Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Homofobia 22/Aug/2013 às 12:04
6
Comentários

As clínicas clandestinas de cura gay

Clínicas clandestinas com o propósito de “desintoxicar e curar” homossexuais utilizam métodos de tortura física e psicológica

clínicas cura gay equador brasil

Coletivos denunciam a existência de centros clandestinos de cura gay no Equador. Até 1997, a homossexualidade era considerada crime no país.

Agressões físicas, uso de água gelada, dopagem e outros tipos de tortura e violações de direitos humanos são parte de um “tratamento” clandestino para “desintoxicar e curar” pessoas homossexuais no Equador. A existência de uma rede destes centros de reabilitação foi confirmada pela ministra de Saúde do país, Carina Vance.

Uma série de denúncias indicou ao governo a existência de 18 centros, dos quais 15 praticam essas agressões e três apresentaram más condições sanitárias. Em virtude disso, há cerca de oito meses, foi criada uma Comissão Nacional Interinstitucional encarregada de detectar as clínicas clandestinas que confirmou a violação dos “pacientes”. Segundo as informações da ministra, os centros estão “localizados nas províncias Tungurahua, Guayas, Manabí, Azuay, Pichincha, Santo Domingo de los Tsáchilas e Cotopaxi”, e a situação é “absolutamente crítica”.

Leia também

Em 2012, o país concedeu autorização para 123 centros de reabilitação para dependentes químicos, no entanto, entre 70 e 80 clínicas operavam de forma ilegal e lucravam com o internamento forçado de pessoas. De acordo com o vice-ministro de Saúde, Miguel Malo, os casos não são isolados e apontam a existência de uma máfia operando na rede de clínicas clandestinas que “estavam totalmente fora de controle e regulação”.

Segundo as denúncias, duas pessoas morreram em consequências desses “tratamentos” no ano passado, em Machla (província de El Oro) e em Guayaquil (província de Guayas). Para reverter essa situação, o governo anunciou um plano de investimento para dez anos que prevê a construção de 950 centros de atenção integral com serviços de saúde mental em todo o território nacional.

Há pelo menos 13 anos que coletivos gays do Equador denunciam a existência destes centros clandestinos. Até 1997, a homossexualidade era considerada crime no país, e o Código Penal estabelecia penas de quatro a oito anos de prisão.

Enquanto o governo equatoriano tenta combater os “tratamentos” ilegais e violadores de direitos de pessoas homossexuais, bissexuais e transgêneros, no Brasil, a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados Federal é presidida por Marco Feliciano, parlamentar que tentou aprovar o Projeto de “Cura Gay”. A intenção foi fortemente rechaçada pela população, mas ainda é defendida pelo setor conservador.

Adital

Recomendados para você

Comentários

  1. ari Postado em 22/Aug/2013 às 12:44

    Triste America Latina, onde o uso politico da homofobia ajuda a manter o status quo.

  2. renato Postado em 22/Aug/2013 às 17:18

    Eu estou ".................", não sei a palavra certa para definir. Hoje vi um jovem travesti, na esquina se prostituindo, e porque para ter dinheiro para comprar silicone e se modificar, parece que um mostro toma conta de pessoas para elas se danarem todas, dali passam para as drogas, a ser chacota de outros. Triste fim do ser humano.. Há um caos perto da gente, que se fossemos enumera-los não caberia aqui, estamos por demais acostumados com o diferente, até com quem é contra o diferente nos traz costume. E eu pensando, vamos, vamos, o futuro nos reserva coisa melhor... mas e os outros, ou mesmo eu, como saber. Por isto não achei a palavra...

  3. Rogério Postado em 22/Aug/2013 às 19:49

    E os ex gays? Aqueles que espontaneamente procuram mudar sua orientação sexual?

    • Renan Postado em 07/Sep/2013 às 09:06

      Espontaneamente???? Há pressões de todo tipo: religião, família, sociedade.

  4. Sergio Postado em 31/Aug/2013 às 11:37

    Não existe ex-gay, Rogério. O que existe é uma pessoa reprimida pelo sistema heteronormativo e por discursos religiosos calcados na culpa, no pecado... De modo que parece mais fácil entrar no armário do que enfrentar tudo isso.