Redação Pragmatismo
Compartilhar
Eleições 2014 10/Jul/2013 às 14:27
8
Comentários

Democracia: um espetáculo em quatro atos

Uma crítica à democracia em quatro atos. I) democracia, um embuste; II) tempos interessantes para a esquerda brasileira; III) um puxão de orelha na esquerda brasileira e; IV) derrubar o mito da democracia

Por Hânder Leal*, para Pragmatismo Politico

Primeiro Ato: democracia, um embuste

Cinco e meia da manhã, Brasil acorda e tem mais um dia de trabalho pela frente. O mesmo quotidiano que enfrenta desde que se conhece por gente. Mas nas últimas semanas, não está mais acordando sozinho. Uma juventude nova acordou e foi às ruas pela primeira vez para exercer a democracia – ou teria sido para buscar algo mais do que a democracia? Neste texto, mostrarei que a oportunidade de fortalecimento pela qual a esquerda brasileira espera há pelo menos duas décadas depende de uma resposta adequada a essa pergunta.

Aparte todas as repercussões que as manifestações recentes geraram, duas constatações me saltam aos olhos. Em primeiro lugar, já que a ascensão econômica continua restrita e dominada por poucos, a democracia mantém-se como a única carta do baralho disponível e desejável quando o assunto é mobilização social. Em segundo lugar, os políticos são os únicos alvos das acusações populares e, mais uma vez, considerados responsáveis por todos os problemas do Brasil. Se bem que as manifestações são um nítido sintoma da carência de propostas políticas concretas em um cenário de baixíssima diferenciação ideológica entre os maiores partidos políticos brasileiros, em verdade, o motivo das manifestações, bem como a solução das demandas populares, transcende em muito a esfera política.

A democracia é um mito que, até onde a historiografia consegue reportar, surgiu na Atenas antiga: que há de se falar em democracia em uma sociedade sustentada por um batalhão de escravos? Passados dois milênios, o que são os trabalhadores mal remunerados e coisificados de hoje senão os escravos da Atenas antiga? A democracia representativa tal qual ainda a concebemos é fruto de um projeto social concebido há mais de trezentos anos no seio das revoluções iluministas, reformistas e liberais que tiveram curso a partir do século XVII em uma Europa que acordava da sombria Idade Média. Então, não estaria mais do que na hora de atualizar o nosso sistema de governo?

brasil democracia

(Foto: Hânder Leal – Ilustração)

No começo do século XX, ao incorporar um grande contingente populacional que migrava do campo para as cidades que abrigavam os polos industriais dos Estados Unidos e da Europa, a democracia ganhou dois novos suportes para se constituir como o elemento crucial na organização social moderna: a propaganda e o consumo de bens de massa. Com a aplicação da teoria psicanalítica à propaganda comercial, o preço a ser pago pela manutenção da ordem em sociedade seria a canalização de qualquer impulso humano naturalmente irrefreável para o consumo e a alienação populares através de meios de comunicação cada vez mais complexos. Emergem os impérios da cultura e do consumo de massa. Deles, nada escapa: nem as emblemáticas máscaras anônimas de Hollywood que você leva para as ruas para papagaiar por menos corrupção, nem o seu grito dominical de gooool.

O consumo irrefreável de bens, mecanismo de diferenciação social e criação de um status meramente simbólico, substitui a consciência política como viga de sustentação dos desejos do indivíduo organizado em sociedade. A democracia, uma vez dependente do fetichismo de consumo para se manter, só é concebível dentro de um sistema capitalista de reprodução social; tudo o mais é tachado de ditadura. Para a Freedom House, instituto de pesquisa considerado o principal termômetro da liberdade política do mundo, pouco importa se estamos falando da Arábia Saudita, país cujas mulheres sequer têm o direito de dirigir, ou da China, líder mundial na redução anual da pobreza. Ambos são igualmente considerados países não livres.

Na democracia ocidental do século XX – e, em termos de instituições políticas e sociais, o Ocidente, ainda em 2013, não conseguiu entrar no século XXI – a propaganda política assumiu a forma da propaganda de consumo de massa. Assim como o Iphone 4 e 5 são a mesma coisa por dentro, os grandes partidos políticos também se dão ao direito de ser. Eleitores cujos impulsos e anseios foram paulatinamente domesticados pela propaganda e pelo consumo de massa – e às vezes nem é necessário que se atinja o estágio do consumo, bastando que se mantenha aceso o desejo de consumir – são péssimos tomadores de decisão e alvo fácil para as grandes corporações econômicas e financeiras, os verdadeiros detentores das rédeas que controlam grande parte dos partidos políticos em um sistema democrático de governo. A disposição de uma boa parte dos manifestantes em levar para as ruas as demandas estrategicamente arquitetadas pelos grupos de poder apenas explicita isso. É esse o upgrade democrático que queremos?

Leia também

No mito democrático contemporâneo, a imensa maioria da população continua alijada do processo decisório. É não há de culpar-se por isso o político A ou o político B; mas sim, há de se pressionar por uma reforma nas anacrônicas instituições políticas supostamente concebidas para representar o povo. As manifestações recentes mostram a necessidade de uma reforma institucional na política brasileira. Não é exagero dizer que a mobilização social que testemunhamos reflete uma crise de legitimidade da própria democracia representativa.

Talvez seja essa a clara resposta para a pergunta a qual a grande mídia, porta-voz fiel dos grupos de poder, sabiamente, prefere deixar sem respostas: o que, afinal, motiva as manifestações? Grande mídia essa que, em mais uma tentativa de fomentar no povo o velho complexo do cachorro vira-lata, fardo histórico do qual o brasileiro pobre tem conseguido se livrar de maneira louvável devido em parte às políticas públicas de universalização do ensino superior, reforçou o discurso anticorrupção, incorporando as demandas da classe média e dos mercados, como se a corrupção fosse atributo exclusivo do Estado brasileiro. Na época da democracia liberal, digital e alienóide, uma mentira compartilhada mil vez torna-se uma verdade.

Se pensarmos a política interna brasileira como um resultado do processo de inserção internacional subordinada do país – se é que existe forma diferente de pensar no assunto –, perceberemos que a democracia trôpega, simulacro de instituições anacrônicas importadas de nações europeias protagonistas de um longo histórico de imperialismo na periferia do mundo, por simples incompatibilidade de estágios de evolução econômica entre tais nações e o Brasil, não poderá jamais atender às demandas populares de um país periférico como o nosso. É necessário ir além da democracia.

A onda de manifestações que o Brasil testemunha e vive é a face de um fenômeno mundial que nos últimos anos tem posto em cheque instituições políticas anacrônicas em vários países do mundo periférico. Por um lado, é o maio de 1968 dos países em vias de libertar-se das amarras do sistema hegemônico de dependências construído primeiro pelas potências europeias e depois pelos Estados Unidos desde o século XV; por outro, como a inserção internacional do Brasil é ainda resultado histórico de escolhas políticas da própria elite econômica brasileira, trata-se também de um repúdio popular à nossa condição de nação historicamente expropriada de dentro e de fora em seu próprio território. A democracia liberal não é nada mais do que o despojo político desse sistema ocidental de dominação, malogradamente reproduzido pelo Estado brasileiro desde os inglórios tempos de domínio português nos trópicos.

Segundo Ato: tempos interessantes para a esquerda brasileira

As manifestações recentes não representam apenas a revolta de jovens estudantes, como os donos do poder ardilosamente tentam argumentar. O contingente que tem ocupado as ruas do país é composto por movimentos sociais legítimos, agentes de mudança sintomáticos de uma economia ocidental cada vez mais desindustrializada, com menos organização sindical e mais homogeneidade ideológica. É também a revolta de um povo que não encontra mais no trabalho uma fonte de reprodução e sustento suficientes para ingressar na classe média – me refiro à classe média no sentido verossímil do termo, não aos beneficiários das políticas de inclusão social, egressos das classes D e E; “nova classe média” que daquela herdou apenas a propensão ao consumo.

Um movimento que se pretenda vanguardista ou revolucionário não pode ter como bandeira nomes próprios – de presidentes, congressistas, do papa, seja lá de quem for. Nas próximas manifestações, os manifestantes devem levar para as ruas os nomes das próprias instituições que se encontram incompatíveis com as necessidades prementes do povo brasileiro. As instituições devem ser o alvo das revoltas populares; do contrário, só estaremos abrindo precedentes históricos para mais manifestações. Em tempos de ciclovias, se me permitem a analogia, seria como se estivéssemos apenas aumentando a força da pedalada, sem, entretanto, trocar a marcha da bicicleta. Uma hora a correia arrebenta, e não há mais bicicleta.

Não é apenas por conta dos exageros e irregularidades nos gastos com a Copa do Mundo que o povo está saindo às ruas. Tampouco é por causa de 20 centavos que uma geração de brasileiros está saindo do Facebook e tomando as ruas. Fazem isso contra um plano de crescimento econômico que adota o investimento pesado na indústria automobilística “nacional” como único refúgio para disfarçar a pífia industrialização do país, mesmo que o custo disso seja o gargalo das infraestrutura urbana e de transportes. O povo está tomando as ruas porque falta ao Brasil um projeto nacional; um projeto nacional claramente desenvolvimentista que inclua a população a partir da inovação da base produtiva e não meramente pela ampliação do consumo de bens produzidos por corporações transnacionais.

Mesmo as políticas de inserção social implementadas pelo governo brasileiro na última década representam nada mais que as migalhas de um projeto econômico mediado pelo incremento no consumo sem, no entanto, passar pela inovação tecnológica da indústria nacional, passo importante que permitiria – e quiçá, um dia permitirá – a exportação de tecnologia “made in Brazil”, gerando excedentes e divisas necessárias à construção de um novo Estado desenvolvimentista. No embuste democrático espetacular, as migalhas recebem o nome de “bolsa” e servem mais para encher a boca da classe média reacionária do que os bolsos de quem as recebe. Mas qual o projeto nacional do Brasil hoje? No lugar do desenvolvimentismo nacional, o que houve foi um pacto do governo brasileiro com o grande capital internacional que resultou na subordinação da classe trabalhadora brasileira aos investidores estrangeiros. E não há sinal mais emblemático disso do que a própria Copa do Mundo.

Por outro lado, de nada adianta exigirmos que os governantes façam milagres em um Estado institucionalmente estruturado para privilegiar os detentores do poder. Pode um país cuja economia está atrelada majoritariamente ao mesmo setor – commodities e sua oligarquia latifundiária – desde que se constituiu como nação construir um projeto nacional tendo como instrumento instituições nas quais a participação popular fica restrita ao voto? Não! Até hoje, o mito da democracia representativa serviu apenas ao triunfo de países ricos industrializados que fizeram sua revolução industrial há mais de duzentos anos e que praticam uma política externa imperialista. Esse, nitidamente, não é o caso do Brasil. E é bom que não seja. O povo brasileiro pode e merece muito mais do que isso.

Se por um lado as manifestações surgem a partir de demandas concretas, por outro, nenhum quadro de fatos pode ser menos salutar para a consolidação dos rumos políticos do país do que a redução de toda a amálgama de indignação popular a um conjunto de demandas que, por mais importantes que sejam, têm limitação temática. Assim, por mais que a melhoria dos serviços sociais, o planejamento urbano, o maior investimento em educação, os direitos das minorias (LGBT) e das maiorias (mulheres), a defesa do que sobrou de laico do Estado e da sociedade brasileiras, dentre outras bandeiras tradicionais da esquerda sejam importantes, há de se ir além; muito além da democracia liberal que o povo brasileiro acostumou-se a aceitar como único sistema de governo viável. Os movimentos recentes mostram que está chegando a hora de o povo brasileiro romper as barreiras econômicas e institucionais que sustentam o embuste democrático. Esse desafio está na ordem do dia e não há nada mais concreto do que isso. Mudar menos do que isso tudo é mudança alguma. Qualquer demanda inferior a essa terá o efeito final de apenas perpetuar o ciclo de descontentamento popular do cidadão brasileiro.

É preciso entender que o grande motivador de todas essas revoltas não é nenhum de seus sintomas, amplamente divulgados e debatidos. Esses sintomas são apenas os nomes que o espetáculo político-econômico-midiático adota para desviar a tomada de consciência popular. A fagulha social que incendeia o mundo e que se fez sentir com mais força no Brasil ultimamente aponta para o próprio despertar de um horizonte além da democracia liberal. Uma reforma institucional está na ordem do dia em nosso país. Uma reforma à esquerda, e não à direita, como alguns estão acreditando que será.

Como já era de se esperar em um estágio avançado de implementação do sistema democrático de governo em uma nação com longo histórico de inserção internacional periférica, as bandeiras partidárias hegemônicas já não mais determinam projetos políticos diferenciados. Fica fácil perceber que todas elas são empunhadas em riste pelo sistema financeiro e pelas grandes corporações econômicas que, para lubrificar as engrenagens de suas máquinas de dominação e fazerem a classe política pagar o pato sozinha, ultimamente decidiram enganar o povo travestidos de anônimo hollywoodiano. E estão conseguindo enganar muita gente por aí.

Aos cientistas políticos, por favor, parem de se questionar em vão sobre a qualidade da nossa democracia. O embuste democrático não é fenômeno exclusivo do Brasil. É apenas um efeito colateral do próprio estágio de crescimento econômico que o país vivencia. Crescimento econômico sem democratização da base produtiva, sem incentivo à pequena e micro empresa, sem investimento em tecnologia e inovação é fruto apenas da exploração do trabalho pelo capital. Isso não é desenvolvimento, por mais que se distribua renda por outros meios. É apenas o efeito sufocante da monopolização mundial da economia sobre os governos; basta ver a quantidade de manchetes sobre fusões de empresas. Candidato político que for contra essa maré não recebe financiamento de campanha, não ganha voto e não consegue penetrar nos estamentos que se consolidam no Brasil e no mundo.

Inconsciente disso, mesmo assim o povo brasileiro começa a rejeitar a morosidade e o desgaste de um sistema social em que o poder concentra-se não na política, mas na economia, estruturada a partir do nefasto princípio da escassez seletiva que, uma vez transmutado para as instituições políticas, torna-se o princípio base de organização e reprodução social em nosso tempo. Mesmo assim, aos poucos, as próprias políticas de inclusão social acabam tornando os brasileiros conscientes de que vivem em um dos países mais desiguais do mundo. Há espaço para a mudança; há um vazio político deixado pela centro-esquerda que a esquerda deve ocupar. A lentidão da história deve ser objeto do passado, restrito a seus manuais; a partir de agora, é a própria história que deve ser acelerada. Se esses não são tempos interessantes para a esquerda brasileira, então estamos vendo o metrô da história passar.

Terceiro Ato: um puxão de orelha na esquerda brasileira

Deixando de lado os méritos das mobilizações recentes, faço desde já um alerta: há um desvio sóciocognitivo grave por grande parte dos movimentos sociais que têm se manifestado recentemente, como é típico de movimentos análogos que eclodem em outras partes do mundo nesses tempos de capitalismo falsamente trôpego. O protesto no Congresso Nacional e em outras sedes do poder público (que de poderoso e de público, na verdade, não tem nada), as ridículas petições pelo impeachment da Presidenta Dilma, o desvio de foco para a corrupção, dentre outras ações momentâneas ou não, embora partam de diferentes vertentes da marcha de descontentes que se forma no país, encobrem todas um grave problema: apesar de vigorosa e contagiante, a escolha dos alvos das mobilizações populares recentes mostra que a massa crítica vanguardista brasileira dessa nova geração ainda está para descobrir que a democracia é um embuste do capital.

No sistema democrático de governo, os políticos operam como verdadeiros bodes expiatórios do capital nacional e internacional. Enquanto o povo toma o Congresso Nacional, o lucro Brasil foge num clique para os paraísos fiscais e para as economias desenvolvidas no exterior. Por quê? Acredite, não é por causa de nenhum dos três poderes que constituem o Estado democrático de direito no Brasil, tampouco é algo que se possa solucionar com a convocação de uma nova Assembleia Nacional Constituinte. Antes fosse: a mudança social seria menos custosa e as bandeiras de esquerda teriam outra cor. As causas das manifestações são estruturais, conforme tentei deixar claro no primeiro ato. Desconsiderar isso é a mesma coisa que servir de massa de manobra (i) das forças de oposição ao governo, ávidas por uma crise de governabilidade que lhes permita livrar-se do alinhamento circunstancial ao Partido dos Trabalhadores e retomar a vanguarda no seu papel histórico de defensoras dos interesses elitistas e (ii) da própria base governista centrista.

O brasileiro está com um ponto de interrogação estampado na testa pois fomos educados e adestrados para conceber qualquer solução política possível apenas dentro do maniqueísmo “ditadura vs. democracia”. Não importa o quanto mude a situação da sociedade brasileira: não importa que um terço da população passe a exigir seus direitos pela primeira vez na história; tampouco importa que os brasileiros tomem as ruas do país para protestar. Isso não é uma questão institucional; é uma questão cultural. Nada pode ser mais conveniente para o embuste democrático orquestrado pelos grupos de poder do que uma esquerda que, ao invés de propor uma agenda positiva de esquerda e a retomada de seu papel histórico, aceita como inimigo o fantasma capengo da ditadura, ressuscitado por uma imprensa calhorda, detentora do monopólio midiático espetacular.

A estratégia dos poderosos para confundir os movimentos de esquerda é complexa mas pode ser resumida nos seguintes passos. Primeiro, cooptar os movimentos sociais e convencer a população a não interagir com os verdadeiros partidos de esquerda nos quais surgiram as principais lideranças desses movimentos (vale lembrar que centro-esquerda não é esquerda). Segundo: o povo atônito engrossa a multidão de descontentes de forma anônima e apartidária. Terceiro, uma vez bloqueado o elo entre o povo e os partidos de esquerda, a população passa a acreditar que o único caminho para a mudança é o próprio fortalecimento das instituições que regem o espetáculo democrático.

Por outro lado, cabe à esquerda compreender que não há a mínima possibilidade de que tenhamos um retrocesso à ditadura militar no Brasil. E isso se deve não a uma ausência de vulnerabilidade popular ao discurso da moralidade propagado pela direita. Essa vulnerabilidade existe e é latente. Mas meus caros, o motivo é muito mais simples e concreto: a história nos mostra que lucra-se muito mais no regime democrático do que em qualquer regime ditatorial. Pense nas privatizações, no crescimento econômico e na inserção internacional do Brasil no período pós-redemocratização; pense no crescimento vertiginoso do PIB mundial e da concentração de renda per capita após o fim da Guerra Fria e a implementação da democracia liberal sobre três quintos da população mundial.

Aliás, nada mais sintomático do embuste democrático do que a união de todas as frentes do complexo democrático espetacular contra um suposto inimigo comum, o elo transitório e mais fraco da corrente, a classe política, testa de ferro das elites que a controla. Nada mais natural que personalidades famosas, vinculadas institucionalmente à política ou não, elejam esse alvo para os seus ataques de grande apelo popular. Copa do mundo, democracia espetacular, Estado democrático de direito: nada disso está ameaçado. Meus caros, essas manobras apenas representam o modo como o espetáculo democrático renova-se para sustentar-se a si mesmo e não chegar a lugar algum.

Vivemos um momento crucial na história da esquerda, e não da direita brasileira. Não nos deixemos enganar pelos anônimos hollywoodianos mascarados nas ruas do país. O problema é que três décadas de democracia acabaram por domesticar a nossa esquerda. Cair na armadilha do fantasma do regime militar e acreditar que metade da nação está flertando com a ditadura é uma falha de uma esquerda carente de projeto substantivo e que parece desconhecer seu papel histórico. Ultimamente o descrédito tem atingido até mesmo a parcela da mídia que até ontem se dizia de esquerda. A reorganização dos movimentos de esquerda brasileiros não se dará através do discurso alarmista do retorno ao Estado ditatorial; discurso esse, aliás, propagado a partir da própria base governista. Muito pelo contrário; esse é um mito oportunista que deve ser imediatamente derrubado. A esquerda tem que se desvencilhar do alarmismo que os grandes grupos de poder pretendem conferir às manifestações.

Acreditar que testemunhamos o retorno do fascismo, comparar as manifestações recentes aos movimentos que precederam ao golpe militar de 1964, dentre outras peripécias mirabolantes ainda mais anacrônicas, ingênuas e simplórias apenas contribui para enriquecer o universo especulativo que renova e perpetua o embuste democrático espetacular a cada ameaça que lhe surge no transcorrer da história.

Confesso que quando comecei a escrever, minha intenção era dar apenas um puxão de orelha na esquerda brasileira. Mas pelo tanto que escrevi até aqui, seria eufemismo chamar uma mijada dessas de um puxãozinho de orelha. Isso está mais para uma tunda de laço, igual àquelas que a gente leva quando é piá e deixa de fazer a lição de casa para ir jogar bola. De qualquer forma, mantive o título original.

Sendo assim, espero que pelo menos a orelha tenha ficado bem vermelha.

Quarto Ato: derrubar o mito da democracia.

Construir um sistema político que transcenda a democracia é o papel que a história reserva para a esquerda no século XXI. No Brasil, o arcaísmo de nossas instituições políticas, e aqui incluem-se inclusive os partidos majoritários, não suportou a pressão das políticas de inclusão social recentes. E não poderia ter sido diferente. A história é rica o suficiente para mostrar-nos que quando o povo começa a exigir seus direitos historicamente reprimidos, não há Estado democrático de direito que dê conta do recado. Por isso está todo mundo com o rabo preso: os partidos, porque começaram a perceber a necessidade de reestruturação de suas bases para conseguir liderar uma juventude que se assume apartidária; os grupos de poder, mais ainda, porque sabem que aquilo que lhes é mais caro e sagrado, baluarte de seu papel histórico segregacionista, as instituições políticas, não conseguem conter as pressões populares sem mostrar o seu lado repressor. Estão todos perdidos feito bestas, e disparam para todos os lados. Bravejam chavões às cegas, como as balas de borracha e os rojões de gás com os quais a polícia nos presenteia nas manifestações. Mais do que isso: recentemente, os congressistas começaram a aprovar propostas de emenda constitucional com a mesma velocidade com que costumam trocar de partido.

Se por um lado isso é bom, por outro, para se transformar o quadro econômico e político brasileiro, não há que se mudar os atores do espetáculo; mas sim, o seu roteiro. E só se muda o roteiro mudando o roteirista. A última vez que o Brasil fez isso foi quando mesmo? Nas diretas já? No fora Collor? Não. Obviamente, seria tolice ignorar a importância histórica de todos os movimentos que construíram a democracia no Brasil, gerando direitos políticos elementares para todos os brasileiros. Mas quanto aos direitos econômicos e sociais? Houve alguma mudança efetiva? Não. E o motivo é muito simples: não se mudou o roteirista do embuste democrático que impera no Brasil em nenhuma dessas ocasiões. Enquanto a classe política continuar pagando o pato sozinha, continuaremos sendo meros fantoches do capital privado e financeiro, nacional e transnacional. A urbe ainda não sabe em verdade porque marcha. Espero que descubra logo. Enquanto isso, marcharemos em círculos.

O fortalecimento da bancada evangélica e a aprovação recente da tragicômica “cura gay” é um exemplo do recrudescimento dos grupos que controlam a política brasileira. A legitimidade e o repentino protagonismo da bancada evangélica explicam-se não apenas pelas alianças políticas típicas de nosso presidencialismo de coalizão, mas também pelo crescimento da comunidade evangélica no Brasil, reflexo da falta de apelo social da anacrônica igreja católica – se é que existe religião ou instituição religiosa que não seja anacrônica –, outrora grande aliada do governo e do capital privado nacional – basta lembrarmos do papel social que essa instituição desempenhou e desempenha em nossa história até os tempos presentes. Enganam-se os religiosos que pensam que a igreja é uma instituição que está do lado do povo. Em verdade, está do lado do capital e do poder, como sempre esteve na história mundial. Por favor, não sejamos hipócritas: ninguém consegue trabalhar 44 horas por semana durante um mês, recebendo em troca disso apenas um salário mínimo, se não receber também, em letras garrafais no final do contracheque, a promessa de algo melhor lhe esperando no reino dos céus. Mesmo que isso lhe custe metade do contracheque; não importa. Poucos fatores são mais enriquecedores para o embuste democrático do que o consumo de massa e o transcendentalismo religioso.

Pois bem, você a essa altura deve estar se perguntando: “então quer dizer que eu li tudo isso para o cara me dizer que devemos superar a democracia, o que vai levar um tempão para acontecer e que, portanto, as manifestações são apenas um sintoma de um processo histórico que levará um século para surtir o efeito desejado pelo povo? E até lá, o que podemos fazer?”. Meus amigos e amigas, o importante é compreendermos desde já que algo além da democracia representativa começa a engatinhar pelas ruas brasileiras. Ainda não tem rosto definido, tampouco sabe falar. Porém, a verdade é que o Brasil é talvez o único país do mundo que apresenta os requisitos para a construção de algo além da democracia representativa liberal. Primeiro: um alto nível de desenvolvimento das instituições democráticas (dentro das limitações estruturais abordadas no primeiro ato), de modo que a população não permitiria o ressurgimento de regime ditatorial de qualquer ordem. Segundo: um grande contingente social que ainda não atingiu o status de classe média e que começa a desconfiar que não o atingirá dentro dos limites institucionais corporificados pelo embuste democrático espetacular, nem pela centro-esquerda e muito menos com o retorno da direita ao poder. Terceiro: o historicamente malfadado simulacro de instituições políticas ditas democráticas copiadas de sociedades com alto nível de industrialização está sendo suficiente para mostrar que tais instituições apenas perpetuam a condição subordinada de grande parte do povo brasileiro. Quarto: um Estado que, até mesmo por causa de sua inserção internacional subordinada no sistema ocidental de nações, ostenta na esfera internacional um histórico de pacifismo e não-intervenção e que, por isso, não toleraria ser alvo de intervencionismo externo. Vale observar que esses quatro fatores diferenciam as manifestações brasileiras dos movimentos que eclodiram na chamada Primavera Árabe.

Por tudo isso, acredito que a conjuntura atual é favorável à revitalização da esquerda brasileira. Você conhece o significado da palavra “momentum”? Este é um conceito da física que designa o impulso gerado pelo movimento de um corpo; impulso esse que deve ser imediatamente aproveitado enquanto o corpo ainda está em movimento, antes que sua energia seja dissipada. Esse conceito pode ser aplicado à conjuntura política brasileira. A conjunção de fatores apresentada acima é mais do que motivo para que a sociedade civil brasileira canalize o momentum gerado pelas manifestações para uma reforma política e econômica de verdade no país.

Por fim, é óbvio que as manifestações são ideológicas e devem ser partidárias. Não poderiam deixar de ser. O pragmatismo da classe política em defesa dos interesses econômicos do mercado também é uma escolha ideológica e partidária. A falta de investimentos produtivos em ciência, tecnologia e inovação por parte da iniciativa privada brasileira é uma postura ideológica. Soldados da cavalaria da brigada militar acossando manifestantes com baionetas em riste também estão repletos de ideologia. A cegueira de uma civilização guiada pela obsessão inconsciente à forma em detrimento do conteúdo e à materialidade em detrimento da subjetividade também é resultado de uma ideologia dominante. Não existe defesa desinteressada de causas.

O problema do Brasil é que a democracia viciou o povo a confiar nas instituições políticas e a exprimir suas insatisfações de maneira pacífica. Aos brasileiros que se sentiram inseguros devido ao furor das manifestações recentes e à mídia reacionária que muito oportunamente aproveita-se do ímpeto das manifestações para fomentar de forma magistral o espírito de vigilância mútua na sociedade civil brasileira, utilizando para isso a classe média como massa de manobra, vale lembrar-lhes: o conflito é a morfologia do espaço urbano em uma sociedade desigual. O verdadeiro vandalismo está na expropriação diária e silenciosa da existência, do tempo e do trabalho. Aos manifestantes e à esquerda, vale lembrar também: ignorar isso é um vandalismo contra as próprias causas que vocês pensam que defendem com propriedade. Não é com bandeira nem hino nem prédios incólumes que se constrói uma sociedade livre e justa. O simbolismo estético é apenas o reflexo das cabeças ocas e dos bolsos cheios que o contemplam e enaltecem, retrato fidedigno da incipiência cognitiva que assola grande parte da humanidade ainda nos tempos de hoje.

Aos teóricos como eu, por favor não me venham usar teoria das redes para explicar os movimentos atuais porque esse é apenas mais um truque do embuste econômico-democrático-midiático que vivemos. Conforme tentei explicar na primeira parte, as manifestações exprimem as limitações estruturais de um sistema social que de novo não tem nada. A única novidade é que, descobrindo que a rua é mais complexa do que as redes sociais digitais, mais uma geração de brasileiros está saindo do berço esplêndido. Ao contrário do que possa parecer, há tempos o povo brasileiro não vivia em um Brasil tão seguro quanto o das últimas semanas. A sociedade brasileira deve descobrir que é chegada a hora de acelerar a história, e isso somente será possível com o reconhecimento de que o motivo pelo qual estamos indo às ruas transcende em muito as demandas temáticas escritas nos cartazes que seguramos em riste. E como cada um constrói a sua utopia de acordo com o tamanho da sua vontade de mudar o mundo: não seria a descoberta de que a democracia é um embuste do capital a contribuição do povo brasileiro para a orquestra das civilizações?

*Hânder Leal é mestrando em Ciência Política da UFRGS. Contato: [email protected]

Recomendados para você

Comentários

  1. Claudio Postado em 10/Jul/2013 às 16:22

    Cara, gostei do seu texto e tb acho que o buraco é mais embaixo. A classe política é só o boneco que tá levando porrada, mas a galera tá achando que o problema vem deles, infelizmente. A reforma política seria uma maneira de mitigar um pouco a força do capital dentro do sistema eleitoral, mas parece que essa coisa não vai para frente de jeito nenhum, pelo menos não de dentro do governo. De qualquer maneira, eu acredito que seja possível uma democracia direta, como um pessoal tentou (ou está tentando) fazer viável na Espanha. Tá em demo4punto0.net

  2. Daniel Postado em 10/Jul/2013 às 21:54

    Gostei do texto e concordo com os argumentos. Apenas contribuo com a informação que já existem pessoas no mundo pensando da mesma forma e a dicotomia entre democracia e ditadura (ou comunismo arcaico) vem sendo ultrapassada por pesquisadores como Eric X. Li

  3. Luís Postado em 10/Jul/2013 às 23:01

    95% de todas as democracias do mundo admitem candidaturas avulsas. A reforma política deveria passar por esta questão para recuperar um pouco da representatividade. Vejam a matéria na revista do Senado de 2009: http://www.senado.gov.br/noticias/jornal/arquivos_jornal/arquivosPdf/090615.pdf

  4. Ricardo Salvador Postado em 11/Jul/2013 às 07:46

    Gostaria apenas que fosse apontada uma alternativa. Não sou catedrático, não consigo ver alternativa sem ditadura de esquerda. Qualquer movimento tentado será desarmado e orientado contra os insurgentes. MR-8? Socialismo já? Qual a alternativa? Temos que ser mais propositivos e menos genéricos, algo factível e a curto prazo, senão ficaremos eternamente deitados em berço explêndido.

  5. Cristiane Magalhães Postado em 12/Jul/2013 às 11:32

    De tudo que li e ouví sobre as manifestações e os acontecimentos políticos recentes no Brasil, seu texto é o que de fato faz sentido para mim. No mais me parece o mesmo bla blá blá. Eu que não sou da area econômica ou política, mas aprendí com a psicanálise que o sintoma é um grito de um mal muito maior....que se arrasta por anos, no caso do país por décadas. Não podemos confundir os sintomas do mal da nossa cultura com a verdadeira doença, esta sim muuuuito difícil de ser extirpada.O mal está em nós, na forma que levamos nossas vidas e reproduzimos a política neoliberal. E neste momento fecundo, me questiono: porque será que justamente agora querem desinvestir na política de saúde mental? Tentaram retirar dos Psicólogos, através do ato médico, vetado ontem, o poder de diasgnosticar as doenças mentais. A política pública através do Sus não investe em profissionais de saude mental. Basta ver que a menina dos olhos do governo o Programa de Saúde da Família, não prevê a contratação de psicólogos nem psiquiatras. Enquanto isso os índeces de doenças tais como depressões, pânico etc aumenta vertiginosamente. Os ambulatórios estão sendo esvaziados, tratamneto psicoterápico para pobres?!! Isso é coisa para quem pode pagar. Que se matem! Que enlouqueçam, que se droguem ! Menos gente para questionar.... Me emocionei com seu texto, fico aqui pensando o quanto a psicanálise pode fazer pela subjetivação e politização dos sujeitos para que eles deixem de serem " essas cabeças ocas reflexo da incipiência cognitiva que assola grande parte da humanidade ainda nos tempos de hoje." Todos os dias me pergunto o que ainda posso fazer dentro do SUS? Terei que pedir exoneração para ajuda-lo? Minha profissão não é desejada dentro deste sistema!

  6. Gustavo Teles Postado em 19/Jul/2013 às 23:02

    Você faz uma excelente análise da pseudo democracia em que vivemos. Na verdade, a pior ditadura é a ditadura disfarçada de democracia e essa é justamente a que estamos inseridos. Também concordo que o poder soberano e que controla todos os outros poderes é o poder financeiro, não o poder político, jurídico, militar, entre outros. A mídia acerta em condenar a corrupção política, mas se faz de desentendida e ignora a corrupção na iniciativa privada. Hoje, o sistema que estamos inseridos pode ser entendido como um sistema de transferência de bolsas públicas para bolsos privados, em que os políticos, marionetes das grandes empresas e dos grandes empresários, recolhe os impostos dos trabalhadores e repassam para as empresas em forma de isenções fiscais, financiamentos com juros baixos, desvios de verbas, fraudes em licitações e corrupção. Você só comete um erro, mas que se estende por todo o seu texto e acaba entrando até em contradição ao criticar o maniqueísmo entre democracia e ditadura, mas cria um maniqueísmo entre direita e esquerda. A verdade é que anacrônica mesmo é essa discussão entre direita e esquerda. O mundo e a humanidade não se resumem a esquerda ou direita, que não demonstram resultados práticos para o povo. A diferença se resume quem será o opressor e o oprimido, a elite e o explorado. Se o homem é corrompível, tanto governos de esquerda como de direita são falhos.

  7. Gustavo Teles Postado em 19/Jul/2013 às 23:22

    Na democracia direta, não existe partidos, não tem como existir. Isso é uma tremenda contradição Cada cidadão exerceria o seu direito de participar ativamente da política e das decisões de forma direta, sem representantes. Por favor, não defenda a esquerda, nem a existência de partidos como necessárias, pois não são. São necessárias apenas para manter o sistema falho que está aí hoje. Os indivíduos, os seres humanos são muito mais plurais que os partidos. Estranho seria se todos pensassem iguais.

  8. Marcos Postado em 01/Aug/2013 às 20:28

    "Construir um sistema político que transcenda a democracia é o papel que a história reserva para a esquerda no século XXI." Bla bla bla de esquerda obviamente, sinto muito informar ao esquerdóido doutrinado que repete cartilha de esquerda que se considera um professor de qualquer coisa que a direita existe, é só questão de tempo pra voltarmos a ativa.