Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Geral 26/Jul/2013 às 16:07
9
Comentários

A morte do último cangaceiro de Lampião

A morte de Candeeiro, o último cangaceiro de Lampião

Morreu na última quarta-feira o último cangaceiro do bando de Lampião, Manoel Dantas Loiola, de 97 anos, mais conhecido como Candeeiro. Ele faleceu na madrugada de hoje no Hospital Memorial de Arcoverde onde estava internado desde a semana passada, após sofrer um derrame.

cadeeiro cangaceiro lampião

Candeeiro, último cangaceiro do bando de Lampião

Pernambucano de Buíque (a 258 quilômetros do Recife), Manoel ingressou no bando de Lampião em 1937, mas afirmava que foi por acidente. Trabalhava em uma fazenda em Alagoas quando um grupo de homens ligados ao famoso bandido chegou ao local. Pouco tempo depois, a propriedade ficou cercada por uma volante e ele preferiu seguir com os bandidos para não ser morto.

No final da vida, atuava como comerciante aposentado na vila São Domingos, distrito de sua cidade natal. Atendia pelo nome de batismo, Manoel Dantas Loyola, ou por outro apelido: seu Né. No primeiro combate com os “macacos”, quando era chamado de Candeeiro, foi ferido na coxa. O buraco de bala foi fechado com farinha peneirada e pimenta.

Teve o primeiro encontro com o chefe na beira do Rio São Francisco, no lado sergipano. “Lampião não gostava de estar no meio dos cangaceiros, ficava isolado. E ele já sabia que estava baleado. Quandosoube que eu era de Buíque, comentou, em entrevista concedida ao Diario em 2008: ‘sua cidade me deu um homem valente, Jararaca'”.

Leia também

andeeiro dizia que, nos quase dois anos que ficou no bando, tinha a função de entregar as cartas escritas por Lampião exigindo dinheiro de grandes fazendeiros e comerciantes. Sempre retornava com o pedido atendido. Ele destaou que teve acesso direto ao chefe, chegando a despertar ciúme de Maria Bonita. Em Angicos, comentou que o local não era seguro. Lampião, segundo ele, reuniria os grupos para comunicar que deixaria o cangaço. Estava cansado e preocupado com o fato de que as volantes se deslocavam mais rápido, por causa das estradas, e tinham armamento pesado.

No dia do ataque, já estava acordado e se preparava para urinar quando começou o tiroteio. “Desci atirando, foi bala como o diabo”. Mesmo ferido no braço direito, conseguiu escapar do cerco. Dias depois, com a promessa de ser não ser morto, entregou-se em Jeremoabo, na Bahia, com o braço na tipóia. Com ele, mais 16 cangaceiros. Cumprindo dois anos na prisão, o Candeeiro dava novamente lugar ao cidadão Manoel Dantas Loyola. Sobre a época do cangaço, costumava dizer que foi “história de sofrimento”.

Diário de Pernambuco

Recomendados para você

Comentários

  1. renato Postado em 26/Jul/2013 às 16:46

    Se deve vai acertar as contas.

  2. Milton Postado em 26/Jul/2013 às 18:42

    Bem! na visão lampião nunca foi bandido, pelo contrario deveria ser exaltado como herói brasileiro, ao lado de tantos outros como exemplo Antonio conselheiro e Tiradentes. Ao contrario de muitos preferiu morrer lutando pela melhoria do que se ajoelhar aos pés de um coronel. Afinal grandes homens sempre pensaram assim "Prefiro morrer de pé que viver sempre ajoelhado." Che Gevarra.

  3. Marcelo Leme Postado em 26/Jul/2013 às 18:55

    História fantástica essa do cangaço! Quem gosta de história do Brasil, adoraria ler os incontáveis livros sobre o Bando de Virgulino Ferreira e os cangaceiros. De um jeito ou de outro, no caminho certo ou errado, todos damos nossa contribuição para a evolução, seja ela para o certo ou para o não certo. Afinal, o que seria dos heróis sem os "bandidos" ou do claro, sem o escuro!??! No minimo sem graça!

  4. Marcos Postado em 26/Jul/2013 às 22:56

    Morreu tarde, literalmente.

  5. Matheus Postado em 27/Jul/2013 às 00:43

    Admiro e sigo o Pragmatismo Político, mas o erro foi tremendo ao usar o termo bandido pra definir cangaceiro. Em primeiro lugar, devem, antes de tudo, entender o contexto sobre o qual vivia o povo nordestino antes de fazer tal afirmação. É pouco conhecido no Brasil, mas nas pequenas cidades do sertão nordestino havia opressão que por se só justificava o modelo de revolta criado pelo cangaceiros. Segundo, por que a mídia da época, que tinha muito menos abertura (se é que é possível) do que a mídia de hoje para a verdade sobre eles viesse à tona. Um blog que demonstra ser de esquerda não pode se submeter ao engano comum de que tudo feito a margem da lei é banditismo.

  6. SOL Postado em 27/Jul/2013 às 13:02

    Tudo que se deseja ao próximo, bem ou mal retorna-nos com a mesma ou maior intencidade....pense antes de despejar as palavras, palavras jogadas ao vento vem e vão...

  7. Deusarino de Melo Postado em 27/Jul/2013 às 14:17

    Eu parabenizei você na sua Linha de Tempo. Não sei se foi tegistado, mas confirmo aqui. PARABÉNS! Deusarino de Melo

  8. Elias Postado em 30/Jul/2013 às 18:44

    mesmo falando literalmente, não devemos dizer: morreu tarde! nem mesmo: cedo.

  9. GLAUCO Postado em 22/Aug/2013 às 21:17

    ESTE HOMEM ERA O ULTIMO CANGACEIRO IMAGINEM AS HISTORIA QUE MORRERAM COM ELE....