Redação Pragmatismo
Compartilhar
Mídia desonesta 14/Jun/2013 às 15:57
14
Comentários

Folha e Estadão estimularam violência da PM e foram atendidos

De forma desonesta e irresponsável, Estadão e Folha incitaram a violência da PM em editoriais publicados antes do massacre de ontem. Ambos foram atendidos

violência PM São Paulo

Estadão e Folha incitaram a violência da PM em editorial (Foto: ABr)

Durante o quarto protesto por conta do aumento da tarifa de ônibus hoje em São Paulo, seis repórteres do grupo Folha foram alvejados à queima-roupa por um policial da Rota, na rua Augusta, em São Paulo. A bala era de borracha, mas os estilhaços feriram 6 profissionais. Dois deles, nos olhos. Essa foi apenas uma das dezenas de cenas de violência protagonizadas pela Polícia Militar do Estado de São Paulo nesta quinta-feira na capital paulista. As prisões, muitas com indícios de arbitrariedade, contam-se às dezenas.

Poucas horas antes, pela manhã, os dois maiores jornais do Estado chegavam às bancas e às casas dos assinantes com editoriais defendendo uma ação mais dura da PM. O Estadão incitou a violência dos policiais claramente. A Folha, por sua vez, colocou a desocupação da avenida Paulista como ponto de honra, desde o título. Ambos foram atendidos:

“Chegou a hora do basta”, O Estado de S. Paulo:

“A PM agiu com moderação, ao contrário do que disseram os manifestantes, que a acusaram de truculência para justificar os seus atos de vandalismo (…) A atitude excessivamente moderada do governador já cansava a população. Não importa se ele estava convencido de que a moderação era a atitude mais adequada, ou se, por cálculo político, evitou parecer truculento. O fato é que a população quer o fim da baderna – e isso depende do rigor das autoridades (…) De Paris, onde se encontra para defender a candidatura de São Paulo à sede da Exposição Universal de 2020, o governador disse que “é intolerável a ação de baderneiros e vândalos. Isso extrapola o direito de expressão. É absoluta violência, inaceitável”. Espera-se que ele passe dessas palavras aos atos e determine que a PM aja com o máximo rigor para conter a fúria dos manifestantes, antes que ela tome conta da cidade.”

Leia também

“Retomar a Paulista”, Folha de S. Paulo:

“É hora de pôr um ponto final nisso. Prefeitura e Polícia Militar precisam fazer valer as restrições já existentes para protestos na avenida Paulista (…) No que toca ao vandalismo, só há um meio de combatê-lo: a força da lei”.

Lino Bocchini, CartaCapital

Recomendados para você

Comentários

  1. Vander Postado em 14/Jun/2013 às 16:26

    Não vou entrar no merito de quem começou a violencia mesmo porque é dificil saber. O fato é que nada justifica a violencia. Os abusos de ambos devem ser devidamente apurados e punidos com o rigor da lei.

  2. Nina Postado em 14/Jun/2013 às 16:38

    ...inclusive os que esses jornais hoje estampam em suas capas, são oposto de ontem! Ontem era o policial ferido, hoje são os jornalistas, os manifestantes... que coisa, hein?!

  3. Walter Postado em 14/Jun/2013 às 17:07

    Colheu o que plantou.

  4. David de Andrade Postado em 14/Jun/2013 às 17:44

    E a violência que esses políticos fazem com a sociedade ? Os hospitais sem estruturas, a educação péssima qualidade, estradas esburacadas, a segurança cada vez pior. Isso sim é um ato de vandalismo.

  5. Marcelo Postado em 14/Jun/2013 às 21:43

    Não tem entrevista? Não tem artigo sobre o que passa? Não tem contraponto? Violência verbal. Como se pune isso com lei?

  6. Altair Ahad Postado em 15/Jun/2013 às 08:17

    Colheram o que plantaram!!!

  7. Hendrew Barreto Postado em 15/Jun/2013 às 09:56

    A própria "presidenta" participou de manifestações! Temos que lutar sim. Morrer se preciso for!

  8. Cacique Postado em 15/Jun/2013 às 12:25

    Agora quero ver se eles vão dizer que seus repórteres e fotógrafos são vândalos e baderneiros e receberam o rigor da lei. Que foram "moderadamente abordados", "moderadamente agredidos", "moderadamente atingidos por balas de borracha" ou vão ficar "moderadamente cegos de um olho". Pode botar uma boa parte da violência na conta desses jornais. Inclusive a que atingiu seus próprios funcionários.

  9. Selton Postado em 15/Jun/2013 às 17:42

    É incrível como esses corporativistas chamam protestos de baderna.Ambos não são sinônimos! Como um jornal,que vive da língua portuguesa não sabe disso? Hoje em dia,os meios de comunicação estão deturpados,pois não mais informam;fazem opinião.

  10. Eduardo Alves Postado em 16/Jun/2013 às 07:03

    Entre os dias 08 e 09 de Junho, houve a marcha da maconha na av. Paulista e não houve qualquer ato de violência registrado. Ninguém pichou ônibus (ou tentou incendia-los), não houve depredação de bancas de revistas. Não houve ato algum de violência. Isso mostra que não é necessário quebrar tudo numa passeata.

  11. Thiago Teixeira Postado em 17/Jun/2013 às 14:16

    É muito nojento saber que estes jornais são Tucanalhas extremamente explícitos e sem pudor algum.

  12. Osvaldo Aires Bade Comentários Bem Roubados na "Socialização" - Estou entre os 80 milhões Postado em 26/Jun/2013 às 22:24

    O QUE REALMENTE ESTÁ POR TRÁS DAS MANIFESTAÇÕES NO BRASIL? http://cinenegocioseimoveis.blogspot.com.br/2013/06/o-que-realmente-esta-por-tras-das.html