Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Homofobia 20/Aug/2013 às 10:03
10
Comentários

Sakamoto: "Dê carinho a um torcedor homofóbico"

Foto de Emerson Sheik dando selinho em amigo gerou revolta em torcedores corintianos. “Viado (sic) não. Aqui é lugar de homem”

Não fique apenas com dó. Dê carinho a um torcedor homofóbico. Quem sabe assim um dia aprendem a respeitar as diferenças

Leonardo Sakamoto, em seu blog

Vi a foto em que o jogador Emerson Sheik, do Corinthians, dá um selinho em um amigo a fim de abrir a discussão sobre o preconceito – o que lhe garantiu, é claro, uma saraivada de homofobia.

De acordo com o UOL Esporte, faixas estendidas por torcedores no estacionamento do clube agrediram o jogador com o que há de melhor do machismo brasileiro. E um diretor de um organizada soltou pérolas, daquelas de guardar para usar em tese de doutorado: ”A nação inteira está freneticamente indignada. Pode até ser a opção dele, mas nós estamos sempre tirando sarro dos bambis [modo pejorativo com o qual é chamada a torcida do São Paulo]. O mínimo que ele tem de fazer é um pedido de desculpas”.

emerson sheik beijo amigo

Foto de Emerson Sheik dando selinho em amigo gerou revolta em torcedores corintianos. (Divulgação / Instagram)

Estou com tanta, mas tanta vergonha alheia por conta dessa parte mentecapta da torcida corintiana que nem cheguei a ter raiva. Apenas dó. Vontade de pegar no colo e abraçar todos esses pequenos bisonhos com a mesma complacência com a qual se trata uma criança que não entendeu ainda que não pode machucar amiguinhos e amiguinhas só porque eles agem diferentes de nós. Educando, com amor e carinho, quem sabe, um dia vão entender.

Em entrevista ao programa Dono da Bola, da Rede Bandeirantes, nesta segunda (19), ele deu uma aula de respeito à dignidade: “Acho que o mundo do futebol é muito machista. Quero deixar claro que em nenhum momento desrespeitei alguém. Lá era o Emerson pessoa. O Isaac é um cara que eu tenho imenso carinho, que agrega muito na minha vida. E o Isaac é um queridão. A esposa dele está grávida, está vindo um menininho. E daí a galera levou para um lado negativo. Acho que é um preconceito babaca”.

“A gente não quer ser homofóbico, mas tem de ter respeito com a camisa do Corinthians. Aqui não vai ficar beijando homem. Hoje são 5, amanhã são 50 e depois 500. Vamos fazer a vida dele um inferno”, disse ainda o tal diretor da torcida organizada.

Leia também

Você, que diz que não é homofóbico mas age como tal. Que acha um absurdo homossexuais serem surrados, mas “entende” quando gays “extrapolam” em suas liberdades, tiram outras pessoas do sério e “exageros” acabam acontecendo. Que defende a igualdade perante a lei, mesmo que vivamos em uma sociedade com pessoas que, historicamente, tiveram mais direitos que outras e, portanto, estão em uma situação privilegiada. Que acredita, acima de tudo, na proteção à família cristã, com pai e mãe, como solução para todos os males do mundo. Você pode ser dodói e, talvez, nem perceba. Pois o diabo, ele sim, não está apenas nos grandes atos discriminatórios ou em genocídios, mas também nos detalhes que causam dor no cotidiano.

Você fica no fundo da sala de aula tirando barato da colega só porque descobriu que ela é lésbica? Senta no sofá da sala e concorda com seu pai que alguma coisa precisa ser feita pois o mundo está indo para o buraco e a prova disso é um casal de “bichas” ter se beijado na saída do cinema? Na hora de contratar alguém no escritório, prefere o hétero inexperiente do que a travesti mais do que adequada para a função? Fica possesso por um hétero se juntar a um grupo de gays e reclamar das piadinhas estúpidas e sem sentido que você faz? Vê seu filho brincando de boneca com a amiguinha e, imediatamente, manda ele voltar para casa e nunca mais permite que a veja de novo, pois não quer má influências na formação dele? Acha uma aberração às leis de Deus duas mulheres ou dois homens se dedicarem à criação de uma criança, mas gasta todo o seu tempo livre com amigos, terceirizando seus filhos para uma babá? Considera que falar sobre preconceito, igualdade, tolerância e homofobia para as crianças na escola fazem com que elas “aprendam” a ser gays e lésbicas? Fica lisonjeado quando recebe uma cantada de mulher, mas transtornado quando o gracejo vem de um homem? Acha que beijar uma pessoa do mesmo sexo, demonstrando afeto, faz de você gay?

Os torcedores revoltados morrem de medo do beijo de Sheik. E sabe o porquê? Por medo. Viam no jogador uma referência. E quando essa referência quebra a concepção de macho que eles têm, gera um tilt na cabeça deles. “Como assim? Eu, que sou igual a ele ou desejava ser igual a ele, não beijo outro macho. Se não, sou bicha. Se ele beija outro macho, é bicha. E se sou igual a ele… Não posso ser bicha! Então, ele tem que parar de beijar outro macho já. Ou pagar pelo que fez”.

torcedores protestam beijo emerson sheik

As faixas estendidas pelos torcedores no estacionamento da imprensa diziam “Viado [sic] não”, “Vai beijar a P.Q.P.” e “Aqui é lugar de homem”.

Já atravessamos uma revolução sexual. Podemos fazer sexo de forma mais livre e com menos culpa que antes. Mas expressar nossos sentimentos é algo longe de acontecer livremente. Chegou a hora de passarmos por uma transformação afetiva. Em outras palavras, o homem hétero precisa fazer sua revolução masculina. Precisa começar a entender que tem direito ao afeto, às emoções, a sentir. Passar a ser homem e não macho.

Ele é programado, desde pequeno, para que seja agressivo. Raramente a ele é dado o direito que considere normal oferecer carinho e afeto para outro amigo em público. Manifestar seus sentimentos é coisa de mina. Ou, pior, é coisa de bicha. De quem está fora do seu papel. E vamos causando outros danos no caminho: há mulheres que, para serem aceitas nesse mundo de homens, buscam nos copiar no que temos de pior.

Gostaria que tivesse chegado o momento de sairmos de nossa zona de conforto e começarmos a educar nossos filhos para viverem sem medo. E não para serem inimigos de quem não tem pênis. Só isso resolve? Não mesmo, o problema é profundo. Mas já ajuda.

Enquanto isso, há outros processos que precisam ser acompanhados. Em 2007, ao arquivar uma denúncia do jogador são-paulino Richarlyson contra o diretor do Palmeiras, José Cirillo Jr., o juiz Manoel Maximiano Junqueira Filho sugeriu que se o jogador fosse homossexual, “melhor seria que abandonasse os gramados”. Disse também que “quem se recorda da Copa do Mundo de 1970, quem viu o escrete de ouro jogando (…) jamais conceberia um ídolo ser homossexual”. Também proferiu que: “Não que um homossexual não possa jogar bola. Pois que jogue, querendo. Mas forme seu time e inicie uma Federação”. Por fim, arrematou o seu pacote de besteiras dessa forma: “Cada um na sua área, cada macaco no seu galho, cada galo em seu terreiro, cada rei em seu baralho. É assim que penso”. Um gênio.

Uma pessoa com um cargo público com poder de decisão (que deveria garantir que os direitos fossem válidos a todos os cidadãos e proteger as minorias ameaçadas) não poderia nunca construir uma imbecilidade dessas. Age, dessa forma, não para fazer valer o Estado de Direito, mas sim para incentivar a intolerância, empurrando a sociedade para o precipício, baseado em uma formação individual extremamente deficiente.

O pior não é encontrar peças jurídicas com um grau de estupidez, machismo e ignorância como essas. Se elas fossem apenas distorções, vá lá, uma instância superiora célere, competente e honesta seria capaz de desconsiderá-las como argumento ou revertê-las como decisão. O problema é saber que, infelizmente, essas análises refletem um naco da sociedade brasileira formado por ricos e pobres, letrados ou não, torcedores do Corinthians, São Paulo, Palmeiras, Santos, Flamengo, Fluminense, Botafogo, Vasco…

Não é uma questão educacional pura e simples. É consciência. E isso não se aprende na escola, nem é reserva moral passada de pai para filho nas famílias ricas. Mas sim na vivência comum na sociedade, na tentativa do conhecimento do outro, na busca por, mais do que tolerar, entender as diferenças. O futebol é fruto do tecido social em que está inserido. Muitos assumem em suas declarações como profissionais, o preconceito das piadas maldosas contra gays, lésbicas, transsexuais ou transgêneros ou dos pequenos machismos em que nós (e não me excluo disso) nos afundamos no dia-a-dia. O que difere é o tamanho, não a dor que proporciona.

Coloquemos a culpa no processo de formação do Brasil, na herança do patriarcalismo português, nas imposições religiosas, no Jardim do Éden e por aí vai. É mais fácil atestar que somos frutos de algo, determinados pelo passado, do que tentar romper com uma inércia que mantém cidadãos de primeira classe (homens, ricos, brancos, heterossexuais) e segunda classe (mulheres, pobres, negras e índias, homossexuais etc.) Tem sido uma luta inglória, mas necessária. Que inclui uma profunda reflexão sobre nossos próprios comportamentos e o reconhecimento público daqueles que, com seus atos e palavras, nos fazem avançar como sociedade. Como Sheik.

De tempos em tempos, homossexuais são espancados e assassinados nas ruas só porque ousaram ser diferentes da maioria. Atos que têm o mesmo DNA de faixas homofóbicas exibidas na porta de um clube de futebol. Não é a mão de lideranças de torcidas organizadas que seguram a faca, o revólver ou a lâmpada fluorescente que agridem gays nas ruas de São Paulo, da mesma forma que não são as mãos de lideranças religiosas que pregam contra essa “pouca vergonha”. Mas é a sobreposicão de seus argumentos ao longo do tempo que distorce o mundo e torna o ato de esfaquear, atirar e atacar banais. Ou, melhor dizendo, “necessários”, quase uma ordem. São pessoas assim que alimentam lentamente a intolerância, que depois será consumida pelos malucos que fazem o serviço sujo.

Enfim, este palmeirense ficou fã de Emerson Sheik. Pois é prova viva de que há futuro, não apenas para o futebol, mas para a dignidade nesse país.

Recomendados para você

Comentários

  1. Lucas Postado em 20/Aug/2013 às 10:56

    Quem tem segurança da sua sexualidade, não se preocupa com a sexualidade dos outros.

  2. Carol Postado em 20/Aug/2013 às 11:22

    A torcida do corinthians agora faz jus as críticas e piadinhas de marginais, cabeças pequenas...

  3. Denny Postado em 20/Aug/2013 às 12:17

    Escrevi sobre isso, na mesma linha de raciocínio: http://etudoomais.blogspot.com.br/2013/08/sobre-beijos.html

  4. Luiz Fernando Postado em 20/Aug/2013 às 17:11

    Estes gays ja encheram o saco PQP! Sério! Todo mundo tem que gostar de viadagem agora? Todo mundo é enrustido? Todo mundo é viado?

  5. Vander Postado em 21/Aug/2013 às 08:53

    A fase do São Paulo esta tão ruim que perdeu até o titulo de Bambi pro Corinthians.

  6. luiggi Postado em 21/Aug/2013 às 10:24

    Luiz Fernando, quem encheu o saco - já faz tempo - são vcs, homofóbicos enrustidos. Se a honra de vcs mora no meio das pernas, sinto muito em lhe dizer, daqui a alguns anos, mesmo com muito viagra na veia, vc não terá mais honra, ela terá caído e murchado feito uma uva passa. Uma honra murcha. Homens e mulheres de verdade, que são seguros de si e de sua sexualidade, que não ficam perdendo tempo em mostrar aos outros uma coisa que não são, estes não se importam com a vida alheia. Cuidam das suas. Para este bando de mal enjambrados, vileiros, feios e marginais que foram postar suas faixas homofóbicas, um recado: corram que a polícia vem aí. Seus 15 minutos de fama já passaram. E quanto ao Emerson Sheik, bem, ele é bom demais para estar num time de marginais como este.

  7. ari Postado em 21/Aug/2013 às 22:32

    Luiz Fernando, homofobia nao combina com uma nação como o Brasil que de fato almeja ser moderna. Vai voce estravasar seu odio contra gays em Uganda ou na Nigeria. La essa tua mentalidade sera muito bem recebida.