Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Desenvolvimento Brasileiro 29/Jun/2013 às 19:06
9
Comentários

Protestos não são feitos pelos mais pobres, diz Ipea

Ipea: Protestos não estão sendo feitos pelos mais pobres

O presidente do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), Marcelo Neri, apresentou nesta quinta-feira dados sobre a redução da desigualdade e aumento da renda e afirmou que os protestos no país não estão sendo realizados pelos mais pobres, que foram os mais beneficiados por essas mudanças.

“Pessoas que estão no lado belga da ‘Belíndia’ talvez tenham razões para não estarem satisfeitas”, afirmou em entrevista coletiva no Rio.

protesto brasil classe média

Protestos também foram realizados nos estádios (Foto: Divulgação)

A expressão ‘Belíndia’, criada pelo economista Edmar Bacha, buscar definir as desigualdades do Brasil, que mistura a riqueza da Bélgica e a miséria da Índia.

Questionado sobre se são os mais ricos que estão nas ruas, respondeu: “Não diria os mais ricos, mas certamente não [são] os mais pobres.”

Neri disse que a renda dos 10% mais pobres no país cresceu 550% mais rápido do que a dos 10% mais ricos, e que a redução da desigualdade no Brasil reduziu de maneira “muito forte” nos últimos 12 anos.

“Talvez as pessoas que estejam mais no topo da distribuição, e que tiveram menores crescimentos de renda, olhem para o lado e falem: olha, quero ter crescimento mais alto.”

O presidente do Ipea também afirmou que as manifestações no país surgiram de uma forma diferente da que ocorrem em outros lugares do mundo, no que chamou de “uma receita brasileira”.

Normalmente protesto surge como aconteceu em Wall Street [referindo-se ao Occuppy Wall Street], que foi contra a desigualdade e o desemprego. O fato é que a desigualdade no Brasil está caindo e a economia encontra-se próxima ao pleno emprego. Então o protesto é de natureza diferente.”

Neri afirmou também que os brasileiros têm o maior índice de felicidade futura (projeção do que espera em cinco anos), segundo um levantamento feito em 160 países.

Para ele, uma alta expectativa em relação ao futuro pode trazer frustração.

Sobre o mercado de trabalho, afirmou que há sinais de gargalo.

Segundo ele, o aumento da renda atualmente tem ocorrido muito mais pelo aumento dos salários do que por causa da elevação da ocupação, o que ocorreria se houvesse mais pessoas entrando no mercado de trabalho.

“Isso pode ser um sinal de pleno emprego, que é um problema, mas é menos preocupante do que o desemprego.”

Agência Brasil

Recomendados para você

Comentários

  1. Eduardo Postado em 29/Jun/2013 às 23:41

    "Neri disse que a renda dos 10% mais pobres no país cresceu 550% mais rápido do que a dos 10% mais ricos, e que a redução da desigualdade no Brasil reduziu de maneira “muito forte” nos últimos 12 anos. "Tem muita gente que fica incomodada com a aproximação dos pobres, visto que como poderão bater no peito "sou rico" se não tiver mais pobres comendo seus restos. As manifestações são legitimas, mas quem tem calos nas mãos não tem tempo para ficar vagando como zumbis de cartazes nas mãos gritando palavras de ordem, e estes são sacrificados na hora de ir para casa descansar pelo transito interrompido, pelos confrontos entre manifestantes e policia, continuo afirmando tantos desejos não serão atendidos verdadeiramente, mesmo que mude tudo, a história já mostrou, mudou o regime e a coisa piorou, não será agora que será diferente, a partidiáção verdadeira e que dá resultado é a partidária e em partidos que as decisões são da base através do voto...caso contrário os caciques sempre serão os mesmos.

  2. Magali Postado em 30/Jun/2013 às 06:30

    Nunca ví nada tão lindo na vida (nem nas histórias do passado) como o que está acontecendo no Brasil, essas manifestações, sem líder, essa "receita brasileira" exclusivamente nossa, não foi copiada de nenhum país, simplesmente está acontecendo e os resultados estão sendo impressionantemente positivos. Eu sonhei mts coisas p o Brasil, mas não consegui sonhar uma coisa assim tão maravilhosa

  3. Marcos Postado em 30/Jun/2013 às 09:42

    como assim não foi copiado? dá pra ver os dedos sujos do Departamento de Estado e da CIA nesses protestos, nitidamente... estão tentando aqui a mesma receita que usaram no leste europeu, na Líbia, Turquia, Egito etc. nada de novo!

  4. Thiago Teixeira Postado em 30/Jun/2013 às 15:48

    Pelo menos não sou o único que percebeu que o protesto não é do povo, e sim da "Massa cheirosa da Eliane Cantanhede". Massa essa que está se corroendo de inveja com o sucesso das Copas das Confederações. E usam das artimanhas mais baixas para estragar a festa, do tipo: "Ahh, quero Hospital padrão FIFA". Querem Hospital padrão Fiffa mas ficam fazendo continha para ganhar mais restituição do IRPF, sonegam de tudo que é forma os impostos e querem que o Estado faça milagre. A mídia ama a massa cheirosa e todo aquele que comete excesso nos atos "pacíficos" são tachados de VÂNDALOS. Cada um tem a sua forma de protestar, como diz o Stedile do MST: Mobilização Social é Mobilização Social meu caro!

  5. Danilo Postado em 01/Jul/2013 às 12:51

    É o protesto daqueles que não tem "bolsa de qualquer coisa" para sobreviver. É o protesto daqueles que tem que pagar pela bolsa dos outros...

  6. luciana Postado em 01/Jul/2013 às 15:00

    Ué?! Cadê os reacionários? Foram descobertos? Ninguém vai falar nada contra? É que nem cantava o Cazuza: "enquanto houver burguesia não vai haver poesia".

  7. Carlos Postado em 01/Jul/2013 às 18:37

    A coisa mais contraditória que vejo é a quantidade de gente que reclama do maternalismo do estado quando este oferece bolsas e cotas aos mais desfavorecidos, mas saem para cobrar mais maternalismo ainda com investimentos em saúde e educação.

  8. Lourdes Amorim Postado em 02/Jul/2013 às 13:46

    O COMENTÁRIO DE DANILO TRADUZ TUDO QUE EU PENSO: É o protesto daqueles que não tem “bolsa de qualquer coisa” para sobreviver. É o protesto daqueles que tem que pagar pela bolsa dos outros…

  9. Wesley Postado em 18/Jul/2013 às 22:09

    Antes de mais nada as revoluções não são provenientes da miséria e sim da ascensão. Misérias consolidam ditaduras, por exemplo em Cuba, - quanto mais miserável o povo cubano, melhor para o ditador Castro. A ascensão gera a ganância por maiores salários, principalmente do setor público. Por exemplo, temos funcionários públicos que ganham mais de 10 mil reais por mês e querem aumento, apesar de ganharem muito mais do que o restante da população. Portanto, vocês não vão ver mendigos na rua exigindo melhorias de vida e sim funcionários públicos e estudantes universitários, pois são esses que estão mais em ascensão e que desejam um cargo (ou melhoria dele) na burocracia estatal.