamento é uma rejeição. Essas pessoas precisam ser tratadas, a psicologia precisa ser acionada pra tratar essas pessoas para se aceitarem como homens, normais e que terão uma família e filhos. Não podemos agir ignorando ou incentivando que elas vivam essa vida de fantasia. Se esse homem pudesse receber o tratamento psicológico para se aceitar como homem, isso não teria acontecido.

  3. Fernando Saraiva Postado em 18/Sep/2013 às 23:37

    Uma pena, mais um ser humano que foi vitima da doente humanidade que segrega e marginaliza as pessoas quanto a sexualidade e a identidade de gênero, esquecem nós humanos que o que define o homem não é a sua vocação sexual, sua cor, ou orientação religiosa, mas sim as raízes evolutivas que nos fazem sermos semelhantes mesmo no oceano de diversidade.

  4. goetnicom Postado em 18/Sep/2013 às 23:45

    “Gabriela é mais de uma de muitas vítimas da sociedade capitalista ...” Creio que seja um erro da matéria, pois o capitalismo não é o principal culpado (coloquei principal como eufemismo; acredito que nada tenha a ver, não com esse impacto, pelo menos) pela violência e/ou preconceito sofridos pelos transsexuais. O preconceito é alimentado pela própria “propaganda” preconceituosa feita sobre os mesmos pela sociedade (veja bem, sociedade comum, não capitalista, socialista, ditatorial, o que for), ou seja, seus indivíduos. Colocar a culpa em um modelo econômico nada mais é do que falta de conhecimento.

    • Nôni Simon Postado em 19/Sep/2013 às 00:53

      Colocar a culpa em um modelo econômico é oportunismo, eu diria, uma vez q a página onde a matéria foi veiculada originalmente é do PSTU. Concordo com vc, basta ver a perseguição aos gays ocorrendo na Rússia socialista.

      • Yuri Postado em 19/Sep/2013 às 01:05

        A Russia não é mais socialista, mas concordo, modelo econômico não modela o proconceito da sociedade.

      • Paola Postado em 19/Sep/2013 às 14:07

        A Rússia não é socialista há mais de 20 anos. Mas, realmente, dizia-se que na União Soviética não existiam homossexuais, e lutas contra o preconceito de gênero ou de sexualidade não tiveram espaço em movimentos de esquerda até muito pouco tempo atrás. Ao ver a referência a sociedade capitalista, senti-a como uma ofensa ao meu intelecto. Quando, porém, vi a sigla de origem do texto, entendi a cutucada. Puro oportunismo, deveras.

    • Carolina Postado em 19/Sep/2013 às 10:30

      Percebi a mesma falácia....erro crasso.

    • Andressa Postado em 19/Sep/2013 às 14:55

      Extremamente bem colocado. Iria argumentar sobre isso, porém já foi argumentado. Acredito que até hoje não exista um modelo econômico perfeito, por esse fato, não me coloco nem contra nem a favor de nenhum dos modelos existentes, porém creio que nada tenha a ver o sistema econômico com preconceito ou homofobia. Isso existe em qualquer lugar, independente da economia do Estado.

    • Fernanda Postado em 19/Sep/2013 às 14:55

      Ei, mas não entendi isso como colocando a culpa no capitalismo, mas sim na sociedade que é o que? Capitalista ué... foi só um adjetivo usado para especificar a nossa sociedade. Claro, de uma forma apelativa.

  5. Daniel Cidade Postado em 19/Sep/2013 às 00:34

    Transfobia é um absurdo. Precisamos lutar sim por uma sociedade mais justa. Agora, o capitalismo não tem nada a ver com isso. Existem várias criticas que podem ser feitas acerca do capitalismo, mas sejamos justo, existe uma neutralidade capitalista forte acerca de questões de gênero.

    • Ana Clara Postado em 20/Sep/2013 às 08:50

      Daniel, o capitalismo não é nem um pouco neutro em relação a questões de gênero. Basta ler qualquer livro ou trabalho científico sobre a divisão generificada do trabalho. Ao mesmo tempo em que o capitalismo se beneficia e muito com as desigualdades de gênero, ela, por sua vez, é totalmente intensificada e estimulada por ele (basta ver a desigualdade de remuneração entre homens e mulheres, por exemplo). Não estou dizendo que desigualdade e outras questões de gênero não existam em sociedades não capitalistas, mas daí pra dizer que o capitalismo é "neutro" são outros quinhentos.

  6. Thiago Postado em 19/Sep/2013 às 00:47

    Discordo. Falta de conhecimento é achar o capitalismo exclusivamente um modelo econômico. Ele é causa destas e de outras mazelas, porque também possui força política institucionalizada, promovendo o caos social que conhecemos através de um aparato preconceituoso em todas as esferas (machismo, homofobia, até misoginia nalguns casos). Esse preconceito é o que torna seres humanos insignificantes com relação à lógica de mercado que opera no capitalismo. Mas é preciso muita leitura e se interessar nessas e outras questões consequentes desse sistema para compreender porque diariamente gays, lésbicas, transsexuais, travestis e mulheres são vitimados pelo ódio e pela violência.

    • Adriana Postado em 27/Sep/2013 às 21:04

      Obrigada, Thiago. Senti-me contemplada :)

    • Syllas Postado em 17/May/2014 às 11:39

      Thiago, capitalismo nada tem haver com isso. Alias, vc deve ser comunista. Vamos lembrar que na Coreia do norte comunista, não existem gays ou homossexuais, lá eles matam. Inclusive na Coreia do norte também não existe AIDS, pois a promiscuidade foi combatida. Quer ache bem ou mal, o comportamento homossexual é um grande ou o maior disseminador de doenças como AIDS, Hepatite, etc... No Irã também não tem homossexuais, lá eles enforcam, e lá também tem baixíssimo índice de AIDS, quem leva AIDS pra lá são os brasileiros. Falar em estudar, vai estudar um pouco vai, evita escrever bobagem.

  7. Talita Postado em 19/Sep/2013 às 00:54

    Espero que a Gabriela tenha encontrado a paz que buscava. Infelizmente a nossa sociedade ainda é muito conservadora. Apesar de ver mudanças, acredito que a mentalidade geral ainda está longe de mudar e aceitar as pessoas como elas são. Enfim, mais uma vida que se perde por conta da ignorância, conservadorismo e estupidez. Eu realmente espero que cada dia existam menos Gabrielas tirando a própria vida e possam ser felizes.

    • Syllas Postado em 17/May/2014 às 11:57

      Talita, o Gabriel morreu. Se a morte trouxer paz ele está em paz, senão trouxer paz ele não esta em paz. Agora, foi a sociedade "conservadora" que construiu a sociedade e que defende a democracia e os direitos. Outra coisa é que existe o conflito de conceitos. Para mim não é normal ver um limão querendo ser laranja, e não se aceitar como limão. Isso não é ser conservador, mas observar a lógica. Não existe escolha sexual, inclusive a própria expressão já fala de rejeição. Quem escolhe uma coisa rejeita outra, de modo que esse cidadão foi o primeiro a se rejeitar. As pessoas tem uma tendência a rejeitar quem se rejeita, isso não é da sociedade "conservadora" e sim do comportamento NATURAL DO SER HUMANO. A sociedade é um organismo, que rejeita aquilo que a ameaça. Qualquer um que rejeita sua naturalidade é rejeitado pela natureza, as pessoas fazem parte da natureza. No corpo humano se uma célula deixa de fazer sua função, é rejeitada pelo organismo e é excluída do corpo, quando não são excluídas se transformam em câncer e a pessoa morre. O comportamento homossexual é uma ameaça a saúde pública, e se torna uma ameaça a sociedade, isso justifica a rejeição que as pessoas tem contra esse comportamento. O comportamento homossexual é um grande ou o maior disseminador de doenças, essas pessoas costumam ter centenas de parceiros sexuais, o ser humano NATURALMENTE rejeita essas pessoas até inconscientemente como medida de proteção, é uma rejeição instintiva, como um organismo que rejeita uma célula doente. A rejeição do homossexualismo é uma reação natural.

  8. Rack Postado em 19/Sep/2013 às 01:19

    Modelo econômico aliena as pessoas e manipula opiniões sim, realmente acredito que isso tudo tem haver com o capitalismo sim, leiam Marx sobre fetichismo e alienação que vão ver que o sistema capitalista é o mandante de tudo, inclusive da apatia social que vivemos e a falta de respeito ao próximo é só uma das consequências. Fico triste que uma guerreira dessas tenha dado fim a sua batalha por não suportar a dor desse sistema psicopata q vivemos.

  9. Gilson Rocha Postado em 19/Sep/2013 às 01:50

    Sociedade capitalista... Me mostra uma sociedade "socialista", onde pelo menos, exista transexuais... Não coloque a culpa na sociedade capitalista, isto é questão de educação.

  10. Eduardo Postado em 19/Sep/2013 às 03:15

    Transfobia e uma absurdo, assim como qualquer tipo de descriminacao social, racial ou religiosa. Temos que aprender a viver com nossas diferencas para construir um mundo melhor ou vamos fracassar como humanidade ! O mundo e muito grande !! Ha espaco para todos !! Para todos serem felizes ! Um dia seremos realmente semelhante aos deuses e entenderemos isso.

  11. Jonas Trentin Postado em 19/Sep/2013 às 08:35

    Ótimo texto, parabéns por trazer a tona a realidade dessas pessoas, geralmente estereotipadas, a qual muito pouco sabemos, pois pouquíssimos meios de comunicação tem interesse em mostrar isso à sociedade. É inacreditável que em pleno século XVI ainda precisamos denunciar esse tipo de abuso, que já deveria ter sido extinto há muito tempo, assim como é difícil acreditar que com tanto desenvolvimento tecnológico ainda existam tantas pessoas sem o menor desenvolvimento humano. Que humanidade desumana.

  12. esteban Postado em 19/Sep/2013 às 11:33

    E quem mandou virar transexual ? (uma aberração da natureza).... se não virasse... dificilmente ia acontecer isso. oh... os LGBTs sao as maiores vitimas da sociedade!!! tadinhos!!! ninguém é mais vitimas que eles!!

  13. Reynaldo Postado em 19/Sep/2013 às 14:21

    Não podemos esquecer que "nossos ícones de esquerda" como Fidel, Stalin, Chávez entre outros não são lá muito chegados aos direitos dos homossexuais. Portanto culpar o sistema econômico por isso é no minimo precipitação analítica. O Capitalismo se aproveita da estupides humana para se fortalecer e manter-se, mas a mesma estupides também fortalece esse tipo de negação a pluralidade.

    • Soteropolitano Postado em 19/Sep/2013 às 17:03

      Eu ia nele(a) hein! Gata! Uma pena, REALMENTE uma pena como a gente (a sociedade) empurra os trans pra marginalidade, pra prostituição e pra vergonha.

  14. Fernando Postado em 19/Sep/2013 às 15:24

    O que o capitalismo tem a ver com isso?

  15. JOYCE LAPOUPEE Postado em 19/Sep/2013 às 16:05

    ah sim mas a sociedade é contra ela mesma ,por QUE NAO É SO OS HOMOSEXUAIS QUE SOFREN É ,O POBRE FAVELADO ,O NEGRO , O GORDO ,O FEIO ,O ANAO ,O GRANDAO ,É OS VELHOS É OS QUE TEM UMA DUENÇA GRAVE E AI VAI ,NA REALIDADE É UM DESTILANDO VENENO NO OUTRO ,JAMAIS EU VOU DEIXA DE VIVER ,PORQUE A SOCIEDADE IMPOCRITA ME DISCRIMINA ,

  16. Johann Heyss Postado em 19/Sep/2013 às 20:28

    Ridículo associar esse preconceito ao capitalismo. Muita má-fé. Os gays de Cuba, Rússia e Coreia do Norte que o digam.

  17. rafael Postado em 19/Sep/2013 às 20:29

    Espero que Deus tenha mizericordia desse cidadão ae!

  18. Johann Heyss Postado em 19/Sep/2013 às 20:29

    E o canalha do José Fernandes acima, que se referiu a ela como "ele", acaba de matá-la mais um pouquinho. É gente ignorante e má assim, sejam capitalistas ou socialistas ou o que for, que causam toda a tragédia desse mundo.

  19. Thiago Teixeira Postado em 19/Sep/2013 às 20:52

    Uma pena que o óbito seja a escolha preferida ao invés de conviver com essa sociedade extremamente hipócrita, Xenófoba, Homofóbica e Racista que vivemos no Brasil.

  20. Beatriz T. Postado em 20/Sep/2013 às 10:02

    TRANSFOBIA e não HOMOFOBIA. Ela era transexual e não homossexual.

  21. Marcos Postado em 20/Sep/2013 às 22:44

    "Gabriela é mais de uma de muitas vítimas da sociedade capitalista que discrimina e mata pessoas trans*." Os países ocidentais capitalistas são os que mais possuem direitos em relação a gays, a Russia discorda de vc.

  22. Bibian Hassin Postado em 21/Sep/2013 às 11:20

    "O Capitalismo se aproveita da estupides humana para se fortalecer e manter-se, mas a mesma estupides também fortalece esse tipo de negação a pluralidade." Concordo plenamente com o Reynaldo. Infelizmente Gabriela não teve estrutura psicológica para aguentar esta barra numa sociedade ainda tão cruel, realmente lamentável, e infelizmente mais comum do que se imagina. Que a Gabriela tenha paz! Que as pessoas se alertem e percebam o perigo de termos "um tal Feliciano" solto por aí e que não está nem aí para Gabriela ou qualquer outro ser humano, ou qualquer direito que tenhamos, ou qualquer sentimento de valorização da vida. É com isto que devemos nos preocupar, monstros deste tipo exercendo cargos, pior, sem ninguém fazer coisa alguma.

  23. Rich Postado em 23/Sep/2013 às 22:54

    - Jesus Cristo disse: " Eu sou o caminho, a verdade, e a vida. Ninguém vem ao pai a não ser por mim" "Vinde a mim todos os que estais cansados e oprimidos e eu vos aliviarei" Mateus capítulo 11 versículo 28

  24. Anna Postado em 04/Oct/2013 às 18:10

    Coitado(a),infelizmente agora ele não estar em um bom lugar. Foi a maior burrada que ele fez,é uma pena não poder voltar e fazer tudo diferente. Eu tenho amigos,gays,já morei até co um casal de irmãos gemeos e gays ,sempre os respeitava mas sabia que no fundo aquilo não agradava aos olhos de Deus e sabia que o fim deles era triste. Não adianta fazer a linha do "não preconceito". A questão agora não é isso, a questão é a salvação desse rapaz. Foda-se o preconceito,pra onde ele foi ele nem está lembrando dessa luta,acredite,a a ultima coisa que ele gostaria de ter feito foi ter lutado por algo que tanto entristece o coração de Deus.

  25. Romário Postado em 26/Dec/2013 às 14:59

    homofobica agora vou dizer tem umas quer coloca no cara aids fuma drogas e asalta são putas de ruas. desculpe mais é a verdade............porquer se ela morre tem motivos de prostituiçao se lasca se fodam meu colega foi parar na delegacia por elas

  26. Vinicius Postado em 11/Feb/2014 às 22:51

    elA, Que ela descanse em paz.