Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Educação 22/Aug/2013 às 15:15
46
Comentários

Mais Professores seguirá exemplo do Mais Médicos

Depois do Mais Médicos, vem aí o Mais Professores. Prioridade é levar professores a escolas onde faltam docentes

programa mais professores

Programa Mais Professores deverá levar profissionais a escolas e regiões carentes (Imagem / Reprodução)

O Ministério da Educação (MEC) quer levar professores a escolas onde faltam docentes em ação semelhante ao Mais Médicos. O Mais Professores faz parte do Compromisso Nacional pelo Ensino Médio, apresentado hoje (21) pelo ministro da Educação, Aloizio Mercadante, na Câmara dos Deputados. A criação do programa já havia sido comentada antes pelo ministro, mas é a primeira vez que é apresentado em detalhes.

Segundo Mercadante, o compromisso ainda está em fase de desenvolvimento e depende do Orçamento disponível. Entre as ações do programa, está a proposta de levar professores a escolas de municípios com índices de desenvolvimento humano baixos ou muito baixos e que tenham um baixo Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) – índice calculado a partir do fluxo escolar e o desempenhos dos estudantes em avaliações nacionais.

A intenção é que, mediante o pagamento de uma bolsa, professores se disponham a reforçar o quadro dessas escolas. Para as escolas com baixo rendimento, a pasta quer atrair bons professores para melhorar o ambiente acadêmico. Caso não haja professores disponíveis na rede, o MEC cogita a participação de professores aposentados que queiram voltar às salas de aula.

Leia também

Segundo Mercadante, as áreas com as maiores carências de professores são matemática, física, química e inglês. O ministro diz que as disciplinas representam cerca de 3% das matrículas de ensino superior, índice que tem se mantido constante. O Mais Professores, esclarece o ministro, ainda é uma proposta em aberto.

Além de atrair professores para áreas carentes, o compromisso propõe o aperfeiçoamento da formação continuada dos docentes, com o desenvolvimento de material didático específico e a criação da Universidade do Professor, uma rede que vai concentrar todas as iniciativas voltadas para a formação docente. Pretende-se que em um mesmo portal o professor possa acessar todos os cursos e programas disponíveis.

O compromisso prevê também um redesenho curricular do ensino médio, para que as disciplinas ensinadas tenham uma maior integração entre si. Para que o ensino seja melhorado, a pasta aposta na educação integral. Para 2013, segundo o ministro, está prevista a adesão de 5 mil escolas no ensino de dois turnos. No ano que vem, serão 10 mil centros de ensino.

Faz parte do compromisso a ação Quero ser Professor, Quero ser Cientista, com a oferta de 100 mil bolsas de estudo para jovens que queiram ingressar na área de exatas. Além disso, o ministério desenvolveu, em conjunto com pesquisadores, um kit para estimular o interesse pelas ciências. “Vamos distribuir os kits de ciências para alunos de toda a rede. Ele vai poder manipular, usar. É inspirado em alguns brinquedos, mas mais sofisticado e barato”, explicou Mercadante.

Mercadante diz que o ensino médio é uma fase que precisa de atenção. “Andamos muito nos anos iniciais [do ensino fundamental], melhoramos nos anos finais e simplesmente atingimos a meta [do Ideb] no ensino médio. O que é pouco. Ainda precisamos de um salto de qualidade”, disse.

Em 2012, 8.376.852 alunos estavam matriculados regularmente e 1.345.864 cursavam o ensino médio pelo Educação de Jovens e Adultos (EJA), de acordo com o Censo Escolar. A maioria das matrículas do ensino médio está na rede estadual de ensino (84,9%). As escolas privadas ficam com 12,7% das matrículas, as escolas federais com 1,5% e as municipais com 0,9%.

A defasagem idade-série ainda é alta, segundo o MEC, em 2012, dos estudantes matriculados no período, 31,1% têm idade acima do esperado para a série que cursam.

Agência Brasil

Tags

Recomendados para você

Comentários

  1. José Ferreira Postado em 22/Aug/2013 às 15:18

    Se pagassem 10000 para os professores eu iria. Sou formado em História...

    • Adalberto Postado em 18/Sep/2013 às 20:40

      Idem, Idem ,Idem

  2. Cristiano Postado em 22/Aug/2013 às 16:43

    Por 5.000 reais eu já vou, sem problemas. Formado em Letras... Mas, se passar de um salário mínimo, é milagre.

  3. Renan Postado em 22/Aug/2013 às 16:44

    E melhorarem os alunos? Vão fazer quando?

  4. renato Postado em 22/Aug/2013 às 17:55

    A criançada tem que estar motivada a ir na escola. isto vai muito de cidade para cidade. Uma cidade do Paraná, a terceira melhor de se viver aqui. Tem uma escola muito boa...devido ao ultimo prefeito..que ainda esta no governo. Mas infelizmente esta com câncer e não está muito bem.. Não vou dizer o nome da cidade, nem do prefeito, mas existe jeito.. Isto é mais uma homenagem a ele. Ps. Ele já tinha câncer desde o outro mandato.. E disse na rádio, eu vou cuidar de vocês até no outro lado. - Dinheiro Publico, chega e vai para o público. ´´E bonito quando dá certo..

    • Prof.ª Meirivam Costa. Postado em 09/Sep/2013 às 22:03

      Oi, Renato... Fiquei feliz com seu post. Entre em contato com o prefeito e diga a ele para ler sobre " A terapia Gerson ". Urgente. Abraços.

  5. MARIA LUCIA DE JESUS Postado em 22/Aug/2013 às 18:38

    SOU PEDAGOGA,PÒS GRADUADA EM PSICOPEDAGOGIA E PROCURO EMPREGO.GOSTARIA DE TER UMA OPORTUNIDADE DE TRABALHO.AGUARDO QUALQUER COMUNICADO.

  6. MARIA LUCIA DE JESUS Postado em 22/Aug/2013 às 18:41

    ATENÇÃO:PROCURO TRABALHO.TENHO MAGISTÈRIO,PEDAGOGIA,TEOLOGIA E PÒS GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA,E ESTOU DESEMPREGADA.

  7. Marcos Postado em 22/Aug/2013 às 19:38

    Professores Cubanos, pelo menos serão mais fieis a Fidel que os brasileiros kkkkk. Parece uma piada trágica, pobre de meu país.

  8. Milton Postado em 22/Aug/2013 às 19:51

    Marcos, você sabe ler? ou só vi a manchete? em nenhum momento é falado de profissionais estrangeiros e sim aposentados. Renan, os alunos necessitam de incentivos pra estudar, falta serem educados em casa para entenderem o sentido do sistema escolar. Mas os país jogam as crianças na escola e nem sabem o que elas andam aprendendo.

  9. Lorena Postado em 22/Aug/2013 às 19:55

    Falta de estrutura não é nosso problema. Professor já vai para a sala de aula sabendo que a rede pública é muito complicada. Agora, o salário é que é o problema. Atualmente o piso nacional (que em alguns estados ainda nem é cumprido) é de R$ 1567,00. É meio complicado alguém querer ir para o interior com um salário desses.

  10. Sanah Katibe Postado em 22/Aug/2013 às 20:06

    "Caso não haja professores disponíveis na rede, o MEC cogita a participação de professores aposentados que queiram voltar às salas de aula" (Ou seja, fazemos qualquer coisa menos a melhoria no salário dos professores!). O foco da proposta de Mercandante é a formação continuada do professor e o oferecimento de uma mera bolsinha de estudo que o faça dar aulas em municípios onde provavelmente as escolas são muito mais precárias do que as de cidades grandes. Outra ideia desprovida de inteligência do nosso deputado é o ensino integral no qual o aluno passará a maior parte do seu tempo na escola, enfiado dentro de uma sala geralmente pequena para a quantidade de alunos que pode chegar até 50, chutando e xingando o colega porque é só isso que maioria sabe fazer e tudo isso sem professor uma vez que este se encontra desmotivado e obrigado a faltar diante salas super lotadas as quais na maioria das vezes não colaboram em nada para que o processo de ensino ocorra. Primeiro que para implantar o ensino integral, o governo deve ter consciência de que as estruturas escolares devem suportar um ensino desse tipo, ou seja, deve haver mais espaço nos quais os alunos possam praticar atividades diversas como artes, teatro, música, natação, etc. e consequentemente profissionais que ministrem essas atividades. A segunda e mais importante questão é que o maior problema enfrentado nas escolas é a falta de princípios, ética e moral que o aluno traz de sua casa e que transforma a escola em um ambiente violento e desagradável. Qual a solução para este problema proposta pelo governo? Haverá leis que obrigarão responsáveis a frequentarem a escola para terem notícias do desempenho de seus filhos uma vez que estes são responsáveis pelo processo de ensino e aprendizagem do aluno tanto quanto ou até mais que o professor? Há condições do professor resolver sozinho os problemas da sociedade que são trazidos para a escola?

    • Sara Postado em 10/Feb/2014 às 11:06

      Sanah, muito bem explanado as questões relativas ao assunto Mais Professor. tem meu total apoio.

  11. Guilherme Costa Postado em 22/Aug/2013 às 20:33

    a esmola q os médicos recusaram é uma fortuna pros professores.

  12. sandra dos santos Postado em 22/Aug/2013 às 21:00

    gostaria de pqrticipar,sou formada em historia

  13. lucimara Postado em 22/Aug/2013 às 22:17

    Somente quando governo VALORIZAR o professor com o merecimento que lhes é cabido, talvez a partir daí a gente possa a passos lentos conquistar longas distâncias, atualmente somos heróis da resistência. Eu sou professora sim, tenho orgulho de mim e de minha escolha e espero valorização, também da sociedade. Essa valorização começa na dignidade do salário.

  14. flávio Postado em 22/Aug/2013 às 23:19

    kkkkkkkkkkkkkkkk é para rir os médicos ganham salários de DEZ MIL REAIS e os professores BOLSA…KKKKKKKKKKKKKKKKK REALMENTE EDUCAÇÃO NO BRASIL É PIADA.

  15. Mônica Postado em 23/Aug/2013 às 02:27

    e o professor, mais uma vez, tratado como massa de manobra! o senhor é um piadista senhor ministro! só pode!

  16. Daniel Borges Postado em 23/Aug/2013 às 08:16

    Sou Mestre em Geografia e estou disposto a participar. Espero que a bolsa seja atraente.

  17. Lucas Postado em 23/Aug/2013 às 10:01

    Incrivel. Todos esses projetos de estímulo a educação e nenhuma menção ao SALARIO do professor, o principal estímulo. Como colocar o professor nessas regiões sem valoriza-lo? E depois vem essa hipocrisia de valorização de médicos, onde oferecem salario de 10 mil mais ajuda de custose eles ainda reclamam de barriga cheia... É um desgosto, ser professor virou objeto de louco ou masoquista. Simplesmente a classe mais injustiçada deste país... Mas ja sabemos por que, querem a massa no cabresto. Outro absurdo, tudo o que eles dizem respeito a investimento é sempre no ensino fundamental, enquanto o médio segue sucateado, abandonado e esquecido... Aí o governo vem oferencendo curso técnico a esses alunos que saem praticamente analfabetos funcionais do ensino médio. Para que? Para que apenas apertem parafuso, para fazer parte da mão de obra, com o perdão da palavra; os burros de carga que sustentam este país. Um desgosto, um investimento maqueado na educação, ou melhor; um falso investimento. O ensino médio segue em péssimas condições de trabalho e pelos jovens e cidadãos que as escolas publicas estão formando, sou convicto em dizer; este país vai em direção a uma implosão daqui a alguns anos, esperem e verão. Sou formado em história estado de SP e desisti de dar aulas.

  18. Márcio Koehn Postado em 23/Aug/2013 às 10:05

    Quero R$10.000,00! Professores é que formam médicos, não o contrário.

  19. Shirlei Souza Postado em 23/Aug/2013 às 12:10

    Porem por experiencia propria em escolas publicas, tenho que dizer: Antes de direcionar dinheiro para educação,especialmente aumento salarial para professores, precisa-se pensar na qualidade e capacidade desses professores, quase todos desqualificados e mal preparados igualzinho aqueles funcionarios da Fundacao Casa que foram denunciados essa semana, muito ruins

  20. Roberto Dimas Pinto Postado em 23/Aug/2013 às 12:45

    Que se estabeleça, primeiramente, uma política de Educação realmente séria para o país. Depois, apenas aproveita-se dos levantamentos já existentes que mostram escolas com excelentes desempenhos e duplique seus modelos pelo país afora. Em tempo, e que o dinheiro destinado à educação seja realmente direcionado a ela, sem desvios.

  21. Caio Oliveira Postado em 23/Aug/2013 às 13:29

    Que piada hein Sr. Mecadante! Como ele mesmo disse, "Andamos muito nos anos iniciais [do ensino fundamental] (desde quando?), melhoramos nos anos finais (Ah tá, melhorou o quê?) e simplesmente atingimos a meta [do Ideb] no ensino médio (meta ridícula!!!). O que é pouco (isso nós sabemos). Ainda precisamos de um salto de qualidade" (em outras palavras, precisamos começar tudo do zero para termos chances de fornecer um ensino de qualidade). O que ainda é pouco é a vontade do governo melhorar a educação no país, fornecendo esmolas para professores e pós-graduandos não haverá melhora nenhuma. Por que os políticos e médicos não passam a receber "a bolsa" oferecida aos professores para realizarem sua função?

    • Joana angelica Postado em 16/Sep/2013 às 19:34

      Discordo de vc. Ao invés de rebaixar o salário dos médicos, reinvindique que o seu seja = ao deles.

  22. Laisa Postado em 23/Aug/2013 às 14:24

    Que tal um sálario de deputados para incentivar. Menos alunos em sala, leis firmes para alunos indisciplinados.. Com certeza, ajudaria

  23. Ana Postado em 23/Aug/2013 às 16:16

    Parece piada. Estado do Paraná teve mais de 90 mil professores inscritos para 13 mil vagas! Pessoas formadas para preencher essas nós temos, o que não temos são vagas (trabalho) para todo mundo, pelo menos aqui no Paraná. Caso a iniciativa seja realmente para levar professores a essas cidadezinhas longe e muito pobres será muito boa. Agora o que não pode acontecer é de uma exceção, acontece em todas as cidades. Porque aí sim terá muitos professores desempregados. Caso os aposentados peguem vagas o que será dos novos professores. Aqui no Paraná Letras e pedagogia 9que é minha área0 sobra professores, a concorrência para o concurso do estado é altissíma!!!!

  24. Lucas Postado em 23/Aug/2013 às 17:51

    Lembrando que pelo fato de ser Bolsa, o profissional nao tem vinculo empregaticio e, com isso, direitos trabalhistas. 1/3 de ferias, 13º salario, licença maternidade/paternidade e demais conquistas nem pensar... A briga nao deve ser por quem merece ganhar mais (A ou B), ela deve ser por politicas publicas que valorizem o profissional brasileiro (de qualquer area) e nao os tratem como mao de obra para politicas eleitoreiras. Ninguem vive de bolsa meus amigos.

  25. ANNE MAIRA Postado em 23/Aug/2013 às 19:44

    REPENSE SR MERCADANTE OFEREÇA PARA OS PROFISSIONAIS DA ÁREA DA EDUCAÇÃO O MESMO QUE VC ESTÁ CONTRATANDO MÉDICOS CUBANOS, E LEIS MAIS SEVERA NAS ESCOLAS, ONDE OS PROFISSSIONAIS POSSAM SEREM RESPEITADOS.

  26. Ana Postado em 23/Aug/2013 às 19:53

    O valor da bolsa que ouvi na escola, não é motivador...Mas vocação é algo que ainda faz com que nos professores queiramos permanecer nas salas de aula.

  27. Leonardo Barbosa Eleoterio Postado em 23/Aug/2013 às 21:50

    Não quero nem ouvir a proposta! Estou caindo fora dessa carreira.

  28. Mauro Mendes Postado em 23/Aug/2013 às 23:23

    A revogação do ECA seria muito bem vinda para melhorar os alunos e facilitar o trabalho dos professores, e consequentemente, a sociedade. Depois desse maldito estatuto, os alunos ficaram com muitos direitos e nenhum dever. Na época da palmatória a educação funcionava, hoje o professor não pode nem mesmo reprovar o aluno, senão os pais, e até o próprio "de menor" vai se vingar dele...

  29. Renan Postado em 24/Aug/2013 às 15:26

    "Renan, os alunos necessitam de incentivos pra estudar, falta serem educados em casa para entenderem o sentido do sistema escolar. Mas os país jogam as crianças na escola e nem sabem o que elas andam aprendendo." Não é o que se nota na geração de hoje. O incentivo pra estudar é... passar de ano/ter um diploma a mais pra ser promovido/arranjar um emprego melhor/poder dar carteiraço. Ou não tem incentivo, os alunos precisam ser arrastados. Quando os pais incentivam, eles são os chatos, eles são os caretas.

  30. José Ferreira Postado em 24/Aug/2013 às 22:12

    Na época da palmatória era melhor, pois os alunos tinham respeito pelos professores. É esse ECA que dá muitos direitos, mas nenhum dever para essa molecada. Esse "estatuto da impunidade" deveria ser revogado...

  31. Fernando Postado em 25/Aug/2013 às 00:24

    eu concordo em partes com o José Ferreira, os pais delegam ao professor a responsabilidade de pai e mãe, o infeliz do aluno chega a escola achando que ela é extensão da sua casa, o professor é a babá que tem o dever de transformar a disciplina em algo atrativo, lúdico, quase que um show de teatro para prender a atenção do aluno-filho... é incrível como se gasta dinheiro público em projetos inúteis como este...

  32. bel Postado em 25/Aug/2013 às 20:55

    VOCE PODE MÉDICO JUÍS ENGENHEIRO MAS PARA ISSO PRECISOU DE UM PROFESSOR!!!! QUE VENHAM OS CUBANOS OS PORTUGUESES ENFIM QUE VENHAM QUE VENHAM MÉDICOS DE VERDADE PARA AJUDAR ESSE POVO CARENTE ,,SIM QUE VENHAM PARA AJUDAR ESSE POVO QUE IMPLORA ....

  33. Joaquim Antônio Postado em 26/Aug/2013 às 07:21

    Sou a favor de qualquer coisa que funcione, mas não acredito em uma solução que sem várias medidas além desta. Mas uma coisa é certa, muitos bons profissionais adorariam dar aula em escolas públicas. Mas com salário digno. Isso é o mínimo... Aqui pelo menos tem um Físico...

  34. bruno Postado em 26/Aug/2013 às 09:31

    resposta a José Ferreira: Concordo até certo ponto.De fato a regalias demais e obrigações de menos porém não é com castigos corporais que se forma um ser humano.Nas escolas alemãs do período pré-nazista havia palmatória e veja no que a alemanha na segunda guerra se transformou.

    • Adalberto Postado em 14/Nov/2013 às 19:58

      O melhor incentivo pro filho seria o pai dizer: ou vc vai estudar ou te boto pra fora, seu vagabundo. Lá em casa era assim. Não tinha essa adulação, vai meu filho, tá na hora de ira pra escola... Minha mãe era muito sutil: "quer estudar não? então vá trabalhar, porque não vou ficar sustendo vagabundo dentro de casa!" Não sei que tipo de incentivo essa cambada quer. Eles tem tudo, casa, comida roupa lavada. Estudar pra quê...

  35. Renata Bassanelli Postado em 28/Aug/2013 às 23:12

    Olha, não sei se estou sendo repetitiva pq não li todas as mensagens daqui, mas mesmo amando e defendendo meus colegas e minha profissão, eu digo: tem muiiiiiiiiito professor mal capacitado aqui. Não acredito q a culpa esteja no sistema, mas no recurso humano. A incompetência começa nas secretarias municipais de ensino, onde os cargos são distribuídos a seu eleitorado!

  36. Atir Icara Postado em 04/Sep/2013 às 20:22

    Sou professora... Estou pensando, quem irá trabalhar depois de aposentado/a? extra mesmo o professor/a! Para não morrer de fome!...e tem médico recusando trabalho, quando apenas uma diária/plantão é maior que o salário de 30 dias do professor... porque?

  37. S. Rocha Postado em 14/Sep/2013 às 10:30

    Fiquei bastante assustado lendo os comentários. Tenho orgulho de ter estuda em uma escola pública e hoje fazer o curso superior que queria. Sou imensamente grato aos meus professores, e ficaria chocado se alguns deles falassem algumas coisas que eu li. A educação não evolui sem vocês, da mesma forma que a saúde não seria a mesma sem um médico, ou a construção civil sem engenheiros. Espero que a classe seja realmente beneficiada com essa proposta, apesar de imaginar o que vem a seguir.

  38. Leila Postado em 18/Dec/2013 às 20:04

    Veja que não se fala em salário, fala-se em "bolsa". Sim, que esta fala seja entendida como um diagnóstico da importãncia que o governo relega à educação. Daqui a pouco vai passar para "sacola". "Professores do Brasil, uni-vos!"

  39. Aninha Postado em 10/Feb/2014 às 17:01

    Claro, além de já ser um bico ( a maioria dos profissionais precisa de alguma outra atividade para conseguir pagar as contas), ser professor agora será menos que isso, será uma bolsa do governo. Que maravilha...mas se for de 10 mil reais por mês, acho que muitos sairão do cheque especial! A questão é que o salário não é o único problema da educação pública no Brasil, é apenas um problema que, sem ser solucionado, impossibilita a resolução completa dos outros.