Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Democratização Comunicação 02/Jul/2013 às 14:14
21
Comentários

Google vs Globo, começou a verdadeira guerra da mídia

Estourou a guerra Google x Globo. À medida em que a guerra avança, surgem os conflitos de interesse entre os próprios grupos da velha mídia

Estourou a guerra Google x Globo.

Antes de entrar nos detalhes, vamos entender melhor o que ocorreu no universo midiático nos últimos anos.

Desde meados dos anos 2000 estava claro, para os grandes grupos de mídia, que o grande adversário seriam as redes sociais.

Rupert Murdoch, o precursor, deu a fórmula inicial na qual se espelharam grupos de mídia em países periféricos.

<> Compra de redes sociais.

<> Acesso ao mercado de capitais para alavancar o crescimento.

<> Adquiriu jornais em vários países e fez a aposta maior adquirindo uma rede social bem colocada na época. Falhou. A rede foi derrotada pelos puros-sangues Google e Facebook.

Percebendo a derrota, Murdoch decidiu levar a guerra para o campo da política. Explorou alguns recursos ancestrais de manipulação da informação para estimular um clima de intolerância exacerbada, apelando para os piores sentimentos de manada, especialmente na eleição em que Barack Obama saiu vitorioso.

O candidato de Murdoch perdeu. Não foi por outro motivo que uma das primeiras reuniões de Obama, depois de eleito, foi com os capitães das redes sociais – Apple, Google e Facebook.

O caso brasileiro

No Brasil, sem condições de terçar armas com as grandes redes sociais, os quatro grandes grupos de mídia – Globo, Abril, Folha e Estado – montaram o pacto de 2005, seguindo a receita política de Murdoch.

Exploração da intolerância. Nos EUA, contra imigrantes; aqui, contra tudo o que não cheirasse classe média. Nos EUA, contra a ascendência de Obama; no Brasil, contra a falta de pedigree de Lula.

google brasil guerra globo

Google deverá faturar R$ 2,5 bilhões no Brasil, tornando-se o segundo maior faturamento, atrás apenas da Globo e na frente da Abril (Imagem: Reprodução)

Exploração da dramaturgia. Um dos recursos mais explorados pela mídia de todos os tempos é conferir a personagens reais o mesmo tratamento dado à dramaturgia: transformando adversários em entidades superpoderosas, misteriosas, conspiratórias. O “reino de Drácula”, no caso brasileiro, foi a exploração do tal bolivarianismo, a conspiração das FARCs.

Manipulação ilimitada do produto notícia. É só conferir\\\ a sucessão de capas da revista em sua parceria com Carlinhos Cachoeira. Ali, rompeu-se definitivamente os elos entre notícias e fatos. Instituiu-se um vale-tudo que matou a credibilidade da velha mídia.

Pressão contra a mudança do perfil da publicidade. Historicamente, os grandes veículos sempre se escudaram no conceito de “mídia técnica” para impedir a pulverização da publicidade. Por tal, entenda-se a mídia que alcance o maior número possível de público leitor. Em nome desse conceito vago, investiu contra a Secom (Secretaria de Comunicação do governo) quando esta passou a diversificar sua verba de publicidade, buscando publicações fora do eixo Rio-São Paulo e, timidamente, ousando alguma coisa na Internet.

Quadro atual

Agora, tem-se o seguinte quadro.

A velha mídia montou uma estratégia de confronto-aliança com o governo. Mas suas vitórias resumiram-se a dificultar o acesso de blogs e da mídia regional às verbas públicas.

Leia também

Na grande batalha, perdeu. O Google entrou com tudo no país. Este ano deverá faturar R$ 2,5 bilhões, tornando-se o segundo maior faturamento do país, atrás apenas da Globo, e na frente da Abril.

Tem se valido de duas das ferramentas que a velha mídia utilizava contra concorrentes menores: o BV (Bônus de Veiculação), para atrair as agências; e o conceito de “mídia técnica” (a de maior abrangência).

A Globo reagiu, atuando junto ao governo, e denunciando práticas fiscais do Google, de recorrer a empresas “offshore” para não pagar impostos. Agora, constata-se que a própria Globo também se valeu desse subterfúgio fiscal. E a denúncia é veiculada pelo blog de Miguel do Rosário, um dos mais brilhantes blogueiros oriundo dos novos tempos. A denúncia enfraquece a ofensiva da Globo contra o Google: por aí se entende o desesper do grupo, publicando desmentidos em todos os seus veículos.

E a velha mídia descobre que, em sua estratégia tresloucada para dominar o ambiente política, queimou todos os navios que poderiam levar a alianças com setores nacionais. Apostou no que havia de mais anacrônico, criou um mundo irreal para combater (cheio de guerrilheiros, bolivarianismo, farquismo etc.) e, quando os inimigos contemporâneos entraram em cena, não conseguiu desenvolver um discurso novo. Sua única arma é do tipo Arnaldo Jabor interpretando o Beato Salú e prevendo o fim do mundo e a invasão do chavismo.

É o bolor contra o mundo digital.

Dissidências internas

À medida em que a guerra avança, surgem os conflitos de interesse entre os próprios grupos da velha mídia.

O grupo Folha sentiu-se abandonado pelos demais grupos na sua luta para impedir que a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) acabasse com a obrigatoriedade de se ter um provedor para ter acesso à Internet.

Por outro lado, a divulgação dos dados de publicidade do governo mostra que a estratificação das verbas beneficiou as emissoras de TV (especialmente a Globo), em detrimento das publicações impressas.

Em breve, a Secom deverá se posicionar nessa disputa.

Há três tendências se consolidando no âmbito da Secom:

O fim do conceito da “mídia técnica” que, antes, beneficiava os grupos nacionais e agora os prejudica.

O aumento de participação na Internet.

A suspensão de qualquer publicidade pública nas redes sociais.

Luis Nassif, em seu blog

Recomendados para você

Comentários

  1. Geralt Postado em 02/Jul/2013 às 14:25

    post incrivel! parabens!!!

  2. Vinicius Postado em 02/Jul/2013 às 14:35

    Ver a Globo sendo minimizada? Parece até um sonho! Só espero que não seja a troca de "seis" por "meia dúzia". Espero, realmente, um jornalismo eficaz e fiel.

  3. Paulo Postado em 02/Jul/2013 às 14:43

    Carlinhos Cachoeira é um santo, vitima de um complo, tadinho.As FARCs sao um conto de fadas e nao possui poder nenhum,ou influencia, pergunte aos colombianos.Imaginem só!Chavismo e bolivarismo, baluartes da democracia, não temos que temer se ha aproximação nas ações politcas... é tudo teoria da conspiração.Pelo menos minha internet eu gostaria que fosse isenta de propaganda ptista, psdbista ou raio que o parta!

    • Neto Postado em 09/Nov/2014 às 02:48

      Sua argumentação está fedendo a alienação midiática.

  4. MARIA DE LOURDES CARDOSO Postado em 02/Jul/2013 às 14:46

    A blogosfera está com tudo. Abrimos a Internet e nos dirigimos aos blogs. Temos blogs de qualidade e para isso servimo-nos de uma análise. A imprensa tanto escrita quanto televisiva aos poucos vai perdendo a credibilidade à medida que se começa a comparar com um trabalho sério, sem tendência, apenas sabendo se posicionar.

  5. André Carneiro Postado em 02/Jul/2013 às 15:08

    Eu não entendi absolutamente nada...

  6. Navarro Postado em 02/Jul/2013 às 15:12

    Guerra? As suas empresas seguem diferentes seguimentos. Sem falar que o Grupo Globo é muito menor que a Google.

  7. Thais Linhares Postado em 02/Jul/2013 às 15:14

    Perdão pela ignorância, o que exatamente quer dizer: "A suspensão de qualquer publicidade pública nas redes sociais." Se for o que "parece" eu pergunto? Por quê?

  8. Adelice Feitosa Postado em 02/Jul/2013 às 16:42

    Isso que estou lendo parece um sonho! Quando é que a globo vai pagar pelos males que pratica impunemente? É uma luz no fim do túnel? Não diga que não!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!Por favor!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  9. Jânio Postado em 02/Jul/2013 às 16:43

    Deveriam suspender publicidade pública nos blogs também. Mas aí iriam morrer de fome Paulo Henrique Amorim, Viomundo, Brasil247 e outros meio de comunicação "alugados" pelo governo.

  10. Edson Renato Postado em 02/Jul/2013 às 17:07

    Bloguistas que recebem propagandas governamentais, são um pingo no oceano, em verbas federais. Quem realmente lava a égua é a Globo.

  11. Eduardo Postado em 02/Jul/2013 às 18:49

    essa verba de publicidade tinha é que ser menor, gritam gritam gritam, e os gritos não fazem eco... olha a cifra mencionada na matéria, R$ 2.8 bi, é grana pra burro pra mostrar fotos das realizações do governo, que são neutralizadas pelas filas, pelas macas nos corredores, pelos hospitais novinhos e equipados que não tem médicos, pelos hospitais que não tem nada mas tem médicos sem condições de trabalho... publicidade dos atos de governo faz parte da gestão pública e é uma exigência constitucional, mas com toda certeza pode ser gasto menos recursos, até porque as emissoras de tv e rádios são conscessões e poderiam ter uma contrapartida a divulgação desta exigência constitucional.

  12. Dinio Postado em 02/Jul/2013 às 19:08

    Todo governo, se não for demasiadamente burro, tem que divulgar seus feitos, planos , projetos, etc. Porque governos, independente da esfera - se federal, estadual ou municipal- atuam nas sociedadess como se fossem empresas, e em muitos casos, o Estado possuindo mega empresas, como no do Brasil: o BB, Caixa Federal, os Correios, a Petrobrás e assim por diante...que por sua vez, são administradas pelos governos que se sucedem, e óbvio, como disputam mercado com empresas privadas, têm sim que fazer propaganda e divulgação de seus produtos e projetos, até porque tem influência direta na vida do cidadão. Então não vejo problema, nem ético nem moral e nem legal em que essas empresas façam propaganda e divulguem seus produtos e projetos, nos blogs, sites e tudo que for para pulverizar estas verbas e democratizar a mídia, para diminuir a brutal concentração de poder , recursos e por concequência, opinião,que eziste no Brasil. Não fosse esta democratização de verbas das mídias governamentais, ainda que muito tímida -devemos sim pressionar para que aumente de maneira exponencial- certamente não estariamos aqui, expressando nossa opinião, com o intuito claro e simples de sociabilidade e da melhoria do nosso país. Provavelmente estaríamos, como antigamente, na frente da TV assistindo alguma porcaria.

  13. Dinio Postado em 02/Jul/2013 às 19:12

    Desculpas, corrigindo: "existe".

  14. che! Postado em 02/Jul/2013 às 19:50

    "a conspiração das FARCs" - confira a entrevista com o comandante da conspiração http://www1.folha.uol.com.br/folha/mundo/ult94u62119.shtml

  15. renato Postado em 04/Jul/2013 às 19:14

    Grande , grande grande....

  16. Patricia Postado em 10/Jul/2013 às 08:50

    Vinicius falou lá em cima: "só espero que não seja a troca de 6 por meia dúzia". E vou arriscar aqui explicar por que é sim, a troca de 6 por meia dúzia: como será o mundo da informação controlada pelo Google? Como ficam as nossas vidas geridas por uma única empresa, globalmente? Já não temos privacidade e sabemos disso; em cada aplicativo, google docs, e-mail... Google espia descaradamente os conteúdos de nossos e-mails para exibir anúncios dentro de um contexto. Nós aceitamos pagar esse preço aos poucos, sem nos dar conta ou questionar. Topamos, porque as ferramentas deles são úteis para o nosso dia a dia. Essa matéria (e muita gente!...) celebra de maneira extremamente boba a "queda" da Globo, mas a verdade é que isso tem muito pouca importância diante do fato maior, que é essa transformação constante na maneira de consumir que a internet trouxe na vida das pessoas. Enquanto o piratebay.org inspira o surgimento de serviços de locação de vídeo por streaming e ajuda a acabar com pequenas empresas como as locadoras de bairro, gigantes da internet como o Google, que entendem o dinamismo desse meio com toda a naturalidade, estudam silenciosamente como obter cada vez mais controle sobre "os novos consumidores". A "confusão mental" experimentada pelas mega corporações dos anos 80 se deve apenas ao fato de estas não aceitarem que precisam aprender a lidar com a realidade da internet e que os velhos métodos de controle não funcionam mais - e os novos já estão nas mãos das empresas de internet que escaparam das bolhas dos anos 90 e souberam se estabelecer. Mas, que ninguém se iluda. Nós, o povo, estamos tão cegos como sempre estivemos, talvez mais, agora que com a internet é mais fácil se distrair - ou "ser distraído", por redes sociais cheias da vida dos outros e ferramentas de busca que delimitam o que você pode encontrar com base naquilo que um punhado de linhas de código acredita que você que ver ou, pior, com base naquilo que querem (ou não) que você encontre. Nós, o povo, estamos no meio de uma nova guerra. E vamos perder. Isso já é certo.

    • Felipe Postado em 26/Mar/2014 às 00:26

      excelente publicação! infelizmente as pessoas não conseguem enxergar a importância e a profundidade desse assunto. Mas eu acho que a midia televisiva ta tranquila por enquanto, 90% dos brasileiros (to sendo modesto) lêem um texto e não conseguem interpretá-lo!! é muito mais confortável descansar o cérebro olhando pra uma tela luminosa ou assistir a vida dos outros e receber as informações que precisa através de carismáticos apresentadores de telejornais! como é fácil manter o poder !

      • marta Postado em 22/Jan/2015 às 23:30

        Concordo com você Felipe! E "carismáticos" certamente entre aspas. São na verdade esteriótipos.

  17. Jão Da Silva Postado em 27/Jun/2014 às 12:49

    Humpf. Bela merda, o Google, a serviço dos WASPs e dos sionistas para tranformar o mundo em uma massa de alienados(coisa que já meio que conseguiram). Pra quem continua achando que a internet é livre, procurem no Google algum artigo ou notícia sobre Israel-Palestina, Cuba, China, Vietnã, Venezuela, Bolívia, Colômbia, Oriente-Médio que não apresente a mesma versão forjada com jargões publicitários e me mostre. Juro que pago 100 reais pro camarada que conseguir achar algo do gênero.

  18. Rodrigo Postado em 07/Nov/2014 às 23:37

    Muito esclarecedor.