Redação Pragmatismo
Compartilhar
Mídia desonesta 23/Aug/2013 às 16:28
36
Comentários

O pior analfabeto é o analfabeto midiático

“Ele imagina que tudo pode ser compreendido sem o mínimo esforço intelectual”. Reflexões do jornalista Celso Vicenzi em torno de poema de Brecht, no século 21

Celso Vicenzi, no Outras Palavras

Ele ouve e assimila sem questionar, fala e repete o que ouviu, não participa dos acontecimentos políticos, aliás, abomina a política, mas usa as redes sociais com ganas e ânsias de quem veio para justiçar o mundo. Prega ideias preconceituosas e discriminatórias, e interpreta os fatos com a ingenuidade de quem não sabe quem o manipula. Nas passeatas e na internet, pede liberdade de expressão, mas censura e ataca quem defende bandeiras políticas. Ele não sabe que o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas. E que elas – na era da informação instantânea de massa – são muito influenciadas pela manipulação midiática dos fatos.

Não vê a pressão de jornalistas e colunistas na mídia impressa, em emissoras de rádio e tevê – que também estão presentes na internet – a anunciar catástrofes diárias na contramão do que apontam as estatísticas mais confiáveis. Avanços significativos são desprezados e pequenos deslizes são tratados como se fossem enormes escândalos. O objetivo é desestabilizar e impedir que políticas públicas de sucesso possam ameaçar os lucros da iniciativa privada. O mesmo tratamento não se aplica a determinados partidos políticos e a corruptos que ajudam a manter a enorme desigualdade social no país.

Questões iguais ou semelhantes são tratadas de forma distinta pela mídia. Aula prática: prestar atenção como a mídia conduz o noticiário sobre o escabroso caso que veio à tona com as informações da alemã Siemens. Não houve nenhuma indignação dos principais colunistas, nenhum editorial contundente. A principal emissora de TV do país calou-se por duas semanas após matéria de capa da revista IstoÉ denunciando o esquema de superfaturar trens e metrôs em 30%.

jornal nacional analfabeto midiático

Bancada do Jornal Nacional (Divulgação)

O analfabeto midiático é tão burro que se orgulha e estufa o peito para dizer que viu/ouviu a informação no Jornal Nacional e leu na Veja, por exemplo. Ele não entende como é produzida cada notícia: como se escolhem as pautas e as fontes, sabendo antecipadamente como cada uma delas vai se pronunciar. Não desconfia que, em muitas tevês, revistas e jornais, a notícia já sai quase pronta da redação, bastando ouvir as pessoas que vão confirmar o que o jornalista, o editor e, principalmente, o “dono da voz” (obrigado, Chico Buarque!) quer como a verdade dos fatos. Para isso as notícias se apoiam, às vezes, em fotos e imagens. Dizem que “uma foto vale mais que mil palavras”. Não é tão simples (Millôr, ironicamente, contra-argumentou: “então diga isto com uma imagem”). Fotos e imagens também são construções, a partir de um determinado olhar. Também as imagens podem ser manipuladas e editadas “ao gosto do freguês”. Há uma infinidade de exemplos. Usaram-se imagens para provar que o Iraque possuía depósitos de armas químicas que nunca foram encontrados. A irresponsabilidade e a falta de independência da mídia norte-americana ajudaram a convencer a opinião pública, e mais uma guerra com milhares de inocentes mortos foi deflagrada.

Leia também

O analfabeto midiático não percebe que o enfoque pode ser uma escolha construída para chegar a conclusões que seriam diferentes se outras fontes fossem contatadas ou os jornalistas narrassem os fatos de outro ponto de vista. O analfabeto midiático imagina que tudo pode ser compreendido sem o mínimo de esforço intelectual. Não se apoia na filosofia, na sociologia, na história, na antropologia, nas ciências política e econômica – para não estender demais os campos do conhecimento – para compreender minimamente a complexidade dos fatos. Sua mente não absorve tanta informação e ele prefere acreditar em “especialistas” e veículos de comunicação comprometidos com interesses de poderosos grupos políticos e econômicos. Lê pouquíssimo, geralmente “best-sellers” e livros de autoajuda. Tem certeza de que o que lê, ouve e vê é o suficiente, e corresponde à realidade. Não sabe o imbecil que da sua ignorância política nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos que é o político vigarista, pilantra, o corrupto e o espoliador das empresas nacionais e multinacionais.”

O analfabeto midiático gosta de criticar os políticos corruptos e não entende que eles são uma extensão do capital, tão necessários para aumentar fortunas e concentrar a renda. Por isso recebem todo o apoio financeiro para serem eleitos. E, depois, contribuem para drenar o dinheiro do Estado para uma parcela da iniciativa privada e para os bolsos de uma elite que se especializou em roubar o dinheiro público. Assim, por vias tortas, só sabe enxergar o político corrupto sem nunca identificar o empresário corruptor, o detentor do grande capital, que aprisiona os governos, com a enorme contribuição da mídia, para adotar políticas que privilegiam os mais ricos e mantenham à margem as populações mais pobres. Em resumo: destroem a democracia.

Para o analfabeto midiático, Brecht teria, ainda, uma última observação a fazer: Nada é impossível de mudar. Desconfiai do mais trivial, na aparência singelo. E examinai, sobretudo, o que parece habitual.

O analfabeto político

O pior analfabeto, é o analfabeto político.
Ele não ouve, não fala, não participa dos acontecimentos políticos.
Ele não sabe que o custo de vida,
O preço do feijão, do peixe, da farinha
Do aluguel, do sapato e do remédio
Depende das decisões políticas.
O analfabeto político é tão burro que
Se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia política.
Não sabe o imbecil,
Que da sua ignorância nasce a prostituta,
O menor abandonado,
O assaltante e o pior de todos os bandidos
Que é o político vigarista,
Pilanta, o corrupto e o espoliador
Das empresas nacionais e multinacionais.

Bertold Brecht

Recomendados para você

Comentários

  1. renato Postado em 23/Aug/2013 às 18:11

    Desliga este troço aí. Isto !!! A Globo.... Ela não serve nem de baliza. Por que se de outro lado eu visse a verdade. Até valeia a pena assisti-la. Mas como também não vejo, aqui da minha alça de mira. A Verdade. Entro na dança de achar que sei de alguma coisa. Alguma coisa, o cacete, eu acho que sei de tudo. E este tudo faz uma diferença enorme.... tem o valor de um voto.

  2. Larissa Paola Postado em 23/Aug/2013 às 18:18

    A mídia brasileira me enoja.

  3. Anônimo Postado em 24/Aug/2013 às 13:30

    Quem deveria ler esse texto está, muito provavelmente, paginando uma "Veja" ou vendo algum telejornal...

  4. Ana Postado em 24/Aug/2013 às 13:30

    "Não se apoia na filosofia, na sociologia, na história, na antropologia, nas ciências política e econômica – para não estender demais os campos do conhecimento – para compreender minimamente a complexidade dos fatos." Com todo o meu respeito ao autor do texto, mas essa parte foi extremamente classista e elitista. Não é preciso ser conhecedor de filosofia, sociologia, história, antropologia e ciências política e econômica para se ter senso crítico ou tino político em relação ao que acontece ao ser redor (assim como o inverso também não é verdadeiro, e todos nós temos aquele primo ou colega que se formou mestre ou doutor não-sei-onde e continua uma anta política E midiática). É óbvio que a educação contribui para a formação do senso crítico na população, mas não é condição sine qua non e, dependendo da instituição, pode surtir o efeito contrário, na verdade (no caso da educação formal). A afirmação destacada do texto ignora a quantidade de líderes e referências nas periferias e favelas Brasil afora que, mesmo sem educação formal e grandes conhecimentos sobre teoria política e social e sobre modelos econômicos, são vozes críticas e de emancipação dentro de suas comunidades. A formação política crítica, felizmente, independe de todos esses ramos (elitizados) de conhecimento - embora, obviamente, possa ser facilitada por eles. Assim como dominar um ou mais desses campos não isenta ninguém de ser um analfabeto político e midiático - ou ter uma visão demasiada estreita de mundo, como se vê.

  5. Vítor Barreto Postado em 24/Aug/2013 às 13:34

    Homem político é aquele que tem consciência histórica. Sabe dos problemas e busca soluções. Não aceita ser objeto. Quer comandar seu próprio destino. E amanhece o horizonte dos idreitos contra o dado e contra a imposição. ATOR, NÃO EXPECTADOR. Criativo, não produto.

  6. Patricia Rocha Postado em 24/Aug/2013 às 14:10

    da nojo a mídia desse país afffff

  7. Rui Rosato Postado em 24/Aug/2013 às 14:33

    Pior que a Globo são os colunistas da net que se posicionam na "alta moda" atual que é protestar por protestar. A Veja por exemplo, diz que nào aceita palavrões nos comentários, mas é descaradamente desmentidas onde se percebe que a moda é mesmo acirrar os ânimos como xingar e convencer que isso vai depor governo e tudo ser como se quer num país de ninguém. O progresso parece ser nosso companheiro por mais algum tempo, mas a ORDEM está difícil de se instalar. É como marido e mulher: quando se perde o respeito fala até o que não se deve falar e se instala a baixaria e é onde mostra a pequenês de caráter. Tudo se poderia debater em alto nível, mas o que se percebe é que informacões completamente distorcidas se tornam verdades para um povo sem cultura, mal informado e preguicoso, e por onde surgem batalhões de ignorantes em caminhada contra eles mesmos. Mas não antes de aniquilar os processos legais constituídos como política e direito. TODOS desejam acabar com a corrupcão, mas nem todos desejam transformar o país em baderna e destruicào do patrimônio público e particular. É preciso por um basta porque o Brasil nào está preparado para discutir seus problemas com o povo manobrado e sem cultura, presa fácil da mídia tendenciosa que se presta a tudo pelo dinheiro dos patrocinadores.

  8. pedro Postado em 24/Aug/2013 às 14:36

    ótimo texto, parabéns

  9. Maxmiller Postado em 24/Aug/2013 às 15:17

    Ótima matéria!

  10. Leonardo Postado em 24/Aug/2013 às 15:53

    É bem assim mesmo.

  11. Tulipa Mag Postado em 24/Aug/2013 às 16:20

    Se somos analfabetos midiáticos, isso é graças às escolas nunca terem oferecido aulas de filosofia, política, história, geografia de qualidade... E quando um professor decidia dar aula colocando os alunos para pensarem, sumiam com ele... Aliás, até hoje isso acontece: não interessa à ditadura sermos questionadores e termos consciência política! E acho que vivemos hoje o pior momento da ditadura, camuflada, hipócrita, disfarçada...

  12. Operário depravado Postado em 24/Aug/2013 às 18:48

    Matéria legal, porém, desculpa tentar consertar, acho que também virou hábito chamar aquele que reside nos Estados Unidos de Norte-americano, que na verdade o termo certo seria estadunidense, Norte-americano vai se referir a todos que residem no Norte da América, ou seja, estadunidense, canadenses e mexicanos...

  13. Francine Coelho Postado em 24/Aug/2013 às 20:22

    A manipulação é tanta e tão volumosa que atinge todos os campos, e é claro principalmente o consumo. Quer é um exemplo: Fantástico meses atrás mostrava uma mega operação investigativa pelos matadouros clandestinos, apontando toda sorte de irregularidades e práticas das mais absurdas que de fato devem ocorrer Brasil afora e devem sim se coibidas para o bem da saúde pública...mas não era totalmente isento...e contando com a pouca memória do brasileiro...meses depois, horário nobre, tendo como garoto propaganda Toni Ramos...Aparece do nada uma mega campanha publicitária de um Frigorífico. Agora carne boa só se for Frib... Tá tudo combinado...nada é por acaso galera...Acorda Brasil! e parabéns pelo artigo.

  14. Patricia Postado em 24/Aug/2013 às 21:50

    Sabe, uma vez me lembro de ter lido no Observatório da Imprensa o caso sobre o William Bonner ter recebido, na redação do JN, um grupo de jornalistas - professores e estudantes, se não me engano - com a finalidade de mostrar o cotidiano da produção. Como é diretor do JN, os convidou a assistir a reunião de pauta. E lá, o grande escândalo: Bonner supostamente classifica suas notícias segundo um critério nada ortodoxo. Ele define se "essa o Homer não vai entender". Ele explicou que compara seus telespectadores a Homer Simpson. Na época isso chocou os jornalistas porque entenderam que o poderoso editor do JN entende que seus espectadores são rematados idiotas. Bonner tentou explicar que os comparava dessa maneira pq Homer era um homem simples, um bom pai de família cujas preocupações são de ordem cotidiana, e cujo entendimento de coisas complexas como política e outros assuntos é limitado. Não vou entrar no mérito aqui sobre se Bonner está ou não correto em pensar desta maneira, ou sobre o quanto isso esclarece a respeito do JN. Quero focar outra coisa. Ao expressar que se preocupa com o "alcance" de seu público, ainda que esteja errado - e vamos fazer de conta aqui que ele tb não mente sobre isso - Bonner demonstra um mínimo de carinho e entendimento de seu público. Coisa que o autor deste texto não tem. Ele prefere taxar toda uma população de "burra", por deixar de ter os mesmos conhecimentos que ele, do que pensar a respeito do que pode ter levado aquele cidadão a não ter este conhecimento. Sabe, criticar outro cidadão como vc ao invés de se esforçar para mostrar a este cidadão que ele incorre em um erro nada mais é do que agir como se fosse uma elite e criar ainda mais exclusão. Positivo seria levar essa informação ao cidadão que não a tem, ao invés de espumar preconceito pela boca, como no trecho abaixo: "O analfabeto midiático é tão burro que se orgulha e estufa o peito para dizer que viu/ouviu a informação no Jornal Nacional e leu na Veja, por exemplo. Ele não entende como é produzida cada notícia: como se escolhem as pautas e as fontes, sabendo antecipadamente como cada uma delas vai se pronunciar." Será que é por "burrice" que ele não entende? Ou por falta de acesso ao conhecimento? Esse é um conhecimento de fácil acesso?

    • Daniel Postado em 07/Mar/2016 às 02:46

      Perfeito. Isso também me incomodou no texto.

  15. Ana Paula Postado em 25/Aug/2013 às 00:20

    Minha única ressalva é quanto à lição de Brecht. Nem toda prostituta é coitadinha e vende sexo porque "precisa". Reflitamos sobre a análise simplista da prostituição!

  16. Ana Paula Postado em 25/Aug/2013 às 00:23

    Bom comentário, Patrícia.

  17. Alessandro Postado em 25/Aug/2013 às 10:28

    Parabéns Patricia, muito obrigado, colocou perfeitamente o meu sentimento ao ler esta matéria. Pergunto: quem está pregando idéias preconceituosas aqui? Nivelou-se por baixo. E acrescento: o assunto mídia, política, filosofia e outros citados acima, no caso do Brasil, nunca foi do alcance nem do sr. Dr. Médico, Engenheiro, Cientista Computacional, Fisioterapeuta, etc,etc... Pessoas que, em suas respectivas áreas de conhecimento, muito provavelmente farão o autor deste post parecer analfabeto. Ainda assim acredito que não o enquadrarão como burro, pois educação acredito que todos tiveram.

  18. Alexandre Pinheiro Postado em 25/Aug/2013 às 11:40

    Paradoxalmente, eu assisto às novelas e aos telejornais e leio, eventualmente, estas revistas de grande circulação, o que não me impede de ter senso crítico para avaliar se é ruim ou bom. Claro está que busco informações e contra-informações para lapidar meu senso crítico e evitar de sair a asneirar por aí. Por isso posso afirmar, sem medo de erra, que o que a Globo, a Veja, a Folha, e outros de caráter duvidoso como estes prestam um desserviço à Nação. Mas é bom assistir-lhes as diatribes apara que se saiba com quem se está lidando.

    • B. Ferreira Postado em 23/Jun/2015 às 13:17

      Perfeito!

  19. ruben messi Postado em 25/Aug/2013 às 12:36

    Rui Rossato, pior que o império globo não há nada neste país, nem os políticos corruptos, pq esses, ela ajuda a criar. Ela é o mal pior neste país. Ah se todos acordassem um dia e, simplesmente, nao se ligassem nesta famigerada tv... com certeza começaria a mudança tão sonhada neste país.

  20. ruben messi Postado em 25/Aug/2013 às 12:41

    ALexandre Pinheiro, é disso que esses monstros se alimentam, continue a fazer desta maneira que voce estará contribindo para mudar.

  21. Humberto Mauro Postado em 25/Aug/2013 às 12:53

    Me surpreende como conhecendo tanto de historia, filosofia, sociologia, politica, alguem continua a apoiar o comunismo. Um regime totalitário que tanto mal espalhou pelo mundo, tão abominável que seus cidadão são impedidos de ter acesso a informações ou de saírem do pais. Ao dizer, que exemplos de luta e superação das condições adversas da vida, não pode servir de parâmetro para todos ! e tudo isso, vindo de qualquer um, que claramente lutou e lutou muito para alcançar uma certa estabilidade , física , moral e financeira ( engolindo por vz o orgulho, o cansaço, as injustiças em seu local de trabalho e saindo pela porta da frente, depois de lutado o bom combate e subido por seu próprio mérito e esforço ) Sou pela meritocracia, pela luta , pelo trabalho e não influenciado pelo JN. Me surpreendeu, o Exmo Ministro Joaquim Barbosa ao que eu saiba um exemplo de superação, ser a favor das cotas raciais!!!! O mundo é uma selva e os mais fracos perecem, são as leis naturais.

    • José Postado em 01/Sep/2013 às 22:23

      Justamente para que os mais fracos não pereçam é importante que tenhamos cotas nesse país.

  22. Cris Postado em 25/Aug/2013 às 13:36

    Nenhuma mídia no Brasil é isenta, se Globo e Veja falam só do que lhe convêm, aki tb se vê isso: só falam do que lhe convêm, embora se coloquem como os arautos da verdade e da sapiência. Cabe realmente a cada um de nós tentar, minimamente, buscar a verdade em meio à tantas ideologias que querem nos empurrar goela abaixo em todos os meios de comunicação.

  23. Alexandre Jose Franco Postado em 25/Aug/2013 às 13:46

    Humberto Mauro: Permita um adendo! Histórica, filosófica, sociológica e politicamente falando, o "fato" peremptórico é que nunca houve 'regime' comunista, em lugar algum do mundo (exceto o original e genuíno comunismo primitivo), pois comunismo "seria" um modelo de sociedade a ser alcançada caso o "socialismo" cumprisse sua tarefa de "transição" - entre uma sociedade de exploração-acúmulo-de-riquezas capitalizados por minorias em detrimento à maiorias produtoras de tais riquezas e outra futura, onde seria praticada a solidariedade de economia equi-justa planificada - o que, de fato não ocorreu pois o socialismo, distorcido e degenerado pelo stalinismo foi a pique, e assim não cumpriu o objetivo a que se enunciava! - Aquilo no Leste-europeu era socialismo (meio) e não comunismo (fim)! Outra coisa: Totalitarismos, males, abnominações, impedimento de acesso à informações, proibições de direitos de ir-e-vir, injustiças, calamidades, caos, atrocidades e tantas outras imundices de praxe (disfarçados, maquiados e camuflados de "ao contrário do que realmente são") estão aí e aqui, a todo momento e em crescente ebulição e progressão geométrica, por mais que se tentem esconder e escamotear, e não estamos nem no sistema socialista nem no comunista, aliás, muito pelo contrário, sem fazer juízo de mérito ou causa de prerrogativas ou concepções acerca das correlações comparativas entre os modelos, motes do pseudo confronto de pecha idealista (ou ideológica) aqui mencionados! - Cordial e respeitosamente; grato!

    • Carlos Prado Postado em 21/Dec/2013 às 22:41

      Deve-se saber que o meio não funciona de forma alguma, isto está mais do que provado. Teorias tão ingenuas sem bases científica alguma chamadas de socialista se mostraram ineficientes em especular a salvação da humanidade. Deve-se criar uma sociedade onde as pessoas tenham condições de trabalhar e fazer o que bem entenderem para sanar todas as suas necessidades. Ditaduras, sejam elas de cunho comunista, positivista ou fascista, mais do que se mostraram a mais contraditória solução. Tem um objetivo e consegue exatamente o contrário. Temos o exemplo da bela ditadura que tivemos aqui no brasil, que tinha mesmos objetivos de bem material à população e mesmos métodos(apenas ideologias contrárias).

  24. Marli Postado em 25/Aug/2013 às 16:26

    Cada um faz a sua parte.Faça a sua bem feita, para não ser o exemplo de mais uma atrocidade!

  25. PAULO ISRAEL Postado em 25/Aug/2013 às 18:23

    O sucateamento da educação favorece esta quadrilha que é a mídia brasileira, com raras exceções, liderados pela globo...

  26. ALGOPI Postado em 25/Aug/2013 às 20:59

    Magnifico texto. Mostra que os alfabetizados midiáticos tem onde saciar sua sede.

  27. Dário Postado em 25/Aug/2013 às 21:18

    Os posts acima das internautas Ana e Patrícia disseram tudo o que eu estava pensando comunicar. Em um primeiro momento o autor do texto foi elitista e num segundo momento foi intolerante e agressivo; porém, de resto, o texto diz muito do que realmente acontece com muitos e muitos indivíduos.

  28. leonardo brito Postado em 25/Aug/2013 às 21:55

    É por esta e outras questões mais complexas que a nossa nação deve investir sem limites, bilhões e mais bilhões em educação como a Dilma está tentando fazer. Quando tivermos milhões de brasileiros alfabetizados e politizados, a história poderá ser contada de uma forma bem melhor.

  29. José Olímpio Leite de Castro Postado em 25/Aug/2013 às 22:41

    O texto bem escrito, sem dúvida, peca por sugerir que tudo que sai na grande mídia é fruto de manipulação, o que não é verdade. Sutilmente, o articulista tenta desacreditar denúncias gravíssimas com a afirmação de que "Avanços significativos são desprezados e pequenos deslizes são tratados como se fossem enormes escândalos". Seria o mensalão apenas UM PEQUENO DESLIZE? Manipulações existem, seria ingenuidade negar, mas essa de demonizar a imprensa brasileira atende exatamente aos interesses dos políticos e gestores corruptos, que não querem ver suas mazelas e falcatruas expostas. Tenho visto e ouvido muitos "doutores" com vastos conhecimentos históricos, sociológicos, filosóficos, antropológicos, econômicos e políticos classificando a grande imprensa de "oligárquica e golpista" por fazer denúncias contra o governo petista. Esses mesmos cavalheiros apontem como modelo de jornalismo livre e independente o que é praticado pela revista CartaCapital, declaradamente anti-tucana. O editor da revista, senhor Mino Carta, faz jornalismo engajado em favor do PT e nem se preocupa em dissimular. Na campanha eleitoral fez questão de anunciar em matéria de capa a opção da revista pela candidatura de Dilma Rousseff. Isso deixa claro que essa gente, incluindo-se ai o articulista, não está preocupada com a democratização da mídia. Aliás, curiosamente, enquanto os petistas condenam a grande imprensa, a presidente Dilma irriga os cofres dos grandes veículos de comunicação e não move uma palha em favor da regulamentação dos artigos da Constituição Federal que proíbem o oligopólio e o monopólio da mídia e o que manda regionalizar a programação de rádio e tv. Tampouco se preocupou em regularizar o funcionamento das rádios comunitárias. E olha que o PT tem quase 10 anos de poder e o absoluto controle do Congresso Nacional. Na verdade, essas investidas contra a imprensa revelam apenas o ranço e a vocação autoritária de setores reacionárias que se locupletam nos cofres públicos e não querem perder privilégios. Usam seus estafetas para atacar a quem se oponha aos seus intentos e à sua ganância.

  30. Márcio Cândido Postado em 26/Aug/2013 às 12:37

    Tem iludido pra tudo, pra não dizer BOBO. Não existe IMPRENSA LIVRE em lugar nenhum deste planeta. Nos regimes totalitários, são os governos que controlam a Imprensa e nos regimes ditos democráticos, a Imprensa tem DONO, patrocinadores, etc. Já a mídia brasileira ultrapassou os limites da ética, está na sem-vergonhice mesmo!!!!

  31. Erik dos Reis Postado em 20/Dec/2013 às 12:21

    Brecht parece menos lírico do que de costume. Será que esse texto procede, ou a tradução foi falha?

  32. José Ruiz Postado em 26/Jul/2016 às 11:17

    a explicação para o "analfabeto midiático" é bem mais simples: se a pessoa vive ao lado da miséria sem se indignar, ela é um escroto, um canalha.. a maioria das pessoas à nossa volta convive com a dor, o sofrimento, a angústia alheia numa boa.. não existe passeata para acabar com as favelas.. nunca vi a classe média protestando para pobre ter melhor atendimento médico (pelo contrário, se lançaram ferozes contra o "mais médicos").. o que a mídia majoritária oferece torna-se música para ouvidos desse tipo de gente, e ainda lhe oferece alguns "argumentos" para disfarçar sua podridão.. ou seja, de certa forma, não há um "analfabeto".. o que existe é uma pessoa ruim mesmo..

O e-mail não será publicado.