Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Internet 20/Aug/2013 às 09:03
5
Comentários

Google admite que não há privacidade no Gmail

Google diz que usuário do Gmail não deveria ter “expectativas razoáveis” de privacidade. Gigante da internet afirmou que compilação automática de emails é procedimento comum na troca de mensagens

google gmail privacidade

Google admite que usuários não devem ter expectativa de privacidade no Gmail

Usuários do serviço de emails do Google, o Gmail, não têm privacidade completa. Em uma documentação judicial de 30 páginas, o Google reconheceu que os usuários do Gmail não deveriam ter “expectativas razoáveis” que suas comunicações sejam confidenciais.

O texto foi apresentado na última semana pelos advogados da empresa nos tribunais de San José, no norte da Califórnia (EUA). A informação repercutiu na imprensa dos EUA, país no qual o Google enfrenta um processo coletivo por espionar os internautas. “O Google abre, lê e adquire ilegalmente conteúdo privado dos e-mails das pessoas”, dizia a denúncia datada em maio.

O gigante informático, por sua vez, considera que esta batalha legal não tem fundamento e defende que suas práticas se ajustam às leis vigentes, ressaltando que os litigantes se esforçaram para lançar uma “luz sinistra” sobre a companhia. A companhia manifesta que a compilação automática (não humano) de “emails” é o procedimento comum na troca de mensagens através do Gmail, uma informação que serve para aperfeiçoar a publicidade direcionada ao usuário e que, inclusive, consta nos termos e condições de seu serviço.

Leia também

Além disso, o Google insistiu que as leis federais sobre escutas eximem de responsabilidade às empresas dedicadas às comunicações eletrônicas caso os usuários aceitem essa “interceptação” das mensagens, algo que é obrigatório para todos aqueles que abrem uma conta no Gmail. A companhia argumentou igualmente que os litigantes não ofereceram provas que seus emails fossem “comunicações confidenciais”, segundo descreve o código penal dos EUA, que exige evidências que confirmem o “desejo” de privacidade das partes.

Para o diretor de Privacy Project da organização Consumer Watchdog, o Google “admitiu finalmente que não respeita a privacidade”, ressaltando que, aqueles que querem privacidade, não deve usar o Gmail.

Opera Mundi

Recomendados para você

Comentários

  1. Léo Gomes Postado em 20/Aug/2013 às 09:15

    Desde o início o Google sempre fez isto. Ele já falava sempre nos seus termos. Não há nenhuma novidade. Eu uso o gmail já consciente disto.

  2. Curitiboca Postado em 25/Mar/2014 às 12:02

    Depois que viramos reféns da internet, não poderia ser diferente...é claro que não concordo com a espionagem em si como a qual o governo americano faz ou fez, porém é necessário que algum órgão policiasse as atividades, porém com o intuito de estar alerta a possíveis sabotagens, terrorismo, roubos, sequestros, etc.