Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Mundo 05/Jul/2013 às 10:53
4
Comentários

A covardia contra Evo Morales

A covardia contra Evo Morales. Por Washington, europeus colocam em risco vida de presidente boliviano

Os europeus são incorrigíveis. Para não ficar mal com o império norteamericano são capazes de violar todos os princípios que defendem nos fóruns internacionais. O presidente boliviano Evo Morales foi o último a experimentar as consequências dessa política de palavras solidárias e gestos mesquinhos.

Um rumor infundado sobre a presença no avião presidencial boliviano do ex-membro da Agência Nacional de Segurança (NSA) norteamericana, o estadunidense Edward Snowden, conduziu a um sério incidente diplomático aeronáutico entre Bolívia, França, Portugal e Espanha.

Voltando de Moscou, onde havia participado da segunda cúpula de países exportadores de gás, realizada na capital russa, Morales se viu forçado a aterrissar no aeroporto de Viena depois que França, Portugal e Espanha negaram permissão para que seu avião fizesse uma escala técnica ou sobrevoasse seus espaços aéreos.

Os “amigos” do governo norteamericano avisaram os europeus que Morales trazia no avião Edward Snowden, o homem que revelou como Washington, por meio de vários sistemas sofisticados e ilegais, espionava as conversações telefônicas e as mensagens de internet da maioria do planeta, inclusive da ONU e da União Europeia.

O certo é que Edward Snowden não estava no avião de Evo Morales. No entanto, ante a negativa dos países citados em autorizar o sobrevoo do avião presidencial, Morales fez uma escala forçada na Áustria. As capitais europeias coordenaram muito bem suas ações conjuntas para cortar a rota de Evo Morales.

Surpreende a eficácia e a rapidez com que atuaram, tão diferente das demoradas medidas que tomam quando se trata de perseguir mafiosos, traficantes de ouro, financistas corruptos ou ladrões do sistema financeiro internacional.

Segundo a informação da chancelaria boliviana, o avião havia obtido a permissão da Espanha para fazer uma escala técnica nas Ilhas Canárias. Essa autorização também foi cancelada e, finalmente, o avião teve que aterrissar no aeroporto de Viena.

evo morales avião bolívia

Evo Morales é recebido com festa pela população da Bolívia (Foto: AFP)

Segundo declarou em La Paz o chanceler boliviano David Choquehuanca, “colocou-se em risco a vida do presidente que estava em pleno voo”. “Quando faltava menos de uma hora para o avião ingressar no território francês nos comunicam que tinha sido cancelada a autorização de sobrevoo”.

O ministro pediu uma explicação tanto da França quanto de Portugal, país que tomou a mesma decisão que a França.

“Queremos nos amedrontar. É uma discriminação contra o presidente”, disse Choquehuanca.

Em complemento a esta informação, o portal de Wikileaks também acusou a Itália de não permitir a aterrisagem do avião presidencial boliviano.

Em Paris, o conselheiro permanente dos serviços do primeiro-ministro Jean-Marc Ayrault disse que não tinha nenhuma informação sobre esse assunto. Por sua vez, a chancelaria francesa disse que não estava em condições de comentar ocaso.

Leia também

Bocas fechadas, mas atos concretos.

Ao que parece, todo esse enredo se armou em torno da presença de Snowden no aeroporto de Moscou. Alguém fez circular a informação de que Snowden estava no aeroporto da capital russa com a intenção de subir no avião de um dos países latino-americanos dispostos a lhe oferecer asilo político. Snowden é procurado por Washington depois de revelar a maneira pela qual o império filtrava as conversações no mundo.

O chanceler boliviano qualificou como uma “injustiça” baseada em “suspeitas infundadas sobre o manejo de informação mal intencionada” o cancelamento das permissões de voo para o avião de Evo Morales.

“Não sabemos quem inventou essa soberana mentira; querem prejudicar nosso país”, disse Choquehuanca.

“Não podemos mentir à comunidade internacional e não podemos levar passageiros fantasmas”, advertiu o responsável pela diplomacia boliviana.

Em La Paz, as autoridades adiantaram que não receberam nenhum pedido de asilo por parte de Edward Snowden.

Evo Morales havia evocado a possibilidade de conceder asilo a Snowden, mas só isso. O mesmo ocorreu com outra vítima da informação e da perseguição norteamericana, o fundador do Wikileaks, Julian Assange.

O mundo ficou pequeno para Edward Snowden. 

Assange está refugiado na embaixada do Equador em Londres e Snowden encontra-se há dez dias na zona de trânsito do aeroporto de Sheremétievo, em Moscou. Segundo Dmitri Peskov, o secretário de imprensa do presidente Vladimir Putin, o norteamericano havia solicitado asilo a Rússia, mas depois “renunciou a suas intenções e a sua solicitação”.

Peskov esclareceu, porém, que o governo russo não entregaria o fugitivo para a administração norte-americana: “o próprio Snowden por sincera convicção ou qualquer outra causa se considera um defensor dos direitos humanos, um lutador pelos ideais da democracia e da liberdade pessoal. Isso é reconhecido pelos ativistas e organizações de direitos humanos da Rússia e também por seus colegas de outros países. Por isso é impossível a entrega de Snowden por parte de quem quer que seja a um país como os EUA, onde se aplica a pena de morte.

Quando se referiu ao caso de Snowden em Moscou, Evo Morales assinalou que “o império estadunidense conspira contra nós de forma permanente e quando alguém desmascara os espiões, devemos nos organizar e nos preparar melhor para rechaçar qualquer agressão política, militar ou cultural”.

Os europeus, os campeões da defesa da democracia, do Estado de Direito e da liberdade, demonstraram que suas relações com a Casa Branca estão acima de tudo e que podem pisotear os direitos de um avião presidencial caso isso seja preciso para que o grande império não se incomode com eles.

Eduardo Febbro, Carta Maior. Tradução: Marco Aurélio Weissheimer

Recomendados para você

Comentários

  1. Darwin Ferraretto Postado em 05/Jul/2013 às 11:03

    http://www.avaaz.org/po/petition/Tornar_a_sonegacao_de_impostos_crime_hediondo/?cLQpFab

  2. Dinio Postado em 05/Jul/2013 às 12:26

    Darwin concordo contigo e já assinei a petição para tornar no Brasil - A SONEGAÇÃO CRIME HEDIONDO ! N O Ç Ã O D E N A Ç Ã O Mas é repugnante ver governos de nações Européias, cairem de quatro ante as ordens dos Estados Unidos, através do Chefe Maior da Indústria Armamentista, Mr. Obama - prêmio nobel da paz- imaginem se fosse da guerra, faltaria ouro para confeccionar o troféu. Quanto a nós Latinos - Brasileiros, é na consciência do poder de consumidor que devemos responder. É não consumindo produtos produzidos por empresas destes países, que podemos exigir respeito e tratamento igualitário. Quando o mercado deles está "cagado" eles correm para alavancar vendas nos países descriminados de "periféricos". Dou exemplo que salta aos olhos: Na UE e USA caiu o consumo dos veículos ditos SUV - verdadeiros tanques de guerra nas ruas- porque eles perceberam o desperdício que são estes veículos. Aqui no Brasil virou moda (de troucha) se exibir nestes tanques, atrolhando mais o nosso trânsito que já é caótico. É comum vermos uma magrela de 50 kg sozinha conduzindo um veículo de mais de uma tonelada (conciência é bom pros outros) e duvida seus filhos estão na passeata junto ao mpl, reinvindicando melhorias no transporte coletivo e subsídios do Estado. Noção de Nação é o que precisamos !