Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Saúde 30/Jul/2013 às 10:20
2
Comentários

Mais Médicos: apenas 21% dos brasileiros inscritos concluíram cadastro

Brasileiros que concluíram cadastro do Programa Mais Médicos são 21% dos inscritos

programa mais médicos

Brasileiros que concluíram cadastro do Programa Mais Médicos são 21% dos inscritos

O balanço final do Programa Mais Médicos contabilizou 3.891 médicos com diploma brasileiro inscritos que finalizaram o cadastro para participar da iniciativa. O total corresponde a 21% dos 18.450 médicos que se inscreveram inicialmente no programa. O prazo para os inscritos completarem o cadastro e apresentarem documentos venceu às 11h59 de domingo (28).

O balanço final do programa foi divulgado nesta segunda (29) pelo secretário de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde, Mozart Sales, ao participar de audiência pública no Conselho Nacional do Ministério Público.

Os médicos com diploma estrangeiro que entregaram a documentação são 766, mas o número ainda deve aumentar, já que eles têm até 8 de agosto para concluir o processo. O total de médicos com diploma estrangeiro inscritos foi 1.920.

Leia também

Em balanço divulgado sexta-feira (26), dos 18.450 inscritos, 3.123 médicos já haviam entregado os documentos necessários e 8.307 apresentaram números inválidos de registro em conselhos regionais de Medicina.

Os municípios que aderiram ao programa são 3.511. Juntos, eles demandaram 15.460 médicos para trabalhar na atenção básica.

Lançado em julho, por medida provisória, o Programa Mais Médicos tem como meta levar profissionais para atuar durante três anos na atenção básica à saúde em regiões pobres do Brasil, como na periferia das grandes cidades e em municípios do interior. Para isso, o Ministério da Saúde pagará bolsa de R$ 10 mil.

O programa também prevê a possibilidade de contratar profissionais estrangeiros para trabalhar nesses locais, caso as vagas não sejam totalmente preenchidas por brasileiros. A medida tem sido criticada por entidades de classe, sobretudo, pelo fato de o programa não exigir a revalidação do diploma de médicos de outros países.

Agência Brasil

Comentários

  1. Aquiles Postado em 30/Jul/2013 às 11:11

    Ainda espero que um dia a classe médica brasileira possa fazer um upgrade em seus conceitos de cidadania, fraternidade e amor ao próximo. O que vemos agora são as máscaras caindo e se despedaçando. Os médicos estão a mostrar sua verdadeira índole, e todos podemos constatar o quanto ela é assustadora. Nossos médicos não lutam pela saúde das pessoas (medicina preventiva), mas sim vivem da doença mantida crônica (tratamentos paliativos e não para a cura) para sustentar a toda-poderosa indústria farmacêutica mundial. O q

  2. Raphael Postado em 30/Jul/2013 às 19:20

    Parece que era isso mesmo que o governo queria, criaram um programa com vínculo de trabalho precário, sem nenhuma garantia CLT, em que o profissional vai e sabe-se lá por qto tempo receberá esse valor prometido. Lembrando que várias prefeituras do interior já prometem até 30mil, mas na hora do H o médico não vê nem cor desse dinheiro. Formei-me em faculdade pública, já trabalhei 1 ano na Amazônia e hoje trabalho pelo SUS na periferia de São Paulo. Gosto de saúde pública, sonho em ver o SUS fortalecido, mas não me ariscaria a entrar nesse projeto feito por marqueteiros e com cheiro de furada.