Redação Pragmatismo
Compartilhar
Desigualdade Social 11/Sep/2013 às 10:57
2
Comentários
Agência Brasil

Família de Amarildo receberá pensão e tratamento psicológico

Justiça determinou que governo do Rio pague à família de Amarildo, desaparecido desde 14 de julho, uma pensão, além de tratamento psicológico para nove pessoas da família

onde está amarildo
Justiça determina pagamento de pensão para família de Amarildo (ABr)

A Justiça determinou que o governo do estado do Rio pague à família do ajudante de pedreiro Amarildo de Souza, 47 anos, desaparecido desde o dia 14 de julho, uma pensão mensal no valor de um salário mínimo e tratamento psicológico para nove pessoas da família da vítima, no valor de R$ 300, por sessão.

Na decisão, o juiz da 16ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio, desembargador Lindolpho Marinho, diz que a medida deve ser cumprida dentro de um prazo de cinco dias, a contar da data da notificação ao governo. Serão beneficiados com o tratamento psicológico a mulher de Amarildo, seis filhos, uma irmã e uma sobrinha.

O magistrado, em sua decisão, fala da família humilde, pobre, morando em uma casa de apenas um cômodo na Favela da Rocinha, de futuro incerto e sem esperança de dias melhores. O chefe da família é levado pela Polícia Militar para a Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da comunidade e simplesmente desaparece sem que quem tinha o dever de custodiá-lo, saiba do seu paradeiro.

Leia também

“Aparelhos de vigília e localização, coincidentemente, naquele dia e hora, deixam de funcionar. Tudo isso leva a crer fielmente que a família necessita de ajuda”, diz o desembargador.

Em outro trecho do seu despacho, Marinho diz que é inequívoco que Amarildo foi levado pela Polícia Militar. “É inequívoco que Amarildo não mais retornou ao seu domicílio. É inequívoco que Amarildo não mais foi visto no lugar. É inequívoco que os aparelhos eletrônicos de segurança, coincidentemente não funcionavam no dia. É inequívoco que acontecimento deste jaez [tipo] já perpassaram pelo comportamento da autoridade policial militar. É inequívoco que sua família passa por privações materiais e imateriais. Assim, nada mais justo que a pretensão requerida seja deferida e sejam antecipados os efeitos de tutela pretendida, para viabilizar a família do desaparecido uma vivência senão confortável, menos desprovida e menos sofrida”, avaliou.

O advogado João Tancredo, que defende a família de Amarildo, disse que da medida cabe recurso, mas que “o Estado deve ter a decência de não recorrer do caso”.

Recomendados para você

Comentários

  1. DanDan Postado em 12/Sep/2013 às 05:03

    Um salário minimo? Esse é o preço da vida de um trabalhador assassinado pelo estado de acordo com o governo do RIO? Vai se fuder Cabral!

  2. Marcos Postado em 13/Sep/2013 às 00:01

    Foram mortos hoje no Brasil por criminosos cerca de 200 pessoas, apenas hoje 1/3 do que a "ditadura" brasileira matou de comunas em 20 anos. Direitos humanos para esses ?