Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Racismo não 30/Jul/2013 às 21:17
10
Comentários

Racismo: partido de extrema-direita ataca ministra negra

Ministra é vítima de novo ato de racismo. Integrantes de partido de extrema-direita jogaram bananas em Cécile Kyenge durante discurso

A ministra da Integração da Itália, Cécile Kyenge, de origem congolesa, foi vítima na última sexta-feira (26/07) de novo ato de racismo ao ser atingida por duas bananas lançadas por militantes do movimento Força Nova, de extrema-direita, enquanto discursava para aliados políticos.

Cécile Kyenge ministra negra

Ministra Cécile Kyenge foi atingida por bananas enquanto discursava (Foto: Divulgação)

A agressão ocorreu em uma festa do PD (Partido Democrata, centro-esquerda), o mesmo do primeiro-ministro Enrico Letta, na cidade de Cervia, no nordeste do país, informou neste sábado a imprensa italiana.

Um dos militantes extremistas lançou duas bananas em direção ao palco em que a ministra discursava, embora sem atingi-la fisicamente.

Sem dar importância ao gesto, Cécile usou o Twitter para comentar o ato. “Com tantas pessoas morrendo de fome por causa da crise é triste desperdiçar comida assim”, afirmou a ministra na mensagem divulgada por sua equipe assistente, a qual confirmou o ocorrido.

“Havia um grupinho de opositores, mas ninguém viu. Saíram logo em seguida. A ministra não comentou o episódio de modo particular porque é uma pessoa educada”, afirmou os jornalistas Paola de Micheli, do PD, que estava presente no momento do ato.

Leia também

Um dia antes, na quinta-feira, no mesmo local da festa do PD, militantes da Força Nova também colocaram três bonecos sujos com tinta, que simulava ser sangue, ao lado de panfletos contra o plano do governo italiano de conceder nacionalidade aos filhos de imigrantes nascidos na Itália. Segundo os militantes da extrema direita, “a imigração mata”.

O lançamento de bananas se soma aos últimos episódios ofensivos dos quais a ministra italiana já foi vítima. Anteriormente, no último dia 13, ela já havia sido comparada a um orangotango pelo vice-presidente do Senado, Roberto Calderoli, da separatista Liga Norte. Dias depois, a ex-conselheira da Liga Norte, Dolores Valandro, sugeriu que ela deveria ser estuprada – o qual valeu a expulsão do partido além de uma condenação de 13 meses de prisão e três anos de inabilitação por instigar atos de violência sexual por motivos raciais.

Opera Mundi

Recomendados para você

Comentários

  1. Maria José Postado em 30/Jul/2013 às 22:57

    É vergonhoso, às vezes, ver pessoas com tanto senso de hipocrisia, desrespeito e mediocridade! Mais inacreditável ainda é saber que grande parte delas são totalmente manipuladas por um grupo infame e miserável de mente, corpo, alma e principalmente amor! Quando estas pessoas tem atitudes como esta, simplesmente mostram o quanto são fracas e pobres!! É uma pena!! Maria José

  2. Marcos Abraxas Postado em 30/Jul/2013 às 23:07

    A lei italiana em relação a Concessão/Reconhecimento de Cidadania é confusa: nada contra imigrantes, mas a República Peninsular escancara as portas para imigrantes e usa o recurso RIDÍCULO de não conceder a cidadania a bisnetos como eu que, por ter ascendência materna e mãe nascida antes de 1948, não pode usufruir do seu direito, só reconhecível depois de muitos euros gastos e apelos À Suprema Corte, em Roma...que se fdm todos!!

  3. L.Piazzi Postado em 31/Jul/2013 às 14:02

    Marcos, minha situação é parecida com a sua, sou bisneto de italiana, mas não tenho direito da cidadania. Porém não sou contra a política de imigração só porque não reconhecem meu direito.

  4. Marcos Abraxas Postado em 02/Aug/2013 às 04:41

    Não sou contra...só mostro que a República Italiana é "bagunçada" dentro do estilo mais estereotipado possível! Desculpe, mas 1o os cidadãos natos (sim, é o q somos, "Jus Sanguinis"), depois os imigrantes (não em ordem de importância, mas sim em ordem de entrada); a Itália não tem dívidas com congoleses, mas tem com os VÁRIOS imigrantes que foram forçados a deixar a Itália da virada do Sécs XIX para o XX, como nossos bisavós/avós; não se compensa, com uma ação de tolerância imigratória, um erro monstruoso como foi cometido pelo então Reino da Itália e legitimado pela nova Rep. daquele país. Lembre-se, esta restrição só existe nos Consulados Italianos da América Latina! O C. Italiano de Toronto, por ex. da cidadania a QUALQUER descendente de até 7 (sic) gerações, independentemente se de linha paterna ou materna, e da idade dos ascendentes. Quem tem 6000 uros e apelar À Suprema Corte em Roma ganha o Passaporte e plena cidadania...isto é TRAPAÇA, em português.

    • Rafael Balbo Postado em 03/Sep/2013 às 04:36

      Tem toda razão, poucos percebem isso, a divida que o Estado italiano tem conosco, que tivemos de sair da Itália (no caso, meus avôs) de maneira, na prática, forçada. E agora fazem de tudo pra que não voltemos à pátria!

  5. Thiago Teixeira Postado em 04/Aug/2013 às 19:46

    Esse povinho inútil trousse o racismo ao Brasil.

  6. Guilherme Postado em 09/Aug/2013 às 11:12

    Tenho um primo q, qnd criança, foi assaltado várias vezes por negros. Então, desde aquela época, ele, sempre q vê um negro, atravessa a rua. Isso é racismo ou um reflexo pavloviano?

  7. Tomi Jando Postado em 22/Aug/2013 às 22:01

    Se ela tivesse ficado no zoológico, não teria passado por essa publicamente...

  8. Nicolau Postado em 30/Oct/2013 às 10:32

    Todos os Macacos Africanos deveriam voltar para o seu inferno na África! Essa macaca áfricana é ridicula se não criminosa para ser ministra na Itália!